• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Front Matter
 Main
 Back Matter
 Back Cover
 Spine














Group Title: Boletim do Governo da Provincia de Mocambique
Title: Boletim do Governo da Provincia de Moçambique
ALL VOLUMES CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00095049/00001
 Material Information
Title: Boletim do Governo da Provincia de Moçambique
Physical Description: Serial
Language: Portuguese
Creator: Mozambique
Abraham, Donald ( former owner )
Donald Abraham Collection
Publisher: Na Imprensa Nacional
Place of Publication: Mozambique
Mozambique
Publication Date: 1854
Frequency: weekly
regular
 Subjects
Subject: Colonies -- Administration -- Periodicals -- Portugal   ( lcsh )
Colonies -- Periodicals -- Portugal -- Africa   ( lcsh )
Genre: federal government publication   ( marcgt )
periodical   ( marcgt )
Spatial Coverage: Mozambique
 Notes
General Note: Description based on: Anno 1854, no. 1; title from caption.
General Note: Rare Book Collection copy from the Donald Abraham Collection.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00095049
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 55954140
lccn - 2008229252
 Related Items
Succeeded by: Boletim oficial da Colónia de Moçambique

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover 1
        Front Cover 2
    Front Matter
        Front Matter
    Main
        Page 1
        Page 2
        Page 3
        Page 4
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
    Back Matter
        Page 97
        Page 98
    Back Cover
        Page 99
        Page 100
    Spine
        Page 101
Full Text
~~ls~ ~i~ ~C" sls~u -i ~ L~s Ir -rr i P i L a


111i~ ri 'I ii i I~ I C- r II-' I ri ,






"Ir'JL 1,
N 0

1I -.
UMMI,
ta fill na Se-tri oi t e UvIverno Gir rol. Fb ,il 1..'.:.. LII''~. r





D0O~ GOVERNO1D0A PROVINCIJ&DE, MOAMf11QU.




!ulreri~a 1 ii 11 dw; mielres invenIoq do cs'ii- e ri'ia 1 nvinitia o flc ri-11 EltrilornI de 30 de Sertem-
to Iiiiiinniii, Efla 1cm n'rcio F4 iUlli9 iinpu Lar>- .lro rio. $1i2rov.iseS do Deciretu de 1 'dij.
ers setbi9.o ao C1rnmvrcioi, n indliiklri', ib<.q iiUterpssic, .Inneriro le 9t,. q (11 1ee segueni)
u cIiisao d'Una grande parte dos pov.s dsn udni- ArL ..' estnd) tl"ninfa .!5abierir4 to, i *
rinn1esa I'-ni,.tin .Tributo de Detimn, Phi-a, p k.,. i *.
overicnrid d sgUr iimiIiilnido, O Gnii'~rfo de SUA Rk- durem r.mnlecer ts mwinres l nicrores COu.trbidieb ..
xkT3A1I Ordernou ilii sR inWtitus i ri~Ml ni1n1 uinm> e sidi'I'as, :r Crnfiirns Muivirni,.! compoqls, do prijjn 1
pO!4raphjiia. -- O Governo actual Se. IwiOngia de ser cqjwt's 1.- l,iinI4s. iianlerss, F.irpeuQ, e filhos du .
vi Al fim titldoro_ C* conniitinrAn a Em. (I di f
.lii poik roiibliudr-se r'o teilrmente um- i "v prr se- a a'r'o'ia as compcfentes pnra a forrnui do ~ei>i
TiiPum O loktini (jicial do Governo da I roi imrin de Seameiido. . 1'
i>dlllbiqiie. ~~~~. rr"o1: As Cnrhinlrar podei~ .o. 1m:r>iiliIflti
O Coveri rwiv.ierivao linrl dla folhk jiaa a pu- pIe.sons -1.1 11Ais niolavriiqi te de' maio ij i s t'
d!; % i! e s0,u ctn l qu"f deseja c.hetU'onii no alrans~e Distrii-. p-r.I a ;judar nodde.qlpcifio du trlrhnO
,lebo;"epe rll;lnn. 15 reflxPt.4 judic:io- do r P.imro V o

itoutu pai (e 9eiC r'eslifr"iu mod mml! e*s do CoM- nicip:It rlimeunrA em Iiodo R Prokbiria tih dia 30 d .-
i .o iipubl;cbCiOQ d'atigos de ,Coilvjnidilcd Fiu- Juinhro. l. iiii 0110 imnii.tdit t'o 1 IseJlA> ili' tbiP
Illkri',. Meh iYk'i,5 a t'iOaI1!yi~ia Psttu habilitadn IiarlJ rno por'i: 1; d cdif'mio don Ca:ia dar Cnni-~, ~ 1grej Pdl I
,jdi, Mir prlo qun quer oiutras oas que 9 coliven- i l, nde cr conervado fil de J1m111(, InM
-~ 1: :1.:? r.* ):s rec1aimdini ul aoi dedises 1,i5 di~tiipr41I1
Ii reiiii-so, na Cidlidb ile Moooimi o h pnla ~>Jui l l1
X 1 P iI)rcio. c IrMAisli (hstricinq\ do 11.oiliil, atoi i),
!'''-~ ~~~ ~ '' 4.' .;.l...io;CP6 >f' (>odao- Ii'?~i-i pireirtir ii ltllima in~ianr1o.n ..Iii
Ar'. i. 1linnci ii eStri rrovindin seC cS4tnLtkI
-Aii o]irflfri Mi IAlr- Pi Ml
UIIFkLAI~~, l)mrcto, oM !r olIi ilSrC O iri d inqiOra, ao.J

L. 1~oj'('timfldOI;~ (iel da 1'rimvi icin dc. MIni3btSlmt i, i;iiiii.. ~m Scni. cmi, 'Itrvlo', em Sof.llm, e 1 nhfitwLoZ
.,.eM 1, vi c? rrri n (Opi.iimtc!in a ilim iInhoipr Poribrio Circular do r1SI Minkte- Art. ';." A4 s4"nilln4 tiiiinu1n Cilo'
Lrii). suli., ) t.' 11 R, enin d o o d e Juineird ciido EIfcItnri;l: o de M'minibiquc, Qinilinimic Iii iiif; '
0 411in0 proxinilo posarlof sid 1 Vilojinn, e PeeetKo de 30) de 5teuibri d, i Ilo, cio!; uma utn Pornrem d'Actn C011 inf-1:4
'flra 'in IeiCOos de Dlepo(olols, e oi de l de J;inriro (ncumo''is de que ruIia 1 ellelo do De reto Eick~u *
,W18i~i Pelo qUfl Gto"-grh deu nIgbhia irbV~ide- orl 1, p
.lra 'ig1JlLir <:xcLiAiiu *slio P1;'[nLj' otoda k r ro%'hIcid, tio dia 6 dIAgo.,to do c'orrenio. hn.'
Ai uniredo aio qe lo;ra a cx1imd dti Deecrio de no. I c
dJ de Seemc1P11 ito i18B2, se oi.lt o ni illH M ii.is pnt" Ar'l. Ov t4.'t.' iml>nl p'In, iAi. c~auia, nnis eMIca, se torii:.iir iicressorius iiii0,nro n '~ 0 laiorli ti CnpItAl do cirulo 1Yih < .:i
>'" ''iAr~ rsoliitumcnmtc 1**iisiiiiititi l liren~~ .ii *.Pi;~ ~~ 1:
c'!a dos (ii.Qii iIog b C''i1v: ,1 iig c- lics. o 0-
l '.eu (111l-Oci3 boo. ci tToih'b1 11 WWider Ai!'. L.nio tu i (1ti1'tis 110'fiP 'i t
1ri l 1.0 i (u t)ecrelo ElleiIoral buvido o Coii- a4 o nlacnl o i .
dl oG do i-no'r,0, e coni o lvo imtiiiiihel 6do tremo: ciwu `,, i ., de Motimbiqruei 28 d'Abril d 1 : :.
lei., por curiWeuiete, detrimuioar. qu *ieC n c.ecuao 1 <,o*j rwdr .'r Carvalhwo e Merices. *

1.
...*, . . *r *. J'





-.4.


dGov'rnorlorrGet1 -dd Provinti de M;am-IqLIo, iloiderbdn i'rn Coikelho d'tIst OMfti'-i ihld-rW
'a egirt'maig OninIjos-o ,. convc.niwrmciAs do. srvit oc inaiq-I
INOpor IltQ1~1t-;gin i e. p~cis.l Uuco, uir-so a viUh dSenia ~i
i{O 'utbro de Mi8J. silocreodas Airandi"glIs*t-di- verno do Qu iflmane, e nGoverno die:TetiefrfA
NerSO4 portos d'mi I'r',incn, ealiirterolQ< ,d, on~ os fiihi(Les d04 jrbiiop-qe
direitos, quie dee n mero, Ir; u MAcI Rrghrio isCtI1Iidic
fal1dgft da i'rovilicia, flcntidb',a Ilrandvn de Mh.i'-rrilf<-feCrio nrTartdl ~ItrI
bmqu-ad COli e bld ci ffAlndt'g d ~drdpst tcrimim& o seguint :
dcic d e meidoz qibnm r e utcoi Oli.r I, (g Verliu. o Quilimumne, a u rjvi d qI1 fle iI-d 4I

~ tqusa o uvio deom .~. lhopd docI Gov(rnoca AI quo d i eFeridrt Vila de Sum'ni.. *
esLuvain c,t umad og liio tiis desde o romreo 4: acon-
ouvdoo o~eIn o ov~rn n cur:,ct;- i.~2 O0 -vrflo d floIN iv l
de' duoart. t6.o doDELcerto de,7 do Dcienibro il1-1 S.M.~, do de QlifiIninie eereeido eixr'dshV1
sso~ fl ti~ iII da Copilrl, 1i i un .1w i,,1lt1ho luir-tod, .~ 4 o~d t otw ('. c
iiiteresseg dan Promi,de, de SuA MAfs--w fo-efcnmrl orri o~ihdheMha-'~r
*riu d'oliliiio t faV~ ~olidnd5 1Pf ids arli, ri dVlodetIe sAuttI-~~ I1tIj>
-. cutnnncirs (Ia Provincid, ti aberturt (tos porros. r~aniemr detifi Prtnce.oko c,n ihU
tii~ u1h~ihi 1biqtjd, 2di, Moio de 18 514.- Ytel G Utide de w
a :dinini,Irtilrdit publirFI, i tm' is,, 1 aP.1 w;neici
liitk @rie..;av prMirtdd' Wd puP a hdoprao dP i 'dhi lMciee, ,
dl( .e.t.d P O3
AIO~I afn dcidQ en1 biiD do Cknsvlit. 1JPiGo- ert ~ de h d 1 JAe.1
.. '*. ? Ir.a

kf~h2,1o duni b.~~i'i~to (rni Ijro mtbiW d, d fl etre d' 1 i 1 1i d<)ulu11ro do a-do, lies, *l.~ U r Oii 1t-d~ I 4
l.. in i, t i p n rr plt.. Pi, o e r n o tfiff ih rifti,.'n t .n; en i]u i 1 d o 1 gn m~(lo~ rde'id
d~~-Qu .ii fiti ndi (Md oti irc4s rh -iti~, 'atihiuc', juo '0 ffi~
~i~ jJ'r ecril1dn (him' l is entehbdid;s lio inal& j0r,'I mriod 1add~ fi 4
t~~ tsv ,-~t~ id~i or cad qi.ic'eno C, det Hi4-Pi1rii'f 1

M o opeienc. . ili41 lio' vIJrm OlISM',iir4 s d, ruiu- a iiciovIhinCic : e Qi.Ido IiA MOtfil fc.hwi1
1U~ od Ievro I1Uidy~ter~ do~fl~, qi~n-que~ o- 4id ti Wbc>r[iiii dos IllIM'.M e itabhor4 olvai, 'rtO nine. npno d~gniodLiiri
4 a- aetf 1'JIfI4lPw 11r[iW-4; <
~~ ~ ~ ~ ~c:niwii(oW4 firb [ljij:I~itb de Gablo 2idQo qtj drfe1rI Ml1ne
Se ~IneI~li ii Aade~1' ue c,b~r il fitilo[r a deceneig dccr d.-d W~ti~ 4,lld


cp-[o do niuesinos diliIoIues percebwii diiijjj- roculdarl, concedida fieo rig ilqeoco d
Imi '1ao e exporiar.i, -04a Noo 'di Mosiu, fIoi,- coi (dcgi. 0 jira.u do -Ilhas de trlio [)elgndr., io Windo-M com' o jjrce' d Cohielho L1lRlKMft
4u0I se 11111. f i's 1insrie.)es e ~ dopois Ouvdo o ConielM'dO, Mini04,t,.Orijref
nais Gov--r'idOr 9ubo1(rno O Actoi ilIn&i; C.apittol il roFerid Protificil 46*be~ jM~ei
a1 da 1roviicia, assim 6 eiinhon <,ntendido e cunrir: alIf. rnente o s'gtiinter-- '11 1 prim`rtr, O,;brls
Pa 'fitdo do Governo de h1 de Mo iombque, 1., eMi Offrniaeg da P 'roiciiA d, lu m biqU[* :
deo 18 t,1. W ai .drM do Careflho, v Altnors, Puo triifi de deesCi5 d 1le2mnbi) dio MIi U t
e noi>enn4 e os g1,qLrwr1 doc, indo14W
*a~a-.... ~'..ou Coiinp.inli', set i5 biJda MII tflnidttkdf
4o~roorGer1aj d I Proid de IMOOiuan1ib vahd iut ~bi d( 1'6vei`idii d




& co d&~h~qui sflafro Gevrn de $oi-SbaRtifo ulo i~ biperdd~
InOne4 e 6 Ormno d11 Teue, ouctorindo em.- gi? ,o GvetiAdwr (1er"1L A r6ga 'P, nndt>O="-'
-~rmo@'m ConRe1ho hoee d'#renn*edi. de fotilgen A64 Offici.4 que.o visdo 6A9 ditos Iei'r1fiOi flir sIt d'seduoo i rW eIi1~~~nil rquuiiIf10111n~r
goveriuos Lavendo h1d Psaraei au.unejn~ig ecfo- rei Atropie
a- . : .. -* 1 a.-,, ,








,r* uaiitlJ sedo 'tgi1inifl derinitivnlinete. i -ora mnilitr Exonr.
* d brecdita Provineci; pela tarira uid .ti patl do Tl'ie. pile
f'"-,risefi DeciIO conLinualido a abo,nar-se-lihe o paid quencia
lii .tfdtinimeiitti, t quallqier outrt venrimnnio a que ,erniidr
'tetiii direilo, p. i el c irlnnll e segundo is brtdens alli em do Pedro
'igo-, -M Artio iittrbrth = Vica derrogbdn tnda a Le- Deeiiibr<
giiaoed eir conitraril. O Viscrido, d'Atluguia, Pur do Exnt.
Peino, MIlinistro e, St~retnri d'E.tMndo dos Negricios Sol;ila. i
Isirtnge'irosa e d5 tia Marniiili e cUilir ar, as;iin o Portain
linia iitedilido e faa execulta. PihO imn.vinte o ciii- a seguir
co dt Novembro demil; oiloc'itls cincoenta e res.- to Frrii
Jl( HrG PrNT.I= Y:Vistonde d'A loiguid a Esfi confor- Decreto (
iu$l Ad onio P~eLd de Cartalho. Ex.,ne
S. . ....- .-- ." Rios de,
7rifi, ria nqtte of 'H o Dreto d'tli da, pnrra-. lIlon:nr.
aftl.rv.tiifer rtgulai, doret dos soilddos. nit pr. ns da nachr :pi
ffr~dO dz Prodnric d#t fozmMq,,f'7,,, mLa*rflono seno l'nqpil!p
orgftilfar fjfiitivaimenlte aforra military da dita Irovin- poimn. r.
tK ." i I I i r 1 8 3 .
S PoIs-o *. l'ret dirio. Exor
figrto A,Indih: 'a ,> 2 ',t .i .<: r." 1 O Ia de S':u
S Sargent Quariel Mestre,.; i ; i ( 160 lo Auguc
:Titiuibr a Got lnta MaIN .. ;. ..,, 100 11 dn or
r e.Cabo de 'Tini',,s, d de< t oit A . 80 ,Coore
ornhelic'o ou l3rpigardt'ir'n, ilim la grati rino d'Ii
'tletI3ri critrr prinndnti e ao et, Lr[abll a l e Pinhn,"
P-iuleiir Sart~ntr.. .. . . . 4 100 sbstiliii
S. guild. Sntgento.... .i . . . Oliveir,,
. :i ridil. Si ; ., ; i... :,; : 70 xono
.... .. C . . ; o
-En8 ii ... i 1 q l

S. Se. lari.i dtt .do. Ils Ni gd.I, ;nrinha' e. i- 'l' i .
itiln l em Sl de Nhivebro de 1863- Viscoide td' Nn".-
m.' .' .C. 'i
A, l.r g ld . .i :, n, ,. i ie. ,.,t L ,aralho 4 *'0
.' 1 i. o t t .. .- ... ., , 6 .,
OnVeiVnabr1 Geral da Prnui-idr l k Moaiibique,
de ,'lr iini o eguinli- ' j l
1rr' lo viL dar a nilis promilfa cxdeliCi lti 2 de Nrdoieib bro de 185, Iraismitido a f eile a todJ
'Gov hvio pot Portiria do MinisteOrio rcspewli r, oni crel ria
'Juli de 2. d ,'li- ti -n! P r regiil, ai irifl por que ai O icines d'es-
ta I'irtainin dcvni tncer os sus Airldos, gratilica-
c3s, e fotrur1rns liPin como 0 pret i Itropii beguiilid
teirir a qu sli e rctrer o ort. 3." dn r(-feido IDprrelo' Iegisc d
lcy por conveniente, que o citndo Decreto de 25 ( <
-Novjembrl de 1'853, e a 1rira, rque faz pirte tio rmes-
nio. tenha inil'ori tigor, e execiiuio n'esta Provincin,
desde a pibhliicfio d esta Prtaori, cotin se ncha or- Rri;g
dendtio naquello Decreio-As Auctoridiires aquemn o Kinrron,
ionfltint'nto d'eslt periencer nassiin tihuni enidn- P0ala1
did: el c. pranl, Ptalcio do Governo Gernl de Mo- nes, o'm
Sinribiqueg S de f'aio de 1884.- Yasc Gu&ed4e de 8 pass
"utVel, lo 'i i'etiu . .. r . 1idiM :
:'' .. .- .'- Aly Uec


.Ud i4t@ Mrenh dl b*194 ,ies,
,.: a (l e'. : rt. r'.oib t 'rir l)hr l' : gnPr os,


1titi~ F A ronA AntA -1 l ,
'itlirc o dioea eguinte para que tnl i devida ti do I c
: d r a'l s
.' ;' '> '. ;">' '"\ : A U
. ,''' ,


rarlo IJ t Comrndinnl Interino da, Vill,d6. i '
r Portaria de 2 do coi-rerite hner, em.cn 't .:
dle hir iomar posse dquelle govertno, o G :.d : .
d'afluelle disiricto o Major Antonio Crdidl2 .
70 Gamittill nnmceado pelo becreto d. 6 de ;:
o de 18E 3.. ,i .* .., '"
rado o Governador interino do di trito di ..
) Cpita Joriquim Cdtlos de Andrid. ,pr' ,'
de 2 do corrente mmez, pnr se arhli' prrltiin6
o sein dcltino, o Govcrnodor d'aq(ielle distri- '-.
isco D)uslte d'Oliveira Rego, nomeado. peld ..
de 4 fle. Maro de 18t3. ,
rodo o Governndr Intleriilo d Quiiiliiinti4 fh l.l i
Seninn, o.2. Tenente da Armaila Jeronimo .
por Portatia de 8 do corrente niz, pt. h
:i'no o seguir o Su ildstino, o Governi'dor
districto, o Coronel Joiquihi d'Ate.vcd Al- .,
'mendo pelo Derreto de 2iU dl Novembro dd
I- ".. ..;/ ',' ,.,'/ i
radlo o Cnmmindnnlr Militar Intetri d ,
Ina, e Imeado pard o Ei;sliui b lni Tbn i- '
(o d'Arnujo Si:ord i or P'olltir1 dldUll d:-'
rr'cnl e meri. : '"
lida a licend, qie ( rthi bti Yt~rw dti Ylrlt .'k, ir
lininhlaii Pedro Vuale n da Costa Lniretir0,' .;
panri vir a esta Cali e, e notPedo.p(i-d b ;>i~,;.,i
So Majnr d'ArrilIhiria..Joi:nilio Henriqunbt d.' i '
porPorlaoia dntadd d'hontelin ' '.
rado o CiturgifnI da 2. Claske Jouqiti F..' i
Ino, dio itrgo d i rmc; tgilrJi ro Bniodlli t dtl ..'' 1'
d'e4ti CAbill,' e riritMeadd. pail' 6 subliiff'$ ,;'
dii iUmth ClIoSO. em Gommlnissio Bwutli! Tt'l4.t .' ,'.'i t i
I'. .- ... -" "*'T i .1 ; '"
ido inmnanrndt'e dR Fora p e dlicilThdJflj, .",' ''
mnarlihr para Teti, o Cgipitft Gt rt gdlI '. ,
,cllno. '.
olinu 'ds t .. ,. ., .

UNTA DA fAZNE A itmLtidA, i
se cm pagnimenlo ou d SciU de Sotemthr dle r ,
is classes subqidiada'k i% lo Cofre pulidi< S. ''' i..;'
Ia Junia da Farenda 6 de Maio de 18jg .-'. '
.i
e A gu iar, .. L. ... . j'. .,- -.:. ;, -&;' ,' .'

S E R iO o uEMA hI N H A,,. ,
11 ,"
npot de dMoia ibiqu, 12 de A i, ,'. .

r tr.4r.4O S ENTIAD S. ,. '
Sde giinrr inge Narboda -'-- o l h .
Ir Quiliimine, corn 130 pesioo0. de tripolafo. ;
tb inglez = Anays Cbpitio Mc(re dfreAflJ '
dilTerenles generos 12 pessoas de ti'rql;a'i '
ageiros ... '
Portugues p'= r"sp-a'k ? M4tR ; j
dne cQulimnine' coiti .r'Hitnl e if ll8


13 .iegns- dl 'lpl tp' gl A f,
.11 d ,#l li' % it e h' '
I.1 d^NtiBr^M1ir*hr gi'-tfi*^
.om ut7elln, c' l det-ripltlruIS,
ib A-abe r liel Kef"rMediteSadldtI i
-. *, ', ,. ;t' .' r-
S' .'. *' '4j. kj $ '
'." -" << ' 't *"; .j .' ".
'. ; ',. -t ;, 0 t i _i t, ..





4,
A-L



tii

FwSigeit ~s,
Escunn1
Snmu1ng, d
.~ Plriorigoo
c 1-~-~ oa8p am
Lanu:h n

9 oVuudila, do
10 pO3sdas

9, LureQ6i
1 hnkom i3

; r. ? 1I i'ldas S


cOffi goani



rou

S1 C r !.M t al
'''':- ;. Ea4tsnira&


i:Ia


MaPpa


*4~.'y.
di


............~.....
f 1l :4," '.



)m faendas, 1 pIessoas de tripula3o, e 6 1RII L I>IAI O>* mlIi i ,
1 'n- a tJirdok rnariin rti)tl - uii hfl(a O
dgu. brUI=--Mestre 1Ti < de dito mein n. i' -b. I'i0dOa
e QuiIrmntif, irn marfim, 15 petso;lg de 1 de dito miud , i 1
e 36 pj">" ,i4 dt dito crwi' i 1 11 'O
~tpbC ?snerc de deiito de;RvnIft O iVU i
diliferentegs eno, 21 pessoas de trip-Ala- n orto 1 *t ,
sageirog. . d ditd de d itd k- tdo :b koooU
Portugutin cii de Matbnn Mrrtr de puntd d'adaa a' d "
1bod com inarfim nrsgefla, maus ge tut.os, de cera brutu.. 20,Tmotl
de tripiuloi ; 12passageirtis. de dita em veh i ig 1 1-eFId :-200
Arabe ilaii'- Mestre Abdula lodr3. de de breu d ria ireia
1. s ~~~~de breui du rtii i '~ i iioo
icom rozeiida'i A iericnoa4, e dliaie(is d& pa-
de dito ti,:> tioi-t 6 -w'i;u5 .4'oU
~ pessoas de tri'poIno, e 2 pasugeirs. ie Isinoit [: :
Porbugueznik61>. Fernando-- Conia-inP c do dit. rin peci;.a x L ) 1 ix4OO;
a,tog Doreira de Limo,-. de Lisboa, com >Ckertlim
de triulafln, e 483 passsageiro. I dc e G1O
'tel- Sb o Ibo, d I I ,ra iL1gI[ 1 1
copal, 8 pesso de IripoIoo. ti de dito da silecaS t; i .
de fregns gtotsus a. 1- *. r4 y.8000o
de caf liihir o 1' 1( 0d00UOO
Uma libra, de iartaruga t.i ; ,i-i i
de cblbeiu.6 ~ '' ~~
Uma panjdi dd irig d iIHnlk'a "r a s4BI)O
eCos7litlt d Camara Jtlunimirip de Mo- n de ntros find 1ifipO .1 *J O.
mbigur, no mia *V4,til do 1854. de dito #ru51 ,i 210,100
o' de zc 1m.4
', t)adirni. >. It de feijo eucn huflitiu r iUO.b
o, Uma orna l < d7.-i e di to b
Meia dt)bl1. ...... 2 5G0O G . IuifIio. filio i
Unia bairifila. 2t;.0 S a o o iiit.ixtiere,. 4 ~ *. ;i
-1jina liba-a Sterlina Ott i,. -,,n,>d~maev d 4~
a, Uiii pezo JiahiRri'io 1 -4 `SO0 d nfilho groq!l 1 ; o
Unm dito M.xicaur............::nn nReucN d c h iileda, a rs i1 Ift u8 p' #bd.
Uini dito rti1iez de f fraiaco i 29 0 Secretria d C.afmarai MunICipiaL d
Ulma Pl".. :4OO de Maio de 1854.
cruzado novo ...


11I o 5 P 1 A L MIITARi l,
o &*. .;0
doI ot~d atr a JIeliu~ii Milladr. de Mroasnbiqur dftrle*a: o ic', 6 a/ UI ,.;doi ~or;rbIuE


dl,
DOE]NTC- 9

: I! w 7 R 9....
E elRi 40 o 14 .1h
Luirinin n<.mti me, dtirants i diito eselo .as a 'g o


qIrni Cur4ida ti ar .
FO 11' i 1 .
PIrfhi I.lithd8o ".'*..,.r


.ii&';apcifftro da. b;ittl kOorbuir * '4 '5>i


sae m u s eann e.., m a n


I 1' .<


~.


- .... ~rz L4*1 -
*. .. *' I .4~..~. ; _,~,V 1~ ~:I~

i~~~~~ ~~~~~~ i..uedu: N mll~s tCIlfj;
.. :


-


.I..;,.







- NNO-St48;;.
-AN --J84,,


Tla O stegfa do Ur(reao GtiIRZ.
-I ~ 'sBttnsl~.ao aab~o gpnc-tJ


NUMERO 2.


~g*t*qrU'rnefr...... Co
F sa ......... ,........ H0130
Folo 'iunso ..........~... 4, .......,... .... ; Q


D G-oYRNOWXPRO 7DA PRovINCIAII;OV AMB1Q1J



I .1 TW~b~ _. 0. NO


.~ ee'retos transmiadzt s pelo. Fwsirstri da l ari.-
S.ha e tilramar.
cpia:l = Tendo .em consideraio .o, merecimnto,
Smrais parties quei concortem naa pessoa do Major do,
xercito- Vasiro Guedea de: Carvalho e, M'enBze que
-por Decreto de 2- de IDeembro de, 18'51, se Zlava
despaehado Secretario. do o overno Geralk d Proviilia
Sde M,.lnmbique.: Hei por b-mi, NomC-1o Governador
Gerai .-da Iesma- Provincia, cargo que d.Vfera ervir'
pelso tempo do tires annos, aeo, mais que det-o~rer, em:n
quanto Eu no Mandar o contrario, send obri.:do
a tirar Carta pela respective Secretaria d'Est1ade, comic
previo pagamento dos Direitos que ever. Antonio,
,Altizio Jervis d'Athoguia, Par dd Reino, Miristro e
ecretario d'Estado; dos Negocios, Estrangeiios, e desi
daRMarinha e Ultramar, assim o tenha' entedido, ei
faa executar. Pao das Necessidades, em 4 de Janei-
So, de 1853. ..a- HA A.== Antonio Alhizio Jervis, d'
Athoguia,-- Est cowforme. Awtrnio Pedro de C'i-f -
ho.


SCopia. ~ fAttendendo ao. ue i r ~ipreento! u Joa-
qfaim Pinto de- 1agalhaens, Juiz de.Direito de prii-
meira Instancia da Provincia de Moammbiqa, e ac-
tualmente servinido de; Governador Geral interino da
mesma Provtncia: Hei por bem, em Nome-d.'EIRei,
Exonera-lo do lugar de Juiz de Dere'ito d1referida
'Provi i( pira:.quc tinha sido nonmado por D' coto
de 12,do Mard.,ic- t835. O Visconde d'A(hoguia
Par d Reino, Ministro e Secreta-lso d'Egta:o! d o
Negociuis Estran l ein:,, e doa da Marinha e ltra-
mar, o tenha a-4im entendido e faa .excrutir. P.,o
'em 9 de Doazebro de f853. -Rin R B WTr.=-
NVisconde W.'Alboguia.- sEi canfom, a s ntoia fPC.,
drae de Carvalho.


Cop ' es';que concarom. na pessl a do Bleharel Joo GU-C
tta-:dUaSila Campo~: Hei por bem, retn Wome dE l'-
Bei, .*Bea4leeg para s.ingr J uiz dP EirQitl dpi


Ui;TOr -14U1IR


1 q


- -~ ~ -- ~-


-s.


GOVI


>-*


1Provinea de .Jo;:nmbique. lug ar vigo, pela exoneta-
o coriceiiJa por Decreto d'esta rmesma data a Joa-
quim Pinto de Maga!hn1ns, de que. tirara CGar. pa-
gando os Direitcs de ?erc. O Visc.nde d'Athoiic,
Par do: Reino, Ministro e Seoretario d'Es(ado dos
Negocios Estrangeiros, edos da l irinlia e Ultra~ar,
techa a"iim entendido, e faa exectar. Pao eti
9 de Dezembro de 1f853.= IKGN arN. Viscon-
de d'Athoguia.== Esl conforne, Anp,, Pedro c4e
Carvalho.


Cpia. =-- fiandb-se prox'himo aprtir para a 're-
uncia de MoacirAiqu,. o Governador '6eal para cHa
numeado Vasco Guedes de Carialho e ]fenezes: Hei
por bem, enI Nomei d'ElVei, Ifxonerar a Joaquim
'Pinfo de lagalhaens, d'o Cargo de Gov.ernador Geral
interino d mesma Provincia, para que fra' .nomeado
por Decreto de 3 de Jlho de f181. O Visconde d'
Athoguia, Par do Reino, iinistro- e Secretario d'ES-
,,dIo dos Negocios Estrangeirus, e'd- da Mirinhil e
Ultramar, assim o tenha entendido, e faa executata.
Pao eim T12 de Btembkro de .S93. Rtkz RiEN-
,E. =---Visconde d'Athoguia. Esl cnfkrlie, Antw-
*niq Ped:-o de Carvalho.,


C'opia.--iavedo-e sido prsnte to giiefito
para a arrecadao e remiesa das fazenda4, .e cabe-
daes dos defuftos eauiizentes da: 1*ovincia de Moaam-
bique, organizado pela Jinta da Fazenda fPblica da
mesma Provincia em virttde do disposto no art. 6.
do Decret de f8 de Setembro de 1844, e em har-
monia com- o j appro ado para a ProVinic d'ngo-
la, por- Decreto de.. fe Dezembro de i8f Usanido
ua faculdade concedidat pelo 1. 'do art. fS.0 do
Act 'MAddiccionMl 'Carta Constit6cional da Monar-
cila ; Hef pl r bem, (orftR mando-leM 'com o parecer
do Corisell o Iltiamarimr e depois de ovf 'o Con-
seffio de Mi nti'tros, Decretar o segairter'
Segimento peaa a a.rreeadai, a cdmininsti~sWea, da,
heranif n bes, ealed s.2e dos dfa u e~ s a 4*:,.
s a., t ta Provi in~ de oamIwpn .
C -~ APfV LO i.... .
D 'arreead.iu. edhshsirtra1 l... ets,
a EaboMiHB'.defitrries.il> 9!ptt!i.









Art. 1.o A arrecadao e administrao das heran-
as, bens, e cabedaes dos defuntos e ansentes a sem
lherdeiros legitimos, ou testamenteiros, na Provncia
de Moambique, e suas dependencias, compete, segun-
do o disposto no Decreto de 18 de Setemnbro de 1844,
Junta da Fazenda Publica da mesma Provincia.
I. I. Na Cidade de Moambique e seu ditriicto,
a Junta delegar a sua aucthoridade no'Escrivo De-
putado, no Thezoureiro Geral e no'Chefe da respecti-
va Seco da Contadoria da mesa Junta, qup n'este
caso servir d'Escrivo.
$. II. Nos Districtos de Loureno Marques, Inham-
bane, Sofalla, Quilimane, Senna, Tette e Cabo Delga-
do, a aucthoridade da Junta, no que tc-smente diz
respeito arrecadao dos sobreditos bens, ser-com-
mettida sob a immediate inspeco da Delegao da
Fazenda alli constituida, ao Thesoureiro Almoxarife
da mesma Delegao, ao Escrivo, e a um Emprega-
do de Fazenda, havendo-o, ou a outra qualquer pes-
sa capaz, por ella nomeada que servir d'Escrivo.
1. III Nos pontos que de future frem occupa-
dos, e que tiverem a natureza de Prezdios, ou uni-
camente de' pontos- militares, e onde no haja Dele-
gao de Fazenda, a aucthoridade da Junta, na part
da arrecadao to-smente, fica delegada sob a ins-
peco superior da mesma Junta, nos respectivos Che-
fes, -ou Commandantes, com um dos moradores mais
probos, e na falta d'este com um dos individuos da
respective guarnio.
Art. 2.0 Quando algum dos referidos empregados
estiver impedido ser substituido porquem suas vezes
fizer, ou na Junta da Fazenda e sua Contadoria, sen-
do em Moambique, ou nas Delegaes de Fazenda,
sendo nos pontos designados no $. 2. do artigo..an-
tecedente, ou nos Comiando e mais empregos, se
for nos locaes a que se refere o 5. 3." do citado ar-
tigo.
Art. 3. Os Empregados designados nos artigos
precedentes, s podero funccionar todos reunidos,
sob pena de nullidadej dos actos que em outra forma
praticarem, e de ficarem sujeitos, no caso de se tra-
tar d'arrecadao de dinheiro, .ou de quaesquer ou-
tros objects, s penas declaradas no Cap. 9. do Re-
gimento-de 10 de Dezembro de 1613.
Art. 4.V Logo que os sobreditos Empregados tive-
rem noticia do fallecimento, ou auzencia para lugar
incerto de algum individuo, cuja heranu, bens eca-
bedaes devero ser arrecadados por parte da Fazenda
Sdos defuntos e auzentes, comparecero na caza em
que. o defunto, ou.auzente rezidia, para em prezena
Sde tres testimunhas, e dous louvados para estc fim
'nomeados, procederem ao inventario do espolio.
unico. Para que, desde lgo, se possa proceder
ao inventario, e afim d'evitar o descaminho dosbens,
ou heranas deixadas, a pessa em cuja caza alguem
fallecer, ou d'ella se auzentar para logar incerto, ser
obrigado a' participa-lo immnediatamente s aucthori-
dades competentes, sob pena d'uma multa. de duzen-
tos cruzados, na conformidade do Cap. 3. infine do
Regimento de 10 de Dezembro de 1613.
Art .5.o Findo o inventario, ser tudo entregue ao
Thezouieiro Geral com s formalidades, e debaixo das
penas estabelecidas no Cap. 9O do Regimento.'de 10


i ii i, _IIII i ,


de Dezembro de 1613, para ser conduzido ao respec-
tivo Depozito, afim de se proceder venda em st
public, do que estiver no caso de" ser 'vedido.'
Art. 6.0 A aucthoridade competent para adispd-
sio dos referidos empregados, sempre que lh'a re-
quisitarem, a fora uecessaria para a boa.guarda dos
ditos bens, temquanto no forem inventariados e ar-
recadados.
. unico. A cada praa empregada. n'este servio,
se abonar emquanto elle durar, uma. gratificao
igual a metade do seu vencimento diario pela percer-
tagem de que trata o art. 21...
Art. 7., Os bens e eabedaes dos negociantes falle-
cidos com sociedade sero arrecadados, administrados,
e liquidados plo socio mais graduado que sobreviver.
Quando o sobrevivente tiver sido o caixa, ser este
sempre o gerente.
. I. Os bens, e cabedaes dos devedores socie-
dade por quantias devidamente legalisadas, excedentes
a 400F 000 r.', sero do mesmo modo arrecadados,
administrados, e liquidados por dous dos credores
que melhor garantia offerecerem, nomeados pela Jun-
ta sobre proposta dos mesmos credores.
. 2. Eetes administradores assim nomeados s
podero arrecadar, adrainistrar, e liquidar o que bas-
te para complete pagamento da divida legalizada.
SArt. 8.. Os bens e cabedaes das heranas a que
se refere o artigo antecedente, -sero entregues por
inventario, a que devero assistir os empregados men-
cionados no art 10, do socio gerente, oti aos admi-
nistradores, afim de as liquidar; devendo no prazo de
dous annos, prestar contas perante a Junta de Fazen-
da, e recolher no respective Cofre o prQd;ucto que
pertencer s ditas heranas; nco potndo a Juuta en-
trar na administrao dos mesmos r :.e cabcdaes
antes de findar este prazo, nos terms prescriptos no
art. 2V do Alvar de 17 de Julho de 1766; n. par-
te em que diz findo porem o tempo de dous annos
poder o Juizo dos defuntos.e auzentes entrar na ad-
ministrao dos bens, e. heranas .dos socios fallecidos,
e dos devedores a negociantes; tomando contas, .ao
administrator nomeado, da sua administrao; ma-s
sem despezas de esportulas.
Art. 9. Quando houver .de proceder-se venda
dos befls que menciona o art, 7., ser ella 'sempre
feita em sta -publica, com assistencia, no .s do socio
gerente, ou dos administradores; mas ta'mbem. dos
empregados respectivos; gnardando-se em tudo as mes-
mas formalidades que esto em pratica a respeito d'
arrecadaes d'outros quaesquer bens de defuntos e
auzentes; e applicando-se aos contraventores d'esta
dispozio as penas comminadas no Cap. 5.' do Regi-
mento da 10 de Dezembro de 1613.
S$..nico. No caso de rateio ou de integral paga-
mento de dividas aos credores, de qup trata o art. 70,
ser um, ou, outro sempre determinado pela Junta de
Fazenda,' e publicado no Boletim official depois de
obtidos pela 'Contadoria os esclarecimentos necessarios.
Art. 10.o Havendo testament, 'ser este cumprido
pelos testamenteiros, a.quem as respectivas, heranas
devem ser entregues por.meio de-,inventario, a:que
a Junta da Fazenda mandar .procedcr. Os .testamen-
,teiros prestaro contas perante a mesma Junt'a, e cn-


1 Q
I P


~Bt

'~aj:








.1


traro no Cofre com'o product' que se liquidar dcen-
tro d'um anno e um mez a contar da more do. so~-
tador.
. unico. Quando porem a Junta reconhecc-r qei.
ha causes justificadas para se prorogar este term,
poder conceder-se a prorogaao, com tanto que no
exceda d'onze mezes, vindo a ser dous annos o maximo
do prazo, dentro do qual os testanenteiros devem.
prcstar as sues contas.
Art. 11. Se durante o referido prazo, ou cm-~
(uanto existir no Cofre dos defuntos e aizen es o.
produto das heranas mencionadas no artigo prE.:-
dente, se aprezentar o herdeiro instituido, no testa-
mento, por si, ou por seu procurador, devidamente
legalizado, a Junta da Fazenda devolver ao herdeiro:
toda a aco, e direito que at ento lhe competia.
S. I. A aucthoridade competent, depois d'ajberto
qualquer testamento, mandar logo extrair uma copia
d'.elle, que remetter no prazo de 24 horas aos em-
pregados encarregados da arrecadaao dos bens dos
defuntos' e buzent~s do seu. dstrito,. afim de se veri-
ficar se elles devero intervir na arrecadao do res-
pectivo esplio. Quando assim "deva ser, ''referida
copia ser junta por iermo ao inventario respective.
.g. II. A Junta- de Fazenda mandr register do
original, em Livro-para isso destinado, todos os tes-
tamentos em que fr itteressada aFazenda dos-de-
funtos e auzentes:
CAPITULO II.
Dos Inventarios, venda de bets, process para pa-
gamento de dividas e mais despezas;, escripturaao
a cargo da Contadoria da Seco dos defuntos e au-
rentes.
Art. 12. Aberto o inventario, se c.:.r.:-,rj pr
-defirir s pessas que morarem. na caza, em que resi-
dio o defunto, ou auzente, aos visinhos mais proxi-
mos, e a outros quaesquer individuos que parecer po-
derem ter noticia do que elle possua, juramento de
1manifestarem, Ou declaarom tudo que pertencer ao
esplio, send todos perguntados, sobre a naturalida-
de, idade, estado e filiaoa do falledido, ou auzente, e
bem assim se sbem ter havido furto, ou extravio no
mesmo espi6io. ~ :-:: : -. : 7
A.rt. -3.o Tomadas as declaraes e.xigidas no ar-
tigo antecedente, descrevcr-se-hao em segaida, em'
addicces destinctas e numeradas todos os bens e ca-
bedaes que se encontrarem, como dinheiro, joias, bens
moves, semoventes, e de rais, e tambem as dividas
activas, e passivas, direitos e aces que constarem de
Livros de escriptura, ou titulos iege9.
Art. f4.0 A Junta da .Fazenda, Publica enviar. to-
dos 's trimestres ao Ministerio da Marinha e Ultra-
mar relao circunstanciada de todas, as heranas que
tiverem arrecadado; assim, como copia das listas, mor-
tuarias, que- os Parochos, e .as: aeuthoridades comine-
tentes devemi remetter mesma Junta.
Art. 15.o Todos os bens e cabedacs sero vendidos.
em sta public .a quem mais der, com as solemnida-
:es;,da Lei, e estilo debaixo ,d pIca.conmmir.iada.no
Cap. l.o do lRegiiento de 1'. de "Demb''ro d' f61
uprit. i.0 os' ens -i poer sr vndid
Art. 16. Os bens. deraiz nua podero ser vendidos,


mnas sero arrendados em praa, entrando o seu ren-
di- r.nto no Cofre respective. Exceptuam-se os predios
urba:os que 'ameaarem ruina, os quaes, se o cazal
,no tiver funds para os concertar, sero vendidos,
precedendo authorizao especial da Junta da Fazenda
~com as selemnidades que por Lei e estilo se requerem.
Art. 17. E pr'ohibido a qualquer empregado da
arrecadaco dos bens dos defuntos e auzentes arrema-
tar por si, ou por interposta pessa, objects perten-
centes aos esplios, entendendo-se esta prohibigo nos
mesmos terms, e sob as mesmas penas que marca o
Cap. k? do Regimento de 10 de Dezembro, de 1613.
Art. 18. Os inventaris sero feitos empapel sel-
lado da taxa legal custa do esplio respective. Nto
havendo papel sellado, se seguir a pratica. estabeleci-
da na Provincia em cas( s semilhantes, ..
-Art. 19. Pagar-se-hio por deliberao da Junta,
a requerimento dos interessados.
S1., As ltras de cambio cujo vencimento f6r poste-
rior ao fallecimento, ou auzencia das pess6as por ellas
'obrigdas
2.? Todas as dividas que constarem por escripturas
publicas, ou- qu'e forem j stficadas perante ''Juizo de
Direito respective e vista da sentena por ele proferi-
da, tendo' sido primeiro ovido o Ministerio Publico;
na intelligencia porem de que os que ordenarem al-
gum pagamento, em virtude de justificao, a que fal-
te alguma das solemnidades da Lei, ou estilo, ficarao
responsaveis pelo que assim mandarem pagr indevi-
,dameqte, .os. documents origiiiaes justificativos dos
pagamentos j effectuados, sero remettidos pela Jun-
ta hna prineir' embarcao que sahir para o Reino nos
.termos do art., 7. do Becreto de 18 de Setembro
de 1844.
3. As despezas do funeral, send em Moambique,
at 70,000 r.', conforme a qualidade da pessoa do
defunto.
4.o O sustento dos escravos, em. quanto no form
vendidos, na razo d'aquillo a que corfeslonder' o ss-
,tento diario d'um escravo em relao ao preo que
ento tiver o alimento na respective localidade,
: Art. 20. Tanibem por deliberao da Junta a re-
querimento dos interessados, se entregarto os penhores,
depozitos: consignaes, e fazendas confiadas a fejran-
tes do Serto,' no cazo de existirem ainda em ser, e
quando j, no existan,, entregar-se-ha o seu just va-
lor, precedendo as provas que vo designadas no n.'
2. do art. 19.o, e com as mesmas cautellas, e comi-
naoes que n'elle se estabelecem para o caso que fal-
temi as solemnidades da Lei- e estilo.
Art. 21. Do product liquid em reis que der
entfada no Cofre da Fazenda dos defuntos e auzetes,
se deduziro 10 por 100 para as despezas do mate-
rial, e pessoal' da Seco de Fazenda dos'defantos e
auzentes, e para as mais que se achanr deterrminiadts
n'este Regimento.
S :;unico.' A distribuio: d pericr: tgem estaltleci-
da por este artigo regulada pela tabella junta que
faz parte d'este Regimento.'
Art. 22. Haver na respective Sec5o devidamen-
te rubriicdos, e ennerrdos, os livros que forem pre-
cisos para se escripturar com clareza e regularidade
tudo quanto pertencer aos bens dos defuntos e au-









tEites, ficando incursos nas ii:~-i fs do Cap.. 2.
do Regimento de 10- de Dozembro de 1613,, os qUII:
escreverem alguma receita ou i--f p:.a eem litros que:
.Sio estejao assim competentemsente rubricados.-
Art. 23.' expressamente. prohibido a qualquer em-,
pregado levar para fra da competent 5,:.;-,1, livrBes,
inventarios, -appenos, testamentos, ou ouiros' quasuer'
papers, ob pena d'uma malta de 50c .9 r.8 alem
de tudo o mais em que possa ser c.:-.,,e;~:i. ]o pelo
process erii e a que fica sugeito.
Art. 24. A Junta, no havendo inconvenient, po-
der permettir qn os interessades examine na com-
petente Seco, em presera d'iurr eit.r,:.gl,, quaes-
quer papeis relatives a negocios de Fazenda dos de-
funtos e atzenites, pagando a titulo de emolumentes,
ama quantia igual ao vencimento diario do. efapte-


gado que para este fim fr distrahido do seri~o.
$. unico. Este emolumento entrar em Cofre ~E-
ra ser dividido por todos os respectivos empregados,
pela forma que at agora se tem praticado coan os
emolumentos da Contadoria Geral
Art. 25.o Pelas Liquidaes, e Certides a reque-
rimento de parties levar-se-ho os emolumentos mar-
cados. na tabelil da Contadoria Gerci, e por outros
quaesquer processes o que se eontar pela tabelCa ju-
dicial em vigor na Comarca. .
urnico. A importancia dos emolumentos dever
ser desigaada nos respectivos documents, sem o que
enteder-se-ha que anlu.m eamolumento ha a pagar.

Continuar.


HOSPITAL IIlIdTAI,

Mappa do movimento dos doentes do Hospital Militar de -.foans iqute desde 14 atd 18 do corresw te

.

DOENTES. ... .

Existiam 40 9 15 64.
Entraram n'este mez durante os ditos seis dias 2 2 4 6 32
Somma 6 13 21 96
Sairam curados 15 6 28
Fallesceram 3 3
Ficam existindo 44 6 15 o5

N, B. FallescerT~n Eofps reemedhefgdP de fe Fere perniciosa delirante pzeudle-ontiniia; e S outros igualmente Euro ei s idosos,
Hospital Mtiliitr de Moambipue, 18 de Maio de ,854.

SD.' 1 ques Nicolma de Salis-Phisico Mor.
I. 'I .


AVISOS.

PHYSICATURA.

Annuncia-se 4 Classe prolectaria d'esta Capital, que
So edificio do Hospital Militar, se dor co~sultas gra-
tuitas, todos os dias das 9 as 10 horas da manh;
assim como achariQ conferenoias gratuitas nas segun-
das e quintas feiras, dias em que se reune 4 Junta
de Saude da Provincia. Moambique 16 de Maio de
1854.- Jacques Nicolau de Salis, Phyzico Mr,.
c-.iY I I 7. ...... .........

'ANUNCIs*.
i. nblicatla- 'eitqo Boletim, qiuaequer corresFpoedeIeWl 'iate
reaie particUlar, a 83O ei po lb~aia, e 9 anaUelCos a 40 reil..
por liuhi i


2 ntonio Porfirio de Miranda, retirando-se para a Villa de Qui.
a^limane, despede-se por ete modo, de seus amigos, j qne per*
soalmeate o no pode fazer.


3 Alugusto Pirep Gonalves, estando proximo a seguir viagem pa-
-ra Quilimane, vai poi; esta maneira despedir-se de todas as
pessoas da sua amizade, e pede desculpa'de o no fazer pessoalmen-
te por motivo de seus afazeres. Moambique 18 de.Maio, de 1854.


S Iretende-se comprar um vigle, quem o tiver, e quizer tender,
S ritrtar c00om F'ernaade Luz ~omeroe em S. Domiaagg.


XOANDIQUI: XAU IP=MU NACMa.


- I i ~fL.-i-l--~~-i~~ -- -YLI--II~-~--*=I ----iE~~ ~-~..-~stiiLC.~- - I






ANNO-1854.-


Este Boletim sair todos os sabbados, e assigna-se Ta-
ra elle na Secretaria de Governo Geral.


NUMERO 5.


SAssigntnaira por trimestre.... ............ 00
SPer simestre .................... ..........
( Flet .a, .-.. .~.., ?...... ............. ........ 9o1


BOLETIM


DO GOVERNOR DA PRIOVNCIA DE MOAMBIQUE.

SIJBADO DE: IlMAIO.
l.,L .,, , i .. ." ^ 1 .. *- "


GOVERNOR -EBaAi.-

S~kciuzo do Regimento para a arrecada o e t
mi nistrao das hteranas, s, ens, cabeids '
dos deffunios e auzentes it Pr' :
'incia de Moag bitque, "

CAPITULO 1fL -"

fia emnessa os heirs,. e do productes:fos eglios
para o Depozito Publico de Lisboa,
Art. 26.' Logo que pela rispeclina 9,rrao da Con-
tadoria da Junta da Fazenda se hajao liquidido os
esplios dos defuntos e azce~tes, a mesma Junta or-
denar a sua remessa, ott em dinheiro, ou nos pro--
prios objects, para o Depozito Publico de Lisboa"
pelo modo estabelecido no art. 7. do Decreto de
18 de Setembro de 1844;- e conjunctamfente se re-
mettero os inventarios originaes, testamentos, e mlais
papeis, bem como uma conta devidamenfe doc umen-
,tada de todas as despezas: que.: ;f tiveremi feito, e dos
plagamin.tos de dividas, e de rateios, quando os haja,
ficando copia de tado ino coe.ietntes livros' do Re'
gisto.
Art. 27. As despezas provertientes d fiefe, qtan.i
do se devam pagar, da renessa de dinheiro, `ou de
objects para o Depozito Publico, de seguro. que delles
se deve fazer, sero pgas. em Lisboa pelo iepozi-
to Public 6 custa doe respectivos esplios,,
u~ unico. No serao remettidos :ao Iepozito. Pu-
blico. de Lisboa os' bens dos defuntos e anzentes na-
turaes' do Estado da Inrdia. A.Junta da4 nazendaen-
viar nas moncin d~"' aio, e Agosto, Janta de
Fazenda do dito Estadd,4'phrd ',que sejamr publicadas
.-o Boletim Official d'aquelie gi.,er'no, listas 'dos re-
feridos individuos fallecidos, ou auzent contendo ino
mes, saturalidades, idades. sexos, Tiiutis, e" qual a
somma do esp;lio que se acha arrecadado. &emihante-
.mente. nol ero remettidos ao Depezito ,nblico de
Lisboa os cabedaes: dos defuntos, efaiuzentes' naturaes
da Provincia de Moambique, salvo quando vedha .
reconheeere 4, ~ue- temi herdeiros, oA- creodores sem
SPortugal. :


PARFiffiRIAL.B


--r- --i-~ --Pa*rn

APITULO I,

1Yspozes especiae% para, os Dstrictos e Prezi-
dios.
A.ift.~- 28~" Logo que nos Dstricteos ott Prezidios,
se haja concluido a arrecadatgo doL bens e cabedae.
do4 defuntos e au'zents, preenchidas as fornalidades
dos art. 4, 12.', f3., e mais dipozies d'este
Regimento, retetter--se-h Jaita da Fazenda Pu-
Bllica, donrjunctamefite com os invetarios, e mais pa-
peis; todo os ona vafes et dinheiro; assist como tam-
bmienas joias, nitarflm, cera, pontas d'abada, ouro em
'p6 objectos que ifo podero ser vendidos nos Dis-v
triilor nem riog Prezidios, tno obstante o, que fica
determirinao .no art, 1 S.o
. Art. 29. Nos bistrictos de Qtimoate, Inhambane,
e 1o, abonar-se-lia para: despezas de funetal, segundo
a qualidade da pessoa, e vista dos competentes do-
cumentos, at a quantia de 70~0~ O if0 i; e nos mais
Districts e Prezidios at quantia de 358000 r. ;
ficando todas as mais despezas e pagamentos, sejam
eles de que lnatureza form, sujeitos ,deliberaio da
:Junta da Fazenda,' q~ i'"s ordenar sem aucthori-,
sa0o da niesmia Jnta obrigado repozao,
Art. 30P Nos Districtos'e Prezidios, os Emprega-
dos que intervierem no, process dos inuventarios ven-
cero smente os emolumentos que compete aos.Em-
pregados de Justia contados na respective SecDo de
Fazenda dos defuntos e Rzentes,. pela tabella em vi-
gr nos mesmos Distrcfos e Prezidios, e pagos pela
percentagem estabefecida no aret 2.1 7 pela qual sero
igualmente pagas todas as despezas da cenduco do*
objects designads no art. 28.
CAPITULO V.

Da arrecadao das heranas dos qtie filecerem en.
viagem,, ou nos portos da Provincia,
Art, 317 Fafhecendo alguma pessa a bordo ou se-
ja'em' I %agenroe ema atlgam dos portos., da Provincia,
:os Capites, Mestres, ow Piltos dos Xi'tiO mandario
logo fazer nientard de todos os bes, e caledae que
se lhi acharei, deiieiendo este ifient rio set feit na
prezena de todos que' estvreroni a, iardo, e pot todos
assignado.
.: .: unico. Esta' dispoziaoi exenciva aosNatios do
Estado da Provincia, ou a'ellaesteconados,.seguindo-se









no process as formalidades que pelas ordens geraes
d'Armada estejam para takes cazos estabelecidas. .
Art. 32. Assim que os Navios derem fundono por-
to da Cidade de Moambique, os Capitaes, Mestres, ou
Pilttos entregaro os sobreditos bens e cabedaes, jun-
tamente com o seu inventario Junta da Fazenda Pu-
blica, que proceder a respeito d'elf. do nmesmo mo-,
do que est determinado para os ben3 dos qse mpr-
rem em terra. Pelo que diz respeito aos Navios do
Estado; se o fallecido tiver sido praa da respective
guarnio, com o inventario, remetter-se-ha a guia de
todos os seus veneintenos, cdm ideelarao das dividas
que.por ventura tenha para com a Fazenda Publica.
S. unico. No se destinando os Navios para a Ci-
dade de Moambique, mas simpara qualquer dospor-
tos subalternos da Provincia, a entrega do esplio ser
feita respective Delegao da Janta.

CAPITULO VI.

Da arrecadao das heranas dos militares arrigi-
mnentados que fallecerem.
SArt. 33. Os Coinmandantes dos Copos remettero
ao Cofre dos defuntos e auzeltes, o product da ven-
da dos esplios dos Offieaes, e praas de pret dos,
mesmos Corpos que falleeeremi sem herdeiros; devei--'
do esta venda ser feita, precedendo an*uncios ptubi-
eos, no proprio qwartel e local do fallecimento, e a
remessa do seu product acompanhada dos respectivos
inventarios, a que em todo o cazo, devero ter proce-
dido os ditos Commandantes. Esta dispozio porem
no ser applicavel aos esplios de Officiaes' que resi-
dam fra de qnarteis propriamente ditos, por que n'es-
te cazo .proceder-se-ha em conformidade com o art. 4.o
S. unico. Se por alguma rauto e-pe(ial sereconhe-
cer e provar que convem mais aos interesses da Fa-
zenda, e dos respectivos herdeiros no vender os es-
plios, mas remetter os proprios objects, de que eles
se compem para o Cofre dos, defuntos e auzentes;, o
Commandante do respective Corpo consI tar logo a
Junta sobre a conveniencia da remessa, e com sua rezo-
luo a far effective acompanhando-a do competent
nventario

CAPITULO VIl.

Das heranas, bens, e cabedaes dos estrangeiroS de-
antos e auzentes.
Art. 34.o As heranas, bens, e cabedaes dos estran-
geiros defuntos e auzentes, sem herdeiros legitimos,
ou testamenteiros, que no tiverem Agentes Consula-
res na Provincia de Moambique, ficam sugeitos s
dispozies d'este Regimento.
'Art. 35. Fica revogada today a legislao em con-
trario.
O Visconde d'Athoguia, Par do Reino, Ministro e
Secretario d'Estado dos Negocios Estrangeiros, e dos
da Marinha e Ultramar, o tenha- assim entendido e
faa executar. Pao em 25 d'Outubro de 1853.==
RINHA. = Visconde d'Athoguia.

Tabella da applicao e distribuiao dos 40 por
400 consignadi4 no ar'. S.o do Regiiento para a


arrecadao e ai.^i:ii!,raco' dos bens dos CJ';?', e
auzentes na Provtncia de Moambique.


AAPLICAAO.


DisRIummIo.


Ao Thezoureiro Geral.......................
Para despezaw do expediente da Seco de Con-
tabilidade, gratificaes tropa, premio de con-
duea de dditheiro, fretes, custas, e todos os mais
encargos a que se referee o citado Regimento. .......
A o Chefe da Secco de Contabilidade ........ l
Para serem divididos na proporco dos ordena-
dos, pelo Escrivo da Junta de Fazenda, e por to-
do :os empregados da Contadoria Geral incluzive
os da Seco de Contabilidade menos o respecti-
vo Chefe..... ........... ...........
10.

A percentage marcada para o Chefe da Seco d6
Contabilidade, e para o Escrivo da Junta, e mnai
Empregados na Contadoria Geral, no ser distribui-
da, quando os- t per 100 no frem sufficientes para
as despezas do expediente, gratificaes, custas &. dos
respectivos esplios; por que n'este cazo ella ser ap-
plicada para fazer face a essays mesmas despezas, e se
alguma couza ento restar ser diviidida de sorte que
um tero d'esse resto pertena sempre ao Chefe da
Contabilidade, e os outros dous teros entrem em di--
vizo proporcional pelo Escrivo da Junta e mais Em-
pregados.
Secretaria d'Estado dos Negocies da Marinha e
Ultramar em 25 d'Outubro de 1853.-= Visconde d'
Athoguia.-=Est conforme, Antonio Pedro de Car-
valho.



Dleefeos transnitidos pelo Miniserisa da MAi'- .
iuha e Ultramar.

Cbpia. = Tendo a Junta da Fazenda da Pro-inca
de Moambique, submettido Regia Approvaeo, em
officio n. 276 de 2 de Fevereiro do corrente anno,
o accrdo por lia tomado, na Sesso de 22 de No-
vembro de 1851, de beneficiary os devedores do Es-
tado por fros e dizimos atrazados, concedendo aos
que devessem menos de dez annos, e mais de cinco, a
deduco de 25 por 100; aosque devessem 10 annos
e d'athi para cima, e menos de 20, a de 40 por 100;
e aos que devessem 20 annos e mais, a de 50 por
100; Attendendo s imperisas circunstancias e ra-
zes especiaes que levaram a referida Junta a recorrer
a esta providencia axtraordinaria, e que a experiencia
demonstrou ser a mais proficua; e Considerando que
identicas razes e'to imperisas, tem por vezes leva-
do o Poder Legisltivo e o Governo a conceder iguaes
beneficios aos devedores do Estado no Reino: Uzan-
do da aucthorizaco concedida ao Governo pelo art.
15 do Acto addiconal Carta Constitucional da Mo-
narchia, e Conformando-Me com a Consulta do Con-
selho Ultramarino de 28 d'Outubro ultimo; Hei por
bem, em Nome d'ElRei, depois d'ouvir o Conselho
de Ministros Decretar o seguinte:
1Art. 1.0 approvado o accrdo tomado pela Jun-
ta da Fazenda da Proyincia de Moambique, em 22
de Novembro de 1851, para beneficiar os devedQres


o








do Estado, por dizimos e fros atrazados, pelo modo
e com as condices no mesmo consignadas.
Art. 2., Fica derogada por esta vez smente a le-
gislaco em contrario.
O Visconde d'Athoguia, Par do Reino, Ministro
e Secretario d'Estado dos Negocios Estrangeiros, e
dos da Marinha e Ultramar, assim o tenha entendido
e faa executar. Pao em 25 de Novombro de 1853.
REI REGENTE== Visconde d'Athoguia. = Esta con-
forme, Antonio Pedro de Carvalho.



O Governador Geral da Provincc de Moambique,
em Conselho determine o seguinte:

UAVNDO-sE estabelecido a uniformidade da moeda
II em toda esta Provincia pelo Decreto de 29 de
Dezembro de 1852 Portaria do respescto Ministerio sobf e n." 1186 A,
datada de 21 de 1fio de 1853, acabando a different.
a, que a mesma tem n'esta Provincia, estabelecendo
ao mesmo tempo a forma, por que se devem fazer
ospagamentos deDireitos nas Alfandegas, ede quaes-
quer outros impostos has Estaes competentes, e os
de ordenados, soldoS. e prets aos funecionarios civis
e militares; e havendo estamateria sido maduramen-
te, descutida em Junta da Fazenda, e Conselho do Go-
verno, na forma que dlter mina 6 art. 22 do citado
'Decreto, e adoptando-se uma peqena alterao para
facilitar as operaces do mercao nas pequenas trans.-
adbes, e obvaFr outras difficuldades, que podidn ap.
paeir'r: tIei por convenience, que d'dade a public.
o 'd''sta se observe o seguinte.
Art. 1.' Siio6sniente consideradai & edasl egas,
as moedas 'de que trata o Decreto e Tabelia de 29 de
Dezembro de 1852.
Art. 2. Sero toleradas at que o Governo nao
ordene o contario, todas as moedas denominadas
at hoje moedai Provinciaes.
Art. $." Serio emnttidos doze contos de reis em Bi-
lhetes da Fazend, dos valOres de sinco milrreis e dous
mil e quinhentos reis, os quakes serio admissiveis
d`esde j em todos.os pagamentos.
Art.4.* A Fazenda" fara os seus pagameritos pela
seguinte maneira. En ouro, prata, e eore|e em Bi
lhetes f.
Art. 5. O ouro, prata, e cobre, de que tratr o ar-
tigo antecedente, ser o designado nos artigos, pri-
meiro a terceiro, do Decreto de 29 de Dezembro de
1852, e tabella annexa.
Art. 6. Todos os rendimentos da Fazenda sero
recebidos nas species seguintes; ouro,. prafa, e co-
bre, J e Bilhetes -.
Art. 7.* O ouro, prata, e cobre de que trata o arti-
go antecedente dever ser recebido, metade rii moe-
da Provincial, e metade em moeda forte.
Art. 8.0 Toda a moeda Provincial ter os valores
designados na tabella-junta que faz parte d'esta Por-
taria, e vai assignada pelo Secretario d'este Governo.
Art. 9. Toda a contabilidade, tanto da, Fazenda,
cpmo do Commercio, ser feita em reis fortes.
Art. 10. Todos os contracts ou obrigaes de
dividas particulares, que tiverem sido feitas com de-
zignao de moeda, sero pagas nas species contra.
tadas.
Art. 11. Todos os contracts, e obrigaes feitas
em cruzados, ou reis Provinciaes, sero satisfeitas,
da#do-se 100 r.* fortes por cada 410 r.' Proinciaes.


Art. 1 2. Toda a moeda Provincial, que existe ~os
Cofrs dos Defuantos, e auzentes, menores, Santa Ca-
za da Mzericordia, Confrarias, ou q;iaquer oetro
Cofre de Estabelecimento Publico, er entregue na
Thezouraria da Junta da Fazenda, onde devam rece-
ber Bilhetes dos valres da importancia que entre-
gareram. *
Art. 13 Estes Bilhetes ficaro nos iVitO Cofres
at que sejam aarortzados pelo meo disposto pelos
art. 17, 18, 19 e 20 do Decreto de 29 de Dezemtrio
de 1852.
Art. 14.* Quando algum dos ditos Cofres careeee
de fazer algum pagamento, para que se no ache ha-
bilitado, com va Pres metalicos, dever recorrer ao
Cofre da Junta d Fazenda, que sera obrigado a dar-
lhe emi moeda metalca, o valr dts Bilbete que hfe
aprezentarem< o qual nunca exCeder ao neccssarmo
para satisfazer o pagamento, que houver de ifzer o
Cofre crdor.
$. unico. Esta transaco s ter logar quando ca
pagamentos que s houerem de fazer, sejam para
fra da Prdvncia, porque i od asendo devePio, co-
mo a Fazenda Publica, agar 3 em Bilhetes, e ( e~t
moeda sonante. As' uct>hrdaids, a quent o conhe-
cimento d'esia periencr, assim o tenhram enthdidio,
e cumpram. Palacio do Governo Gieral de Mioambi-
que, 26' de Maio dce I 4. 4. VascOtGuedest de CarvE a
lhke' e Menezes.

TaltaIa das moedas a qut e referee O art. 8. da Portl-
Sra sob o m.' b6 da presented data.


D. rDAS MOEDAS, .
- zi. s uo-o.e.s.

rUma arrinha d Meia dita de dito
Uma Pataca de pra
Uia moeda de col
Uma dita de dito
iVina ditif de dito


VIr em cxii r.& Vor e fii
ProBinciaeLs. ts

2~5O 8 $~o' 46{T'
1.3$250 t$ 230o
ita 2,0400 0585
1* $160 4040
$080a *'020:
~04O~ $olo1-


SSecretaria do Governo Geralt de Moambique, em
20 de Maio de 1854.-0 Se~tearwi Geral, Antoniko
Joif Peredra de ~agalhaemr.



Exiracto zi 'Prtari~~za expedidat d'ette Cdverio heral.

Nomeado Esciri'6 da1relega4o- da Junta da Fa-
zenda do Distrcto de Sofalla, Emilio Piedade de Sou-
za, por Portaria de 16 do corrente.
Nomeado Thesoureiro Almoxarife da Delegao
da Junta da Fazenda, do Districto de Sofalla, Pedro
'd'lcanteara' da Siva Monteiro; por Portaria de 16
do corrente.
Exonerado o Thezoureiro Ahnmoarife Interino da
Delegao da Junta da. Fazenda do Distficto de So-
falla, Diogo do Rozario Lobo, por Portaria de 16 do'
corrente.
Nomeada Enfermeira e Lavadeira do Hospital Mi
litar d'esta Capital, Sebastianna Maria de Jesus, por
Portaria d 16 do corrente.
Exonerado Augusto Pires Gonsalves, do lugar dew
Substitute do kdministrador do Concelho, por Por-
taria de 18 do' corrente mez;- por assinm o haver re
querido,
Nomeado Escrivio do Theaourefro jlmoxrife dia


.- -- --- - --- - I----~-~









'Dlegac it d Jinta da Fizenda- do .isFiati r de .et- :: IT DO R
te, Agasto Rodrigues do Reis, por Pdrtar:ia dle 20 Nll 1A lI
'do corrente., : .-.',: .: -
' Ordenando: Gamar. Mtnicipafixtr~Uistfrict de ENDO chegado ao conhecimet
qTette, em data de 20 do correte q.ue preste tldos :'D FIDE.LISSIm.A, os veXamt
os esclarecimentos necessarios,4 ao,-Majlr Titto Altgus- ta eis soffrendo, por falta d'um
Sto d'Aranjo Sicard, Commandante Militar InternnoId' .peitr oss' pessas eproprieda
aquelle DistriCo. : ws e ; s 'm' _',
Secretaria do Governo Geral de Moabique, guns arbas e rbdes mal ini
de Maio de 1854.0-- S ieiGr Gerdl; o Jose gnani'ir coiro- ror tocado de v
Pereira de Ml alhaens. .. bi a honrosa e graia misso de
.: ,precisos. Uma forte Columna
."-: :1r .'.-.... .r -' destinada punir os rebeldes,
*i .' ... :'' ,. bitantesd4asgterias de Rios de S
XN. 150 i--Q i tel General da Governo ida Probit- que j gosaram, eeom aqual-
cia de MKoamin'qi "'o'PaJlci def faPidlo,; Senna-formavam a mais bella
"a .~ Oe EMaio de 1854. ":-~:- r dos Dominios Portuguezes. Com
s' .... -- leal da vossa part os desejos d<
OBuDEM FoR ARM.DAi. ro satisfeits, e eu feliz quan
.... / "'rdaiel par ticipado. "Moamh
SPubica-se o seguinie para aue tenha a devida ee- 18~i. OOGelinador Geral.-
A4p4ao: a : e ...., '.. t;ilho e Menezes.
.; Reconhiecido Aspirante a Orffi ,,o Furre daCom- : ::. ; '. : o, ", .
panhia ,do Ibo. Agosti'plio Salvador de ouza, or .. ... '
'Portaria de 1 dU corrente mnez." /
Nomenaio Coimandanite Mlltiar Interii do i.- tri-' f
cto de Tette o Major TTtiii o uguu o d~ aujo Sica,, ; '
por. Portaria de 18 do corrente mez, iem coinsequen- : S
.cia do. Governador d'a uelle Districto se achar.doen-: .. A V S L J
te. NTA J FA.ND
Exoneradoo lo~ iando dia cdefii expediicion .
naria, o Major Jos Pacifico,, por Portaria de 19 d .: PlaReprtico'd~ aJunta de"
corrente mez. ' "'' to p que se-echam.:ei pgagment
Palacio do Goierno Geral de Mocai4fl4 LJ ,20 de e Novembro do anno' proximo
SMaio de 1854. -.0 Secretario Geral, Antonio Josi-Pe- Class.s subsidiadas :pelo Estado
rara de MagiEi ' id a d1 a 1'~yid8 AManoC! d'A_4gi
a ,do'* 'da 'm Mf>. ". p. li dS- a
.*.' 'L 2 :. I *. ,i : ,,,.. j''i. ,.
'' ~gc~~~r ., , .* .* .* ... *, ;,. -'.

...o. e s .r --------

Mappa do mnovimt'enldos .dosa@lies do. Hnspiil ,M 9libar d 9abi#ii i'esdte 18 al


S DE SBIN N

i0 de SUA MAGEST/A-
hs i e. prejuizos: que es-
Sfora que fizesse res-
des, das invases d'al-
teticionados; Seu m`-
ivo pesar, e eu rece-
vos trazer os socorros
de Soldados Europeus
e a restituir aos ha-
enaa, a segurana de
-as terrasde Rips de
e a mais rica parte
a cooperao fraica; e
e SuA MAAGESTADi se-
d0 possa: dar4he. to
ique 20 de Maio- de
-Vasco Guedes de Car-







A PULICA.
S- :-. . -





Fazenda se faz. publi-
Sos mezes d'Outubro
passado, a todas as
M. Mrbique 24 de



Sdo orr ..



' ^b do rorrenv..


a-4-4
u E
o! r E g
":h hi 1 tl DOE
Eiia '- 'a b '44j, 15' 65
Entraram fl?4tc D~i4 ~'ranie ~-I:ijb'id ds~ .). l 'di -.. 4'. 66 4~ 8.1 5~7
X. J 1.. * r 1
nv a -Q 0 '3 2I21
Sairam curados s 1 50
F3F le-ceram .,3
Ficam eiqLindo --fuJ G , "3, 16.9
;'~~~e% -: .:i
4. Mt4 mdUeteraffaiW~qp"~2 rq~f;4pdps q -6 .5cor/
Ital. *ff ar de i oca hibhi ue,'2'5 ;d'e Maio'de '1854.

k.! -'-. m qi ..=NA1PN qN
.1V; ~ci;-~~ 2*.l4rS; 1ii-: 4l:r ... M ~ i~o ; e S'atiS- P~is~o 3r.


oki'i~s~ J.a .1> ,ol.;lMourlIgK.- eNa 1a1PRF~r14 NAowA. .







A liNN4O- I854.


NUMBER 4.


di~~k 6is' iirigi~i~'i~S rr~w6~U~' o sinssie.......................... .0 >
fi o h*wWre...........................






141
DO GO fflNIO A- D


1-f
Decreios tranm'ulrdq ph. Wni' ao -da, Iar#-
nha e Ultrmw.

Ministerio da Marinha e Ultranra.i". Copia.
N0o se Considerando pei LFgila o em vigor con-
su.mados quaeque.r despddios para E4ipregos Civis'
ou miliiares no Ultramar, seno da partida Jod agra-
cdspar as respecas r s Pro.inciais: e ho sendojus-
t por tal motivo, que peLos Corres das mermas Pro-
yincias sejam pagos quaesqiuer ven*timentos respeciivos
a'o tempo .qie os 'foaieifraies d'aiqiella Classes
.conservam no Reino ates: de partirem para os sus
destinos; nre seud tawem possivel que pelo The-
.zouro do eitio lheS sejam. pagos vencimentos no aac-
lhorizados na -Lei das despezas: Hei plir bern DUter-
minar,'que quaesquer Enpregados Civis ou mitlifres
do IKeino, que forem nomai os para Irem servir no
Ultramar, se conserve at,- sua partid- na situau o
em, e estiverem qurpdo form nomeados; e que no
caz de deixarem' tal situao- antes da sua partida se
fiqtu entendendo quie por esse facto :~eihum direito
lhes ser considerado a qiuaqueri bahno, peollMinilte-
eriod Marinha e Ultramar, at ao dia do seu embar-
que. 0s Ministros e Serpelarios d'Esladlo de todas a8
Reparfi.es, assim o tenham entendido e fatam exe-
cutar. Pao em"' de Dezemibro de !852,> RAINA.
= Duque 'de Saldanha =- Edrigo da Fonseca' M -ga-
Jhafs= AntonioMaria de ontes Pereira de Mello
AntoBi .Alizio Jirvis; d'Atbhoiia. = Est. conf4ime,
Antonio Pedro :q ,rqllfo. i:i :



-pa = AfTendende As cire aae c que confcr-
rem na' pessoa de Manoel d'Aguiar, Heipor bem No-
me-lo.Escrivfo da Junta da Fazend' da Provincia' d
~oambiqpe. logpr ,qu se acha vago, pela oner'a-
o dada a Audif~io Maria Furtado Pires, por D ero
d4.da14a d'hoje, .fi .do obrigado a (irar Ca-a pela
-~epectiva .ecretaria d'sa,1p, com previo pqgamen-
to dos competentes direitos. Antonio Aluizio Jervis


FBURT ff MALt


~-: -~Plbgdriii


d'Athfogu ia, Par do finoii *Tibistro e Secretario d,"
EsiadQ dos noci dN *rliu e tIliramar, ';ai1im .
o tenha entendido e raa executar. Paro j,27 de
DetimbPo diei re' 1K~tr= R~N Aj4o~t Ahti,o
~Jerviu: J!;thitogu~,i& -L E~L4. er~~8~, jA4.COmqe ~86~4r'




upw. =Con indo promoter na. io1cif< til.
traiiriqas a p~quiza e labor4aeo de Minas, ,e regug-
lar por muodo claro, e .eal, tRRto s cQodie, cm
que se deve cor3ced'em pqgaya a pequiza, e pa-
ra a lava das kinas. cpfafl os dlre~s e vantag&zi
que dOarm perIenicer aos respchi os concessiooai-ios:
Conrforman .o-Me com o parecer do Consebo Ulhra--
naimi-iu, WHi por bem De&,etar o Segruinte:
Arit 1.' E prmit(ido aA.o4 o.poiueuez. ou Com-
pRhii. Nci' on1 fqzcr peOqui'za' pala 4escoabr1r e re-
cuiihecr, quasq)erj.,-depozitoA de Sukrtaicias ibiie-
raes rio" ererioe Ia4s Provincias Vlsyrariaiipk, q.U'e
ttirem seus p'opriSs., QU precedndo o coilsentlhueu-
to dos -p-o9piptai io do Slp.
* uiiio. N'Wesas .pesquias podem i emjprkd o0_
.por 1 fgu ezes. R l~YP i L
Art. 2.` ( Coverno pode pemniiliir a qualquer
,corrpanhia, ou priStcular, Nacional ou ErrangOId,
a pequiza da Muias nos terrenos das Prov;nci' t1I-
traralrinas, que foi-em bdlidps, oU propr;edad do Es-
1tado; ou rmesmo propriedade -partkuIar, faltando o
FcoQtntrent do tIono. uma vez tb -.pC6equiidor
preste %me ia mente fiana- a i. ie""ao dos pr-4i.
Z9,qus~.e cautrjr..
sCo.mpanhi oi tidividuoi eslra'nbieo que
pertender a perutssao pr4 pesuiZar 'a q ivincla
UItrarariuas. ira um te'rno em quctiedre que en~
ludo o que tiver ret-lqo' com. a dl perna, erdea
poIs Comi a concesso para'lhvrar Mina, desiste de.<
9pi.1lq er Oiweitq opNQ eitra.ieiro, fic94do e.tn iRual
OB e IQs NaClQnqflt
..9 s ;qVerO \ asNo!nicias LtraiparwIs
tWiben joidem. f47er a w eio'4e qUe tita- est
AX4ugo, wqs Uaowen o gndoii ou .ompihia '.
pe"i d, Z UI
.Ar.. r. ]pare obter perpio p501 psquiz . n,
<1:4 ,peelarr Seegtp ria d'Estado d eoa g F C
.dUinJ e ~Iran r. ou Ina SOcIrQ& Go ovI-o
AarpJinica. o dirK.o, qu ]logr reten
.azer-se.






"-:.. :. .; '- ', '


2." Justificar que os individuos encarregados dos de. o comeco dos seus trabalhos at ao termo da li-
trabalhos temn para elles as ntcessaris habilitaes. fna.
Art. 4. E.garantida a'qualquer Companhia ,ou in- nic. Snico. cazo porem de..ae apresentar. um pes-
dividuo national, ou etrangeiro, que iver obtido quizador munido de licenca, expedida pelo Mlirite-
permisso para pesquizar, a fuctura conces,o para -ri da Marinha e do iltramar, para pe-quizar em umi
lavrar as ninaas que descolbirf,-habilitando-se.. pra ca mpo deterniniado onde outro tenha liceia do Go-
este fim, 'os terms da Lei de 2~ de Julho de 18r). vernadog daPr"vincia:para o mesmo fim, j alli pu-
. 1.0 Par assegurar este direito a conceies '"deve ,icada pelo rmodo estatelecido rio art. 16.0, o Gover-
o descobridor parlicipar ao Govern'o da Prcvincia o nIador, lh designar outro igual espao de terreno no
descobrimento Ja mina, declarando a natureza' do lugar, "u,[ugares que elle escolher.
minerio, e a d~iaia', b;.ojazrgo a !ugares cpnhlecidrs, Os' cpcessiona~ios podem comatdo convencionar-se
de modo qne se po5sa determinar a sua posiso ; eri- para pes uiaro simultaneimeite c-m um dado campo.
viando j-intmente-aTiostras do miherio.:: -. .rt. 8. Quando.-.o-descobrin.euto d'uma mina: for
E todas asvezes.que fr possivl,. dever apresentar feito por pesquizador no aucthorisado, e em campo
um mappa topografico do terreno em qu! V-zigo livre, a datada.parti.ipn<;ao ao Governo da Provin-.
existir,. a estabelece o direito d .descobridor, mas,em cazo-
. 2.0 Da entrega d'esta participa,,- "que ser re de dnvia, T' ar prioridade decedida .pelos Trib-"
gistada em; um livro especial, cobrar r'cibo, no qual nae:oiFrdin.rios.
se declarar. o,dia e hora emi que for recebida, e se A. Ai Os jazigos-de m-inasj conhecidos no Ultra-
existe, ou no no tro registo d mina: descoberta no mar s'4,ropriedldes nacionaes, caj lavra ser con-
mesmo logar. d edida pelo Governo a quem offerecer, em concurso,
Art. 5.0 Quan6o qtualqier individuo ou Companhia, luais garaitiae -vaitagen"s ao Estaid6.
semn' permissi" para pesquizar decobrir um jazigo unico. O Gpverno publicar, com a pessivel bre-
de substancia mineral til, dever o Governo fazer- vidade, uma elaio de ties jazigos para se saber
lhe' concessao-para a lavrar, ~e tiver assigurado, pela jqual o terreno.que fica para os peSquizadores.
participao de que trata o artigo antecedente, crseu Ar.It:). Aacet'horisaeao para pesquizar-noo per-
direito de prioridade no descobrimento. mnitte seno 'aze? o recovnhecimento do slo pela ins-
. 1.0 Ao descobridor de qualquer mina, que no peccd da superfice, e por escavaes- a Ceo aberto,
powder habiilitar-se'nos terms dia Lei,p paia obter a ou .por sondagens ; ",,.' a ,.
Sconesso para'a lavr, 'pertencer cotbii premiiouma . unico. Quando o pesquizdor achar, necessaror
suprfice de "errino' iual a min quadrado de trinta abrir; poos,; augalerias d'e xploraq, requerera ao
braas., que fz'nove'crntas bracas quadradas no lu- Governador .da rivincia heena para este fim. Esta
gar do descoberto 4ue elle scother, senid em terre- licen" serve sn para recoiihecer a exit.ncia, riqueza
no publico; e seu~l em' terreno particular'ter um. e mais condiees do jaiig o, e nao d irtito ao pes-
premiocorrespondente iiiportaricia do seu descrbri. quizador' a aproveit~rse do mintrio que extrahir',;se'
mento, o qual ,iser pago [elo coiessiionarioda mina, n.o depois 8 bbe a coesso para a lavri.
Se entrar conim'condicao no auto da coneesdo.- Art. 11..' Eb' 'cda Provincia' Ultramnarina, haver
A importania 'd ste piremio, ser determniada por nma Corimisioirde:iiaS composta do Secretario do;
arbitros no'neqios pelos interesadis. . ' Governo, doEscrivo Deputado-da Junta da Fazenda
2. 2." Entneuse-se que o descobridor nfopode hha e e. Official d'Engenheirosalli emservio, a qual ter
bilitar-se quano regeida, ou'quando nao saitisfz a: as inesrmas attribuices que pela Lei:de 25 de Julho
alguma dascondices irl'postas pela Lei, ou pel6 Go.- te 185O0, tinha a, Commisso -consultiva do Reino,
vernd conc'ssa'o." com as modificad es que se determinarem no Regila.
3. 3. O Governo no pcde fazeri coneicesso d'uia nmento que o. Governo lhe dever dar..
minaa ra ess e osa e sa o de ~tbridor'da -. uriico. Os mierihrus d'esta Commissao- peFcebe.
mesrma, aliviapd-o da'"ondtcad "on coudcIIi's 'que o' ro tmna gratificao fixada plo Governo,a'quaI nCta
disicobridor regeitou, ou q'uelilo pUde satislazer, sem excederId i. Oi i, r."'por anno. ,
ouvir o mesmo UIeslobriaororefeindo-o noi cazo de Art. 1,2' Osi Gdevnadlressen Conselho,! ouvindd
quercr- ainda a conce'sab. ' .a Coomui'isso consltiva*,die ninas da Provincia, pro-.
`i. 6. A pe'rmiis'so para ps i'zar dura pel es- 'poro as-modificaces que devero fazer-se na Lei
pao diuum anno,"a co ntar da"dal'fi a li'cenea, sendo de 25 de Julho de 18.0,. para a torpar aplicavel s
dada pelo Governador da Provindia b: da 'data d' circunstancias species de, cada Provizcia;,e. beni as-
apresentaco da licen' a esti se'ddd dada pelo Minis- sim ,qs Regulaamentos, neCssarios para a sua Boa exe-
terio da Marlihfaf e 1'rafhK;l poaera"coin t5lor ser cuo e o Governo, ouvindo o Conselho Ultramarino,
renovada, se dento a ql! jeile eazo, e tiver etnpre- Decretar estas niodi6caes. ..
hendido a pesq zfa, e coutii taano ao menos pelo es- Art. 13." Nos autos':econoisso para larar sinias
paco de trez mezrs. n 'Prtvine ifi tUltr'riarinas, irserir-se&hao-alem .das
S. urico. 'O erpaeo "lerren'6 em que permitti- condies indicadas Lna Lei as 'seguintes.
da uma pesquiza nio excedera a'rive lguas 'qa'dra- 1 .o Transportar o concessionariopara Africa sua
das, isto a unimqu.s" 'd cujdl dos sejm de trez cuGsta, umnumero de pssoas braifcas naturaes de Por-
lgoas legae ;i.iso absquzatilor''pder dbter suces- tugal, ou Ilha da-Madeira, ou Ares, deterniinado
sivarmene novas permnssoes sdbP^ftiro campo, ter- segundo a importa.cia da mina concedida, e queniio
minado o prazo dalicenca que tiver antecedentemen- deter ser, mnor que o correspondent a uma deci-
te'obtldo, ou desistlifo6o directt' 'i4d ella lhe asse- ma parte do n'umero de individuos ermpregados na
gurar.-. .- : .'.. .'. dita minadurante osegundo aniro das.ua exploracio;
Lrt.. . pe1 z'dr'iabilitad ion' ierisiso Estes 'iolonos nuo podria seir brigados a trabalhar
Jiao tem di'reito senao i'oicessao das'niinas 'qd des- na s ina s. '
colr ; 'mas 'oae iirpe n iT'qu tbirem in'sd ibl a 2.,'agar os tra'b'os 'aos seus agents, e operarios
jo seu campo le novo, no'espdso qheldeeidceiri' de.-' que empregar, ei.'djnehiloe metalico-effectivo provia-

. * 1
'( 1 .. ,
er---










cial, ficando prolibido o.pganeniio em fazendas, ou
ge4eros de qualquer 'especie,, contra a vontade, .Jos
mesmos agents, e .perarios. ; ..
3.' Ser o commercio inteiramenkte livre no campo'
da concesso, e.seus contorrioi para quem n'elle se
quizer orcupr, ficando c \pe'sainente declarado que
o concessionario nao tei direito exclusive seinao
& mineraco -nos terrenos: daeconcsso; - :.:
Art. 1 4. Ser livre o aproveitamento, sem neces-
sidade de. iicerioa, rniemd'outra qualquer formalidade,
e s ge sugeiao ai nenhuma. ste de impostos,' das
nras aurifeiras, e outras produces mineraes, dos iios,
com tanto que se aproveitem sm -estaiecimentos
fixos. '
Quando se formem estabehlid entos fixos, pagaro
5 por-100 do product liquido dos mineraes explo-
rados, e ienrhui" outro imposto tanto rio-interror da
Provincia como nos sP'irtos ;ei- te embarquemr estes
migeraes, .quer elles sejam tranportado-s em bruto,
quer o sejam fundidos, ouI ,ianr,4inipuljlo..
Art. 15.0 Sero livres de direitos dentrada na Pro-
vincia em. que exist uma nlina- ccedida, todai as
maquinas, ferramentas, e utenss que frem desi ina-
dos, e apphiados a pesquiza, exploracia, e laborao,
da mesma, nna. i .'
,. imico. .A dcesgn-rao (as Affandegas onde aadnmis-
s' de takes hachinas- pods ter., logair,' e do .espaco,de
tenpo ppr que de-ver durar esta isenipt<> o.d direi-
tos para cada e.peci dceniiias, ser estabelecida nos
Regouiamen oi qi d Governo' pu icara.
Art. 16." A concesso piara -a pesquiza, e para a la-
vra de niias. era innunciada por Editaes, e estes
publicados .no journal Official da respective Proyinia,,
e-tambem no hiario do Governo em Lisboa.
Art. 1"t.7. Os conc-eseiona rios das minas ,que .nap
Satisfizerem as,Condices impostas pela Lei, perdem
os, direitos adquii ido, pela concesso. '
Art. 18. Fica revogada today a legilalo em contra-
rio.
Art. 19. O Governo dar conta s Crtes, na sua
proxima reunio, das di-posices contidas no prezen-
te De'reteo.
0-, Ministroi e Secretarios "LPE1'adb dt' todas as Re-.
parties as.miii o tenham rintendido, e 'acani execitar.
Pao das Nerce.sidad s, "-e. fl e de Dezemibro de 1852.
=R AIH=- A= Dique de Saldinlia =-'8 Rodrigo da Foi-
seca Magalhlcs = Antonio Maria de Fontes Pereira de
Mello, = u itnio Aluiio Jervis l'Athoiguia.i= Est
o.onforme, A4ntonio .,Pedro de Carvalho,



O Governador Geral daPro.iucia dC Moambique,
em Conselho determine o seguinte.

"" Hveno inmost radio ( 'gphirircfi'qiu-oI Regulamen-
to do Hospital Mili ar;d'esta Capital, actualmente emn
vigor, deficient em algiins-t~d s, sobre que convem
,prc.idenciar adoptando as medidas tendentes para o
ncellioratienio d'Lum tio iirportate' esthbelemntento:
liei por convieniente nometatrm Cbtiniissad' comps-
la do Eseri'~laQ'iputado ta Junta l8'Faentda, lMano-
e:I d4'Aguiar, do Phfsico Mlor da Procin i;. Jecque~de
Salis, do Delegado do Procura or da or6a e Fazen.
da F. B. dos Santos Bichq,..d Contador Geral da Jun-
ta da Fazenda D. M. da Fonseca, e do 1."Pharma-
:F.i ik.,A.atnto n-Ferraz. de Ca-l~o, a qual Coaamissao
,-i .. '-


e.,,y.i.ndoo -d'entre si um para Presidenio, passar um
:miucioso. e~m.e aoiito. Estabelecimento, e depois de
ter u ompleto Conhecimento -de todo o servio do
mmin n e reunir no local que mais lhe convier, e
pj;pra as 'mencddas que convenm adoptar-se tanto no
que diz respeito, aos Em pregalos, seu numero, `oibrn-
.gaoes,. qupnto administra~io 'ds dietas e fis&lisa-
So dos re.~dimenlos da Botica apresentando os seos
trabalhos com a maior-brevidade, possivel para depois
serem discutidos, e approvados er Conseliho, As Auc-
tnrid des a quem o.coubecirentQ,4'et petertneer, as-,
sim o tenham entendido e.cumprami. Palacio do Go-
verno Geral de Mocambique. 3 de Junho de 1854.
= asco Guedes de Cai'valha e Menezes,





H TSPAt MILITARY,
r '
;Mappa do m'ovimento dos doentes, do Hospitat
Military de Moambique, d'esde 225 d
M.dc" t o 41 do dorrente,



S DOENTES. .- ,


S 'il.m 51 s 1 i3 69
Entraram is' i 2e
SSomna 69- ,, 7 15 91
SSairam curados. 5 1 91 a
F.aileeram i i I 4
Ficam existiiido 42 51 5 5. .

S N. B. Faleceram 3 vropaus recem-clegaros', i de 'ebre per-
,ici.o;ioli Iaa, e 1 de Febre typhoide, este recoliro-se ao Hospital'
flilta-r rpam !O dias ee dtoeia. 1 Aziafkode Marasmo, Eovseqenm.ia
de ciurhea rlronuar; e o Indigenta, Escrtaoo do Estado, de, Splenor;
,pitirm,.'it rhronnica. com at~scess n Cago. '

Hospital Miitar de Moambique, 1.0 de Jutiho de
1 854. D D.' Jacques Nicolau' d Sa/is,- P/usco aMf.


'. *





EIy6arcads enrad.a e,sab1id hi dtrante o inez
d'A6~l de I8S4. ,

r RBABCa ES 'lVNTtR4DAS.. ,

,Brigie Portuguez Estrella de Dam-o = Capite
Neapum Mam .Glamo, de Lour.eno Marques, com.
marrim; pbtas'd'abada, e' rzellh, T2pestoasdBtripur
loo, 2'~ .p~~ eiros. .


ia i' ~ o ~..-i ~ a
~ .;. ... I.. irii ~--~ri--~--~--- '-i --- --s







<' 5ff
~~~~~,~~ ~ ~ -.~.. e-e. ~ ----~-.-- - ii-;- - :


Pangaio ATrab = Fatdl Uir~ estre Saide Bfna
leque, de Zanzibar, 16. pessoas de tripulap, e 3 pas-
sageiros. ". d,

Pangaio Arabe Assiuagnd Mestre AbIal, 'd
Muayl,'carn 26 cabeas de d.o vaccuin, e 4 Cabri--
tos. .

EMinpRC6IS SAnIAS.

Pngaio Arabe = Fated-Kir z Mestre Matmnud Bin
Amisse, para Zanzibar, com mantimento, com 33 pes-
soas de tripulao, e 24 passageiros.

Lancha Portugueza= Fortuna d'Africa = lstre
Sangiro, para o Ibo com fazendas, polvora, e mais ge-
neroq; e 14 pess.ois de tripulaO.

LanchF Pprtugpeza= Toma-tudo == Mestre Adamo,
para o li3o, com vinho, e mais generous, 11 pessoas
de tripulao.

Pengaio Arate=-- Ary Pana Mestre Macame, para
Bombaim, com. marfim, cauril, e mais generos, 1
pessoas de tripulao.

Pangaio Arabe-= Macasse = Mestre Abdal BiR
Aly, para Zanzibar, com' mantimento, 18 pessoas de,
tripulao.

Barca Americana = Emely Wlrder = Capito Ene-
ry Ridche, para a America, e-eew ifferetes generous,
13 pessoas 4e tripolao.

Batea Americana =-Iosp Capito ?utnam, para
Zanzibar, com algodIes, 13 pessoas de tripulalo, e
7 passageiros.


Brigue de guerra inglez= Narbod.

Lancha Portugueza.Estrella do mar == Mestre Ajab-
'dala, para o Rio PaiBe, em lastro, com 11 pessoas
de tripulao.

Hiate Portuguez--- Esperaina Mnpstre, Mapmud
Aly Ussene, para Quilimane, com differences generous,
f0 pessoas de tripulao, e 4 passageiros.

Pangaio Airale = Catan Pass =--Mestreftinj' Ds-ft
s, para Bombaim, com differences gea"ros,. e 8 pes-
soas de tripulaio.

-PatIa Portugurs- 'S S fr8 HtBrsss; Capito
UssanM.aumud, para: GC, com cauril, e mais ~ne-
ros, e 16 Wessoas de tripulao,

Barca Portuguza := Nove Paquet = Capito Ja-
cintho de Jesus e Silva, para Lislba, 'com differences
gstlqrQs,A p t~pae~ dg# tr.ipulagd4a e lApaageiros

Paigai Arabe a= Lacmy Pass = Mesfe Ab Das-
sang, para Bombaim, com ma4r .jq qt~Aiis ge-,
raros.


SPngaog Arabe-= Reare *--Mese Masstdi Btua
Amad para Anjoanes, com differeutes'generesi 2*t.
pessoas de tripulao, e 2 passageiros.

Pallinhai Por(ugUeza ==RupareI = Capito Vallegi
Amad, para Bombainm com marfim, e mais genero%,
17- pessoas de tripulao, e 21 passageiros.

Quartel na Praa de S. Sebastio 1.9 de Maio de
f8564..==MqCnoel Antonio dos' Rei, Portugal:-- Aju,
dante da Praa.



.mbarcaoe entradas e sahidas, 4o i.* a 3i'
de Maio de 4854.






SDe avi 3 aR Mwarfim, ur'
g '" -zula, points
X,o e Gav ia '6 ," d 'a- ,
Som. 188 6 lumbar, e ou-
:O a 9, 8 616. tros generous.


t ma copal, ca-
S omma. ... lumbo, e ou-
M, _ : .:- tros .. .: t ,
Quarter na Praa de S, Sebastio, 1.' de Junho de
84. Al= Manoel Antonio dos Reis Portugal Ajudqn-
te da Praa.





AVISOS.:

JU.TA DA .FAZENDA PUBLcTA.

Pela Repartio da Junta da Fazenda, correm edi-
tos de 30 dias chamand Q. todos os credores do esp-
lio de Andre Paulino' Martins, find o dito prazo sera
entregue today a quantia ixistente a Joo da Concei-
cio, como credor do mespohespl61i, CGontaorria Ge-
ral 31 de Maio de 1'85-i *= Manael dlAguiaw


AN. ... ANCIOS.

I AM:dyQgado Franiesco A;itonio Gargamala, teiti
i st escriptorio na Rua d'Amizade n.0 6 1.< anh
dar;- aonde contioua. a funecionar debaio 'da diree-
.ci do ido eso. Mouambique 4 de Junho de- 1864;, =
Frangisgo Antoiiqoai G'amla.


S OA IQUE : ,_ A ACIO .






ANNO-185~:.


NUMERO 5.


'kaTriie ~1ui ,fB~ri SdpF:.aijuM E ssgrr- La
ft.~4fl, &,gifig' oon*


I Asimstra J' rrebe... ................ 800
.Por simneltre ......... .................. 1500
SoR>ft' -.I ...... .. ..1


BOLETIM l


bo GOVERN flhA PROVINCIA bE fOIUIWCJL

WAIBAIm IO 10pt:lf-f
JY. -~- 1 il-ii~ii~L~-C-.1 L- ..
~~ ~ -~iras~s ~aa I~P~1-J;Ing[$


ter .tot itranmmiitidt pelo SMisterwi di MJ-ri-
enk a Ultramar.


S1RLATO Oi.i

S rmani -A Carta.Regian de 6 delMaio de 1614,
-o Alvar de 9 d'Abril d- f622; o Decreto dc 1.0
d'Abril de 1677, e muiafas_ dutrasw determita^esd ds,
Augustos Predecessores de Vossa' Magestade. relatives
especiahnente as Possesses dePortugal n Ultramar,
estabeleceram mui providetfteriente que do procedi-
mento de todos os altos Ftecioioarios,, a- quem fosse
coimmetida a governao d'aquel!as Possesses em. ad-
Ministrao, justia e fazenda,- se'sndicasse minuciosa-
m'ente, quaido elfes deixasem os-seus cargos, e antes
.'que entrassenm no~ exereiB d"iTOos;. Os deploibreis
excessos que, conforme se i dasd prtbv-idncias- que so-
bre elles se tomaram, e mui notavelmeniiet das, do -Al-
var de 4t d'Abril de 178&, ousaram: t:ometter em
outro tempo algun d'e~ses altos-Ficcionarios, por con-
fiarem: que a' distanciac a que se achavam da Metrdpo-
le, e os- meos de prepotencia que- podiam empregar,
ternraiam impossivel que e Governo- fsse sabdor de
seus abusos, ainda nt(.sactuaes. tempos podenm tepetir-
s,~; por entura t s'e terao infelizmeint repetido,
foi por essa- caus tque no art., .o&, E .0.6 daei
da ereapo do -do nseho4: tramatino, Vossa Magestde
lhe Incumbiutrrad~ir icm:egul ento sobre o imodoi
d'investigari a eondiecti; que si dv.rsos Emapregadeos
nas Provincias Ulramarinas tiveremt tido no exerci-
dio das' suas fine es, a fint de-que se torne effetiva
a responsabilidade de cada- uMa,
Convencidnsr os Ministros, de cVoTss Magestade- da
conveniencia e necessidade d'esti pjrovideneia; e de
-que ella. iara ser iro~fia', dv,': ser effectriad0, dei
: mxad que n6: ique.limitada .a ;iria v. formalidide,
antes sja;'bas seg;ta, para .fundaientari o galardo e
recorupensas;: que erdevero aos bons Esmpregadtos,- as-
imcom. c ':ani apuziio .ds;: que: tivereasi delinquide;.
Considerando que o estado das nossas communica-


PAB~u ~il~* I


*oes com as Provincias Ultramarinas nio.comporta que
ias syndicancias sejam commettidas a Juiizes mandado0
Ido Reino; os qnaes,. estranhos a todas as rela.eb de
1juperioridade ou dependencia, de affeio ou- de odio
com os syudicandos, seriam alis os.mais proprics e
jcomipptentes ,para- taes diligencias;
Considerando que seria muito inconveenite que
da conduct dos altos Funccionarios d'aquellas Posses-
ses fossem syinlicantes os Juiies, que com, ells fiv-
iram contcto de funries, lelo estado d conflict e
desirteliigencia,, que infelizmente .,algumas- vezes existed
entire esses Empregados;
Considerando que ,indispensavel larmonisr
process das syndicancias com o modern s. items de
administraao dajustia; e accommod-Io. s espt ciaes
e to, diversas condies das nossas Posseszes Ultra-
marimas.;
Considerando que a grande infiueuicia que os Funci
cionarios do Ultramar exercem n territrio da sua
jurisdicao, torna indispensavel que se regule de um
modo especial a-prescripo -do direito de querelar d'el-
les, o mnodo de es processor emt quanto exeercere
suasuas funces,. e sempre que se tratar de crimes re-
lativos ellas;
Considerando que pela aboliSo da pena de confis--
cao de bens decretada na Carta Constitucional da
Monarchia-, ra indispensavel estabelecer-se a pena de
,multa, convenientemente regulada, e at a providencia
do atesto de alguns bens para que. no ficassem, im-
punidos muitos abusos, e a Fazenda Pblca ou os
particularss sem, indeimniaao alguma d'iljustos pre-
joi:b's ;:. ,-
Entendendo finalmente. que,- por muiitos motivos
Sque 's0o obvious, grande part destas consideraes mi-
litam com igual ou rmior orra de razio para os cri-
mes que. eontr.a esses mesmos Funccionarios pFosam
commetter-se no ltramar :,
.Por todas estas graves considera.es, que julganmos
devidamente attendidas. no seguinte Pi-ojecto d Decre-
tto elaboradb pelo. Cotiseto.,Ultratnarino, ti~eos ahlin-
ra de: sutmetter .o:iesm o Dereto f Rlal Al'IroVa(
de. -ossa, Magestd, persuadidos de que. ii
.Vossa M'agestade. Concder-llih' fara atiU:atodi sumlfa
conveniencia. Secretaria di stado:ds l ci e~ d -
riali -e.-tramar, 27 ,dI DIezebrd que de Saldaiha ==.dr.igo d Fonisec Bgath =
Aonio Maria de Fontes- Iereira de~tIld A'ntonio
Aluizo Jrvis "d'Athoguiao : *


;I;; ~ii~glY"dl rC'






jg.8


DECRETO.
T OMsDO em considerao o Relatorio dos Ministros
e Secretarios d'Estado de todas as Reparties, e
Conformando-Me com o Parecer do Conselho Ultrama-
rino; Hei por bem Decretar o seguinte:
Art. 1.o Daro impreterivelmente riesidencia no Ul-
tramar, quando tiverem terminado as suas funces:
os Governadores de cada um dos Governos Geraes e
Particulares, e os Secretarios dos mesmos Governos,: o
President da Relao de Goa; e os Juizes de Direito
de primeira e segunda Instancia; os Procuradores da
Cor6a e Fazenda, e seus Delegados; os Escrives e os
,Thesoureiros das Juntas de Fazenda.
unico. O Governo, ouvindo o Conselho Ultrama-
rino, ou sobre Consulta d'elle; mandar tambem, quan-
do convier, que extraordinariamente se tome residen-
cia a alguns dos referidos Funccionarios, e mesmo a
qualquer outro, seja qual fr a sua cathegoria,
Art. 2. Quando houver de se tirar residencia a al-
gum dos Funccionarios designados no artigo anteceden-
te (exceptuados os Governadores de Provincia), o Juiz
de Direito proprietario da Comarca onde elle tivesse
a sua residencia proceder officiosamente, dentro d'um
mez, e sob pena de inhabilidade para quaesquer func-
es publicas desde 3 at 10 annos, syndicar do com-
portamento do mesmo Funccionarib, pelo modo pres-
cripto nos seguintes . Se' a syndicancia for relati-
va a um Juiz de Direito, ser tirada pelo successor
do mesmo Juiz.
. 1.o Antes de tudo a Aucthoridade Judicial nomea-
r para Escrivo do process da syndicancia uma pes-
soa idonea, que pela sua probidade no seja suspei-
ta ao syndicando, nem aos povos; e officiar ao cyn-
dicarido para que haja de sair da -Cidade ou Vilia emn
que se tirar a syndicancia ; e se elle quizer alli perma-
necer, ser obrigado a sair na primeira oportunidade
para fora dos logares em que se proceder cyndican-
cia; sendo para isso constrangido pelo syndicante quan-
do voluntariamente o no fizer.
$. 2. 0 Juiz syndicante logo que o syndicado es-
tiver fora do logar da syndicancia, far affixer editaes
nos logares mais pblicos da sua jurisdico, annun-
ciando que, dentro nos seguintes 30 dias, quem quizer
queixar-se do dito syndicado, o poder fazer na con-
formidade dos art.. 891, e 892 da Reforma Judicial,
ou por via de quvla quando tenha logar, e mesmo
denuncia-lo em segredo nos terms do Alvar de 14
d'Abril de 1785. Se houver Boletim Oflicial, ou outro
algum Periodico, os editaes tambem ahi sero publi-
cados.
. 3. Em seguida far autoar as certides da pos-
se e da exonerao do syndicado, ou da entrega do
cargo ao successor, as quaes para este fim lhe sero
opportunamente remettidas por quem 'competir, ou elle
as requisitar quando tardarem, 'bem assim uma
certido de se ter observado a disposio do . 1.,
uma copia, dod editaes, e uma certido de que foram
affixados e onde; e. se tambem tiverem sidb' pblica-
dos pela imprensa, um exemplar d'esta publicao.
$. 4. Ao mesmo tempo em audiencia public far
matter em uma urna os nomes dos 30 maiores, e
-Aos 30 mnores contribuintes-da .Cidade, ou Vilia.


principal em que exercer jurisdicio, regulando-se n'is-
to pelo ultimo recenseamento para eleies, mas ex-
cluindo os; que forem Empregados Publicos ; e manda-
r extrahi por um menor de 10 annos os nomes de
20 d'essas pessoas, as quaes immediatamente-far no-
tificar' para virem sua presena depr com juramen-
to tudo quanto souberem contra o syndicado; e sem-
pre lhes perguntar, nos terms do citado Alvar de
14 d'Abril de 1785, e mais Legislao appropriada,
se sabem que o syndicado recebesse quaesquer peitas;
que fizesse algum commercio, ainda que licito, por si,
ou por interposta pessoa; que traficasse em escravatura,
ou fosse connivente com os contrabandistas d'este tra-
fico, ou de qualquer outro commercio illicito, ou se
houvesse com culpavel desleixo na perseguio d'esses
contrabandistas; que despachasse para qualquer em-'
prego public algum parent seu, ou familiar, ou por
qualquer modo incorresse no crime de suborno; que
convertesse individamente em uso ou proveito seu, ou
alheio, quaesquer dinheiros Ou objectos do Estado; e,
em fim, que commettesse abuso de poder, ou fizesse
indevidamente a alguem violencia ou injuria.
*. 5. Se alguma d'estas 20 testemunhas se referir
a outras, sero tambem essas inquiridas nos pontos das
referencias.
6. 6.' Esta inquirio summara ser concluida den-
tro de 30 dias de affixao dos ditaes; e quando es-
te prazo seja excedido, ou ainda qualquer outro dos
que vo designados n'este Decreto para a forma@o do
process preparatorio, constar no. mesmo process o
motivo, a fim de, no Tribunal a que subir, se conhe-
cer se houve ou no negligencia; e, em caso affirmati-
vo, ser logo imposta.no .mesmo process ao culpado
d'ella, se fr Juiz, ourEmpergado.Judicial, uma mul-
ta d'esde 10,000 r.' at 100'000 r.'. Se, porm,
for um agent do Ministerio Publico, ou Empregado
do Executive, esta fhulta s poder ser-lhe imposta
em process especial, instaurado sobre Consulta do
Conselho Ultramarino, ao equal o.Ministerio Publico
dar conta documentada da negligencia que se tiver,
encontrado. A multa Lio.ixenta de maior pena, se ti-
ver havido dlo.
. 7. Em quanto tiver a referida inquirio sum-
maria o Juiz receber tambem todas as queixas, par-
ticipaes, documents, informaes, ou denuncias que
se apresentarem contra o syndicado, bem como quacs-
quer documents, ou exposio que este, ou qualquer
outrem por ventura offercQ de.pcrveno em sua de-
feza; peas estas ,de que niandar dar aos interessa-
dos .recibo circunstanciadq e confrontado; e unido tu-
do isto aos autos de inquirio; Ir este process com
vista ao agent do Ministerio Publico do Juizo, o qual
sob pena de nulidade, dever ter assistido a todos
os actos que ficam declarados, assim como a todos os
mais que se seguirem, e com o direito de requerer
quaesquer averiguaes, ou -de fazer., a todas as teste-
munhas as_pergntas que entender necessarias para
o descobrimento da verdade.
. 8. Dentro de 3. dias o Ministerio Publico exa-
minar os autos, e seno. encontrar n'elles indicios da
existencia de qualquer crime public do syndicado, e
nem elle mesmo souber de algum, assim o declarar,
-motivando esta sua opinion ; e os autos iro cououz~s









ao Juiz, que os remetter pelo Seguro do Correio, na
primeira opportunidade, ao Presidente do Tribunal
competent.
. 9. Mas se o agente do Ministerio Publico en-
contrar nos autos que o syndicado arguido d'algum
facto da natureza d'aquelles de que sc trata no 4.o,
ou ainda de qualquer outro crime public no pres-
c(ripto nos terms do art. 16.' do present Decreto,
dar sua querla, na qual especificar separadamen-
to cada um dos factos criminosos arguidos ao syndi-
cado, com as circunstancias do tempo, logar, e modo,
e nomear para a averiguao de cada um d'estes
factos at 8 testemunhas, preferindo sempre 'as que
forenm indicadas nas queixas, participaes ou denun-
cias. No mesmo acto o agent do Ministerio Publico
querelar por qualquer crime public, que lle proprio
souber contra o syndicado, ou declarar expressamente
que de nenhum tem noticia; e os depoimentos das
testemunhas que nomear, serviro ao mesmo tempo
de corpo de delieto indirect e de prova para a for-
mao da culpa.
S. 10. Se algum dos factos arguidos ao syndicado
for de n tureza que s possa ser suficientemente pro-
vado por exames de inspecfio occular, ou por meio de
documents existentes em alguma Repartio Publica,
ca c c outra qualquer part, o agent do Ministerio
Public promover antes de tudo, que se faam im-
mediatamente esses exames, ou que se rate de obter
esses documents para servirem de corpd de delicto
director. Exceptua-se, porem, o cazo de ser no Reino
que tenham de ser feitas estas deligenias, se no fo-
tem absolutamente indispensaveis para fundarcmetaf da
querla, porque n'esse cazo sero leitas depois que o
process preparatorio subir 'ao Tribunal superior.
.. 1.o No recerseamento de querla la ar o Juiz
o despacho de que a recebe si et i' quantum;; e este
requerimento assim despachado servir, sem que seja
precizo reduzir-se a queria a um auto para por elle
se inquirirem, como, sero immediatamente inquiridas
na presena do Mlinisterio Publico todas as testemu-,
nhas por elle nomeadas, e ainda aquellas a que estas
se referirem. Se over algum accusador particular,
dar tambem a sua querela, para prova da qual po-
der nomear at 8 testemunhas, que o Juiz inquirir
com assistencia do Ministerio Publico.
. 19.' Findas estas inquiries, os autos depois
de trasladados se coitinuario ao Ministerio Publico,
que dentro de i dias far n'elics por escripto uma
analyse conscienciosa das provas, e concluir interpon-
do o seu partner sobre o merecimento d'ellas, depois
do que indo ao Juiz por igual prazo, e para que faa
n elles outro tanto, sero pelo proprio Juiz lacrados
e remettidos ao Seguro do Correi, para que os man-
de na primeira o-casiao ao Presidente do Tribunal
competent, unindo-se ao traslado a cautela do Seguro.
-. 13. Todo o process preparatorio at aqui es-
ta beiecido se concluir em 3 mezes, ao mai:s fardar,
contados do dia-en\ que o syndicado deixar de exer-
cer o- seu cargo, e se retirar do logar em que residio,
nos terms do . 1.`; e quando seja impossivel, con-
signar-se-ha nos autos o motivo, nos terms, e para
os fins delarados no : 6., sem que todavia esta
falta eavolva yvaillidado.. (Continu3d.)


---3BMy ,
Copia. Tendo sido propostos pelo Miiisterio dos
Negocios da Marinha e Ultramar, para Irem servir
em Commissao como Officiaes na Provincia de Mo-
.ambique, o 1.0 Sargento de Granadeiros da Rainha4
D. Carlos da Camara Leme, e o 1.o Sargento d'Infan-
teria n.0 ', Manoel Leite de Souza; Hei por bem
Promover os referidos primeiros Sargentos ao Posto
d'Alferes d'Infanteria ficando pertencendo ao Exercitoa
de Portugal, no qual contario a antiguidade d'este Pos-
to quando conpletarem oito annos. de servio, como
se adoptou na ultima Promoo do imesmo Exercito.
Outro sim Sou Servida Ordenar que esta Minha So-
berana Rezoluo fique nulla e de nenhum effeittG
quando os agraciados pot qualquer motito deixem de
seguir viagem para o seu destino, ou de servirem
n'aquella Provincia, ou no Ultramar o tempo marca-
do pela Lei. O larechaf do Exercito Duque de Sal-
danha, Prezidente do Conselho de Mi,'istros, Ministro
e Secretario d'Estado interino dos gocios da Guer-
ra, assim, o tenha entendido, e faa executar. Pac
das Necessidades em 28 de Marco de 1853. = RAInmA.
= Duque de Saldanha.== Est conformie, Secretar+,i
d'Estado dos Negocios da Guerra, em o 1.o d'Abril
de 1853. Bardo de Wiederhold, Brigadeiro.Gradua-
'do Chefe' da Repartico Militar. = Est conform,
Secretaria d'E:tado dos Negocios da Marinha e Ultra-
mar, 1.0 d'Ab]ii. de 1853. =Est conform, rntonir
.Pedro de Carzlvaith



Copia. Conformando-Me com a Proposta do Gofer.
nador Geral nomeado para a Provi:;cia de Moambi-
que, Vasco Guedes de Carvalho e Mlnezes, icei por
bem mear Ajudantes d'Ordens do dito Governador
CGral. os Alferes do Exercito de Portugal, D. Carlos
da Camara Leme, e Manol Leite de Souza. O Vis
co-nde d'Athoguia, Par do IRemo, Miuistro e Secret,,
rio d'Estado dos Negocios Etriangeiros, e dos da Ma-
rinha e Ultramar, o tenha assim entendido, e faca
executar. Paeo em, 6 d'Abril de 1853. =--RAImIA.-=
Visconde d'Athoguia. =Est conforme, Antonio 1Pdrie
de Carvalho.



Copia. Send indespensavel crear um capital com q4ue
possa dar-se comico colonisaco das Provincias Afri-
canas com individuos d'este Reino e das Ilhas Adj<.
centers, destraiudo por este modo a grande emigrao,
que de um e outras tem lugar para paizes estrargei-
ros, e promovendo o desenvolvimento da agriculture
e industrial nas mesmas Provincias; e endo mostrado
a experiencia que o direito de um por cento ad va-
lorem estabelecido pela Carta de Lei de 4 de Maio
de 1849 ao vinho e agoa-ardente de produco por-
tugueza, que se inportasse nas Provincias Llrainari-
nas no produzir lli augmento de conisumo d'estes
generous, nem por consequencia a sua hmaior exporta-
co d'este Reino, principal fim que se tivera em vis-
ta n'aquelia providencia, Hei por bem Determinar o
seguinte: ,
Art. 1. Fica sem vigor odisposfo na Carta de Lei
de 4 .de Maio de 1849, que admittiu a despacho emi
todas as Provincias Ultramarinas com o unico direito
d'um por cento ad valorem o vinho e agoa-ardente de
produco portugueza.
Art. 2." Em quanto se no estabelecem definitiva-
mente os direitos, ,ue em .cada uma. das Pr ovinciM s


.I --- I --l~bi-i-i~lril~_ i----~ __~~ I ~ I C









Ultramarines se devem pagar pelo vinho e agoa-ar-
dente de Portugal, cobrar-se-ha n'ellas os mesmos di-
reitos que se cobravam anteriormente promulgao
d mencionada Carta de Lei.
Art. 3. O Producto que resultar dos direitos esta-
belecidos por este Decreto ser arrecadado em sepa-
rado dos outros rendimentos, formando um fundo es-
pecial, que se denominar fundo especial de coloni-
saao.
Art. 4. 0 Conselho Ultramarino propor um re-
gulamento especial ao Governo, estabelecendo o mo-
do porque este fundo deve ser administrado, e ap-
plicado colonisaco das Provincias Ultramarinas.
Art. 5.0 As dispozies d'este Decreto no so appli-
caveis ao vinho e agoa-ardente que forem exportados
de Portugal dentro de 30 dias depois da sua publi-
cao.
Art. 6." Fica revogada toda a legislao" em contra-
r.'o.
Art. O Governo dar conta s Cortes nasua pro-
xima reunio das providencias contidas n'este Decre-
to.
Os Ministros e Secretarios d'Estado' de todas as Re-
parties assim o tenham intendido, e faamt executar.
Pao em 30 de Dezembro de,1852. = RAINHA. --Du-
que de Saldanha= Rodrigo da Fonseca Magalhes =
Antonio Maria de Fontes Pereira de Mello =Antouio
Aluizio Jervis d'Athoguia.= Est conform, Antonia
Pedro de Carvalho.



Ccpia. Exigindo o augment de populao em al-
gumas das Provincias Ultramarinas, a creaco de no-
vas Parochias; e convindo igualmente fixar mais con-
venientemente os limits d'outras.j existentes; Hei
por bem Decretar o seguinte.
Art. 1; o Governo aucthorizado para d'intelli-
gencia com as competentes Aucthoridades Ecelesiasti-
cas, crear nas Provncias Ultramarinas novas Paro-
chias nos logares onde o exija a commodidade dos
povos; estabelecendo a convenient congrua aos res-
pectivos Parochos e Coadjuctores, onde form neces-
sarios.
Art. 2. igualmente auctlirizado o Governo pa-
.ra d'intelligencia, com Aucthoridade Ecclesiastica
proceder nova demarcao da Parochias j exis-
tntes.
Art. 3-" Fica revogada a Legislao- em contrario.
Art. 4. O Governo dar conta s C6rtes das dis-
posies do present: Decreto.
Os Ministros e Secretarios, d'Estado de todas as
IReparties, assim o tenhan entendido, e faam exe-
cutar. Pao em 30 de Dezembro de 1852. RAINrA.
Duque de Saldanha == Rodrigo da Fonceca Maga-
lhes= Antonio Maria de Fontes Pereira de Mello
SAntonio Aluizo Jervis d'Athogia. :a=Est confor-
me, Antonio Pedro de Carvalho.



Capiaa Convindo tornar extensivas s mercadorias
estrangeiras, j reexportadas para as Ilhas dos A6res,
e dav Madeira, e para as Possesses Ultramarinas, por:
virtue do Decreto'de 2 de Maio de 1844, as bene-
ficas disposies do Meu Real Decreto de 21 d'Outu-
* ro. do corrente anno, Heipor bem Decretar o se-
ga te..
Art. 1:' Ficam semi effitf asfiatai c que f tetihal~


prestado por effeito do art. 2.? do Decreto de 2 de
Maio de 1.844, pela reexportaco das mercadorias e&s
trangeiras para as Ilhas dos A6res e da Madeira, a
para as Possesses Portuguezas do Ultramar.
Art. 2.0 revogada toda a Legislao em con-
trario.
Art. 3. O Governo dar conta s Crtes na sua
proxima reunio das disposies contidas n'este De-
creto.
SOs Ministros e Secreta.ios d'Estado de todas as
Reparties, assim o tenham entendido e faeam exe-
cutar. Paco das Necessidades 29 de Dezembro do
1852.= RAIHA. = Duque de Saldanha -Rodrigo da
Fonseca Magalhes = Antonio Maria de Fontes Perei-
ra de Mello = Antonio Aluizio Jervis d'kthoguia.e-
Esi conforme, Antonio Pedro de Carvalho.





HOSPITAL IILITAR,

L,; do movimento dos doentes do 1,ospiual
Mfilar de' Moambique, d'esde o 1.0
a( 8 do corren:e.



]DOENTES. c


Existiam 42 5 5 6 52
Entraram 25 3 6 34
p ~-
Sommna 67 8 11 86

Sairam curados 17 2 4 33
Falleceram 3 n I 3
Ficam existindo I47 6 7 60

2V. B. Falleceram 1 Furriel Europeu recem-chegado, de Catar-
rho pulmonary chronic, vindo today a viagem na Enfermaria de bordo;
1 Europeu de 70 anrno d'idade, e j n'este paiz ha alguns annos, de
Leso organic ras visceras abdoniinaes; e 1 igualmente Europeu,
Grpumete da Brigue de Guerra D. Joao de Casti o, de Catarrho pdl-
monar chroanico, com hyperirophia dofigado e bao.

Hospital Militar de Moambique, 8 de Junho de
1854. ==D.' Jacques Nicolau de Salis Pkisico Mr.





AVISOS.

JUNTA DA FAZENDA PUBLIC.

Pela Repartio da Junta de Fazenda, se faz pu-
blico que se acho em pagamento trez nezes- de ven-
cimento a todas as classes subsidiadas pelo stado.
,Contaduria Geral 7 de Junho de 184. ~ --Manoel d'
Agutar.


M$ABiQUE : NA ImPJNSA NacwU.Ar ..


-'-- -- r-- --"I- ~.











T'Ete Boletim. sair todos o, smtbados, e assigna-s& pa-
raecile na ,S'ecraria df Goe:erno Gerp1.


SNUMERO 13.


I Assigndinra por trinestre .................., 10
Por sisirse ............................. ,.00
Foina acvuls .... ............................ 80


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE.


SAIBADO 1 DE ,BJaUNiO.
-C I' "- ~-i~ -i "-r--14 --- --- t-~-- I i .. .


GOVE N O GEIRAl-.

.Decrets transmnittids pelo Mitniserio da Mlri-
nha e Ultramar.


Continuao do Decreto de 37 de Dezembro deI 4852,
comeado a publicar mno Boletim n.o 5.

Art. 3. O Presidente do Tribunal, superior apenas
receber estes autos, escrever elie mesmo na ltima
folha a declarao do dia em que lhe foram entregues;
e depois, se se tratar d'um Juiz de Direito, ou d'am
Delegado do Procutador da Cora e Fazend;a, dar aos
autos o andamerito determinado nos Cap. S.o e 6.0 do
Tit. 18. da Reioimia Judicial. Quando, porem, si,
triair d'outros Funcccionarios, o Presidente distribuir
os autos a um Juiz e Escrivo, tirados sorte em ses-
so particular no 1." dia de Tribunal, perante os Juizes
que I rem presents, 'e com assistencia do Ministerio
Public. Esta distribuiio ser lanada nos autos pelo
-proprio agenite do Ministerio Publico, logo-em segui-
mento declara'o de recebimento ,fita polo Presiden-
te, o quial, e todos os Juizes piresentes, rubricaro a
distribuiio, que ser depois lanada pelo agent do
Ministcrio Publico no livro de que trata o art. 771
da Reforma Judicial, e ahi tamnbem irubricada pelo Juiz,
que n'csse dia fizer a conferencia da distribuio geral.
Art. 4. Em seguida Escrivo continuar logo o
feito co- vista ao agent do Ministerio Publico, sem
dependencia, de despacho, para em 5 dias dizer por es-
cripto o que se lhe o!ferecer;. e indo concluso ao Re-
lator par outros 5 dias, para que o possa, examiner, se-
r por ese i'prcsentado ao Presidente, para que lhe
designe o dia do julgamento'com preferencia a qual
quer outro process, sem com tudo se anunciar em
tabella pcrta d., Tribuna- .
L. Mas se no process nio houver queria do
.ag-i,',: do Ministerio Publico do Jizo inferior, per es-
.te haver entendido que nao existia material para ella
conform o . 8. do art. 2.o, o agent do Ministerio
Public' no Tribunal, quando eiitend o contrario .dar
logo a querela p'rante o Relator, pelomodo prescripfo


k":8i.Islile 61~;islreill~h8,1,


rr. ~srs -


-~---ne~r9~hT~(n5.lia --


no . 9. do dito art. 2.', e este mandar depois re-
verter o process ao Juizo a que pertencer, para que
l se proceda s averigua,es necessarias para a forma-
o da culpa nos terms d'este Decreto, salvo se o Minis-
terio Publico entender que ella se pde former perante
o Relator, sem o process sair do Tribunal, por haver
ii'e!le prova documental que baste para a pronuncia,
porque nieste caso se proceder a summario.
2. E se o agrnte do Ministerio Publico .enten-
der, que, antes de se decidir sobre a pronuncia,. pre-
ciso que se ordene qualquer diligencia, assim o pro-
mover, e n'este caso, ou em quaesquer outros em que
n'estes processes se requrererem diligencias, o Relator,
se o julgar convenient, ou quando assii lh'o reque-
rerem, tomar 2 adjuntos sore na seco a que per-
tencer para deferir como for de justica por maioria, de
votos; mas em teode caso nao poder inldeferi.r or si
s requerimento, algum- do .ii i .; Pulico ; e de to-
dos os despachos interlocutorios, contra que lhe pro-
testarem, dar conta no acto do julgamento a final, por-
que at6 entS podero ser revogadcs pelo TribunAl.
. 3. Se o syndicado quizer off(riecer -io Tribun:l
quausquer documents, ou exposio antes de se decidir
sobre a pronuincia, pode-lo-ha- fazer entregando-a ao
President em qualquer tempo, e mesmo anites.de se
receber o process preparatorio, com tanto que seja
antes do process ir ao Ministerio Publico para dizer
a final.
4. '4.. Se o syndicado tiver .u'.', ,i, a oppra a lgu.m
Juiz do Tribunal, e a offerecer antes de se dsignar o
dia do julgamento, o Presidente a far processor nos
terms dos art. 719, e 760 da Reforma Judicial, mas
em apartado, eficando suspenso- smeinte o dito julga-
mento at deciso da suspeio.-
Ait. 5'. No dia do julgamenio, reuniida em parti-
cular todas as seces de que se compe o Tribunal, e
sendo present o Ministerio Publico,, assim como o Es-
crivd do feito, far o Presidente metier em uma urna
os nomes de todos os Juizes presents, qu3e no se dce-
clararem, debaixo de juramento, ou nuo iverem sido
julgads suspeitos, e extrahira d'ella os noines dos 4
adjunctos que com o IRelator hso de d ecidic Ue in ou
no iogar a prnmncia.
SD'este sertnie:eio se avrara imen, .di:tain..ete acta
por tidos assignade, e lego sairSo du shi os J;uzes nao
-sort cados, c,.nd.o so ;:eiiente ca o Tribunal, o Pre-
sideniic, o auge;t' do Ministerio Publico, os Juizes sor-
t";I.do. e o E ..ri.. ,. quacs q tc aSe v c...r iI a.deci:;,o






22
_


no podero separar-se, nem communicar com pessoa
alguma. Ao Ministerio Publico pertence fiscalisar que
todas estas solemnidades ese cumpram strictamente, e
quando se no cumprirem protestar perante o Presi-
dente, e inutilisar o acto saindo dasala, do que lavrar
termo o Escrivo, portando por f o que se tiver passa-
do em sua presena.
Art. 6.0 O Relator far ao Tribunal assim compost
u na circumstanciada exposio do que constar dos au-
tu,, sobre a qual poder depois o Ministerio Publiko
o ufrecer de viva voz as observaes que tiver por ne-
cessarias: em seguida os Juizes discutiro entire si, e
a final daro os s.:us votos de pronuncia, ou no pro--
nuncia, como entenderem dejustia, sem que o Agen-
te do Ministrio Publico, que sob pena de nullidade se
c,;iservari sempre present, possa intervir na discus-
so, a fio ser para dar alguma explicao, com con-
sentimento da maioria dos Juizes.
Art. 7." N'est caso os Juizes devero .supprir pela
au, ihoridade do art. 701, . 3. da Reforma Judicial,
e Ord. L." I.o Tit. .o ,. 12.o, todos equaesquer er-
ros do process, quando por elle constar d'um modo
conv incente, e que baste para a pronuncia, a existencia
dos delictos attribuidos ao syndicado, e que elle o
su-pcito de os ter commettido;, assim como os deve-
ro supprir quando do mesmo modo constar que o
syndicado s, acha isento de culpa. Quando, porem, o
tribunall annullar o process, por no poder absoluta-
mente supprir os erros d'elle, sempre condemnar o
JuiL inferior, de quem esse process se tiver recebido
de similhanre modo, em uma multa para a Fazenda.
d,: 20)000 r. a 10000000 r."; e isto sem prejuiso
de qualquer outra multa que tambem julguem dever
imiPr a al.um Empregado subalterno de justia, nem
do direito do syndicado a perdas e damnos, se os vir
por isso a soffrer. O Agente do Ministerio Publico in-
correr n'este caso em uma multa igual que fr im-
p' ,o J .!uiz, se no tiver obstado ao acto nullo,. po-
dendo-o ter feito.
..;. *'. Quando por serem insuppriveis os ditos
errors, o process tiver de ser divolvido, ou o Tribu-
ii 1 entender que indispensavel alguma diligencia
antes de se decidir cerca da pronuncia, ordenar que
sL proceda como convier, fixando o prazo dentro do
qual se deve executar a sua deciso, e s depois de
cumprida se resolver sobre a pronuncia. N'estes ca-
sos, e em todos os mais em que os processes d'esta
natureza entrarem em julgamento no Tribunal, os
Juizes adjuntos sero de cada vez designados pelo
modo prescripto no art. 5.o
Art. 9. Se a final se declarar que no ha material para
pronuncia, o accordo ser immediatamente lido pelo
Relator em Sesso public, e o Agente do Ministerio Pu-
blico, ainda qie interponha revista, mandar uma cer-
tido do accordo ao Conselho Ultramarino, acompanha-
da d'uma breve exposio dos autos, do juizo que forma
da deciso, fundamentos d'este juizo, e certido tas pe-
Ss em que o funda, para que possa conhecer-se se o syn-
dicado, ;pezar de no ter sido pronunciado por insuffi-
cienia da prova, pode ser suspeitado com algum funda-
mento, de haver praticado qualquer fact. ou factors cri-
m:'nozos. O Ministerio Publico proceder do mesmo mo-
do no caso de ser absolvido final algum.ro.pronunciado.


. unico. Os recursos de revista, que forem inter-
postos nos processes de que trata o present Decreto,
sero processados, ejulgados no Supremo Tribunal de
,ustia exactamente pelo modo aqui prescripto, sen-
do-o por tanto em segredo os recursos sobre pronun-
ria, e todos com Juizes sortiados no proprio acto do
julgaminto, e assistencia do Procurador Geral da Co-
ra. (Continuar.)




POR TARIAS.

O Governador Geral da Provincia de Moambique,
ieterhiina o seguiikte:-
Achando-se n'esta Capital o Pharmaceutico Luit
Gonzaga de Castro, habilitado competentemente para
ser empregado n'esta Provincia, segundo as ordens
do Governo da Metropole; e exegindo o servico do
Hospital Militar, que um Pharmaceutico habilitado
coadjuve os trabalhos do 1." Pharmaccutico? Ilei por
convenient nomear o dito Pharmaceutico Luiz Gou-
zaga de Castro, para servir interinamente no referido
Hospital Militar, com o ordenado mensal de 20000
r." devendo este ordenado ser abonado desde o 1.0
le Maio pro.imo preteritr, por seachai desde esta
data em exercicio, esta lhe valer pelo tempo d'um
anno, dentro do qual praso solicitar a Confirmaco
iegia. Dever pagar 20 O00 r. de Direitos de Mer,
que lhe sero decontados na conformidade doDecre-
te de -31 de Dezembro de 1836, e Portaria de 4
d'Outubro de 18'49 e de sello 10,000 r." como dis-
pe a Carta de Lei de 10 de Julho de 1843. As
Aucthoridades a quem o conhecimento d'esta perten-
cer, assim o tenham entendido e cumpram.: Palacio
do ,Governo Geral de Moambique, 3 de Junho de
1854. = Vasco Guedes de Carvalho e Menezes.



O Governador Geral da Provincia de Mocambique,
em Conselho determine o segointe:
Tendo ha muitos annos a esta parte, os Barcos ba-
lieiros, deixado de demandar este Porto; por isso
que, carecendo s de mantimentos, e fazer alguns re-
paros lhe ra muito onerzo paga'rem os direitos de
Porto e Navegao, iguaes aos Navios de Commercio;
e sendo de reconhecida vantage que os mesmos
Barcos frequentem este Porto; Hei por convenient
ouvido o Conselho d'este Governo determinar que
s Navios balieiros, de qualquer Nao que sejam e
que venham refrescar a este Porto sejain izentos dos
direitos de Navegao, e Porto, com tanto que no
facam negocio de qualidade alguma. As Aucthorida-
des a quem o conhecimento d'esta pertencer, assim
o tenham entendido e cumpram. Palacio do Governo
Geral de Moambique, 8 de Junho de 1854.= Vasco
Guedes de Carvalho e Menezes.

-------- *

O Governador Geral da Provincia de Moambique,
determine o seguinte:
SNo havendo actualmente Capello no Hospital Mi-
litar d'esta.Capital; e sendo d'absoluta necessidade,







*___I ___,_[_3 __,


que um Padre assist aos doentes do mesmo Hospi-
tal, subininistrando-lhes os soccorros espirituaes, e fa-
zendo as encommendaces na occasio dos enterros
com todas as solemnidades religiosas, e tendo boas
informaces do Parocho da Igreja de Missuril pre-
sentcemente servindo de Capello da Capella de S,
Paulo, o Reverendo Padre Joaquim da Virgem Maria:
Hei por convenience que o referido Padre passe a fa-
zer todo o servio religioso no sobredito Hospital, ce-
lebrando alli Miisa um por outro dia da seman, con-
ti miando porem a celebral-a na Capella de S. Paulo nos
dias Santificados: vencer por este servio a gratifica-
co de li.-'!.' 'i r. por anno, devendo esta scr tira-
da das verbas votadas no oramento ao Capellio de S.
Paulo, e Hospital Militar. As Aucthoridades a quem o
con heeiniento d'esta prtencer assim o tenham enten-
.di lo e cumpram. Palacio do Governo Geral de Mo-
ambique, 10 de Junho de 1854.= Vasco Guedes de
Can.,ruI ce Menezes.



O Governador Geral da Provincia de Moambique,
determine o seguinte:

Havendo sido informado, que a Pauta, pela qual
se regala a percepo dos direitos das diversas mer-
cadorias n'Alfandega d'esta Capital, e nos Portos su-
balternos, ommissa em variot generous, cujos direi-
tos se liquidam ad libitum, nem est coordenada, se-
gundo o sistema adoptado nas Alfandegas do Reino,
de maneira, que labor em grande irregularidades,
e confu-o, motivo este porque SUA MAGESTADE Fi-
DEILKSSIIA, extralha2do por PQrtaria de 29 de De-
zenmbro de 1847, sob o in. 822, a confeco da refe-
ri:la Pauta, ordenou que se organisasse uma nova, ba-
seada nas disposices, e indicaes, em que assenta a
Portaria do mesmo Ministerio de 27 d'Abril de 1848,
n." 832, e a copia d'outra dirigida ao Governador
Geral da Itdia, disposies que ainda no-se acham
cumpridas, no obstante a Portaria d'este Goverho
de 11 de Julho de 1849 sob o n.o.280; attendendo!
mais que a dita Alfandega no teni um Regulamento,
que fixe as obrigaes a cumprir de cada um dos
empregados, a hora em que devem comear, e fechar
os trabalhos ordinarios; a forma do despacho, e todo
o mais servio interno, e externo das mesmas Alfan-
degas ; a cifra dos emolumentos, que devem perceber,
e a maneira de as distribuir, e finalmente o servio
do porto na occazio da entrada, e sabida dos navios,
e reclamando os interesses da Fazenda Publica, e do
Commercio, que quanto antes se ponha termo a estas
irreguilariilades, por todos estes motives: Hei por con-
veniente nomear uma Commisso composta do Escrivo
Deputado da. Junta da Fazenda, Manoel d'Aguiar, e
o Contador geral Duarte Manoel da Fonseca, e do
Director d'Alfandega, Joo Vicente Rodrigues de Car-
dinas, a qual Commisso reunindo-se no local, que,
mais Ihe convier, e escolhendo d'entre si um para
President, comecar os seus trabalhos servindo-lhe
de base os documents, que acompanham esta sob os
n.o0 1.', 2.O, 3. e 4.o, esperando muito da intelligen-
cia, e conhecimentos theoricos, e praticos dos mem-
bros da Commi:.so, que me apprezentaro o trabalho
mais complete, com a maior brevidade possivel. Asi
Aucthoridades a quem o conhecimento d'esta perten-:
cer, assim o tenham entendido, e cumpram. Palacio
do Governo Geral de Moambique, 17 de Junho de
18564. z=Vasco ,'Guedau de Carvalhs e Mlnss- -


Tabella a que se referee o art. 1.' do Deareto da 29 de
Dezembro de 1852, e o art.,.1. da Portara
Sn.o 55 do Governo Geral de Mofam-
bique, com data de 27 de
Maio de 1854.


Designao
das moedas


Naes a que
pertencem.


Y2, O
-ao
F.:


Ilespanhola, Peruvia- 3
na-Chilina, Boliviana,
Oncas jlMexicana, Colombia- 14t 00-3
na, Buenos-Ayres, No-
va Granada, Equador,
e Centro d'America.
Meias onas . As mesmas .......... 7.300-3-54
Quartos d'onca As mesmas ......... 3'650-1-36
Aguias de 10 Estados Unidos d' 9 04-4
Patacas .. . America .. .. .. . -4
5 Meias d.~" ... Idem. .. .. ......... 4.,600-2-24
Pecas ... Brazileiras ......... 8.0000-4-
SMeas d.." . Idem ....'........ 4g000-2-
Moedas de 4 I4dem ....500-2-1o
., I dem . . . . 4500-2-18
Soberanos .. Inglezes........ 4.'500-2-16
Meios d.". . Idein....... .2250-1- 8
Hespanhola, (Colum-
nar ias, e Sevilhanas)
t e Peruviana-Chilina Bo-
atacas liviana, Estados Uni- .. '920-7-3(
S dos, Mexicana, Brazi-
1 (leira, Buenos-Ayres, e
- Colombiana . . .
Sodas de 5 Franeza .............. 8860o Francos . (

Secretaria da Junta da Fazenda de Moambique,
27 de Maio de 1854.= Manel d'Aguiar.






Cambno e preos correntes da Camara Municipal de Moe
f. embique,.no mnezde Maio da 1854.

DINaHEI .'


Em ouro,




a



Em prata,

Em cobre,
(4-


, Meia ona ....... 0...... 7"1300
Quarto d'ona ........ .. 3 0C50
'Aguias de 10 Patacas, Esta-
do unido d'America .......9. 9200
Meias ditas, idem ........ 43600
Peca Brazileira ...... :. .. 8,000
Meia dita ................ 44000
Soberanos Iglezes .... ..... 4500
Barrinhas em ouro . . 644608
Pezos colunarios e Mexicanas 3920
Ditos Francezes de 5 francs s'860
Pataca ............ 585
Moeda de cobre .. -. 040
Dita de dito . .. . ..020
Dita de dito . . . ... 010


MANfIXENTOS.


.Urru, pa.i., de.t rigo d .G a ... .... .






24
-- -- II II- I-~


Uima
q
V<
a
<4
a






r<.


panja, de trigo de Senna ...... .. 800 :S
Dita .d'arros limpo. . ... .1250
Dita dedito grosso... . .600
Dita de dito em casca fino. .200
Dita de dito em dita grosso $'150
Dita de milho fino .... . .'150
Dita de dito grosso . .. ji.'i
Dita de feijo Branco . 200
Dita de dito encarnado . .o125
Dita de muxucre ...... ..125
lita de jugo. .. . ~200
Dita de macaca ...... . ..075
Dita de zerzelim ... .. ....... 00
Dita de mendoim em casca 100
Dita de castanha de caju . '150


EtRF!1 E 31ITS (ELTsiTOS.


Uma arroba, de marfim grosso . . .
u Diia de dito. mio . ,oiiii
Dita de dito muido. . 0jiii
Dita de cera . . . . 20000
ni Dita de dente de cavallo
marinho torto.. ...... . 30.000
a Dita de dito de cavallo ima-
rinh direito ...... . 000
a Dita de ponta d'abada . 5,500
a Dita de cera bruta . .. . 5500
;i Dita de dita em reiias de G5a 1 27000
.- 'Dita de dita em ditas de terra li 1.'i,
Dita de breu do reino . . >800
Dita de dito do norte . .. 1, 050
Dita d'assucar em p .. .. -:J i-1
Dita de dito em pedra ... 4.000
. Dita,de manteiga do norte 8/000
a Dita d'azeite d:e zerzelim 1,600
a Dita de dito de coco . 1. *ii
S- Ditade dito de mendoim . 1'500
< Dita de jagra . . ... 160
,. Dita de pimenta redonda . 1,400
- Dita de cominhos ...... 1,~400
SDita de ferro Ingiez . . 1200
,1 Dita de dito da Suecia . 1500
i Dita de pregos grossos . 2,000
Dita de goma copal . ... 2. 700
Uma libra, de tartaruga . . . . 4000
u Dita de canella ... . . 200
Dita de cardamoo . . 700
Dita de cravo...... ...... 25
Dita de caff em p ...... ..087
. Dita de calumba ...... .. 4.012
4 Dita de doce de manga . 300
Uma resma, de papel almao . . . 3000
Um barril, de polvora . . . . 4000
Chapeos, de palha da terra .'. . . .300
Ditos pretos de castor . . 35600


Moambique 5 de Junho de 1854,
mslo Xavier Soares.


Augusto Esta-


AVISOS.

'Auncia-se ao Publico para chegar ao conhecimen-
t.o dos enteressados, .que -Q Professor de Latinidade,


e Inglez Joo Ferreira da Costa Sampaio, coma no
dia, 21 do corrente mez, a leccionar na mesma Aula,
em que actualmente se acha collocada a E-choll d'
Instruco Primaria, desde as 10 horas da manh at;
ao meio dia, e das 3 at s 5 da tarde..


dio nwci2cnla r dos doeat(s ao

at 15 do. correWfr.


o


DOENTES.


Existiam 47 6 7 60
Entraram .2 2 4 28
Somnua I9 8 1i 8s

Sairam curados 1 3 29

Falleceram *
Ficam exislindo 44 7 8 59

Hospital Militar de Moambique, 15 de Juiiho de
1854. = .' Jacqu;s Nicolau de Salis-PP/sico Mor.





ANNUNCIOS.

1 Capito Baptista Gonsalves, tendo de- r-gre.-sar a
1 Monsuril e no lhe permittiindo o estado d'abati-
nmento em que se acha render vezitas e agradecer pes-
soalmente ao Exm" Sr..General e mais Illustres seus ca-
maradas e amigos, serve-se d'este meio para Ihs agra-
decer e mostrar sua gratido..


Soze Praseres da Costa, testamenteiro de doi_. i ;
2 faz certo que desde o 1.. de Junho se vai prgar
em caza do annunciante, conforme o segundo rateio,
a todos os credores,do dito Idol, as respecivas quo-
tas. Moambique 16 de Junho de 1854. Jozc Pra:e.
res da Costa.

Commissao Administrativa da Santa Caza da
3 Mizericordia d'esta Cidade, convida iodos os
Confrades da mesma Santa Caza, rezidentcs na Ca-
pital, para assistirem Festa da Visitaco ei Nossa
Senhora, que hade celebrar-se na respecIva IVrejia,
no dia 2 de Julho. .Moambique 17 de Junho de
1854.= Jos Vicente da Gama, Secrelcrio da Commis-
so.


MOAMuIQUEJ;- NA IRENSA NaciO.VAi.


II OS P I TAL MI I TA R,











Este Boletim sair todos os sabbados, e assigmna-s,
ra elle na Secrefaria do Governo Geral.


NUMERO 7.


rssias?.l ra per tfriiestr .......,.. .......
Po, stinetsre .............. ......~~.. .. iOO
Folha anulsa ..... ...,.... ......... g


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE.


SABADO 24 ]ID JIUNliO


CGO6b4VNO GERA L.
.DLernos transmittidos pelo Mnfisterio da Mari-
nha e Ultramar.


Conclu':o do Decreto de 27 de Dezembro de 1f852,
c:)n Art. 10. Quando, porem;, se Decretar a pronun-
eia, esta dec-rio de que no caber recurso de revis-
ta, ficara em segredo; e se obrigar a priso,, os man-
dados, sero ltmgo entregues ao Ministerio Publico pa-
ra os faler executar, dando parte ao Ministro e Se-
cretario d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultra-
mar,. e devendo o mesmo Ministerio Publico promo-
ver depis& os terms subsequertes da aecusatao e jul-
gamento, sem depe udencia da, aethorisao prescrip-
ta no art. 337 do Codigo Administrativo, ainda que
te trate de qualquer dos Magistrados ou Funcciona-
rios a que o mesmo Codigo se referee.
Art. 1i1. O Governo, sobre Consulta do Conselho
Ultramarino, poder n'este caso conceder que se livre
solto, sob homenagem,, o pronunciado, quando este
tiver feito ao Estado longos e bons servios, ou quan-
do houver~ justificados; motives de sspeitar animosi-
dade nos queixosos,. denunciantes, oa testemnnhas,
Art, 12.' Estando o- ro preso affianado.. oa em
homenagem, pros,'guir o process d'accusao at ao
final julgamento,, pelo modo prescripto nos Cap. 5. ce
6." do Tit. 18. da Reforma Judicial para es proces-
sos e crimes, que se julgam nas Relaes, em 1." e
unica instancia, to s6mente com as dil'fereias:
1." De q~e o julgamento ser feita pelo Relator
com 6 adjuntos na presena do Ministerio( Publico,
sendo os adjuntos tirados sorte pelo modo estabele-
cido no art. U.o para a pronuncia,
2.' De que todos os. depoimentos do process pre-
paratorio except os das testemunhas, que o ro re-
querer que sejam reperguntadas, ou contra as quaes
oppozer e provar contradictas que lhes tirem a pre-
sumpo de verdadeiras, valero para prova d'accusa-
o, reputando-se que pela publicidade dos scus de-
poimentos foram feitas Judiciaes.


I -


A N N 0 18


PIR$E 0FFIQALjI


~. -


Art. 13. Se o ro tiver outros crimes publicos,
al.'m dos relatives ao exercicio das suas funces, ou
se n'estes- tiver c-mplices, tedds sero ju!gidos no
mesmo process e Tribunal, qualquer que seja a qua-
lidade dos crimes,- ou a condio dos complices, e
mesmo' quando elle ou elles tenham por lei o privi-
legio d'um Juizo especial, salvo se este privilegio 1ir
dos expressamente estabelecidos na Carta Constitu-
ciowal- da Monarchia,
Art. 14. O process da sydieancia ser secr to
at pronuncia., e sabsequente aprestitaiao do rio
cm Juizo, depois de presa, affianado, ou em home-
nagem; fazendo-se s6mente em public o sorteamen-
to das testemunhas, determinado no 4. do art. 2.o.
Art.- 5,7 Para a prescripao dos crimes comnmetti-
dos pelos Fuhccionarios de que trata este Decreto, s
comea- a corner o tempo depois que os mesmos Fune-
cionarios deixarem de exercer os seus cargos, e p lo
crime de traficar, ou consentir que aluem trafique
em commercio d'escravos, no correr cin tempo algum
como j est determinado no art. 21.0 do Decreto de
10 de Dezembro de 1836. Fra, porerq, do process e
tempo da syadicancia, qualquer querla que se apre-
sentar contra estes Funccionarios por crimes, commet-
tidos darante o exercicio das suas fmies, seja eu
no relative a ella, ser processa`da at pronuncia
pela frmia communm a todos, os processes crimes, e de-
pois remettida ao Presidente do Tribunal competeiite
pelo nsodo estabelecido no . 12.0 do art. 2.", para se
proseguir na conformidade do art. 3." e seguintes d'co
te Decreto,
., unico. Proceder-se-ha do mesmo modo nos cri-
mes pari-cos, que forem commettidos d ntro dos ter-
ritorios das respectivas jurisdices contra as pessoes a
que se refere o present Decreto, assim como nos que
forem. commettidos contra os Arcebispos e Bispos, ain-
da mesmo, contra os que s forem titulares, to smen-
te com a differena de que n'estes casos os ros podiem
ser logo pronunciados e prezos, antes da remessa do
process para o Tribunal superior, e at prezos sem
culpa formada, quando a Lei aucthorisor este procedi-
mento.
Art. 16. Quaesquer aucthoridades ,iu Funcci'ona-
rios, que forem omissos ou negligentes no que d'cli '
dep-ender para se processarem e julgarem as synditii-
cias,.incorrero cm uma multa de 10(000 r., a
1004000 r.*, sem prejuizo de maior pena qui i
proi derem com 6!do, nem da que j a comrr. ic i










no art. 2.0 aos Juizes, que no tirarem as syndican-
cias quando cumprir.
Art. 17. Quando o Governo mandar syndicar ex-
traordinariamente de qualquer Funccionario, que ain--
da no tiver acabado o seu tempo, proceder-se-ha tam-
bem na conformidade d'este Decreto, ficando osyndi-
cado, durante a formao do process preparatorio,
suspenso do exercicio do seu cargo, e sindo do logar
ou logares da syndicancia.
. i.,Quando o Governo mandar, nos terms das
Leis, syndicar d'algum Arcebispo, ou Bispo do Uilra-
.ar, ainda que seja s6nente titular, mas que exera
jurisdico, a syndicancia ser processada nos terms
prescriplos pari os Funccioaarios a que se refere o
art. 20.o.
. 2. As syndicancias que, pelo Ministerio compe-
tente, forem ordenadas a respeito de quaesquer Func-
cionarios n5o especificados n'este Decreto, sero pro-
cessadas na conformidade do art. 2. e seus ';, com
es difberenas de que os Juizes de Direito decidiro
sobre a pronuncia de que, perante os mesmos Juizes,
se unstaurar o process da :,., v e que dos seus
despachos e sentenas haver todos os recursos ordina-
rios, com appellaao para. a Relao do Districto, aon-
de takes causes sero processadas e julgadas como as
outras appellaes crimes.
Art. 18. Nenhuma das pessoas, a que se refere o
present Decreto depois que deixar de exercer o res-
pecQivo cargo, e antes de ter tido logar a competent
syndicancia, e ficar n'eila absolvida de toda a culpa e
-imputao, ; i',r.i ser despachada para o Conselho Ul-
tramarino, nem exrerc qualquer Commisso de servio
public administrative, military, ecclesiastico, ou muni-
cipal no Ultramar; nem ser agraciada com qualquer
mercer honorifica.
n. unico. Aquelle que acceitar cargo, posto, ou
emprego, contra a di-p..-';., d'est art. incorrer em
uma multa igual ao seu ordenado de i a 3 annos, per-
der as condecoraes e titulos que tiver, e ficar inha-
bil para todas e quaesquer funces publicas por 3 at
10 annos. Na mesma pena incorrer quem o despac:ar,
ou o deixar indevidamente exercer emprego public.
Art. 19. Nos casos em que o Alvar de i. d'Abril
de 178S, ou qualquer outra Lei penal, em cuja sanc-
o incorrer alguma das pessoas designadas n'este De-
creto, ou contra quem se ordenar uma syndicancia; im-
poe a pena da confisca,o dos bens, esta pena ser subs-
tituida por uma multa igual aos ordenados e mais ven-
cimentos que oro perceberia desde 1 at S annos no
emprego que acabar de servir.
. 1.o Se no caso d'este, ou do antecedente art. o
Funccionario no tiver vencimentos, pelos haver renun-
ciado, ou por serem gratuitas as funces do seu cargo,
esta multa ser calculada sobre o seu rendimento par-
ticular, competentemente liquidado.
. 2. Nos casos em que as Leis penaes consignam
para os denunciantes uma poro dos bens confiscados
aos criminosos, dar-se-ha aos denunciantes a quota cor-
respondente do que se arrecadar da sobredita multa.
3. 30. O pagamento da-multa poder ser feito por
prestaes iguaes em cada-6mezes, e no dobro do tempo
a que eila corresponder, se oro derlogo fiadores, hy-
pothecas ou penhores pelo valor total. d'ella; mas Fe os


no der, nem tiver bens, que se penhorem, e bastem
para o pagamento integral, ou se faltar com qualquer
prestao, ser logo preso pelo tempo correspondent
quantia que nao tiver pago, send, porem, solo logo
que se mosirar quite.
.4. Sempre que se decretar a pronuncia d'algur:,
dos Funccionarios a que este -., ;. .., s. referee, ue eel
recair sobre crimes em cqe tenha a gar a impaesi o d
pena da multa, ou alguma imdcmnisaa, ao Estado, cu
a 3.o, o Tribunal ou Juiz orienar que -e p:oceda a
arrest em tantos bens do proinuia-sido, uances bhsko;
para segurar o pagamento, e fisxr 1-go a quantia.
Ari. 20. As syndicancias dos Governadores de
Provincia em que houver Relao Judciai sero tira-
das por um dos Juizes da Relao, tirado serte pelo
P :.':: d'ella na occasio da syndicancia.
Art. 21. Nas Provincias em que no houver Re-
nalo Judicial sero essas syndicancias tirades peio
Juiz de Direito da Provincia visinha, cuja Comarca
fr mais proxima da sde da residencia do syndicado.
O successor d'este logo que tomar posse do seu car-
go, o participar ao dito Juiz de Direito; e este sob
pena de suspenso por 1 at 3 annas, ir proceder
syndicancia pela 1.' embarca.o que partir para a
Provincia crem que .!a tenha rd ser tirida.
. 1.o Se, porem, antes de se powder fazer esta
participao entrar a server a propria Proviicia al-
gum Juiz de Direito, que nsoc servisse rno tempo do
syndicando, esse ser o syndicante, e a Ce far o novo
Governador a participao ordenada;
. 2.o A qualquer Juiz de-Direito, que v; de fora
tirar alguma syndicarcia, apromptar o ':.-"_' .i, da
Camara Municipal, nos terms do Decreto de 25 de
Setembro de 1844', apsentadoria cm que elic haja
de se alojar durante o tempo da s)ndicancia, fican-
do-lhec prohibido, sob pena de suspenco por 3 aezcs
at 1 anno, alojar-se em caza de qualquer dos rora-
dores da terra, ou receber d'clres present a!gum.
. 3. O Governo arbitrary a estes Jui:es uma gra-
tif....:.; proporcional s despezas que lhes occasion:r
a diligencia das syndicancias.
Art. 22." A todos os Governadores do Ultramar qne,
findo o seu tempo, se retirarem, sem licena da Auc-
thoridade competent, para paiz estrangeiro, cu no
se recolherem directamente ao einlo, quan.do assim
lhes for ordenado, ou no lhes for mais conmodo o
regressarem por territorio, ou em navio es!rangeiro;
s por este facto, e attentas as disposies das Cartas
Regias de 29 de Novembro de 1638, e 4 de Maro
de 1639, lhes-sero logo arrestados tantos bens qu.in-
tos sejam precisos para pagamento do .maximmu das
multas em que possam ter incorrido, conforme este
Decreto; e no caso de que a sua ausencia do territo-
rio portuguez se prolongue por mais de 6 mezes, ou
quando se nto apresentarem depois de pronunciados,
sero Ur :-..::i-. pelo modo prescripto no present
Decreto, mas revelia, e s com um Curador officioso,
na qualidade d'ausentes e contumazes, sem se lhes
admittir Procurador ou defeza, a no ser para escu-
sar a.ausencia, e praticando-se no que form applica-
veis as disposies do Decreto de 18 de Fevereiro de
1847, com a declarao de que os embargo quei-
offerecerem depois d'estarem cm Juizo sero julga-


CI--iiiw iI i I --~--~ ~ I L I ----- -Iia------i- ---i -~u i i-----arriii-
i ~. .._










dos pelo modo estabelecido no art. 7." do' prese;i-
te Decreto.
Art. 23. Os processes das syndicancias dos Gover-
nadores Geraes, dos: Arcebispos e Bispos, dos Presi-
dentes e Juizes de Tribunaes de 2." Instacia: do
Ultramar, e dos Agentes do Ministerio Publico pcran-
t:! esses Trii,,T.--, sero remettides ao' Presidente
do Supremo Tribunal de Justia de Lisb.oa, que os
far julgar nos terms d'este Decreto: os das duas
ir!iui U ~~~pces d'Emp-regados, e cs dos outros na
forma prescripta no-Tit, 19, Cap. S.o da Referma
Judici;,J.
Art. 2. Os processes: das syndicancias de todos
os oatro Funccionarios mencionados no art. 1.0, se-
r: ;-::tt'i;'! 3 ao Presidente da Relaao de Lisboa,
q,', os fathr julgar ra forma prescripta n'este De-
FC,. O.
Art. 23W Os eccus;dores, denunciantes, e testema-
nhas convecidos de term accusado, denunciado, ou
deposto com. falsidade nos processes das .syndicancias,
incorrero rias mesmas penas em que incorrem os
syadicados, se fossem verdadeiros os crimes que lhes
impulairum..
Art. 26. Os syndicates que por odio ou affeio
aos syitdicados procurarem fazer-lhes culpa que no
tenham: ou encobri-los das que tiverem, incorrero
nas mesmas penas dos crimes que procurem impotar-
ihs, ou de' que quizerem encobri-los,
Art. 27." Os Governadores Geraes continuaro a
mandar syndicar' dos' Go.verniadores seus subalternos,
ii coiierniiitade da Legislao- especial de cada Pro-
vincin; e a;ii;!isirativaimente mandaro syndicar dos
Enmpre,u ';;dos que no vo mencionados n'este .Decre-
'.o; rcnmetterio o process informatorio SecrT: ria
'i' 'E.zl'r!o d!o- Negacios (!d Marinha e u' .o '.
Ar,. 28.3, Fica revogada toda a Legisaio em con-
trario.
Art. 29. O Governo dar conta -s C rtes, na sua
proxima reua!iio, das providencias contidas no presen-
te Decreto. Os Ministros e Secretarios d'Estado de
todas as Reparties assim o tenham entendido, e
faam exercuar. Pao das Necessidades, em 20 de
)Dozenihro dt i32.- ==RiNA. Duque de Saida-
iha --= Rodrigo da Fonseca M'agalhes = Antonio Ma-
ria de Fo : .' 'ii de Mello = Antonio Aluizio
Jervis


GCopia- Convindo auxiliary, p;o emodo possivel,
o apanho e commercio da urzeila na Provincia de
i.,.:.. i,:; . pelas suas peculiares circunstancias, c
por se ter reconhecido que por este meio re alimenta
e anima a .-,..-.i' ;:.,., Portugueza para a dita Provin-
cia, que to poucas rT.-.;. mantem ao prezente com
a Euro:a : Usando da Faculdade concedida pelo 6.
1.U do art. 1,." do Acto Addicional Carla Consti-
iucional da Monarchia : ei por bem Conformando-Me
com a Consulta do Conselho Ultramarino de 17 de
Junho ultimo, e depois de Ouvir o Conselho de oMi-
nistros, Decretar o seguinte:
Art. .o0 c' extensive na Provincia de Moambique
somente, as machines proprias para imprensar o li-


c'eu. coiecidu vulgarmncre ceam o wse de neTi.
*o fav.r da isenriio de direiYos, eoneeido eoe arrl. l.
da Carta de Lei de 7 de Julho de i849, s machi-
inas necessarias para o wse da agrc-'tlS a e a aY a
;;prepcra2 o de seus productos,
Art. 2. Na mesma Proviacia a (a srtr denaium-
da grosseria, que for despachada paa ser erpr'gads
no labrico de saccos para o transporte da urzi. s-;n-
do de roanufactura nacional, quer do Conaierite d
':n,.'.", quer daL Lhas adjacenles ed ': .ii.cis i--
t)ramarinas, e levada debaixo do -*',",i: pVorig:e,
gozar, no acto da reexportao, do kcneicio da res-
.tituio de direitos que tiver pago r. ecntrada,
u. unico. O Governo dar as ins-:Tres3 neccsa-
rias para regular a execuo d'esie ac' i~c
Ari. 3. O favor concedida por ce:i' Dcreto du ra-
r em quanto estiver em. vger a cit a Carta de Lei
de 7 de Julho de 1849.
Art. i.` Fica 'revogada today a Lcgisla5o em con-
trario. -O Visconde d'Atioguia, Par do Reino, Mi-
nistro e Secretarrio d'Estado dos Negncios Estrangei-
ros, e da Marinha e Ultramar, assim o tenha enlen-
dido e fua e.::cutar. Pao em 20 d'Outubro de 18i3.
= R Visconde d'Athoguia. .-= Est coior-
me, Antia;, P'd.ro de 'Carealh..


'. --------- 6::j*B^^r3z---;---l--_

POR TL4RLIS.

O Governador Geral da Provincia de Mociambiqute,
determine o seguinte :

Con-id,) regular a maneira, porq!ue para o fut:; os C(.donint.nn Les dos Corpos deveot dirigir as !:'o-
posta, d'Iifeioroes I:ia preencher ;a vacaturas (ios
Oiciaes Subalternos: H-i por conveniente deterui-.
nar, que os ditos Cimmniandantes popoii nam coiii
pre'frencia aqui!efs Olici:ies Infteri. e, que aos bons
servirs, e conduct regtiilar reunain a Certido da
frequencia, e aprovei(tatmento na E cih.xila de Fra.ncez,
Inglez, e Latiiidade, que presecintme i.c se acha es;ta-
belecida n'esta CapitaI. As Aucitor-i iades a. quem o
conhecimento d'esta p>ertencer, assim o tenham en-
tendido e cumprant.- palacio do Moambi.que, 23 de .Juiho de 1854-. == asco G.-rl/is
de. Car'oatMo e MAeneze.-



O Governador Gerai da Proviiua;i de ?loambii;ue,
ietermina o seguinte:

Seudo necessario para regularidade do' service, e
economi'a da Fazenda, cstabelecer por um modo fixo
e permanent a maneira de se, concederem as licen-
as aos Empregados Civis, e OIiciae.i Militares d'(esta
Previncia, pondo termo aos abusos, o-. m que alguns
.pretextio molestias que muitas ve ,; nio exis;tem,
so;bre carregando os seus camaradas cn:m o augment
do servigo, ao mesmo temijpo, que p,'ecebem os seus
soidos, e mais vantagens: HIei por'conveniente, que
d'orn enT diante se ol--erve o seguint'.
Art. 1." Nerihum Official Milit. r:i Emipreg:ido
Civil, qualquer que seja a sii cua:hig.;'ia, ou igradua-


-~II)










co, faltar ao service da sua Repartio, sem imme-
diatamente dar parte motivada ao respective Chefe;
e se a falta for por motivo de molestia, remetter
dentro de 3 dias o attestado do Facultativo, que o
tratar, o qual ser renovado todas as vezes, que o'mes-
mo Chfe o exigir, se a molestia for prolongada.
Art. 2.' O Empregado que faltar 3 dias successivos,
sem motivo justificado, perder o vencimento corres-
pondente a estes dias.
Art. 3. Os Commandantes das Praas, os da Fora
Armada, e os Chefes das Reparties, podero con-
ceder aos seus subordinados precisamente 4 dias de
licenca de favor, na conformidade do Regulamento
de 1763, Cap. 14.
Art. 4.o Quando qualquer Officil Militar, ou Em-
pregado Civil, preci ar mais de 4 dias de licena, s
o Governador Geral a poder conceder por mais dias
verificadas as razes que tiver para pedi-la.
Art. 5.' Todo o Official, ou Empregado Civil, de
qualquer cathegoria, ou graduao, que seja, que se
achar doente, poder obter do seu Chefe 4 dias de
licena para se tratar em sua caza'; quando porem
este prazo no for sufficient, poder alcanar do
Governador Geral, mais 8 dias; e se ainda este tem-
po no for bastante, entrar no Hospital Militar, pa-
ra se tratar, ou mesmo obter licenca do Governader
Geral, para o fazer em sua propria caza, porem n'es-
te cazo soffrer desconto nos respectivos vencimen-
tos como se estivera no Hospital Mililar, sendo-lhe
gratuitamente fornecidos os medicamentos precisos,
e assistido pelos Facultativos que fazem o servio do
mesmo Hospital Militar.
. unico. A disposio do artigo precedent he ex-
tensiva aos Commandantes das Praas, da Forca Ar-
mada, e a todos os Chefes das Reparties. As Auc-
thoridades a quem o conhecimento d'esta pertencer,
assim o tenham entendido e cuinpram. Palacio do
Governo Geral de Mocambique, 23 de Jonho de
1854. = Vasco Guedes de Carvalho e Menezes.


O Governador Geral da Provincia de Moambique,
determine o seguinte:
Attendendo, a que no se acha constituda n'esta
Provincia, a Junta Geral do Districto na qual se de-
viam avaliar as necessidades' materials e moraes da
mesma, e proper os melhoramentos, de que suscep-
tivl; e send aucthorisado pelo art. 16. do Decreto
de 7 de Dezembro de 1836 a reunir ao Conselho do
Governo as pessoas que julgar convenientes, e dese-
jando obter os melhores exclarecimentos sobre todos
os negocios d'esta Provincia: Hei por convenient
reunir ao Co'nselho do Governo as pessoas constantes
da relao que faz parte d'esta, e que baixa assigna-
da pelo Secretario Geral d'este Governo. As Auctho-
ridades a quem o conhecimento d'esta pertencer, as-
sim o tenham entendido e cumpram. Palacio do Go-
yerno Geral de Moambique, 23 de Junho de 1854.
SVasco Guedes de Carvalho e Menezes.



JUNTA DA FAZENDA PUBLIC.

EDITAL.
PELA Repartio competent correm editos de 30 dias
chamando a todas as pessoas que se julgarem com
direito a uma propriedade de cazas citas no largo


da Unio n.o 3, pertenentes ao espolio de Mote-
chand Deuchand, cuja propriedade se vai arrema-
tar em hasta public a quem mais der, a requeri-
mento de D. Loduvina Maria de Souza Salazar, a
quem vai ser entregue, do product das ditas caxas
a quantia de 523'903 r.s importaneia d'uma epotheca
especial da dita propriedade.
A'arrematao ter lugar cm o dia 23 do mez de
Julho proximo fucturo pelas 4 horas da tarde nas
mencionadas cazas. Secretaria da Junta de Fazenda
22 de Junho de 1854. = Manoel d'Aguiar.




HOSPITAL I LITAR,

JMappa do movimento dos doentes do H :s;i:al
Military de Moambique, d'esde i5
al 22 do corrente.



SDOENTES.


Existiam 44 7 8 59
Entraram 31 3 5 39
Soimma 75 10 iJ3 98

Sai ram curados 25 4 6 35
Falleceram ,, ,,
Ficam existindo 48 6 7 61

N. B. Faleceram, 1 dePhythizica Pulmonar, e a Mnlher, en-
trou moribund, depois d'estar fora com Febres por tempo de 5 dias.

Hospital Militar de Moambique, 22 de Junho de
1854. = D.' Jacques. Nicolau de Salis Phisico Mdr.





ANNUNCIOS.

1 'esta Officna Tipographica se admitted dois apren-
Idizes de 12 atl. 18 annos d'idade, habilitados com
a Instrucco Primaria.


2 o dia 1f de Julho, sair para o Porto de Quilli-
Smane o Hiate Delfim; para alli recebe carga e
passageiros, e trata-se d'ajuste com o Capito e do-
no. = Tron.


Para satisfazer aos'dezejos d'alguns habitantes d'es-
ta Provincia se vai reimprimir n'este Boletim quando
para isso haja lugar =A MEMORIA ESTATISTICA= sobre
os Dominios Portuguezes na Africa Oriental por Se-
bastio Xavier Botelho, e haver lugar n'este Bo!c-
tim, para todas as observaes e notas que queiram
fazer, durante a publicao da mesma Memoria.

MoAMBIQU :- NA ipRENSA NCIONAL.


_ I ~L~I 1C__~__








ANNO-1854.


E, 3e _Bofrtin 3air todos os vaMbad03, e aaatgna-8a pa-
fa ile nua Sp.cretaria do Govarno Geral.


NUMERO 8.


A.ssignaltua por trimestre ................... 800)
Por simestre ............................ 1500)
Folha avulsa ............................ 80 o


BOLETIM


DO GOVERNOR DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE.


SABADO 1.0 DE JULHO.


I tT i p ILda M1arinha, e Ultramar a faa imprimir, publicar, e
SRE Ulli correr. Dada no Pao de Mafra, aos 20 d'Agosto de
_..-- I|1853. = A RAINHA com Rubrica e Guarda. 2= Viscon-
GOVERNO 'GERAL. de d'Athoguia.-= Lugar do Sello Grande das Armas
Reaes.=Carta deLei, pela qual VossA MAGESTADE,
Decretos transmittidos pelo Ministerio da Mari- Tendo sanccionado o Decreto das Cortas geraes de 10
nha- e Ultramar. do corrente mez d'Agosto, que Aucthoriza o Governo
.Copia. Dona Maria por Graa de Deus Rainha para o anno economic de 1853 a 1834, fazer cobra
de Portugal e dos Algarves etc. Fazemos saber a todos nas Proincias Ultramarin os impostos directs e in-
oS nossos subditos, que as Cortes geraes decretaram, director que actualmente se cobram em cada uma d'el-
e Ns queremos a Lei seguinte: las, e a applicar a sua importancia s dispezas das
Art. 1. o Governo aucthorizado, noanno econo- mesmas Provincias, Manda cumprir eguarder o refe-
mico de 1853 a.1854, a fazer cobrar nas Provincias rido Decreto pela forma n'ele declarada.= Para Vos-
SA MAGESTSADE ver. = Manoel Pedro Vianna. a frI.
Ultramarinas os impostos director e indirectos, que e. anoel Pedro ianna.
artualmente se cobram em cada uma d'ellas, e a appli- Est conforme, Anto o Pedro de Carvulho.
car a sua importancia s despezas das mesmas Provin-
cias, estabelecidas pelas Leis, e mais determinaes -
em vigor. C -- -'- r r -~ 3 b a
Art. 2. A aucthcrizao contida no artigo antece-re crre
dente cessar, logo que tenha sido approvado, e publi-- Cambo epreos correnes a Camaa 1unic
cado o oramento respective. de Moambique, no mez de Junho de 854.
Art. 3. Fica revogada toda a Legislao em con- Azeite doce, a garrafa '600
trario. Dito de c6co, a arroba 2000
Mandamos, por tanto, a todas as Aucthoridades, a Dito de zerzelim, dita 1 1600
qami o conhecimento e execuo da referida Lei per- Agoardente, a garrafa 1200
tencer, que a cumpram e a faam cumprir e guardar, Assucar americano, a arroba 4$000
to inteiramente como n'ella se contem. O Ministro e Dito do norte, dita 3,600
Secretario d'Estado dos Negocios Estrangeiros, e dos Dito ordinario, dita 31200
. .--,., --- -- --


S EMORIA STATISTICAL
SOBRE OS
IDOSIINOS POBTUGUEZES
NA AFRICA ORIENTAL;
POR
&.bas'.io Xavier uBoellho- Par do Reino.


INTRODUCAO.
Sos amenos, e aprasiveis Climas da Europa, aonde
i verdejam os Campos, florecem os prados, as arvo-
res do saudaveis e frescas sombras, e toda a terra se
veste de rosas, lirios, e boninas; aonde ha trato de


Vares doutos, e tudo convida a agricultar o commer-
cio das artes e das sciencias, facil grangear cabedal
de conhecimentos estatisticos, gostosa tarefa reduzi-
los a bom system: porem tudo pelo contrario nos
agrestes e ardentes Climas d'Africa Omiental, aonde,
para os adquirir, necessario entrar a braos e co-
mo em desafio com os maiores riscos e precipicios,
atraveando rios despenhados e furiosos, penedias
alcantiladas, serras fragpsissimas, sertes despovoa-
Sdos, brenhas temerosas, valles profundssimos, praias
desabridas, aonde at na fora do vero ha tempes-
tades de cruelissimo' inverno: respirando ares doen-
tios, arrostando muitos e mui diversos trabalhos e
perigos de vida; a braveza das feras, as siladas nos
montes, as traies de tanta variedade de selvagens,
a sde; e a fome, e as particulares emfermidades
para que nenhum remedio ha nem da arte, nem da
natutreza.










Azeitonas, a libra
Algodo em rama, dita ..
Alhos, dita.
Arros 'fino limpo,-a panja
Dito grosso, dita
Aniz, a garrafa
Bolaxa final, a libra
Dita grossa, dita
Barcala de 20 mos, a pea,
Dita de 16 ditas, dita
Breu do reino, a: arroba
Dito do norte, dita.
Braide, a garrafa
Chourios do reino, a libra
Cognac, .a garrafa
Catf ei' grao,; a' arroba"
Chi superior, a-: libra
Dito ordinario, dita
Canella, dita,
Chocolate, dita
Carlangani, a pea
Chita ing!eza ordinaris, dite
Cassa branch de 12 jards, dita
-Castanha de cAju, a panja ,
Cera bruta, a arroba
Dita em vellas de ga, dita
Dita em ditas da terra, dita
Cominho, dita
Cardamomo, a libra
Cravo da india, dita
Calumba, a arroba
Coral do rio, o mass.
Doce sortido da europr, a libra,
Dito da terra, dita
Doutim de ga de 30 mosa: pe
Dito de carvi, dita
Dogogimpintado, dita
Dorogogim pintado, dita
Dente de cavallo marinho torto, a ar-
roba
Dito'de dito direito, dita
Farinha de po, a panja
Feijo branco, dita
Dito 'encarnado, dita
Getim de dio pintado,


---;-- ---;- -------


D'aqui veni haver-se na Europa cultivado, e aper-
fi icoado tant o estudo. da'Sciencia Estitistica que
no ha ahi nacIo polidcad'a, po pequena que'seja,.
,que no tenha a imiao' o inventlai o' de .todas as suas
riquiezas, e 'nt saib quak, e quantas sejam, e quee-
partido possa irai d~als.V D'aqui vem escreVern
oGe afosG tao estendicdamenfe no qu toca a estea
part do'mundo, e ainda d'Asia, c d'Ainerica, e se-
rem muito ninguadds 'no que riespeita Afirca Orien-
tal, retitnlido-se :n'est parte aos escriptores Por-;
tuguezes.
as .ni'stoi msmo sobeja razo temos de nos quei-i
xari de nossdos eriptores nattfraes. Gom'se tn:olfa-
nrem nojubilo de eteriiis'rem on nome Portuguez, le-
S4no a posteridatde'; famai 'd- ndssas ,descobertas c
'h~ioidr s triunifos; espiaiamit-se largamente em narrar
'acr&as fe'tds d'arn s 'em 6i ra' Oriented, engrrnde-
cendo os primores e gentilezas d'ellas. No ha terra.,


A


conquistqda, Fortaleza rendida, Rei avassalado e tri-
butario:qu.e nos5a, hitioirias nao refiram. .As guerras,
os trabalhos, as batalhas, os arraiaes, os exercitos, o
nome dos Capites, d numero da,soldadesca, seu va-
lor, seus.bri~s, suas facarnhas, tudo alii anda escripto
e particularisado.lgra.ndemente, em tudo o mais pas-
saram por alto nossos historiadores, no fazendo ma-
teria de nenhum outro: assumpto para o escreverem.
Cahiram.,todos n'este eerro, e deixaram-nos s escuras,
so com a vangloria de. ns chamarmos donos, sem
sabermos, dequ .,,, astrnhos em nossa prppria ca-
za, como se vivessemos em morada alhea.
Adquirimps .prii.a ad scoberia do: Cabo da Boa-
Esperanca, e passage para as rcgies Orientaes, no
s nome ie finade:bois pilotos, e valentes,,guerrei-
ros, seno; que estabelece'os nova; poca. nb mul-
do, nmudaindo por esta via o comniercio; os usos, a
industrial, :e. ogovqrno:.de .todos esi povos.. Des d,.e


_ ~ I*'ii--;s, ,, ---' i


600




,ssoos
1p00


$600
3-4-00
~6Qs


020O0
.3400



24500
x48O0
012S






S1 S'30
2a~~t~OO:




14400








640a0
0200


1 '4960
30~00oo
6,4000
~g'60<)
2300
4800o


iGetim de pintor, 1
. gn.guros, a corja 7
- oaa copal, %a arrobaa '
:Genebra, a botija
..Jagra, dita 1
Licor, a garrafa
Lenos de corregac? a pea
SDitks fitos de dio, dita
SMateiga d reino, a libra
Dita da terra, dita
S31ringues grand do: reino, a
Macarro, a libra
Murim ordinario de 40 jardas, a pea ,
Milho fino, a panja.
Dito grosso, dita
Muxuere, dita
Macaca, dita
Mendoim -ei casca, dita
Marfim gross, a arroba 3(
Dito meio, dita 3(
Dito miudo, dita '
Dito cera, dita .: ,2(
Manilha de cobre, a corja
Oleo de ricino, a garrafa
Prezunto, a libra
Paios, dita
Pratos azues, a duzia
Pimenta redonda, a libra
Po d'oito onas, a
Queijos americanos, a libra"-
Sabo, dita
Trigo de ga, ':a panja
Dito de senna, dita
Thucinho do reino, a libra
Dito da terra, dita
TapioCa, dita
Vinho tinto, a garrafa
Dito branco, dita
Dito da.companhia do porto, dita
Dito moscatel branco, dita
Dito de carcavelios, dita
Dito de colares, dita-
SDito do terino, dita
Dito do faial branco, dita
Zuarte de'carrgao de 30 mos, a pe-


yZ000
'4000
'4600-
.4600
4900
?j300
'800
,800

40oo
6'250

,I So

,,4 2 S
07-
._100
;5~ooo
3,4000


5000
3I600
4-3i o



3'020
3o o
~;1tiO'

8300


,;i fo :
''400

-'20.
9a0lo





'60











f a 1 200 rao-alguma, comparativamente com o do mez an-
Dito de crvi de 32 ditas, dita 19 900) tecedente. Administrao do Concelho de Moambi-
ique, t.0 de-Julho de 1854.- Augusto Estanislau
Em quant ao cambio da moeda, n houve, alte- XaFvier Sores, servindo d'Administrador do Concelho.

LMAPPA MORTUARIO DO MEZ DE JUNHIO DE 1854


L,' hTNO S *
SAno!nio Fernandes d'Almeida
Ju Rodrigues \
SMnrer-fno Alves
SMaeno!d Cusodo 'i
SkA,'at'iao Augusto Pasodo
Manoel Crrea
George Ryam Duyer
M l aria .Joaquina d'Oiveira
" Ca'Clota Perpetua
Maria Cardoza
M< laria d'Oliveira


Filiaes
Pedro Fernande d'lmeida'
Estevam Apolina-io da Silva
'Remalte Alves
No consta
Idem
1M.inuel J.'A -, ;. -
No Co.n..a
Sedem
Nfo contia ',
Joo Perpetuo
Antonio Cardozo',
No consta


Naturalidades
eovilh '
Lisboa-
Galiza
Vianna do Mfinht
No consta-
Orgna'
Moreira
Mussu e Censeffa
Maceira Freguezia de S. Adrildio
Ilha da Madeira
Freguezia de Passaa
Visinhana do. Porto


Annos d'idade Estado,
NRot consta No consta
O0 Solteiro
57 a:ado
36 Solteiro
ZNo coasts Idem
52 Cazdo
54, Idem
83 No consta
No consta- Cazada
36 n-Ko consta,
20 Cazada
a4" Idem


"N. B. Todas as pessoas constantes do piezenfe mappa seguiain a Religiio' Clhrist.
Administraco do Concelho de Moambique, 1. de Julho de 1854..--Augusta Estanislau Xavier Soares,
srsindo d'Administrador" do Concelho. -- Fauistino Filippc d'Oliveira, Escrivu d'Administraco.
L ~ ~ ~~ ..mamman dk 1M ihad


II-OSPITAL MILITAlB
;il. ,. do movimento ds dsoen es do ospital-Mi-
!ar de Moainbique, d'esde 2 atl 29 de Junho..



DOENTES. I i
4

Existiam 48 6 7 61

Entratam 15 3' 5 1 3
Som.a s 1 1 I12 84'

Sairam curadus I~ 3 5 2

Falleceram 2 "

Ficam existindo 49 6 7 1 68


N. B. Faleceramn I Mulher, recem-chegada, de Febre Perto-
nitce puerpncrale, e 1 S ,dado veteran de Typhur.
A'assignatur do Mappa do movimento d'este Hospital da se-
mna an tecedente do Cirurgio Mr. da Provincia, Manoel Anto-
niJ d Fonseca, e .no do Dr. Salis cdmo por equivoco se publicou
no Boletim n.O 7.
Hospital Militar de Moambique, 29 de--Junho de
1854. = Turuetille. Cirurgio Mdr.


ta poca todor os homes trocaram mutuamente opi-
nies, leis, costumes, enmfermidades, remedies, virtu-
des, e vicios. Desde esta poca, de pequenas qne ram
se tornaram poderosas 'algumas Naces, e outras que
r.am ;..ui- lr-., consideravehmente se enfraqueceranm.
..Contaudo do Cabo da Bo-Esperana at s portas do
.Japo houveram os Portuguezes qua4o.m Senhorio'ab-
soluto. Nenhumi Soberano n'aquellas pa-.es aleaneava,
lliana coim os Reis de Portugal sem hes jurar vassa-
Iagemr., sei fihes permittr a fundao d'uma Portaleza
na Capital de seus Estados, e taxar o preo das mer-
cndorias a arbitrio dos compradores Portuguezes. Ne-
nhumi mercador estrangeiro arregava seus.navios pri-
meiro que eles, e ninguem navegava nos mares Orien-
taes sem seu consentimento, e passaporte. Bastava pou-
ca da nossa Soldadesca para derrotar exercitos nume-
rosos, em tida a'pa'rte' encontrivamv os inriig3s e ei
today, a part' ficavam-por ella desbarat-ados.-


Secebmos noticias de Portugal, vindas por Bombaim,
Sat o f. de Fevereiro ultimo. = SUas MAIESTADES
-E ALTEZAS, passam bem de sua importance saude.
Portugal gozava complete soeego, e para -se avaliar
a si-tuaco transcrevemos um- artigo d'uma foIha d:
Madrid. = Novedades.
Quando as grades potencias continentaesse agitamn
no vasio circo de suas ambices e de seus interests.,
e lutam' umas com as outras, e talvez internament',
ha algumas naes,pequenas que desfructam o mais
perfeito socego, e caminham rapidamente pela vere-
da do desemvolvimento moral e politico para a ri-.
queza e liberdade.
Permitta-se-nos lanar os olhos para essas naes
e saudar a sua fortune. A Hespanha, por muito que
no spese dize-lo no hoje mais do'que uma peque-
na nao. Poucos annos bastariam, certo para resti-
tuir-lhe a sua antiga grandesa; poucos annos para
torna-la respeitavel e fazer necessario o seu voto nas
grandes contends europeas. Porem esses poucos an-
nos deviam ser como os qnu desfructam as naes a
que nos referimos: poucos innos de bom governor,
do espirito emprehendedor, d'elevadas ideas: e sabe
PDeos quando a Hespanha poder enprehender o.que
deve praticar, podera pensar como lhe convenient.


Maravilha-se a Europa com o numero de nossas
victorias e conquists'. Qie nao to pequena fez
ate agora tamani .s cogsas'? ,Aos Portuguezes sobrava-
lhes a valentia -ousados, e destemidos, aventuravam
tudo com iinsquin:rir f'orvas, e com ellas amedronta-
vam o imperio de'Marrocos, Mamelucos; os Arabes, e todo: o Oriente desde Ormuz
at , China. Que homes eram os Portuguezes d'quel-
le tempo ? Que circuinstancias extraordinarias os fize-
ram hum povo d'He'r6es?
.D'esta arte, desde a Costa' de Guin ,at ao mar
vermelho ramos temidgs, e respeitados. Todos os
portos nos estavam abertos, todos os.Reis nos atrahiam
e festejavam, disputando" entire, si -aqual d'elles nos
faria- nm~ehor hospedagem, daria imaiores; vantagems,
concederia maiores .privilegios emaiores frgnquezas:
redundando tudo no mais rico e aviltado commercio.
D'esta arte dominavamos terras e mars, cousas e pes-


------;----- -- -; i i -i-









5s
2 -. ~


Sardernha, a B3lgica, e Portugal so hoje objec-
tos de geral admirai o; principalmente este ultniao
paiz, que tanto nos interessa, por que tem si lo'ate
agora commu:ns para ns e para elle a desgraa ou a
ventura, deve prender a muitos respeitos aattehao
dos hespanhoes e j vae attrahindo aatteno do'
mundo todo.
"Ainda la poucos annos Portugal'offerecia o qua-
dro mais deploravel; desbaratada a fazenda, desor-
g misado o exercito, despresada a'administrao,- aban-
donando todo o progress, todo o melhoramento.
Uma fraco detesada o governava, e a seus propi ios
c ii)modos sacrificava a segurana do throno e a fe-
licidade e repouso dos subditos; fraco usurpadora,
i moral anti-monarchica e anti-nacional. O patriotism
do ancio marchal Saldanha salvou o paiz. O bra-
c, que to poderosamente ajudra a levantar o thro-
no de 1). Maria da Glria, foi declarad rebelde,
mas, elle fez rodar no p os seus accusadores em
um moment, c o paiz e othrono conjunctamente lh'o
agradeceram. Aquella apparent rebelio salvou a dy-
nastia e salvou a patria.
"O governor constitutional foi restbelecido, a li-
berdade da tribune e da imprensa foram d'ahi por
diante uma verdade; em vez de anarchia houve a
verdadeira ordem, e lucro tanto a dynastia como ga-
nhou o paiz. Surgiram logo difficuldades ; houve lo-
go mudanas.e receios, porque a obra no podia fa-
zer-se d'um golpe; porem desde ento data o socego
e a ventura de Portugal ; desde ento caminha rapi-
damente para a riqueza, acarretada pela liberdade.
"Quando solid a nova situaco, dizem-nos os
factors. Falleceu a Bainha, ficou um menor, procla-
mou-se uma iregencia, e em todo o Potugal no se
ouvio um s grito de desconteritamento. A obedien-
cia e a ordem reinamr em today a parte, e a Europa
se dispe a presenciar o espectaculo d'uma regencia
sem tumultos nem guerras civis, que ser singular na
historic. Milagres da liberdade! Milagre do bom go.
verno, e da feliz harmonia entire o throno e os sub-
ditos Que seria de Portugal; se estivesse n'estas cir-
eumstancias sujeito a um system de oppresso e de
tyrannia? Enternece o animo s em considera-lo.
"Poucos dias depois d'um success to grave co-
mo a morte da Rainha e a inaugurao da regen-
cia Portugal deu-se novamente s suas pacificas occu-
paces, e a continuar o seu caminho de ferro para
a fronteira d'HIespanha, regular attentamente a fazen-
da public, melhorar as estradas e outras obras de


soas; as prodices, o commnercio, a navegao tudo
era nosso ; os mais preciosos objects, com que de-
pois se enriquecram tantas naes, estavam concentra-
dos em nossas mos, e este monopolio nos tornava
arbitros absolutos do preo 4os products, e manu-
facturas d'Europa e d'Asia.
Com tanta gloria, thesouros, e Conquistas podiam
os Portuguezes fundar um Imperio mais vasto e po-
deroso que o de nenhum dos Imperadores do mundo;
mas os vicios e a ignorancia d'alguns capites, o abu-
so das riquezas, a distanicia da patria, o fanatismo
religioso, -o despotismo politico, erros de entendimen-
to e alguns de vontade e reflexo considerada, con-
verteram o valor ein tyrannia, e fizeram desaparecer de
todo a humanidade -e a boa f. Todo o territorio do-
minado pelos Portuguezes transformou-se ei nm.thea-
tro de perfidia e cruldades.
A quem seno aos Portuguezes cumpria tratar miu-


conta do estado, educar, o que mais important,
os seus principles, como podem se-lo os mais excel.
lenses principes do mundo. Se no enganam as ap.
parenaias, esses principles que revelam as mais eleva.
das'qualidades, sobre tudo D.Pedro, que cinge na.
.cabeca jovenil a coroa de Filipe IV e Joo IV, sabe.
ro terminar e aperfeioar a obra comecada. Deos
illumine oespiiito deD. Pedro, eseja sob o seu regi.
men Portugal to feliz quanto o merece!"
(A Rev: de 13 de Janeiro.)

--'---'--7

ANNUNCIOS.

1 'esta Officina Tipograpiica se admitiem dois apren.
dizes de 12 at 18 annos d'idade, habilitados com
a Instrucco Primaria.


2 Io' Prazeres da Costa, Proprietario e Negociante
i n'esta Cidade, dezejando acabar de fechar as suas
Contas, principalmente do que dever, previne a todos
os Senhores que julgarem, ter Contas a ajustar com o
Annunciante, tenham a bondade de vir a salda-las at
20 d'Agosto seguinte, porque expirado este prazo,
tein de seguir sua viagem pra o Norte. Moambique
1.o de Julho de 1854.= Jos Prazeres da Costa.


3 Camara Municipal de Moambique, faz public,
Sque em sua Sesso de 10 d'Agosto prolimo se-
guinte s 10 horas do dia, ho de ser afforados a
quem mais der, um terreno em Mujenga, com mil
braas em quadro, pelo qual Arune Ismalgyvofferece
125 r. de foros annuaes; e outro sito em Pepe coin
quatrocentas varas de comprimento e dusentas de
larguaa, pela qual Cassimo Muss, offerece por anno
300 r.

4Roga-sea todas as pessoas que tiveram contas com
i o fallecido George Ryam Duyer, Consul Amibri-
cano, que ra encarregado do negocio da caza de R.
Greene e Companhia, para que compaream em caza
do Sr. Joo da Costa Soares, do dia 24 at. 30 do
corrente, a fim de.Aliquidarem as suas contas com a
pessoa que para tanto se acha aucthorizada...


damente de todas estas cousas que elles mesmos des-
cobriram, ganharam, e possuiram ? Quem de mais per-
to as vi e apalpou? Quem mais largamente podia,
e devia escreve-las e explica-las? Mas foi grave o des-
cuido, e grande a falta em que a este respeito caram
E que muito, se dados exclusivamente s gentilezas
d'armas, os capites s tratavam de praticar flaanhas
e os hestoriadores de escreve-las e enfeita-las.

[Contiua.J],


MOAMRIQu'z :-N I~PR








ANNO-18514.


Este. Boletipn sair todos os salbados. e #ssiyg;au -8e
,rti ello- lia &per.'teirt do Go,,erlio ea.


NUMERO 9.


IAssignatura por trimestre.................... .00)
Por sinestre ..................... .... 1500
Folha avulsa . .... .................. "o "


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE.


SABADO DE BIJULHiO.
* I rTl i.* I 1 II.. I .I I ...--.. .- .. - *- .:. I l ll .. . .. '" --l


GOVEftNO GERAL.

O Governador Geral da Provincia de Moambique,
determine o seguinte:

H AVENDO a Commisso nomeada por Portaria de 17
de Junho d'este anno, apresentado os seus trabalhos
concluidos, em quanto ao regulamento para a Alfan-
dega d'esta Cidade c Portos da Provincia; Hei por
coutveniente, ouvido o Conselho do Governo, que o
mesmo regulamento tenha fora de Li na Alfandega
d'esta Cidad e Portos da Provinciaf logo depois da
publicao d'esta Portaria no Boletim do Governo d'
esta Provincia, em quanto o Governo de SUA MAGES-
TADE a quem vai-ser remettido por copia no mandar
o contrario, As Aucthoridadcs a quem o conhecimen-
to d'esta pertencer, assim o tenham entendido e cum-
pram.
O Governa]or Geral d'esta Provincia, manda par-
ticipar, aos membros da Commisso nomeada para a
confeco do regulamento d'Alfandega d'esta Cidade
e Portos da Provincia, Manoel d'Aguiar, Duarte Ma-
noel da Fonseca e Joo Vicente Rodrigues de Cardi-
nas, que vai levar ao conhecimento de SUA MAGESTA-,


Condtinua.ro da In'troducico da Memoria Estatistica.
Descobridores da costa das duas Africas, e de todo
o Brasil, domnadores de quasi todo d Malabar e Ilhas
adjacentes ; 'foi tamanho: nosso descuido, e to gran-
de a mingua de conhecimentos estatisticos que no
temos uma plant geografica de. cada um dos por-
tos, e nem ao menos uma, Carta geral. de cada Ca-
pitania. Apenas o Governador Pedro de Saldanha,
que governor Moambique, em tempos que as cousas
d'Africa mereceram alguma atteno ao Governo de
Portugal, mandon levantar uma Carta, qne vi, e
examine, .conferindo-a com as noticias de pessoas ver-_
.cadas em todos aquelles logares, que por elles discor-
reram, e mercadejaram. Foi levantada por um Piloto
s com os principios e regras de pilotagem, ajudado
d'uma agulha de mariar, que destemperava a cada
pass, como ac~ntece nos.grandes calories do Serto,


DE o zelo, e cuidado, que tiveram em bem conclui-
rem os.trabalhos de que tinham sido encarregados.
Palacio do Governo Geral de Moambique, 8 de Julho
de 18'34.= 'asco Guedes dt Carvalho e Menezis.





REIN ULAEITO GLIAli DIS ALFADiEGIS
DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE,


TITULe lI

Organisac'a daes Alfand,'gas, e sua compctencia.

CAPITULO I.

Art. 1 --A Alfandega principal cantinuar a etes-
tir na Cidade de Moambique no local erm que se acha
collocada; e a Alfandega secundria do Districto de
Cabo Delgado, na Ilha do Ibo, e estabeleccr-se-ho
tantas Alfandegas secundarias, e Postos fiscaes quantas
as circunstancias mostrarem serem convenientes, se-
gundo o disposto no art. 2. do Decreto de 17 d'Ou-
tubro de 1853,


sem que at agora se atinasse com a causa; e por
isso andam alli erradis as latitudes. Como faltassenr
os instruments proprios para former .os triangulo:,
e medir os terrenos, muitos d'clles esto marcados
fora de seus competentes logares. Taes so Manica,
Xirgamira, Quiteve, e as terras visinhas ao Monomo-
tapa; e o bero do rio Zanbeze, ou Cuama, com as
duas pernadas em que se divide.
No menor o erro com que n'aquella Carta se
confundem os tres rios que formal a Bahia de Lou-
reno Marques. N'este erro cahiram tambem alguns de -
nossos historiadores, dando a origem do rio do Es-
pirito Santo, .junto de Manica, quando elle desaga
do Cuama antes do ponto em que se divide nas duas
Pernadas, e vai correndo mui affastado de Manica,
regando as fraldas das montanhas de Lupata at vir
morrer no Oceano Atlantico. Bem pode ser que este
erro de nossos historiadores fosse parte para o em


- PAIR O uFIOAL,;











Art. 2. Compete previamente s Alf
1.o Conhecer de tudo quanto se embarca a-
barca no respective Districto, e arreadar e -.i Ai-.
ro corrente os direitos e proventos que firem i, o.
2. Marcar os pontos de embarque ou desemcai
que das mercadorias.
'3. Designar o ancoradouro para os navios que ti-
verem de carregar ou descarregar, indo dq accord
com o Tespectivo Patro-Mr,lou Capito do porto nos
pontos onde o houver.
4.o Estb!leer' o modo de fisealisa.o qe as cir-
cunstancias especiaes do porto, ou das operaes mer-
eantis exegirem para vitar'o descamiiriio ou a frau-
de nos direitos da Fazenda.
5." Prover o necessario no despejo e carregao dos
lastros para evitar o diteriorameito ou pejamento dos
portos.
6." Providenciar tudo o que na conformnidade dos
prt. 1589 a 1609 do Codigo Commercial faz in-
dispensavel nos cazos de naufragio, ou varao, para
o que se observar o disposto no Cap. 1. d'este Re-
gulamento. (Titulo 8.o)
7. Designar as horas do embarque ou'desembarque
dos diversos objects a despachar tomando conheci-
mento das embarcaes por pequenas que sejam, para
iss destinadas.
8. Examinar se todas as embaceaes do alto mar
e aquellas que navegam por cabotagem esto munidas
dos papeis, e outros objects determinados no art.
1379 do Codigo Commercial.
Art. 3. Nospostos fiscaes no poderam ser admit-
tidas mercadorias algumas que no tenham dado en-
trada nas respectivas Alfandegas da Provincia, e so
com os competentes despachos, manifestos, ou guias:
d'estas, poderam ser admissiveis.
Art. 4. -Igualmente prohibido o sahir dos pos-
tos fiscaes para fora da Provincia qualquer artigo, e
quando acontea o sahir algum para qualquer outro
porto da Provincia ir sempre acompanhado d'uma.
guia, em que se declare, com-a maior especificao
possivel os objects.
Art. 5.- Quando aeontea que a algum dos pos-
tos fiscaes: venha qualquer object de produco da
Provincia, porem sahido de logares em que ainda se
. no achem estabelecidas Alfandegas ou postos fiscaes,


que cahio oPiloto que levantou.a Carta. Assim mes-
mo a que temos, e em geral pode servir de auxi-
,io, e algumas vezes me vali d'ella para esta obra.
O Roteiro maritime de Pimentel, obra que tanta
.honra nos faz, e mais apreciada pelos estrangeiros
que por ns, talvez por ser nossa, a qual em minhas'
xiagens nuncea larguei 'de mo, ' todavia muito ep-
ganosa em. despegando de descrever as costas mariti-
mas, o que faz to primorosamente, que o-mesmo
l-lo que ver, e passear pelos sitios e logares que des-
creve to -fielmente como a natureza os creara. ,J
no assim quando algumas vezes se alarga em
discripes pela terra d~enro '
;.No podemos louvar-nos com segurana, em nossos
historiadores, nem ha fiar n'lles a este respeito. sem,
exceptuatmos Joo deBarros, Diogo de Gouto, e Fq-
ria e Sousa .; porque este- mais noveleiro que histo'-
iador, e.aquelles queto classicmnte escse'eram sio


nrite cazo o Chefe do posto tomar os precisos cscle-
i n~nentos, e lhe dar a competent guia, a qual de-
Sdeclarar o local d'onde procede o genero, e dar
"ohediatamente parte Alfandega do seu respective
listricto; porem quando se lhe tornar suspeito qual-
quer object o far conduzir por um dos guards,
mesma Alfandega.
Art. 6.-As Alfandegas abriram impreterivel-
mente o seu despacho s 9 horas da manha de todos
os dias que no forem santificados pela Igreja e os
designados. na Tabella. n. 1, e continuar o expedien-
te at s 2 horas da tarde, quando porem os inte-
resses da Fazenda ou do Crommercio exegiiiin q;ue
este period seja prolongado, ou que .a Alfandega se.
)abra em dias santificados, nunca isto se far nos Do-
miingos, nos dias de Natal, Conceio de N. SenhIo-
ra, V." e 6.' feira Santa, nem o period se prolonga-
r alem do Sol posto, salvo em cazo que haja urgen-
te necessidade de se arrecadarem algumas mercado-
rias provenientes de naufragio, navies com agoa aber-
ta, tomadias. etc. etc.
. unico. N'estas Estaes estar sempre patent
a quem quizer examinal-o ppr carecer d'este exame.
1." As Pautas, Leis, ou Ordens pelas quakes se co-
bram os direitos e proventos legaes..
2. Os modelos, ou indicaes do -modo porque se
devem fazer os despachos, ou manifestos.
3. O Prezente Regulamento.
Art. 7. -- As cazas destinadas para as Alfandegas,
terio as precisas capacidades (segundo o porto) io
s para o bom desempenho do servio pessoal, como
para'a arrecadao, conservao, e guard dos objec-
tos que se despacharem; as despezas do material d'
ellas, e costeio d'escaleres fica ao arbitrio da Junta da
Fazenda, e suas Delegaes, providenciar como fr
mais convenient aos interesses publicos; e bem assim
o logar mediante proposta do Director, com o respec-
tivo oramento nos cazos em que deve ter lugar, o
edificio proprio, aonde o Estado o no tiver: o que
igualmente se praticar a respeito dos escaleres.
Art. 8."-Em cada uma das Alfandegas, e postos
fiscaes haver o numero necessario d'escaleres para
guard e fiscalisaao.
u. unico. Um Regulamento especial determinar
a organisao 'das tripulaes, e os seus vencimentos


diminutos, edo f acousas mal averiguadas, entran-
do na conta as mesmas que relata Diogo de Couto por
elle presenciadas, e apontadas quando naufragra na
No S. Thom.
D-iscorrendo pelos outros historiadores, assim Por-
tuguezes como estrangeiros, pouco fi-ucto se pode co-
jlher- d'elles. Os nossos como Ferno Lopes de Casta-
inheda, na sua -historia da India, miudo nas cir-
cthstancias, rico em feitos d'armas, mas pobrissimo.
em tudo o mais. Verdade 'que escreveo no eomecQ.
das descobertas, e no havia ainda outros assumptos.
para se exprairr. Damlo de Goes na Ghronica d'
IElIei D. Manoel ainda mais diminuto, toca pou-
cas cousas e essas por alto. D. Jronymo Osorio, dE re-
bus Ema-ituelis, esmerou-se nos primores da latinidade,
desrcreendo a batalhas, e as -vietorias com pincel de
mestre, mas um e outro estreitou-se nos' limites d'es,
te i6 reinado. O Padre Joip -de Luena, que-'enfeita


~---R i- -- iiLiiF*rriiiimi~ia~8airaasreiamarrasl~~


- c .I- ~ -i- sc Y~.,_-


t ? '


~ .- - .- i:
Y ~C(











11 OM TAL RIHLItk#, -
J3pk',, dos doentes do hospital ?rf-
~lurn del MubiqCue., d'esde 29 de-
Jinlv at, O6 do corrente.


o"
DIOENTES. Z

___________ 49___ 1 7
______ ______ 1o :201 3 5( 23
_ _ J69 9 1I 1 90
sa iraul C11r:kdI' 4 32

Fallecerarn 61 I 6
7.39, 716 52


1V. 12. Fail1ece,BMn
MartFi ti'Olivesra
M ?rilt Joaquiina.
*LLizi LQu~ttn. (olml
n 1loEi (junes daSilta, Veterano
4._1. Couthmho
Mittoel Cor*rea


Idem
*dem
Id em
Abcesso com Gangrena
Gastrite


Hospital Militar de Mo hiqu, d Jll i j de
1854.== T 7ur 'luil 4. 'irurgio Mr..




XNE CRO 4 L O

Si1 Deoa servido chamar sua djvinal presena pa-
i ra o adorar em sua gloria, um anjinho, que na
terra r. o coqforto,. futuro p esperana ,.de dQus ex-
tr:cmenss cqsortes .. .
Curvemo-nos humiides s-sentenas do destino, ado-
ramos sempre o Senhor em ~cus'squliimes m.iriTdi;'~;
:;i !. irn-n, sii -s na dor extrema que nos ptage.....
A Ex.""n Sr. D. Matia Guedes de S. Paulo, filha do
Ex.t0 Sr. Vasco Guedes de Carnalho e Menezes, Di-
gno Governador d'esta Provincia, e da sua nihstre
espoza a Ex.ma Sr. D. Carolina Theodolinda'Leite Pe-
reira de Mello, tenra- infante aperas nascida,--com


a vida de S. eFrancisco a-riier oqi todo os ata..yios
d a liiino .m, nio lhe escapai4o I~ogr qCue Santo.
pizassp, agin r que fizesse, aimas que conver.tsse,
e fora ist, naca slirevedseo,usasOrientaes, que nlio
venlham pegqdas. ,iielle pi edoso a.ssiiiupto ; e. omesmo;
.estuda.-:o qut ficar sabl}ndq asperigriaces, e as
viytudoe do Santo, e 4dca _n is. Feo,'tio Mpndes Pin-
tp, ala. g,-se ias, cousas d'Ab'iuia. disse muito do
qne ns ~4po irteic l .jt pqul do .oque e9 nosso, e:
excepito, pireza da qligoagpi ,e e : ri.ade dos
voc~b9los, un4Ad ha que api:oveitar 'd'elle> Anton.ip
Tenreiro no seu iteie rarn. .enops trazen.do ..r.
entire povoaes, e gentes desconhecidas, com que hoje
no tempos Inehqyii tracto, e outr'ora bem pouco tive-
mos. Guiar por elle caminhar, s cegas, e com ru-
mo Eperd_ .a lad aEE tpMEaaa..dico, e ellegan-
te no estilo, rico na lingoagem, encheu dos ornatos
da r~,' % ~ ..4g RiR,.. teceadc- o', g9logio de


42 dias de vida, morreu hontem as li e meia ho-
ras do dia!..
Tenra flor apenas desabrochada d'um il!istrc tron-
co, fructo d'um extre.mqso amor, a quem sorria um
bello future e todus asesperanas d'esposos enamora-
dos;, logo. no comeo do seu viver foi cerciada uma
vida, que to fagueira e risonha sorria a seus extre-
mosos pays !! ..
Primogenita .d'um consorcio feliz e querido pem
agora ante o Senlor orao para o conforto e felicida-
de dos esposos que c na terra saudosos, pungem a
maior dor que esposos em quebra de suas maio-
res eperan!is podem putgir.
Anjiniho ainda no gostando o fel da vida humana
e as sias vicitudes, vai pura ante o throno. do Senhor
sem gostar o contact do mundo, e digna dos anjos
que agora lhe fazem companhia.
Deos a tem em sua presena.



Ao illustre General esna dignq consorte, -a quem
do cora olastimamos na grande d6r gpe os possue,-
ns faltariamos a ns mesmos e ao sentiment que ao
traar estas linhas nos domina, selhe no appresenta-
sems aqui nossos sentidos pczames sua to just
pena.
Possa o bom Deos que cem um sublime, querer cha-
mou aquelle anjo, fadar com illustre progenie e felici-
dade, os esposos que agora na terra choram e se iu-
milhao a seus mandados.



ra um anjo do throno do Senhor, voou ante el-
le para o adorar.
tlr d'illustre tronco, e premicias d'un puro
amor, morreu no desabrochar da vida .
Era tenra ira apenas nascida; finou ao lanar-se
no espao!.


Nao gostou os perigos do mundo.
Nio provou os vicious da terra.


D. Joo de Castro, e emnittind tocar as partitculari-
dades que respeitam aquella Ilha. Em summa a lico,
;de todos estes nossos historiadories, enche-,ns de en-
thusiasmo, pela narracao de nossas quasi milagrosas
,facanhas niquella part do muindo; mas deixa-nos os
olhos vendados 'cerca de tudo que nao sd batalhas,
;e victorias.
Os escriptores estrangeiros 'sao fieis copistas dos er-
ros, que andam em nossas histoiras, R quando comeam
de filosofar sob e nrossas Clonis, ddspnham-se e de-
sacertam.
SOr AlbbadRe-inal, na suqa historic filosofiea do es-
tabeleimiento e commerci dos Europeus nas duas
Indias, 6 um eloquent declamador, que levanta o
espirito de seus leitsres, um apostolo da 'Yima-
nidade, mas os factors so mal aveiiguados. A este
historiador filosofo que se deve o erro de assigna-
Jap atllha d' Anjoanes, Capital das Ilhas de C6moro,"


r-~WX rr ICP~LIB~Di~ II~M1 11 i-i - 10 11


iii -~-----;a -- ..- ~-r- --;-:- ~---- __~~ _~_-











No sentio as desgraas da vida.
uma esperana um tormento!
Uma saudade sobre ella.
A terra lhe seja leve.
Moambiqne 4 d Julho de 184. (S. V.)





CO31Va UNI CAIDO.

Moambique 4 de Julho de 1854,
Oh jour de I'infortune 1
Oh jour de desespoir !
Voltaire.

A INDA no estava apagado da nossa memorial o bri-
lhante e alegre baile que teve logar no dia 26 de
Junho ultimo, no Palacio de S. Paulo, dado pelo Ex.""
Governador Geral o Sr. Vasco Guedes de Carvalho, e
Minezes e sua Ex."' Espza a Sr. D. Carolina Theo-
dolinda Leite Pereira de Mello por occasion: do bapti-
zado da' sua filha, no dia 2-, a Sr. D. Maria Guedes
de S. Paulo, nascida aos 19 de Maio, e que a more
do Consul Americano George Ryam Duyer como re-
presentante d'uma Nao Alliada obrigou a Sua Gx."
a transferi-lo para o referido dia 26: ainda dizemos
ns no estava apagado da nossa memorial este to
brilhante e agradavel baile, em que se haviam riunido as
principles pessoas d'esta Cidade, passando todos uma
noite divertida, quanto se pode dezejar n'um paiz
aonde poucos recursos ha, e felicitando a Sua Ex.",
e a Sua Ex."" Espoza pela herdeira, que haviam ti-
do das Suas distinctas qualidades e virtudes, e que
constituia um lo que prendia aos seus pais para os
habitantes e para o bem, estar d'esta Provincia; e com
tudo a Morte em menos de 8 dias nos roubou ontem
pelas 11 do dia esta innocent criatura, este Anjo,
que era a cofisolao toda da Sua hoje consternada
May !!
Uma fria camp na Capella- de S. Paulo cobre os
restos de quem antes embalava os seus pais com fa-
gueiras esperanas sobre o seu future!


como porto que demandam os navios Inglezes para
refrescarem, quando navegam para a Cost do Mala-
bar. Continuam os erros, j dizendo que os Portugue-
zes descobridores d'aquellas Ilhas, foro ahi assassina-
dos porsuas muitas cruezas, o que aconteceu em Mom-
baa, e no em Anjoanes; j figurando vales aprasi-
veis e deliciosos vergeis no terreno d'aquellas Ilhas,
ruie o no ha nem mais arido, nem que mais esteri-
lidade represent; produz milho, arros, ccos, algu-
-mas tmeras, e as praias alguma tartaruga, e nada
mais; no maior a abundancia de gados; tem
apenas cabras, e muito poucos bois. O seu idioma
de raiz arabica, mas com dialecto proprio to diver-
so do verdadeiro arabe, que quasi se no entendem.
* Seus naturaes intitulam-se Mojjos, so de cor bassa;
nutrem-se de carne de todos os animaes, except do
porco por serem Mahometanos. Constituem uma na-
o privativa; conforme em os costumes com os


Como disfolharemos ns algumas rzas sobre esta
camp d'uma innocent que voando para a corte Ce-
lestial .egou aos seus illustres pais pranto, lagrimas e
dr e a ns todos a desdita de vermos dessecada cm
tao pouco tempo uma vergontea de to respeitavel fa-
milia que havia de imitar tambem as virtudes dos
seus progenitores! Mas

De um a outro Universo la lisa estrada
Por ,milhes e milhes dos frageis entes
Desde a infancia dos seculos trilhada
Eis a meta infalvel dos viventes!


Bccage.


MOVI ME NTO
DO PORTO,


Embarcaes entradas, e sahidas, do 1,.o a 50
de Junho de 4854.



EMBARCAcES. o CARGAS.


De Gavia 1 4 I 1 4 90 Marfimn ur-
zl'a, calumnila
No de Gavia 6 ,, 56 16 cereae,, pdL-
_... 1 vora e faeen-
Sonma. 7 ,, 80 106 e ot
*'_nerot.
De Gavia 3 ,n 82 140 Agia ardrn-
m -- te, vinho, fa-
3 No de Gavia 8 > ,, ,, 76 6 zendas, mis-
Som ma. l jj, 1

Quartel na Praca de S. Sebastio, 1. de Julho-de
1854.= Manosl Antonio dos Reis Portugal- 4judan-
te da Pra.a.


Arabes de Zanzibar, mercadejam com esta Ilha, com
as de Cabo Delgado, e Moambique, onde trazem do.
generous do seu paiz, e alguns negros, que tudo rerga-
tam por dinheiro decontado. Seu Rei tam pobre
que, de tempos em tempos, manda algum dos prin-
cipaes seus filhos comprimentar o Govrnador de Mo-
ambique, brindando-o com cabritos, o qual alli fica
residindo muitos mezes mantido elle e toda a sua
comitiva, por conta do Estado, e. recolhendo-se de-
pois de bem farto, e bem presenteado. So gente do-
cil, e a que mais' trata.com os Portuguezes, e nuuca
achmos quebra em sua lialdade.

( Coninua.)

MO.AMIQB : Ni.A IMPBSA INAiO L.
S' MOAMBIQUEg.:-- NA IMPm N l T..aoa Z.


iIi--rr~ci--i i -I-' : ci-


- ----- i c--










ANNO-M8`M.


Este Boletim 'saird lodon os sanlbados, eassigna-se pa-
ra elle na Secretaria do Governo Geral.


NUMERO 10.


Assiqrnauran por trimet-re .................... 300
o, simestre ............................ 1500
Folha amvlsa ............ .................. 80


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE.


SABAIO 13 DE JULHO.


G'OVERI- O GE, RAL.



Con:inuaow do Regula;:nclo das Alfandegas.
CAPITULO II. ,

Pessoal das Alfandegas, suas atlribuics e deveres.
Art. 9. -Cada uma das Alfandegas ser compos-
ta do pessoal designado nas Tabellas n. 2, e 3.
Art. 10.-Em cada posto fiscal havero 3guar-
das, um dos quaes servir de Chefe, e cada um dos
ditos guards ter a gratificao de 120 r. diarios.
Art. 11.- O seriio dos postos fiscaes ser feito
por empregados da Alfandega do respective Districto,
Art. 12. -No podem ser admittidos no servio
das Alfandegas, excepo dos homes de trabalho e
remeiros os que no souberem ler escrever e contar e
que no tenham pelo menos 18 annos d'idade: os que
passarem de 50 no. podero ser admitidos no future.
Ari. 13.-Os Officios das Alfandegas sero pro-
vidos por access; segundo*as Leis em vigor, tendo
em consideraio os merecimentos e servios de.cada
um dos j empregados para serem preferidos a outros


Notas part da Intl ol. da Mem. Estat. publicada
nos Boletins n.O 8 e 9.
( Bol. n.O 8, Pua. 31,j fi da 1.a Col.) Em 9 de Maio de 1512,
Feruno Lopes d'Andrade, com uma armada de 17 vellas guarnecida
por 350 portuguezes e alguns malaios, aconimelteu e derrotou a ar-
mada de Pate-ormuz que vinha contra Malaca, compost de 90 vel-
las, trazendo 1O000 homes de gurnio. Esta batalha encheu de
terror as Naes do Oriente, e fi uma das mais espaniozas que os
portugiiezes'ganharam na India. Em 17 de Janeiro de 1565, o Exer-
cito de Camorim composto de mais de 100000 homes, tendo acom-
mnettido a Forteleza de Cananor, foi destroado completamente. Em
15 de Fevereiro de 1538, Pate-mazear que infestava os mares da In-
dia com 50 vellas guarnecidas com 8000 homes, foi c&impletamente
destroado por M.rtim Affonso de Souza com 400 homes, deixando
o inimigo em poder d'elle, 400 peas d'artilheria e 1500 espingardas
que tinha desembarcado em Biadal. Em 29 de Maro de 1559, 6
vellas com 00 'portuguezes, derrotaram 13 ditas inimigas com 2000
homes de peleja 1
S(Bol. n.0 9, Png. 36, depois da palavira Malabar, que finaliza 1no
principio da 3.a lin, na 1.' ol.) H.ije em Anjoannes, existe um
Consul Inglez e algumas cazas de commercio inglez. e francez, os ha-
bitantes fallam ambas aquellas lingias e mercadejamn om Zahzibar
4s Ilhas de Cabo Delgado: muitos Pangaios ( embarca5es que tem a


candidates em identidaedede merecimentlos e iptiico.
". unico. As propostas ser' o feitas pelos Directo-
res respectivos instruidas e iiformnadas pelo Director
Geral e Inspector, o qual as remetteri ao Governo Gcri.
Art, 14.-0 access verifica-se, ou seja poi' pro-
vimento em classes superior, ou passando na mesma
classes para a Alfandega mais graduada.
Art. 15-Os logares de guards sero provides
com preferencia em soldados, ou inarinheiros que te-
nham completado sem nota o seu tempo de servio.
Art. 16.-Haver na Alfandega principal uma
companhia de trabalhos braacs, como o declara o Cap.
6.0 d'este kegimenxto.,
CAPITULO III.
Attribui:s e deveres dos Emnpregados.
Art. 17.0- O Inspector das Reparties fiscaes
o Escrivo da Junta da Fazenda, e como tal lhe com-
pete a inspeco das Alfaudegas em geral; devendo
por isso conhecer de tudo quanto respeita ao pessoal,
material, e fiscalisaao das mesmas, e levar ao conheci-
mento do Governo Geral tndo o que pertence ao exe-
cutivo e ao da Junta da Fazenda o que fdr relative parte
fiscal.
Art. 18.-Sio attribuies communs ao Escrivo
da Junta da Fazenda na qualidade d'Inspector das Alfan-
degas da Provincia, ao Director d'Aliandcga principal e
aos Directores subalternos nos respectivos Districtos.
.


popa muito elevada e larga, e a proa muito aiiuda e prolonga'la so-
bre agua) alguns do Sdllo de Zanzibar e lambem Naiios Ingle-
zes e Ameiican,.s vo para aquelle porto, e algumas vezes .lli che-
gam vapores inglezes. Anjoannes, Cimor, Mayolla, e Meliilla fjr-
mam as Ilha. Comores. H)oje Anjoannes porto fl.,rescente.
( Idem, 2.a Col. 1.a lin. depois da palavra Zanzibar.) Fi.em
1504 que Ruy Loureno Ravasco, que se achava na armada de An,
linio de Suldanha, fez tributario o Rei de Zarizibar.-Esta ilha-
Melinde, Mombaa e Quila constituem hoje pequenos reinos inde-
pendentes, todos situadJs na Costa de Zanziba e s. povoados por
arabes-mahometanos. Zanzibar hoje um port mui cumniucci:n-
te. Hai alli 3 Consules, Inglez, Francez e Armericanil;-duas cazas
de cominercio francezas, uma hespanihoh e umas poucas insezai .
americanas; algumas d'estas ultimas se correspondem em M iambi-
que.-O Sulti chama-se Seid Said-Bin Imamo Bin Said Bin Sul-
tan.-A populaio andar por 14000 habilantes, nio elitrando o
escravos. A tropa pela maior parte se compe d'escravos do Sulto
e se calcula em 5000 homes. A Alfandega est arrendada por um
Batti (subdito inglez) que paga ao Sulto 280000 pezos por an-
no Houve tempo em que nus tambem tinhamoa l um .Encarrera-
do.' Os princpaes objects d'e'portaito, sio marfim, cravo, canella,
pimenta, &. De Moambique sJ se exp.rta para l1 algum manti-
mento.


- -`-
-


-...- ~- -- I s2


PAR~TE ofiffittC












1.o Cumprir e fazer cumprir as Leis, orders., e,
Regulamentos em vigor, e bem assim todas as deter-
minaces que lhes forem competentemete transmaitti-;
das.
2. Providenciar nos casos ommissos quanto couber
cm su is attribuies; e proper aquellas medidas.que
carecerem de superior au,-thoridade.
3. Visitar os diversos postos e Alfandegas do Dis-
tricto de sua j:; lii'"..:.,, quando assim o julguem ne-
cessario para melhor conhecer as providencias que
devem empregar, ou propr, para o bom desempenho
das funces a seu cargo: com tudo o Escrivo da
Junta pelas circunstancias de seu particular servio
nio poder ir s mencionadas vesitas fora da Capital,
sem previo consent mento da Junta da Fazenda.
4." Vigiar e fazr vigiar mui escrupolosamente
tudo quanto respeita boa arrecadao dos direitos,
procedendo contra os ommissos e os infractores, se-
gundo as circunstancias e na conformidade das Leis
e instrucces em vigor.
5. Participar competentemente, e sem perda de
tempo todas as irregularidades occorridas, e envi,,ri
nas pocas determinadas s estaes competentes to-
dos os mappas, contas, certides, e esclarecimentos
que forem exegidos pelas ordens de execuo inciden-
tal, ou permanent.
6.0 Fa1aer as propostas dos logares vagos, e'encar-
regar provisoriam: nte o desempenho de quaesquer exer-
ciios, quando a absolute necessidade, ou o bem do
servio assim o exigir.
7. Suspender do exercicio, e vencimentos quelles
de seus subordinados, que em razo de justificados
motivos, a isso tiverem dado cauza; ficando responsa-
veis pelos abuzos que em semilhantes procedimentos
praticarem, ou na falta da immediate participao,
a que em cazos takes so obrigados.
8. Decidir todas as duvidas, que se suscitarem
nos seus subordinados para a execuo da Lei.
9. Propr todas as medidas que melhor convierem
ao servio das Alfatidegas, em proveito da Fazenda e
do commercio.
10. Vigiar que os empregados desempenhem os
seus deveres com zelo e exatido, e que a Alfandega
esteja aberta s horas determinadas.


Continuao da Introducco da Memoria Estatislica.
No exacta a descripo que faz dos Banianes, (a)
esmerando-se em pintar a idade d'ouro nas virtudes
pacificas, e singelezas de costumes d'est'a casta d'Indios
do Industo. Parece fabulso quando refere de sua
boa f nos contracts, e da simplicidade de suas transac-
ces: tive occasio de os observer de perto por espa-
o de 5 annos e posso affirmar que releva toda a vi-
gilancia para no cahir em suas ardilzas mercantis.
Se tem alguma fidelidade nas transaces, d'uns com
outros, que certo no ha gente, que mais se dobre, e
(a) Ainda ha poucos annos os Banianes ram os principles nego-
ciantes de Moambique e os que rmaiores fortunes possuiam, porem
actualmente limitam-se a serem depositarios d'algunias fazendas, vin-
das de Damo e Diu, que trocam a marfim que mandam nas mon-
ies competentes.
De Diu to rica em outro tempo e sempre de recordaes d'altos
fEitos dos Portuguczes, apenas hoje sai paia aqui um pequ;eno navio.


Art. 19."-So deveres especiaes do Inrpector.
. pnico. Informar o Governo Geral e a Junta de
todos os cazos relatives s Alfandegas.
Art. 20.o So deveres communs dos Director s
Geral e subalternos.
S1. A direco especial d'Alfandega e postos iscaPs
a seu cargo, mas em todos os actos de sua gerencia
so immediatamente responsaveis.
2." Fiscalisar e proper todos os meios para evitar
o contraband e descaminhos,
3. Dirigir a escripturao e p6r em pratica todoa
as ordens que lhes form transmittidas.
4. Responder por tudo quanto respeita devida
arrecadao contabilidade, e fiscalizaio d'Alfandega
que dirige.
5.o Esclarecer competentemente todo s cs cmpre
gados sobre tudo em que carecer de esclarecimentos,
para o bom cumprimento das obrigaes a seu cargo.
G6. Colligir dos mappas, certides e esclareci;entos
parcines o que segundo as ordens superiores tiver( m
de transmittir s eslaes competentes.
7. Formar o registo das tomadias que se fizerem, e
minormar-se mensalmente do adiantamento dos processes
d'ellas, dando conta do seu estado compete te-mente.
8. O assentamento de todos os empregados d'Al-
fandega a seu cargo, com as notas do seu bom ou
mau servio e os desenvolvimentos necessarios, que o
habilitem para informar da conduct e bom servio
de qualquer d'clles.
9. Vigiar pela conservao de todos os objects da
Alfandega a seu cargo, para que os differences em-
pregados d'elles encarregados os tenham sempre (m
bom estado; e que todos os pezos e medidas se achem
certos.
10.0 Conceder as licenas que lhes forem solicii:-
das na conformidade do Regulamento do porto.
11. Cumprir e fazer- cumprir o Regulaamento do
porto em todas as parties que lhes diz respeito.
Art. 21.0-So attribuies, e deveres especiacs
do Director Geral.
1.o A administrao geral de todas as Alfandegas
da Provincia.
2. Exigir dos Directores subalternos todos os es-
clarecimentos que julgar convenient, e ordenar-lhes


mais afrontas sfra silenciosamente, para melhor tra-
hir a boa f dos contracts: tem por aco religiosa
e meritoria, enganar todos os de diverse crena,
Estes Indios no formam corpo de naao, e vivem
'de mercadejar; semelham-se muito com os Judeus,
Arminios, c Bohemios no meneio de vida, sem haver
cousa a que se no sugeitem, e artes que no. empre-
guem para engrossar em cabedaes. So faceis em dar
a credit as fazendas de commercio, no j por boa
f e confiana nos devedores, -seno pelas enormes
usuras que tiram d'estas tran'saces.
Apezar de sua docilidade e macio trato, so toda-
Os Banianes em geral so doceis e sofredores.- A, limitada re-
messa para aqui de fazendas de Damo, Diu, e Goa tem dado today,
a vantagem no Commercio d'esta Provincia, aos Bathis naturaes de
Cache ou Guzarat, que emearregados d'alguns negociantes de Bom-
baim nunca lhes faltam fazendas e funds necessarios.: as fazendas,
vindas de Diu; Damo e Goa n'e'texaultiumo, anaoa no tema, chegPda.
a uma quartodo onaumo..


~-------------------~--_II1ICI-------- 1~I1ILiiIi.i-~i


~i----- -- -----I;--; -- --- -- -------











o servio que entender para melhor fiscalisaao e ar-
recadai o dos direitos.
Art. 22."-So attribuies e deveres especiaes
dos Directores subalternos.
1.o Desempenhar e fazer desempenhar na Alfande-
ga em que servirem as ordens que lhes forem transmit-
tides competcntemente.
2. Desiegnr d'acrdo com o respective Patrao-
mnr, onde o houver, a cada um dos Navios o logar
em que deve fundiar, conform o determinado no
Regulamento do porto.
3. Regular a carga e descarga das embarcaes.
4. Vigiar e fazer vigiar os legares mais proprios
para se introduzir por ellcs o contrabando.
Art. 23.-O 1." Escrivo cumpre-lhe.
1.o Escripturar todos os livros da fiscalizaco d'-
Alfandega que se acham na meza; a qual escriptura-
o dcve ter em dia.
2. Coniar ve fiscalizar os despachos.
3?. Extra- tla odas ascertides, quer sejam as remet-
tidas para as Esiaes competentes, quer as requeri-
das pelas parties.
4.? Lavrar todos os terms seja qual fr asuaa na-
'ireza, bem assim todo o mais servio da meza.
Art. '.'. Ao 2,. Escrivo cumpre-lhe.
1. Fazer o servio do Guarda-mr quando este
8e ache impedido por qualquer motivo.
2.o Lanar todos os registos de despachos, mani-
festos, e outros.
3. Coadjuvar o 1.0 Escrivo no servio ordinatio
da meza.
Art. 23.-- Ao Thezouriro cumpre-lhe.
1." Arrecadar as importancias dos direitos, emolu-
mentos, e mais proventos
2. Escripturar o Diario do Cofre, que dever con-
servar em dia.
Art. 26.--Ao Verificador compete, exhminar
classificar as mercadorias, e liquidar o seu pezo, e
quantidade.
Art. 27."- dever do Aspirante, coadjuvar o
Verificador.
Art. 28. --Ao Guardh-mr pertence.
1.0 As vizitas dos Navios, rondar os rios, e today a
fiscalizaio do porto, e servio dos guards.


via mui desiumanos com os escravos; ra um dos
generos em que mais negociavam em quanto permit-
tido ; j vendendo-os, j tirando todo o lucro de suas
obras sem lhes Faltar o azorrague, e faltando-lhes sem-
pre com o alimento. Engana-se Reinal, quando diz
que estes escravos so tratados com singular humani-
dade coimo membros da familia admittidos ao com-
merco,' e podendo dispr a beneficio de seus descen-
dentes. frugalidade com que vivem mantendo-se uni-
camente de leite, e de vegetaes parte para rique-
za que amontoam, e que depois decipam no esplendor
e magnificencia das .nupcis, and mais que no esta-
belecimento dos filhos como referee este Escriptor.
Jazem os primaries estabelecimentos dos Banaines
em diversas parties do Industo, e ahi' vo parar. os
lucros docommercio d'ia, e d'Africa Oriental agri-
oultado por seus commicionados eiistentes a mnrpar-
k, d'elles eny Dik- e aauito, aiond* resldeift com do-


2. Regular a carga e descarga das embarcac s.
3. A coiirencia na descarga de qualquer embar-
caio.
4.o Exminar e cohfrontar os despachos ou ma-
nifesto's, dando immediainmente part ao Director,
quando encontre qdalquer dif:'erena.
3. Dividir por escalla os guards, estabelcendo
o servio de rondas.
6.* Vigiar e fazer vigiar os logares mais proprios
para se introdusir por elles o contraband.
7. Designar nos Navios o local de seu ancotadou-
ro, conform o Regulament do porto.
Art. 29."--Ao Porteiro pertence-lhe.
1. Abrir e fechar as portas d'Alfii;ia:la.
. Ter todo o cuidado para que niio siiam mer-
cadorias algumas sem o competent despacho ou ma-
nifesto.
i 3. ComoEscriv;o d'chtiada e sahida, escript;rr o
livro da porta, ou entrada e sabida das mercadorias.
Art. 30. D)o servio dos Guardas.
1.o Execut:irao as ordens que lhes form dadas pe-
lo Gurd-mr ou quem suas vezes fizer.
2.0 Entregar.o ao Guarda-mr, Ou quem suas ve-
zes fizer as realaes pr elles assignadas dos vc!umes com
as mainrcs e nunmers dos que sahirain do navio em que
foram coilocados, se foram mandados para navios fI
descarga, e se forem para navios carga rCc!hero as
guias, despachos ou manifestos que conieriT;'io com a
carga, os quaes entregario ao Guarda-inmr, bcnm as-
sim os que pertencerem a fazendas baldeadas sc alg-'
mas o fiverem sido.
3.o D .arao part diariamente ao Gtiarda--rmr doa
acontecinentos de bordo relatives carga ou descarga.
4.' Formar as guias da carga que sahir do navio,
ainda -mesmo que por el!cs seja acompanhada.

CAPITULO IV.
Diispos'i8cs conwiUis i t1inrd os EiS '-
pregados das Alfand':gas.
Art. 31.0-Todos os Ofiiciaes das Alfandegas po-
dero ser empregados iidistinctamenth n'aquclle ser-
vio que o Director julgar mais coilvenieiitei sendO
servio que pertena a Offiias.


inicilio, e familiar, e de dlode expedem anniuliienie
dus, trees inavios pard Mor~oimiqt, carregados coii
generous de Bmblmiin, SurraIe, Madrasta, Giuzar.ee, e
ioda a Gosta dolleiiio de Ciibaiai, lvando emi rtior-
io uirt,, marfim, abada, iibai', e ilo uhi eeitos d'
Europt.
SEmn Mocaiiibique vivetri de itIitr, cTh el 'ste
Biniaies 4f forinando umina especti d fior1a 4uu s
tehov, en cda lon:co', fiido algino qui jl 4 cimi fe -
to fortune, vindo uti'i pa~ra aadqtiffirem; pas-
sando de ino ti s os itfeirdsscs, senb ti icnsfia'
forina ei rgra de imrcadejaf. Aqui ri lhs 6 'periit.
tido nem o exercicio da sua religi 6, fleM vifcrii
coni ti. rmuherIs; sdtdo-lhls 11iv'l~i iba s cs usas
nas trra.' dla Iridia PortTgfez'a.
MuIito prdveito pod'iai firi' as Alfandtfs de Mo'
camrique, Dai ,a eDiu, Sb o Cominerciio dos Bania-
;n's fosse regulado por Leis apropriadas de'tti -os


~R"irrrrns~arraa~RiIiail~i~i~ ____ ~ I


-111----~ -~ -c~ -- - -I - I -- ~.I I ~.- --n












Art. 32.- Nenhum Empregado das Alfandegas
pode commercial por si, ou por interposta pessoa nos
limited do Districto d'AIfandega em que serve, aquel-
le que evidentemente contravier ao referido, perder
o logar que exercer, e soffrer uma multa correspon-
dente ao duplo do seu vencimento annual.
Art. 33. Nenhum Empregad das Alfandegas po-
der servir outro algum emprego public, cujo exer-
cicio seja incompativel com o que tiver n'Alfandega,
sob pena de ficar privado d'este cargo.
Art. 34,.-Os Empregados das Alfandegas so
responsaveis pelo desleixo na execuo das ordens,
e pela falta de providencias, que estando a seu al-
cnce no forem opportunamente empregadas a bem
do servio, que lhes' estiver encarregado, os que tal
praticarem soffrero a pena de suspenso, ou dimis-
sto segundo as circunstancias de seu procedimento.
Art. 3.- A entrada e sahida de todos os Em-
pregados das Alfandegas para os trabalhos da Repar-
tio ser precisamente shoras marcadas no art. 6.0,
aquelle que faltar a estes preceitos, sem licena, ou
causa motivada sufficientemente, fica sugeito ao des-
conto do ordenado dos respectivos dias, uma vez que
o numero de faltas no excedam a tres successivas ou
cinco alternadas no espao d'um mez: quando as fal-
tas d'esta natureza excederem ao numero de cinco,
importar a suspenao do exercicio e vensimento, at
a resoluo do Governo Geral a quem se participar
esta suspenso e os motivos d'ella; e havendo reen-
eidencia segnir-se-ha a dimisso.
Art. 36."-Os Empregados das Alfandegas que
por connivencia nosdescaminhos, ou reencidenia nos
desleixos, se mostrarem complicados em fraudes Fa-
zenda seram desde logo suspensos e processados para
lhes serem applicadas as penas da Lei, e incorrero
em inhabilidade perpetua para os cargo fiscaes.
( Continue. )

A VISO.
ELA Repartio competent se faz public, que o
Correio Geral se acha estabelecido na antiga caza-
do mesmo, no Edifieio da Junta de Fazenda. Mo-
ambique 15 de Julho de 1854.== Manoel d'Aguiar.


e costumes, dando-se-lhes todas as franquezas e liber-
dades, e destruindo ao mesmo tempo o monopolio
exclusive do commercio de nossos Dominios de Ca-
bos a dentro que lhes tem cabido nas mos, no tan-
to por sua industrial, como pela ignorancia, e pre-
sumpco dos que l e c dirigem os negocios publi-
eos. Seria no ter fim se quizessemos numerar os er-
ros em que tem cahido os Governos antecedentes, e
quanto Portugal est s escuras acerca de seus Domai.
nios UItramarinos de que nunca soube tirar proveito,
e que hoje nem sequer lhe servem de ostentao e
van-gloria, podendo ser ainda,. umadas principles ta-
boas da sua slvao.
Continuando com os escriptres: Beauchamp um
plagiario, ou antes um traductor da Historia Brasili-
ca, com todos os seus erros, e descuidos. Depradt
abisma os seus leitores em um laberintho de hypothe-
ses graciosas. Escreve das Colonias existences, sem


1 HOSPITAL MI LITAR,
Mappa donovimento dos doentes do tHospital Mi-
litar de Moambique, d'esde 6
at 15 do corrente.



DOENTES. -


Existiam '39 7 6 52
Entraram 16 2 3 1 .
SonunaI 55 9 9 73
Sairam curadus 91 2 3 26
Falleceram ,, ,, ,,
icam existindo 34 7 6 47

Hospital Militar de Mocambique, 13 de Julho de
1854.= D.' Jacques Nicolau de Salis-Phisico MOr.


ANNUNCIOS.
1 Proprietario e Advogado Francisco Antonio Gar-
Sgamala, morador n'esta Capital; declara para to-
dos os effeitos, haver entregado em 24 de Marco do
corrente anno ao fallecido Consul Americano, um Ba-
rometro, e um Relojo de caixa de prata, para o dito
fallecido mandar concertar America, por conta do
Annunciante; e. protest desde j pelo descaminho
que possa haver d'aquelles objects. Moambique 15
de Julho de 1854.= Francisco Antonio Gargamala.

2 Advogado F. A. Gargamala, est encarregado de
Sarrendar duas propriedades rusticas no silio da-
Caramba'Districto de Mossuril, e d os mais esclare-
cimentos precisos no seu escriptorio Rua da Amiza-
de n." 5 1. andar.

3 Advogado F. A- Gargamala tem para arrendar
uma pequena Casa no sitio de Mossuril junto ao
forte, e d os mais esclarecimentos po seu escripto-
rio, Rua da Amizade n.o 5 1. andar.


joeirar com boa critical os factos, e a indole dos Co-
lonos, avaliando aquelles como os viajantes lhes con-
taram, e suppondo estes como se lhe figuram.
Com tudo ha muto que aproveitar da filosofia de
Reinal, e da political de Depradt; o primeiro ens-
na a suavsar os horrors da escravido, a policiar
aquelles povos bravos, mais por ignorancia que por
natureza, a grangear os fructos do commercio e de
todos os mais ramos d'industria.- O segundo ; pro-
fesso no conhecimento das artes que emprega o cora-
o human para se remir do captiveiro; nenhuma
lhe esquece, todas classifica; o farol que a este res-
peito deve alumiar as Naes Europeas. Mas valendo
muito a lio d'estes escriptores, para regular de fu-
turo a condico dos habitantes das posses-es Ultra-
marinas, e de nada me servio para me emcaminhar
nos conhecimentos estatisticos. ( Continua.)
MoamBQrs:.--NA IMPaaSrsA NaCIoNAL.


_ I~ ~~___~ 0_ _I~ ~ ~n


I







SANNO-1854.


'4Este BIettm suir Seods os sabbisdos', e issigna-so # s-,
ra cli. a.a &erej#ki de Governo Geral.


NUMERO I t


Aslgnatntura por trinesire.................... 800
Paort ariesre ................................IsO
f'olha a1so ..... ....................... 801


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.


SA BAIDO 2 DE JUIJIO.


I PARTW 0l1L CAPITULO V.

Dos Vencinunsts.

COVERNO GERAL. Art. 490. -Os Empregados das Alfandegas, ven-
cero os ordenados marcados nas Tabellas n." 2 e 3
es-- que fazem parte d'este Regulamento, estes vencimen-
tos sero pagos por folhas processadas nas rcspecti-
Continuao do R gulamnenlo das Alfandegas. vas Alfandegas, e legalisadas, e pagas segundo a pra.
Art. 37.-S nos cazosextraordinarios d'absolu- tica, e ordem que se seguir para com os mais Em-
ta necessidade,. ou maior conveniencia do servio pregados.
permittido aos Directores Geral e subalternos, enviar Art. 41.---Tem alem dgs ordenados os emoluh
suas participaes directamente ao Governo Geral, ou mentor os do espachos tanto de entrada, com- do
Junta da Fazenda, mas nem por isso ficam dispen- sallda, pagos pelos despachantes na razDo d'um e
sados d'iguaes participaes a seus immediatos supe- meio por cento, com a denomina:o de direito adi-
riores, salvo se o object da correspondeicia for ai- cional, e os emolumentos de vesitas, vestorias, e ccr-
guma queixa contra elles; o que ser com -a devida tic!s etc. tambem pagos pelas parties segur-do a
oinderaao, ficando o queixozo responsavel pela inexac- 'abella in. 7 a qual design tambem. a applicai s
tidao de suas arguies ou queixas. d' eses emolumentos, e os cazos em que devem ser
Art.3.- '-Toda a correspondencia dos Directo- per'ebidos.
res subalternos ser enviada ao Director Geral, e a Art. 42.o"- Os emolumentos provenientes do di-
d'este ao Inspector, por cujo canal lhe devem ser reito adicional, e os mais designados no artigo an-
transmittidas todas as ordens e participaes. tecedente entrario n'um core especial, e depois de
Art. 39. Tem smente direito sua parte de deduzidas as despezas de sello, costeio do escaler, e
emolumentos aquelles empregados que no respective expediente na Allandega principal, e unicamente scllo,
mez estiverem em exercicio, ou em qualquer Commis- e expediente nas subalternas, o excedente ser li-
aio do servio se por dla no tiverem algum venci- vidido mensalmente pelos empregados na proporao
mento especial equivalent ou superior. de seus vencunentos.


Continuaro da Introduceo da Memoria Estatistica.
SAs histories dos naufragios que melhor nos podiam
prover de seguras noticias, andam cheias de errors ;
porque, nem foram escriptas por homes professor
no Officio de escrever, nem as cousas que nos contam
foram recolhidas, e joeiradas com animo livre e qui-
'to, qual em takes casos convem, seno com elle attri-
bulado e desfillecido, como naufragantes, que sur-
gindo em terra depois de andarem muitos dias ia
lingoa das ondas a Deos misericordia, pozeram logo
o peito aos perigos e trabalhos de auas to duras pe-
tegrinaces. Nm elies mesmo haviam comsigo outros
instrumentos de observar e medir, seno alguma
agulha destemperada que riordesteava, e algum astro-
labio descompassado que lhes mentia; se por venture


ra acertavam de salvar qualquer d'estas cousas do furor
dos mares, e d'ellas mesmas raniit uitas vezes f (dos a desfazer-se resgatando-as por mantimento para
se remiiem da fome.
D'aqui Vem a escuridade da historia'africana, e tan-
tas fabulas consagradas de long tempo por errados
escriptos, e falsas tradies. D'aqui as terras, e os the.
zouros d'Offir de qu:e fallam a Escriptura, e os annacs
dos Egypcios: d'aqui as fabulosas minas de prata do
Reino de Chicova em que tanto se espraia Diogo de
Couto, argumentando a favor d'ellas com factors de
que no har memorial, e que custaram a vida a Fran-
cisco. Barreto, Diogo Siimes, Vasco Fernandes, e
seus companheiros: d'aqui os erros em que eahio o
Padre Frei Joo dos Santos na sua Ethiopia Orientaf
descrevendo os primores de Sofala ; (a) mas confundin-


..(a) As Decadai do Sr. Oouto so raras; oque elie falia de Sufal- Det.aCap. 21.0 parag. 2.0Tomo S.',t Asmaim ricasMina2 deiod&
or auA.dSu u ias;de-M umaps de quei34 trat1i em al"ma&.partea e usde miatro








" 1 i1
;.6


Art. 43. -As taxas que pertencem ao Gua
pr, e' Cnmannia dos trabalhos braaes. seun-
dt .as Tabellas.n.S-3 e 7 sero pagas, pelas respelivas
parties, ou pelos navios, conforme o object i'PIl-s,
arrecadadas em cofres diversos e escripturadas em
livros competentes, dividindo-se 9ppor inamente ,o-
seu product pelos que a elle verem Jreorito
Art. 44.- Nenhum empre aa4 da% Alfailegs,
a no ser o Thezoureiro, ou quem sus veze fizer,
poder receber emolumentos, o qu, qta alg-uma,,
por qualquer pertexto que seja, pelos pOS p.ihcs de
entrada, ou sahida, sob pena -de ser- pela .primeira
vez suspenso, pelo tempo, cujo vencimento seja igual
ao dobro da quantia que tiver recebido; e" 'emr-i
tido no cazo de reincidencia" n'esta disposigo.,nlao
se comprehendem os individu-os da companhia dos
trabalhos braaes, .p ara os .emolumentos que lhes
dizem respeito.
Art. 43.---Os- emolumentos `de tomadias, de
execues fisaes, ou de servio extraordinario orde-
nado pelo Director, pertencero exclusivamenth a- Offi-
cial, ou Officiaes que n'esses actos tiverem parte..

CAPITULO VI.

Da Companhia dos trabalhos :braa.m '

*Art. 46.- Na Alfandega principal haver uma
Companhia de trabalhos braaes compost 'd'um Sota,
e 8 homes de trabalho.
SArt. 47.- Os trabalhos da descarga, da entrada
e da sahida das mercadorias nos armaiens; dentro e
fora da Alfandega,. e sua arrumao,,-bem como a con-
duco das bagagens dos passageiros para o exame na
Alfandega, e sahida das inesmas, sero feitas pela
Companhia.
Art. 48.-Far igualmente todo o trabalho d'
abertura e de conduco para sello media e balan-
a, pezando e arrumando os volumes, e as mercado-
rias, e todo o mais trabalho preciso'para o melhor
acondicionamento dos artigos, que se propem a des-
pacho.
Art. 49.-Quando o expediente da Repartio
exigir um servio extraordinario, para o qual no


eo as produces de agriculture, e'os diversos ramos
de commercial, estabelecendo estes aonde nunca os
houvd, 'e attribuindo aquelles a terrenos aonde no vin-
gam, esmerando-se em descrever poeticamente os mi-
inos da natureza, e os jardins das Hesperides aonde
Va minha Abbassia que a Rainha Sab levou a maior parte d'ouro,
que foi offerecer ao Templo de Salomii, o qual eu tenho pelo Ophir
de que trata a Sagrada Escriptura; "e a Similhaina do nome o mos-
fra claramente porque seus cafres lhq chamam Fur ou Fura eosMuu-
los Auper, que um e outro tirando-se poucas letras, e com pouca cor-
xup'ona pron!nciaao (que elles adulteram mui similhante
Ophir; sta.miina to rica que ha lien poucos annos que d'ella se
firou nma pedr de que we'tiraram mais de. 40000 critzados. 'ouro ;
e arrebentam debaixo, as Veias d'ouro com. talta forge que, se achou
birem pela raizes dos pd .das Arvorgs acima%, e d'uma veia que
leio arrebentando acima tiraram uni pedao d'ouro que em pedralpe-.
iava 18~000 crusades, a modo d'uin grande Inhame.'
S(b) ORio Zambeze cuja madre ainda se ignore vem .~anhando
as terras de Tette e eenna at barra de S. Catharina. Tem na.sua
foz a grade Ilha'de Loabo a qual faz repartir o Rio em' "d s br'-.
cos, que desigoam no Oceano peli dit bar'a~ O R o de:Qtilimane'


Y


s .ha brenhas inhospitas, e escalvadas Serranias ; no
porque alli fallecam estes quadros to risonhos e 'pi-
torescos, ias em outros lugares e latitudes. D'aqui o
erro dos que divide o Rio Zambeze em quatro iRios;
fazendoo. distinct .do Rio Cuama (b) quando unu.
bem difkerente, e pode-se dizer que o. prolongamnento: da agoas 'S
mar que-entram pela terra dentro sujeito s influ6ncias'das mari:
Este Rio e' o Zambeze confluem s na .occasiil) de cheias d'este pur4
que entap as agoas rompem, a terra no sitio Mazar, e vai-se coqi
misturar com ,as salgadas do Rio de Quilimane. E o que vulgayr-
mente e diz a b cca do Rio est aberta.
.Quando lih a referida 'confliencia ordinariamente em Maro e.-(qi
muitas vezes. dura, s 8 ou 10 dias)' as embarcaes de .Quilimana
podem Jr directamente a Senna e Tette; mas alias- as ejmbarcapea
de Quiim ane chegam s a um sitio chamado Mlingurrumo, 3 dias
de caminho e ahi desiniarcando-se a carga ella transportada por
terra outros % diae de caminho: st. o' sitio, de Mazar aonde se, toruJ
a embarcar nps. cxe .pelo Rio Zambeze.
Este Rio desde a barra de S. Catharina ate a'Villa `Te Ttte r*
fba-se' com as goas' de mais 4 Rios,, a saber; o Rio Zama c:fue epr-
tando ja 'reo. tBgmPignanqeilsr& a, Sal4e' .SeUA iBnai)aB -'leuitgnlt.


;------- i --- -- -- -- -- I --


lsttoi os homes da Companhia, o Sota com autho-
rldaide do-.Director d'Alfandega ,admittar.. para..,ess.,
s!rn-iv trabalhadores de 'fofa que sera- pagos:'pel
mqs~ri Companhia.
Art. 50.o- Os vencimentos respectivos aos traba-
lhos brgaes, esto mqcados na Tabella n.0 5, e se-rio
rice-.bidos sanhi.l dl rnercaJorias; este product
rI:'prte-se i~m 1 p art.s iguais, tendo 2 parts o So-
ta, e 8 para todos os trabalhadores, e as 2 reslanit's
fi.-aro orrp cofre em btneficjo dos.. !,,lai. 'l.rir que
s, enutilriaremn no servii.o 'e, para re 'pitin ,i,'l Cos(1
prejuizos, de que a Companhia deyve serr- prionsael
Art. 51.-No cazo da Companhia fazer qualquer
tibalho de beneficio nas mercadorias de lscalisao
d' Alfandega .vencer alem .do, que lhc,. yai .ntaiao.
na tabella mais um tero relativo's6mente quella par-
te das mercadorias em que recahir o beneficio.
Art. 52.0- A Companhia ter sempre em bom.
estado os utencilios para o melhor desempenho de seus
deveres e' mais uma quanti;ade suflciwti tefi de mate-
riaes proprios para ws concertos, dos volumes, conmo
agulhas, fio, cairo, molala, preg'os, arcos,, etc. etc. que
com tudo, s empragar .d'acp~rdo.oatm as parties, sal-
vo no cazo d'urgente necescidade e sempre por preos
rasoaveis. As parties podem ministrar os, pBecisos inate-
riaes quando julguem excessivos no praeo os da :~Cm-
panhia.
Art. 53.-Os homes da Companhia sertoo'no
meados pelo Director, a quem fica pertencendo tam-
bem suspend-los temporariamente dos .seus lugares-
ou despedi-los segundo a gravidade da culpa qui
commeterem.
Art. 54;. -A Companhia 'responsavel no spc-
la field entrega de tudo quanto houver de transprtar'
mas igualmente pelo que se deteriorar em virtude. d
algum reconhecido dsleixo por parte dos individuos
que trabalharam, quer pertenam Companhia quer
sejam por esta temporariamente admittidos:
Art. 55.-No pertence Companhia a condue-
o dos objects do Estado' para a Alfandega, ou d'
esta para o Caes, o que ser feito pelos galls como
at hoje, porem do seu dever a arrumao d'elles
dentro d'Alfandega, sem direito a giatificaao algu
ma.


- i I i:5-~C- li ii---i.-.- e--I -----~


r


r `C
i ..'i










CAPITULO VII.

Da (sc"-ipm aro das Alfndegas e postos,;Frces..

SAat. 56.--Os livros das Alfandegas constituem
propriedade de cada uma d'ellas, e permanecem conis-
tantemnnte nos seus archives: pelas certides:qu d',
eiles passam os Oficiaes encarregados, e-os mappas dos
rendimentos que nas' pocas competentes so enviados
Aifandega principal, e Secretaria da Junta da Fa-
zenda,' que se forma na Contadoria Geral da mesma
Junta a contabilidade e fiscalisao dos relndimentos;
Art. 57."--As certides so passadas mensalmen-
te, devendo ser as d'Alfandega principal remellidas :
Junla da Fazenda no dia de cada mez, e as das
Alanldcgas secundarias a Director Geral, todas, as
vezes que houver opportunidade ; estas certides deve-,
,ro ser pssadas conflorme o modello A.
Art. --.o-Os mappas sero conficcionados segun-
do o modlilo B, e remettidos mensalmente conforme
as cerides.
Art. 59.- As A',ll-:,.:'i secundarias remetterio
s DAlegaes da Junta da Faenmia no dia 2 de cada
me: as certides, e mappas designados nos art. 57 e
ew8; e be~ assim lhes daro todos os esdarecimentos
que por fllas !hes form exigidos.
Art. 60. Haver- en cada uma das Alfandegas
e nostos fiscacs, os livros designados pelos modellos
C a:Miescrripturados segundo os mesmos modellos, e
haverio mais todos aqaelles que as razes especiaes
de cada Districto mostrarx.m,. serem-necessarios.
Art. 61.o -Alem dos livros propriamente ditos da
Alfandegi, :.r, os'- e s ..rls para execiptura-
o dos emolumentos, e multas impostas. .os diversos
cazos, que serio escripturados coinforme os modellos.
Art. 62.-A excripturalo d'stes-teslivs pertence'
aos empre'gados segundo o disposto no Cap. 3., e o
costeamn nto de todos elles ao cofre dos emolumentos.
Art. 63.-- Todos os livros sero rubrieclos pelo
respective Director, e por este entregues aos differen-
tes emnpregados que lhes cumpre escriptura-los.
Art. 64. -Os primeiros livros para as Alfande-
gas que de novo se forem estabelecendo sero forne-
cidos. pela Fazenda.


' Rior com estes dois nomes, o qual se reparte em
dois 'braaos,. u-i dos q'uaes vem despejar no Oceano
4>elas barras de Loabo, e o outro pela de Quilimane.
SEstes antigos errios' doptarani.s em algumas Me-
i iiorias',escriptas po viajantes estrangeiros, Em unia
kYbre o estado'das cousas de Moanmbique escripta
em 1789, damnse trezentas legoas de' ditntia de
Quilimane at Zumbo, quando s,o' penas duzentas
mnal medidas.
Nas duas: obras Estatisticas n'b'eriamente publica-
das uma com-0 tituilo= Gompndio de GeografiI Histo-
rica, antiga e modern, e Chronologia-para uso da mo-
cidade Por-tniza= e outra = Tratado complete
de Cosmografia, e Geografia = encontram-se a res-
peito da Africa Oriental-, -muitos erros que no tive-
Po Zambeze entire c, prajo.. dti Cupr.s Chupga eaj.a.p Rio Kiri
(Rio cau'dlzqo) qu. ('rin.Io t).d. Imimp.-in de Manganje vem de-
*a goea.kadt tla gralimwitibpMumrmbl), R u&iJia que


CAPITULO VIII.


Da raPnsfrenela dos .rendimentos
das Alf'andegas.

Art. 6t5.-Os rendimentos d'Alfaidega principal
devero ser transferidos para a Thezouraria Geral at
ao dia 10 do mez seguinte, e os das secundarias pair
os cofres das De!egaes da Junta da Fazenda, igual-
mente at ao dia 10 do mez seguinte.



Disposies rela'ivas s let'as passadae
pclis d;aetiaihles..

CAPITUFLO I;

Art. 66.-S sero admitttdas letras aos com-
merciantes que despacharem mercadorias cujos direi-
tos excedam a 5004'000 r. pois qu ate tsta cifra, os
direitos devem sempre ser pagos vista.
Art. 67.- Ao commerciante qz!u despachar mer-
cadorias cujos direitos emportemR de 5009000 r. at
,:0GOO000 r. inclusive, se lhe permittir o. pagamen-
to de metade vista, e metade em letra a 30 dias
de .data.
Art. 68.--"Ao Commercinte q.ie despachar mer-
cadorias cujos direitos seiam d'um at qiuatro conftos
de reis. inclusive, se lhe permittir o pagamnto .-d'umn
terro vista, e os outros dois teros em lettras a 30
e 60'.O;~i d', data.
SArt. 69O.-Todo o Cominerciante que despachar
mercadorias ic.ijos direitos montem a 4:000,000 r.
pagar um quarto vista, e os tres quartos emn lettras
a 30, 60, e 90 dias de data.
SArti 70-- Todo o aCommcrcinant que career d
permisso de lhe serem admissiveis lettras no pagamen-
todos direitos das mercadorias que despachar, dever&
requerer 5 Junta da Fazenda, (em Moambique) ou
A sua Delegao, (nos photos subalternos) e,6 por des-
patho d'<(sta lhe sero admissiveis.
Art. 71."-Logo 'ue aJi'nta da Fazenda, ou a
sua Delegao concede a faculdade pedida, ser com-


ramr outra origem seno virem copiados de obras es-
-trangeiras cheias de vicio.i, e eingir-ee seu author a
historian. contadas por pessas. que no haviam cabal,
conhecimento do que contaram. As aturada;s fadigas
lite Larias de seu atthmor quernerecemi grandes Ioiivos
res, no bstasrvAm ,para caiihhr seguro, como no
tivesse oceasiao de dever, Itratar, e observe' pessoal-,
mente.: ast cousas, as gentes, asusbs os teiitenos, -a
mais asstumptos estatiticos dei que' faz nmentl :nas
referidas obras.
Na primeira d'ellas cahe no erro d dar Capitai
nia de Moambique 2384000 habitantes ; destes s 300(1
braniaos, e o resto- negtos di paiz. Dbs negros, e iim.
possivel saber-se: o:numero; quando no seja dos qut
vivem de portas a dentro- coi- seus serihores, o- (ua.
das'tc-ras de Monomitipa venm di,~.:, r n:i Zmbeie enite o Prati'
lMpnRngna'e Yilfla de Ttt;, Ili .-ii,..(que fica ao NAtte &.
[Ttc)et') i te3; sea oap Zaiantez perto d9:.lrao InnlishaI a-t nLd


- i'- ~sr


- ---1~ i-










municada ao Director d'Alandega por Officio entregue
parte quw dever pagar 200 r. d'emolumenfosiina
Contadoria Geral, ou na respective Delegacio. .
Art. 72. -Todas as lettras devero ser assignadas
por 2 testemunhas abonatorias, as quaes assignara
tambem o respective termo que se deve lavrar n'
Alfandega, so exeptuados d'apresentr testimunhas
aquelles commerciantes que conserva:em n'Alfande-
ga mercadorias que tenham mais um tero dos valo-
res das lettras..
Art. 73."-Todas es-lettras devero ser selladas
na conformidade da Carta de Lei de 10 de Julho de
1843, cuja importdhcia dever ser paga pelas parties.

T. T U L O III.

I. a fiscalisao externa das Alfandegas.

CAPITULO I.

Art. 74."- A fiscalisao comea para cada em
barcaao desde o moment que se achar em frente dos
locaes designados pelo Regulamento dos Portos, ao re-
ceber Pratico a bordo; com-.tudo a Alfandega pode
empregar quaesquer. providencias quando alguma em-
barcao se torne suspeita.
Art. 75.V- Os Patres-mr,.ou Praticos que fize-
rem a pilotagem, so obrigados a manter por parte da
Alfandega, e saude a cautella e vigilancia que lhes for
icumbida, e so tambem responsaveis pela ommissao
o:i abuso que praticarem, no podendo retirar-se de
bordo em quanto p navio no esteja vizitado e no
tenha o guard d'Alfandega.
SArt. 76. prohibida a communicao de qual-
quer embarcao entrada, com ortra, e com a terra,
e viceversa, em quanto no tiverem recebido a vi7ita
d'Alfandega,: esta disposio .no comprehend os na-
vios de guerra para os actos de sua competencia.
Logo que o navio receber o guard iar um signal
privativo que lhe deve ser fornecido pela Alfandega.
Art. 77,'-A vizita.-da Praa ser a primeira
que deve fazer o registo; poidendo com tudo a d'Al-
fandega atracar antes d'aquella larger.
Art. 78."-Antes de qualquer navio ancorar, o


muito mais diminuto; e o dos outros dispersos pe-
los prasos, e pelo serto, o qual se no pde exacta-
mente apurar, sem dvida muito maior. Os bran-
cos, a que se pde fazer a. conta, ainda entrando os
Arabes e os Banianes, no montam em 2000. Este
computo de populao foi erradamente feito em nos-
sos ultimos tempos por mal. fundadas conjecturas de
alguns viajantes Inglezes. Cahe o author no mesmo
erro a respeito do'numero de 10200 brancos que d
a nossa India Portugueza, aonde, se tanto, haver
hoje pouco mais de metade,
SContinuam os errors: Diz que o Reino de Mombaa
estivera em poder dos Portuguezes at ao anno de
1631, quando ns p secobrmos em 1729, e o per-
demos por sublevao de seus naturaes muitos annos
depois no Reinado d' EIRei D. Jos I: e nem gran-
e, nem consideravel.:como referee Hoje apenas se:
aomeia Melinde, que. conserve, o nome de Reino o-.


"Chefe d'Alfandega respective providenciar o necessa,
rio para que elle seja desde logo vigiado onvenien-
temente, e para que receba'o guard, tiiio segundo
o Regulamento do porto: o Director d'Alfandega por
omisso ou descuido do qual houver algum descani-
nho ou contrabando ser responsavel por todo o pre-
juizo que cauzar Fazenda.
Art. 79 -- Em todos os portos os Directores das
Alfandegas nomearo com antecedencia chegada dk
qualquer embarcauo ao porto, os guards que devem
hir para bordo: e estabelecero o servio das patru-
lhas por mar, ou por terra, qne de noute, e de dia.
devem guardar as praias, mandando observer de nou-
te se os guards esto , lerta. e faro vigiar todo"
os lugares em que se possa introduzir contrabando,
dividindo este servio de forma que uo seja maiA
pesado a uns que a. outros: para estas rondas pode-
ro os Directores das Alfandegas nomear por escalia,
os remeiros dos escalleres: n'Alfandega principal es-
te servio da competencia do Guarga-mr.
( Continue. )

HOSPITAL MILITARY.
Mappa do movimento dos dornlts do Hospital MU!-
tar de Moambique, d'esde 13 a; 20 do correnter.

s 4
DOENTES.

Exisia 34 7 6 47
Entraram 9 l I 1 s
so:nma 43 8 .59 8
Sairam ciuradi.s i 3, 18
.Falle('eram 1
Ficam e:i.tind,, S9 fi 5 40
N. B. Fall:ce(; numa praa. d VeLerinos, de Typhu, 48 lihra
depois de sua admiiliso.
Hospital Militar de Mocambique, 20 de Julho de
1854. = D.' Jacques Nicolau de Salis-- Ptisico Mr.


mo Sofala, e. Anjoanes; mas quasi despovodo em
aenhum comercio; no j belo, consideravrl, o commer*
ciante como elle assevera.
Outro engano: Quila no paga nenhuma especie
de tributo aos Portuguezes, nem jamais o pagou. Foi
terra nossa desde 1529, e passou a. fora d'armaaa
para o poder d'mnamo de Mascate pouco antes da
sublevao de Mombaa. No tem nenhum commer-
cio; a produco nenhuma; a gente bravia e em.
pequeno numero. A Ilha de Zarrzibar a unica po-
voao consideravel, mercantil, e rica, em toda a cos-
ta de Zanguebari.
( Continue. )




MOAMIQO: ; NA- IMPassNA NaIonA ,.


-"-L Yi__..~.....-;`~ _i~-LI --~i C I -- I-c


- i i i'-, ~-i-i;-~---irri~--i6i ~1-i --- `







ANN&-1854.


Eate Boletinisairt todos os SaOtdoS, ca~igUao-3r pa-


NUMERO 12.


A. signaturea por. trincstre................... 00
Per sim Estre ............................ 1500
Fotha avunr ......................... .... 80


BOLETIM

,DO GOVERNOR DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.'
... . .... .-- . l il


SaMBAO 2.9 iMPI JULI[3.


GOVERNO GER|AL.


Continuao do Regulamento das Alfandegas.
Art. 80." -Quando os guards tizerem aprehen-
so de quaesquer mercadorias de contrabando, ou
descaminhadas aos direitos, devero entrar n'Alfande-
ga com as tomadias que fizerem, para alli se fazer
a abertura dos volumes apprehendidos declarando-se
por auto a quantidade, e qualidade d'ellas, o dia, ora,
e lugar em que se apprehenderam ; e o nome do appre-
hensor, e do denunciante, se o houver, para se seguir
nos termos prescriptos na Ley.

T I T U[LIO IV.

Disposes relativas aos Navios e
outras embarcas'.

CAPITULO I.

Art. 81."-'Logo que qualquer Navio entrar no
porto, ir a seu bordo o Guarda-mr, ou quem suas


Continuaao da Introduco da Memoria Estatislica.
Nunca a villa d'Inhambane mercadejou em prolas,
que nem alli vo a vender, nem se colhem n'aquellas
agoas, seno nas de Sofala e Ilhas de Bassaruto. Sofa-
la no jaz sobre o Rio Cuama," mas est bebendo no
Oceano, e na distancia de mais de 60 legoas que
vem, despejar o de Luabo que um dos dois braos.
d'aquelle Rio.
S governando-se por escriptores pouco versados:
na Geografia Africana que podia cabir em to gra-
ves erros; e no despegam. A' cidade, de Moambi-
que d 45000 almas, quando tem muito menos de
metade, agora nesmo que est mais avultada em po-
voao. Diz que esta praa export para a Europa
gomima, resina, pimenta comprida, pelles de tigres,
drogas medicmnaes e de tintniraria, christal de rocha,
pennachos,. balsamo,: e.,ambar :- quando se difra toda


vezes fizer acompanhado de dois guar'das, e depois de
fazer a vizita, intimar o Capito, ou Mestre, que de-
ve dar entrada dentro de 2.. horas, e que durante
esse prazo nada poder vender, sob pena de pagar o
triplo das despezas do porto, al m dos mais penas
em que tiver incorrido 'pelo delraudamento dos di-
reitos, ou pelo contrabando.
S. 1." N'este acto lhe far saber que deve apre-
zentar, por occazio de dar entrada, um Manifesio
contend o seu nome, e o do navio, o nuncro de suas
toneladas, o porto d'onde procede, as mercadorias,
e mais objects de. geu carregamento com desi-
gnao de sras marcas, e a quem so consignados;,
que passageiros traz, e a bagagem, ou mobilia que
thes pertence; e finalmefite uina declarao por clie
assignada das provises do navio.
2." O Guarda-mr dever n'esta occasio en-
tregar ao Capito do navio, um exemplar do BRgu-
lamento do porto, e quando se retirar deixar-lhe-ha,
um, ou dois guards conform a necessidade.
Art. 82."-O navio iar desde logo, no maestro
de pra, o distinctive que lhe fornecer o guard, a-
cargo de qurem fica igualmente vigiar, que o m'esmo
distinctive se cons';rve iado tanto de dia como de
noute, a'im de que desde o pr do Sil, ate ao a-
manhecer, no possa communicar com o navio, em-
barcao alguma, que niio seja a sua pro1;ria laucha,
ou escaler.


a sua exportao para esta parte do globo em alg;arn
imarfim c ponta d'abada, benm pouco anibar, e algtr-
ma tartaruga ; ha sim de todos estes generous em gran-
de copia, mas despresados..sem grangrci, per oidos
para Portugal, e para as outiras parties da Europa.
Uma prova d nossa assero o erro dos'nomes
dados em linguagem com as terminaes da lingua
franceza, e ingleza. Ao'porto de Boiiibatoque na Ilha
de Madagascar d elle o nome de Benibatuk. As Ilh1s
de Comoro so quatro, e nrao cinco como: ellc diz: e
vem a ser Anjoannes, Mavota, Mulale, e Agaie ou Co-
moro; fazendo duas Ilhas d'esta ultima que se conhe-
ce por qualquer d'quelles, dois nomes. E negligencia
pueril Villa de Tette, em Rios de Senna, chamar-lhe
Villa da Cabea tradusindo Tette por Cabea em lin-
guagem Portugeza.
As mencicnadas. quatro Ilhas formam um archipel-
lago. dentro do.canal por onde na carreira da India.


- I ---- ---c~--


---lcro~a~i


Nwi~U~--


_
-


IPARIE OFFQ19ALI~







t>


Art. 83.-O davio que no conservar o 414-ap r
tivo iado pagar de multa um terodas'desp ido0
porto por cada vez que isso acontecer ia coanoig-da-
de do que determine o art. 17.o do Decreto d0i4
.de Julho de 1834.
Art. 84. Se de bordo do.nayio sahireir algu-.
mas mercadorias para bordo d'outra qualquer emb)r.i-
caio, ou- seja antes de dar entrada, ou'depoisd'elaa;
sem uma permisso d'Alfandega, o Capito ou Mestifr
do navio d'o"de ellas tiverem sabido, e o d',i[uii-
que as tiver recebido, soffrero uma multade J.i:;. _''
7.0 lem do perdimento das mercadorias, e da appre-
henso do bote, lancha, ou outra embarcao, que
se tiver empregado n'aquelle transport.
S. unico, Na imeIm.-i pena encorrero os Capites
ou Mestres dos navios d'onde sahirem as mercadorias
para terra; bem como as emb'arcaes, que se tive-
rem empregado na sua conducco:. e o guard ser
em ambos os cazos prezo, e processado, para ser pu-
nido pela sua eonnivencia, se a houver.
Art. 85;. -- As multas impostas aos~.Capites, ou
mestres sero pag s immediate mente, podendo cobrar-
se executivamente pelo navio -e fretes.
Art. 86.-, Se a Alfandega conhecer que as pro-
yises de que trata o . 1." do art. .81., so excessi-i
yas, ordenar que sejam conduzidas para, terra, e ar-
'Mazenadas para serem restituidas ao navio quando,
seguir viagem para outro qualquer porto, pai:,~du os
direitos d'armazenagem quando o prazo exceda, a .30
4ias: E se na declarao. da bagagem, ou mobilia dos
passageiros fr encontrada alguma fraud, sero (o-
mados como perdidos os objects em ue se der. essa
fraude, e punidos os infractores com uma md.ta cor-
respondente ao. triple do seu yalor...
Art. 87.o-. Quando ,. Capito ou Mestre quizer
principiar a sua dgscarga, dever dar part, ao Chefe
d'Alfandega, .e este lhe conceder licena por escripto
.assjgnada por elle ou pelo primeiro Escrivo, .esta li-
cena :ser, dando um bilhete para cada uma das. e m-
:barcaes que se vo empregar na .descarga, os quaes
-sero entregues pelos patres aos guardas,que se acha
.rem a bordo, nenhuma embarcao que no fr inuni-,
.da com esta licena poder conduzir couza alguma par
ra terra.


Ms navegam os Navios Portuguezes, e raramente.qs
_estrangeiros, e por isso nao. as demandam para re-1
,frescarn Quando alguma d'estas embarcaes aperrada
ipor ventss rijos.,e ponteiros lhe fora embocar o.
canal, refresca em Mocambique, que o mielhor ppoi-
eto, e o nais bem provide de todos aquelles mares;
endo :rarissimos os que fundeam .n'aquellds lhlia5.
NNo . enor erro mencionar as ricas minas de
uminbo quantdo tereno steril d'oro, e o que ail-
,li se compr.a em tua feira annual vindoi d'Abutua,
CI pital do reino de Xingamira ao;nde ha. grande co-
,pia desta~s minas; .e o mesmo acontpe n'outra ei-
.ra de Manrea aonde se resgata o;, ouo colhido nas
,terras do,Monomotapa, sem .que ep 'ienuhliuuigj.i l-.
es .dois lugares haja minas :d'our,, de, qyee ejarmos
donos. .
E grayissinmo descuido dier que .Moaiibiquetei
SmBispoo. oma d.en.o.i~aga. ln e Peil.cona. quan-


.~i A. 88."-OGuarda'que estiver a bordo, depois
d, receber a licna de jque. trata o artigo iint .i...!: ',
deyerB permittir 'a sahida las .morcatorias, fazeudo-a.
.-'rorpanbar d'uma guia sua em que se dec!ire a
qualidade e quantidade dos volumes, e suas respecti-
.ias marcas, a qual guia dever register em caderno
prorrd.ii rumi.!i i, ,iii dever depois ser conferi-
ridos n'All'fiiiJtei crnm livro das entradas na mesma
e guia de descarga: os generous que se descarregarem
sem este document sero apprehendidos como se fos-
sem de contrabando.
. Art. 89...---JTiausporade.s as mercadorias do liger
do deseminarque para a Alfamnega, o Porteiro fUrA
conferecia dos volumes com a guia de bordo G
achando tudo conform dever pr no verso = Confe-
rido e asssignar: no cazo de falta dar pairte ao
Chefe d'Alfandega.
Art. 90.- Quando em algum dos portos os na-
vios no venderrem todo o seu carregamento, ou por
falta de compradores, ou'por.eno ser doss-chject.s
cujos despachos permittido, os consignatlrios, eu
sobre-cargas podero torna"r a- embarcar as mercado-
rias que no venderem, no sendo por isso obrigados
a pagar despezma algumas, salvo as de armazenagem
quando excedaa 30 di.s, e as do servio. !rao(i;
n'este reembarque seguir-se-ha a mesma pratica e as
mesmas cautellas que por e.csion da' d, ., rg,.
Art. '91."-Os Capites ou. Mestres des navris
que na occasio dos despachos da shida decluiirem
que vo commerciar a alguns dos outros porics da
Provincia, recebero do' Chefe d'Alfandega um'a rla-
o circunstanciada (no seu respective manifesto ) daS
ii:e,.a:, ria- que .IilIdi, arregaram para consumo, de-
pozito, ou baldeao, a qual declarao repitiro igual-
mente os Chefes das Alfandegas de todbs os outro;
portos, aonde commerciarem, posteriormente at que
se conclua a sua descarga, ou se retirem da Proviu-
cia com a carga que lhes restar.
Art. 92.o-Quando o nayvio tiver concluido a sua
descarga eu queira receber carga, o respective Capi-
to ou Mestre dar part AAlfandega, para a com-
petente vizita em que se conbinaro as guias de
descarga de que trata.o art. 88.0 e os respectivos ca-
dernos, e livros coim o .mnifest da carga ; no ca-


do em MI1:,,iiiili.lue no ha Bispado seno uma sim-
ples Prelazia com um Administrador que tem jurii-
dicco. ecle liaiitica mnui .liiiiitda sem jerarcl.ia nem
iin-,inias Episcopaes. Aicoiniec, que o.Senhor D,. Joo
V:1, prove n'gsta, Prelazia BispoTTit,ular0eP.entaco.-
mea, depo.i s .,d'elle o Bispo: de S. Thqm,,e d'aqui
veio o peiro eit qe cahiio o auihor por falta d'exa-
n)e. Por .este measiio moivo,;d iziqse as ilhas de Que.
rinba tem muito bons portos, e que alij. ncgoceami
os.Porpug.u.ezes, i t.-l4tid nP :Epsggta n'aquells p,-argens ; ,bano de ,que s
l a abuddanci. nos arv,,redos de Tette em i s de
S enn ;,e nuit quaitlidade de obi as de onchlis,qiuan-
dp n'aqqella osta verda4 i qe qe as b nimuitas, e mti
divers,as; pas ~m,,qu e seus uiaes f i a d'elLas au e 'l
,ma3is ii astgifi(a.te p.aguf, cta., .: ;.
., idadp;.coiqi qugi So 'ielAde' ,Africana de -.jq-
dr.es ~(e .intu 1 d,(a.e;, ger .jikdp sji.njs rca.;gje;


- ,,, -- ,- -- Ir I II iiI- --~ ---~u~ni










zo de se conhecer alguma diferenga, para mais ou
para menos,, se proceder na conformdade do art.
93..0; sa ainda houverem-: algunm:im% n)',rl,,ri,i, a ',,.'i-
do se (. i,.:rii ,'i o disposto no m ,i,,nii ., -a'la '3-', :
para ver se combinam com o manifesto, e os titulos
de que acima se faz meno P n'esse cazo sero re-
la;cionadas pelo Offiial que fizer a vizita: para as in-
cluir no manifesto da carga que o navio exporter,
com a declaraio nece;saria para se.8-- o =eoniundi--
rem com a outra carga. '
Art. 93." O Chie d'Alfaiidega em'cui!j porto
o navio ultimar o seu negocio, -so ainda ficari-com
me:rcadorias a bordo far uma exacta d.'liga n ia pa-
ra conferir os volumes, nmiiiiros 'e mricas do ue~
ainda restar, combiinanudo tudacom .as. declara.es- das
outras Alfandegas, e com os manifestos da cargo :e
quando por este exam se .-i i-
a para menos, exigir-rse-~ha ao n. A jlyo.JA 1 ,d,
direitos das fazendas extraviadas, se forem dus ad-
missiveis; ou o valor triple 'dos fifts sv, f.'s t
dos prohibidos: quando a di"ertrin li.r par.i ~'nis
aprehender-se-hio as fazendas excedentcs, efester~ao i
e tambem quando o navio concluir--stiu resa iga
se dar a bordo uma ripors'-;i busie. e se procede-
r nos terms que-ficam ditos, quando para isso se
encontre motivo ..
Art. 94.-- vedado aos n.,v;os 'de foGa P'r.da c-
vincia. a portar a qultquer ds ;irlto o4d oh, l-
yer Alf'ndega; as .embarcaise q.ue.foni i..: "iir,,.lur .
a rregar car regar fo!a'do,lQct:,d'y'lli, ei1 I.
seu consentimento, ser-ihe-hlo immediatamntB appro.r
hendidos todos Qo ..bjQcto9..queri j.a.iiuaLoaQn.es .nu
extrangeiros, e o navio soffrer a :...., imposta no
art.0 8 . Exrptuam-se os Pnavios. que. vierntin d9m
Portaria do Ministerio da Marinha e_ iiir..iiir psques
poderito entrar nos portos de-i~inidos no 4ita, Eor-
taria, porem em un.:dniii outro, :
As tiembarcac s que fizerem o -comm :f.:A : -ca
c.i\gem na Provincia,: pQodero .ir ailui-lleos,p..iIli'(I-
de apezar de nao ,haver Alfaridga ouipos tbdisceal, '
governor lhes concede passaporte; com-titdo-se. Astaa
embarca&es pertenderer descarreg r" me'ralirias, I
quaesquer outros Q;bjectos -que nad tir'm jnunido
do competente despacho, mian.iiej., ou' il;ld 'Aliori-
.e


iga .do, port I'lide sahliram sero desde logo
I.pp e id- ~ 1t ,i 1
iplipr'hiidid,, .e remtl.i~- i; para a Alfandia do lo-
cal mais prdximo atidi 'de se' proceder, a respeito d'
eL!Ias, n .ia i.rmid .l do. art. 84'. send nmelado d'
e9 in.multa pra. o appr nspr e- metde para .a ia-
.end .
-Os,.irre.aIdeii do quapsiluer generous inas, ,. :ts
oLnii,..r, r.),_ dt i:.l,,'i-.,..-n, o momi ento d'.st c s s-
rcen enmri;::! s !l-'.\ fiscal por onde mostrem que legalmente emb~11rcu-,
r-.; ;, os objectss .y uer..n ii mbarcads em. lugares
e .m que. ,o ha'o \l~iii,.i: ou post fL ..l dever ,o
seir n.. id.. do po ,-(..r ',\ ou v rh.!,,r.-: pa n i;i
meira ml'in'der a ou .,og(io is a erm ,que 1 a i ; <.
s-nrid sq d'iln nr.m para ,lnsa orid n rao id;.: i7.o prhi'
i .. 'in-ii.i* ge' i., grates, .q:.iUr'.is bjccfo .qu;e 4iorbn.
em barcifios oad houver pfto. fiascalsm o corinpe
iie .locmonant"o,/ u que!sendo erabarcalcs Pm la
ga, juei; ainda o n.' tenha,; Iao forem mauoiestndosq
no pr'imgiro a que chegai rei, soTirero uma ulia mni
favor dq. n;i *i de celonisacao -na rnazo de crico por
cento 'do valor das generous, a qual dever ser pag;a
* vista dos e'leitos que serao tomados por p.rdidos.
SArt. 9O."-Quawnio s, prove que qudiqutr em-
.,ir.,;, d fr de fra d rovincia se dirigio d'uni pra
outro port d'esta-3'ftvefiiaH m que 'hotuvr A'Ian-
dega, e alli aportou .-,rnm :;I:, i .niim., d'dlla, ainda'
que nada carreguc oni: .-, ,ry.n s I frer por isso
a' miulta de 2,'49i0 r. por tone!hlldai, o dobro no c. -
,'.' de 'reincideh a, e assinl ,.r, :.'s.i ,mi.; at' ata
valtf da 'emliarcao, mia'ini i..*ri:m.i
|" gi" 'Egtai ini serA iiposa pl' l.'- iV
pporto'onde constar o facto, por participelo legIil pas:
sando-se-.,u ,i:un!,t.-jni, .tl .arGo riulIta(o, para sua sala-
guardp piras:.: mio ter lugar. a im nposiso d'estp pega
qu min.o ,i l' m.' rinje., rrQve que este 1' ,..i;U,17ms
to foi olbrigado, g~UPf iiaior....... : .
-. 2, ,A nalt.a, im i : dfchtada ser apiMd:da, un m
tero paraia;Faienda, -outro'par o de.' niii.iti,., o
o' ltlino 'pra os fuTndo'rde cloriis..e 'n" b h'lha4
vendo denunrianteo ser metade para a, F.i ax
in.l".' ipnara o 'fii,."s die coloiisacio.
3. O t-i.. :.;i; l i scanl que ono fiI'r aI onvc-.
uientes participaes Alfandega do scu l)i;:li ,s,-i


jicias tem sid9 at agora pouco pr:vgtroso taao. cp
respordndnd a spus trabalhos,, .e despoil, Qic e? ;
Geografo Rener, april.i. .li ..lo.,l.: p.1 1 [ ,:,,e.-
tati.ticos que ,exisanp anes d.,elle, apuri-o- e -jus-
Jou-os na sua porecin-a collccciao de cartL dC.iel 1790,
,t 1800, mas Mespralpuise, argansente4 q4,u to4 a
alg.iiiu, parties Septentrionaes d'.\l' ica, : pouco .p,
i.riaa n9 que respeita a Oentne ..
c.Qutecep outro tanto .,op .s yiaeggs, die Bri4.e
que )i.i .ian mente a!pi>i.r i aldO pe]kys cij-tu i jes iiQi.i,,,i>
,ecreeo miig o d plIJles, e .np ,popcodSdqO .tras Rpaes
a .Gtie.ogaifI,. .e be qup ;Ifasntej,, i a;pi'eqp ip :
Il1 Icin ie orgs. ,i q:ua
certeza .d p0uitIJ, |ar"as: e;, lIto Toil; i vi. as novas descobertas sustentadas na opinio
d'este ,elebre Gegrafo da antiguidade desbastamn as
dificuldadLes na -pa~i.ue n aona-1 de-m,. et.ade- d'estan
xissi e- rt.T> a ^ 49. pt 1;ta 1 lo0 Con-


a I:. t"II.It 4z48 f y e as, que se e_tu-nQm
o~(ul K'4ym-iniia 9.. Costi d1'Aja'" na ib1 j!a Oriea,
tg1 'ma~~u o,rtp &s'pe.t l Lstiiu, ,nireit

*jiQs exiO, tinla boje mj.s i pijnsma escyida~k
S, GeQg~ Af1o1d d*

i Sic&l1Ia Ino Iclel ,t.npsecL4o, ~vlj ~p~tis eu
kqpt,;fg RP, Q'tic~ c~is'> .qInQ4yd']?.1 pgLi'i~
das nas Cart s je, koai.4 4io s- t

~.(i ~e jiecs~ ~iis b ,gJ~fi~S 4R -


JEQ (11 pr~rS iv~: p~. tcii* da 34e.,a .oi i- te-


-- -I -I --










bre os factos de que tratam este arti oe anlece-
dente, ser prezo e processado, paira ser punido con-
forme a gravidade do cazo..
Art. 96.- As despezas do porto a que esto obri-
gados pela ancoragem, e outras quaesquer, os navi-
os nacionaes, e os que por Tratados gozarem d'essa
considerao, so as que vo fixadas 'lia Tabella n."'
6 e suas declaraes; os Chefes das Alfandegas vi-
giaro se o porte dos navios est em armoni com
a sua arquiao.
rt. 97. embarcao de fora da Provincia,
que for encontrada em lastro, em' 'algum ponto da
Costa, ou em porto onde no haja Alfandega, que
no poder justificar pela form determninada no art.
95." a sua estada alli pagar uma multa de 2t400 r.
por tonellada, que dobrar com a reincidencia; e pe-
la terceira vez ser a embarcao apprehendida :esta
appreheno ter lugar desde a primeira vez se a seu
bordo se encontrar urzella, ou outro genero do Paiz.

(Contimta.)






EDITAL.

Doutor Joio Caetano da Silva Campos, Juiz, de,
Direito com Alada n'esta Comarca de Moambi-,
que e seu term, por SUA MAGFSTADZ.FDELLSSIMA," a,
quem Deos Guarde etc.

Fao' saber Ta conformidade do Decreto de 27 de
Dezembro de 1852 e nios terms dos art. 891 e 892
da Ref. Jud. e do Alvar de 14 d'Abril de 1785, se
acha aberta Syndicancia da.residencia do ex Gover-
nador d'esta Provincia, Joaquim' Pinto de Magalhes,
por espao de 30 dias contados da'data d'este., -E
para que chegue ao conhecimento de todos mandei
afixar este qios logares do costume e publica-lo no
Boletim do Governo Geral. Moambique 29 de Julho
de 1854.= Eu Jos Zeferino Xavier Alves, Escrivo
nomeado ad hoc que o escrevi. = Joo Caetano da Sil-
va Campos.


acontecido n'Africa, aonde as montanhas no tem me-
nos altura, nem so menos agrestes os matos, menos
expessas as florestas, menos asperas as serianias,' me-
nos despenhados os rios; aonde ha mais castas d'ani-
maes ferozes,, e aoiide os homes, como se fossem
animals de divers specie, andam em aturada guer-
ra, e porfiada matanca. Seria bem util para'os natu-
raes do paiz que, semelhana do que sucedeo na
Asia e ina Europa, viessem victriosos exercitos fun-
dar alli grades Imperios, e que custa de momen-
taneos desastres' grangeassem os beneficios do Com-
mercio, e ar vantagens da cevilisao. .
'Entre todos, 6,'Geografos, 'o que melhor nos enca-
minha nas cousas:d'Africa .Oriental Mr. d'Anvile,
cuja Carta Geografica levantada ha meio seculo encer.
ra o que at hoje sabemos d'este ierritorio .c m al'gu-
ma certeza.- Por mao fado das artes e das sciencias
o continent mienos conhecido cahio -em poder dos,


S11I OS: PITAL MILITARY.
S:Ma ppa do novimento dos doentes do IHospital Mili-
lar de Mofapmbiquf. d:isde 20 at 27 do correntc.


Si- -


DOENTES.. u .


Existiam 29 6 5 ig .40
Entraram 15 2 O
Sommn 44j 38 j 69
Sairam ncura(l,s 14 S 2 i .
Falleceram. 1 i
Ficam existindo 30 5 41
N. B. Falleceu um Azialico idoso, de itenlct d'uinas, c.on-
sequencia de cystite cbronica.
Hospital Militar de Mocanbique, 27 dle ilo tie
s84. = D.' Jacques Nicolaz de Salis- Plisico Air.


ANNUNCIOS.

il. Camara Municipal de Moambique, faz public,
f que em sua Sesso de 9 de Setembro pro .imo se-
guinte, s 10 horas do dia, hade ser afforado a queil
mais der, um terreno em = Pepe = com 400 braa,
em. quadro, pelo !qual Semente Lourenco, oflerec@,
:400 r. de foros annuaes..

SJOQUinM Antonio de Souza Caldas,, e sua mdliir
2 dD. Claudina Manoel Cariazedo', tem unmia puei-
ra na' Ponta da Ilha, e pretendem veude-la, qluem
pretender compra-la falle com os mesmos Ainun-
ciantes, em sua caza no Largo da Unio.

Previnem-se os Sr. Subscriptores do Boletim i1o
Governo Geral d'esta Provincia, quecom o prezente
n." 12, finaliza: a subscripo de 3 mezes, e por isso
sao convidados a renovar,as suas assignaturas aquel-
les Sn." que a tenham feito pelo referido prazo, a
fim de lhe continuar a ser distribuido o mesmo Bo-
letim, aio cazo de quererem.
..., ..-.: .. . ....


Pnritugiiezes laianhos em heroismo, to pequenos 'em
indu,'tria, e em geral menos cobiosos de se instrui-
rer que qualquer outra nao da Europa.
SD'Amnile marcou exactamente nas suas Cartas al-
guns pontos caracteristicos d'esta parte do mundo: a
saber. A cordilheira de montanhas que attravessa eta
part d'Afaica, Norte-Su!. A alaga Maravi a que elle
d mais de 300 milhas de comprimento e igual lar-
gura. O rio Barbela no reino de Congo, e o Zambezi
no' Mcaranga. So ekactas' as dimenses que elle as.
sign da 'distancia das cataratas d'este rio; e a noti-
cia 'dos'Nubos que de miistura com os Zimbas, e os
Jacas jazem ao Norte alimenrtando-se de carne huna-
na, devastando maior pate d'AIi ica meridional.
( Continued .

M: aiiBIhQb ; iNA- IHprx N AQlONL.


I, ~- _< - ~ i- -i -_ii


-- -- -- --------- -
1.







NNO -18,54.


Este Bol Ut saird too, s os sabbados, e assign-se po-
ro elle n Secrelaria do Governo Geral.


NUMERO -15.


4Assignaturo po triiMstre....................00
, Por sintester .... ... .. ...................... 1500,
Folha amilsa. ........... ............. 80


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.


l Im- _- *n .in in I n i i .... i- 1-
SAEAI>d ( 5a I'AGONTO).


?r ,i. 2." O mesmo se praticar com qualquer embar:-
IPAEf l OFJiI S cao que for encontrada recebendo carga, ou que in
tiver recebido em qualqter port; aond9 nio haja AI-
_____'__________ _d__-- Bidega, ou cm algum onto da costa.
GOVERNO GQERAL. Ar. 99." 0 navio e carga apprehendida ser
vendido em leilo com as formalidades estabelecidas
*- B s--"- .--f nos portos mais proximos 'em que haja Alfandega, e o
Continual do-Rgulaento ds Alfandeg. product d'esta arrematao depois de deduzido o tri-
plo dos direitos competentes, e toda a despeza que se
Art. 98.-Qualquer embarcao de fora da Pro-! houver fito com a apprehensao e remessa, pertencer
vilcia que trouxer a seu bordo mercadorias que aio-n s aucthoridades .apprehensoras,-e s pessoas que ellas
da no tenham pago direitos de consumo nas Alfan-' convocarem para as coadjuvarem na apprl'hensio, as
degas, da Provincia e for encontrada, em algam ponlo quaes' tero atera part, dividida, em pores igaua!,s.
da.costa, ou em porto aonde no haja Alfandega, se-i unico. Porrem no cazo do final do .' 1.. do ar-
r por esse facto considerada suspeita, e embargadai tigo antecedente, se o povo de seu imotu-proprio fizer
mediante auto em que se declare esta circunstancia'; aapprehenso, as pessoas que a erecltuarem receb(erao
ser o auto remettido ao Juiz de Direito, com a mes- em pores iguaes, a part que lhes tocar de to:!a a
ma embarcao, se porem poder haver perigo a em- pre;a, feitas as dediuc.es n'este artigo det-rminadas.
barcao ser conduzida ao porto mais proximo, aon- Art. 100--As mercadorias desembarcadas de
de ,houver Alfandega, ro qual se deve conservar es- taes embarcaes nos: portos aonde nio 4houver Alfan-
pera (la decizo do Juiz. dega, eu nos pontos da costa, sero apprehendidas em
'. 1.0 Porem se a mesma embarcao tiver des- qualquer parte em que se acharem, e com ellas se
carregado n'aquelle ponto, ou em outro aonde no ha- proceder segurido se dispe iio art.'99'."d'iste lie-
ja Alfandega, sor apprehendida com today sua car- gulamento.
ga, por qualquer eibarcao de guerra Porittueza;, Art. 0."--A embarcar: o no cazo do rt.'98."
ou pelos Oificiaes d'Alfandaga; ou na falta d'eestes que justiict per rante o Juiz de Direito que foi obri-
por qualquer au :thoridade local; e se alli no hau- gad(a por fora maior que lhe no deu tempo a pro-
ver aucthoridade, por qualquer do povo na prezen, curar port aonde havia Al' ai!egna, mostrando o pe-
de testimunhas. rigo q ue resultaria deixando de fundear aonde o fez


ContinuaCo da Introduro da Memoria Estatisica.
Na mngua desecrptores naturaes e estrangeiros,
vista dos erros de que andam fartosseus escriptos
'geograficos, a lio d'elles no suficiente socorro
para trabalhar com seguraina em to ardua tarefa.
Cumpre todavia no dar deimo a estes memos
escriptores, bom consulra-losi conferi.los, e valer d'
elles. Assim o fi'z ajudando-me no s do que elles
escreveram, e da tradio que de tempos aniiquissimnos
anda nos -natnraes da terra acr'escentando as noticias,
que, sem poupar exame, e Ctiii socorro de pessoas
experimentadas, pude adquirir denovo para rastrear
a origem, e notary o progress e estado actual dos
Dominios Port6gutes d'esta parte d'Africa OrientaL
dando-me a este trabalho nas horas que me perdoa-
vam os cuidados do Govtrno.
Moveunme- a isto no j vaidade d.'esarever ;.. mas


er obrigado extraordi ariamiirene em razo d'aficio,
e have por bnum acerto .rec'lher apontamentos qtul
talvez ainda venham a,ser proveitosos. Verdade'
que, para assentar .segu ua toutrina, cumpri-a ver por
nimes olhos,, e apalpar as cousas, que escrevese ; ;u
:vi pelos alheios, ajuatando escassas noticias, ; esasa
mesmas, confusas. e dcle(irttail- que e o mais qpe
se pode alcanar CI1VCVLiIo, Povos quasi brbaros,
e to outros do.que.no". ~q'ipo, em lingpoagem, usos,
e cotainms quando releva tra.tar semilhantes, assump-
tos fuiidamentalmente caop perieIta consideraco, es-
tudadas as materials, e desbastadasas dificuldades.
SCuidei que revolvea.d' os archiyos 'a Camara, e o
Cartorio do Governo, achaiia: c bedal: estatistico de
que me pudesse ajudar, e.cpm effeito achei bastante
para despresar como moeda fala no ja .omo dineli-
ro de Lei. e' de que-devesse, fazer uso.. Descubri que
os Mi~iittriop passados, tinham apst'do ntre s, a.









ser remida de toda a pena; o que nao pror to
soffrer uma multa de 600,000 r. ,
Art. 102.`-S s eimbarcaes da Provjneia:,
permittido o commercio de cabotagem, e aqiiellas -que
mediante certas circunstancias receberem no mar, oir
em alguma parte da costa, ou.porto aonde no haja
Alfandega ou posto fiscal, mercadorias que rinaotenham
pago direitos de consumo e as desenibari arem emr
qualquer ponto sero apprehendidas, arrematadas
em leilo com...o .carregamento que tiverem send a
apprehension feita n'essa mesma viagem; ou s a em-
barcao send em outra qualquer- viagem dentro de
3 annos, prazo que se concede pra a prescripao d'
este crime.
Art., .03..-- N'estas disposies no so compre-
hendidos os navios balieiros, aos quaes permittido
refrescar em qualquer ponto aonde no haja Alfande-
ga, ou posto fiscal sem que por isso tenham de pagar
despeza alguma. d?porto, ou qualquer outra, em con-
formidade da Portaria do Governo Geral d'esta Pro-
vincia de 8 de Junho de 1854. ;
Art. 104."-Os cazos em que tem lugar a arri-
bada por fora maior estad designados na Portaria sob.
o n." 340 A, do;Govrno Geral d'esta'Provincia, de 16:
4'Outubro de 1849.

'T r'iUL O V .

.Disposies relatives aos cazos de despa-
cho para consume.

CAPITULO I.

Art. 105. -Todo aquelle que por si, ou por in-
terposta pessoa quizer despachar qualquer fazenda,
obrigado a aprezentar o seguint.
1.0 O conhecimento, factura, e mais titulos: com que
prove a origem dos generous que se pretendem despa-
char.
2. Uma relao em triplicado, assignada pela par-
te, na qual deve fazer meno de novio que conduzio
o genero ou mercadoria, a nao a que pertence o di-
to navio, a quantidade e qualidade dos volumes e as
respectivas marcas; '(modello N ) trazendo um dos
ditos exemplares os valores dos generous.


qual havia caiir em maiores errors politicos e admi-
nisriativos. A ignorancia, a presmpo, e o capricho
d'alguns Ministros, que ihes' mais facil porfiarem no
erro, que darm o brao a- torce.' toinndo conselth
de quem sabe; apoiarem o credit do Ministerio na.
inentirosa opino da clientele Cque os rdea, no apa-
ratoso explendor do cargo, ia fala' eda de que pos-
sui-lo o mesmo que merece-l, na dependencig e
na adulaco dos candidates -e :apanigoados; em vez
de se fortalecerem conm os conselhos de Vares dou-
tos e exprimentaidos, aminates do bem public, lipi.
pos de tada' a 'casta de paixes enalidade; no
lhes antepondo o parecer d'ldiotas presampoos, que.
lhes falam a geito, e incensam a vaidade: tudo isto
foi parte para o' a'ttazan.einto- e'iq teaidam todas asi
nossas cousas Utlti'raiarinas' .
SEm; vez de encontrar n'aquetles archives unr com-
S.le'dti Lei e -Ordenanas adequadas -localidade,


3;o Quando os despachos forem d'objectos importa-
dos em. navios estrangeiros, e promovidos peles Soi
bre-cargas apenas se exigir odisposto no paragapho
anteceIeiite, o que igualmente se praticar com as
liessoas que tenham comprado as mercadorias n'Al-
fandega.
Art. 106." Preparado assim o despacho entre-
gue ao Ch fe d;Alfandega que o dar ao Empregado
a quemi peirtence -exame, e conferencia das declara-
es contheudas no despacho, e volumes a que se refei e.
Art. 107.0 eO empregado reebe os despachos,
manda abril os volumes que este design, confere, ,
peia as fazendas que elles "contem,- e aehidotut&o
conforme. pem = Conferido = ou = Verifeado-=.
assigna-se e entrega os despachos part.
Art. :108. Quandb as declara es* feitas a-respei-
to d'um ou mais volumes no cornprehenderem os ar-
tigos que elles na verdade continham, scro os. obhj:c-
tos excedentes landos por 'additarinto, e mulftaios
no duplo dos respectivos direitos, .no cazo .de reinei
dencia, exigir-se-ha o triplo, e se o mesmo despachan-
te de novo reincidir ser a multa igual ao valor das
fazendas ou effeitos no declarados ficando inhibido de
despachar n'Alfandega. No se exigir a multa qua!-
do os objects excedentes niio estejam obrigados a pa-
gamento algum de direitos mas se form artigos cu a
admisso: :no permittida :na respective Alfa;.dega,
sero tomadas como contrabando.
SArt. M09.?-- As fazendas que houverem de ser seld
-ladaspassam depois da conferencia do verificador parn
o lugar do Sello, aonde os encarregados d'esse ts-ala-
-lho conferem de novo se as fazendas correspondcr:n
com a declarao, e disso se far nota no exemplar
que design o valor dos' efieitos.
* Art; :1 O -- Com os tres despachos depois de c1a-.
feridos se appresentar o. despachantd -ao Chefe d'Ai-L
fandega o qual manda liquidar a importancia dos di-
reitos e emolumentos,, e depois d,esta liquidro og
torna a:entregr part que com elles se dirige ao
Thesoureiro, este recebe a importari;a liquiadaa, fica
com um despacho, e rubrica os dois restantes que en-
trega parte a qual os apresenta ao Director que
deixando-ficar na mza o que tem o \alor dos objec-
tos, assigna o outro que entrega ao despachante com
a permisso para a sahida dos effeitos. :


indole, e character d'aquelles povos; que regiuass:em
as aces e os direitos 'os colonos, e dos naturaes.
do paiz; que os illustrasse, e,lhe marcasse o grao de
civilisaCao convenient segundo sua condico;i que au-
xiliassem e promovessem a agriculture, as.artes., c o
commercio; 'que regulassem a desmedida aucth'orida.
de .dos senhores,: :e a obediencia dos escravos; em
summa Leis, e regras de sabedoria que estrteitassem
todos. os vinculos das colonias com a, metropole, s4
encontrei.,diplomras confirmativos de que soubemos
'conquistar, e no soubemos manter a conquista; qtue
soubemos colher as palmas do triunfo, e no as van-
tagens que elle nos offereeia. No soubemos .colqnisar.
Houvemos: que ;cmnpria -faz-lo. com facinoro.oso de
gradados, e,em vez, de osi convertermos en agricul-
:tores das terras conquistadas, fazeinolos so Cdados, de
prezidios para, tiranizarem os naturaes do paiz. Apro,
veitei pois' do exam d'agueUes archivs;, oque ~uodie,


a- i ~u ---i~i~3ihaa~aaaaia~iiarrri)illPcOlibP~*


~--e-------- ------ - ---
_ -- =~









Art. 11i .-- 'Eei despachos devem ser rubricaL
Tos por todos 'os empiegados ique d'elles tiverem co-
.hcimento, e sero numerados com o numeri dai re-
'i:tta em que os direitos vao ser lanados.'
Art. 112.-O Porteiro confere a enxr:id' o dos
oluies ( os quaes sero n'Alfandega .condusidos at
ora da porta pela Conpanhia dos trabalhoso, hraac.)
ian;a-os no seu livro competent, e deixa sahir.:

( Ctiminua.) }



EDITAL '

SjUNT. DA. FAZENDA PHlBLICA,

* .,A Repartiiro competence correm editos de 30 dias,
a contar da data *d'este, chamando a todos os-
in~,ividuos, que tenham d'haver, (.u dever com o ex-
polio de Cfange Merrangf, afim de se proceder ao
pagamentb da divida passiva, e remetter-se ao con-
tencioso certidles da divide active que houver, per-
tencente ao dito expolio. Secretaria da Junta de Fa-.
Zendlai de Moambibnue, 3 d'Agosto de 18,4s.-= Ma-,
p-ld d'Aguiar.
- -~i k^"~9~ibS~ _~-----



Cambo e precos corientes do Mrcado dllo o
ang~ique, name de lJulk d- 18a4.
.zeite doce a garrafa g.60
Ditode coco, a arroba ,'1:0 .)
Dito de zerzeiim, dita .. 0i.
i'Ago-ardente, a garrafa 250
A- sucar amerieano, a arrob#--- -4.500-


Dito do norte, dita
-l ilto ,rdi-'i; i* i d'"
Azeitonas, a libra
Algodo em rama, dita
Alhos, dita -.: i
Arros fino limpo, a panja.
1bito'grosso, dita
,Ani, a garrafa
Bolaxa fina, a lii ra


3,%600


i'1200

OO

3,~300


,ia convir de futaro-a beneficio' dlestes nossos domi;
i.ios, argumentando na .razo inverse do que :alli,.ipe-
Ja maior pa.rte, se acha- determiado e estabelecido. :
Mui pouco me fundia o trabalho como escrevesse
emi mie escorar; mnas nem por i:sso esmoreci: armeit-
rjce de coistancia contra as difficuldades, e se no
desempienhei com olwa bei, ordenada e correct cd-
fI-o cumjpria, dci mo'tras que as horas que me vaga--
varm no correram totalmente p(rdidas.
Quiz estreitar-me dentro dos limits dos dominion.
Portuguezes, endireitando desde o Rio do Espirito
Santo, ou bahia de Loureno Marques at s Ilhas dib
Cabo Delgado; mas houve por mais bem consideira-
do dar umna descripo do Cabo da Boa-Esperan,-.
e alargar-me desde a terra do Natal, cujas extrems-
aitestawn com as terras da Cora Portugueza, on o
",ejmin os I-g;ulo']''ue as domiiaru, unt viin'hos e.
anrfo a s com .qluen memos conimercio; outrqs,


'Baraia de 20 mos, a peg .. O000
Dita de 16 ditas, dita ... 900
Breu so reino, a arroba 1o000
Dito'do norte, dita i600
Branded, a garrafa 0i ,~s0
Chourios do reino, a lbr~, -. 400
Cognac, a garrafa GQ
Calf em gro, a arroba 4'000
.Ch: superior, a libra 800
Dito, ordinario, dita 1j'200
Can.llan, dita .. a00
Chocolate, dita 00
Ca*rngapi, a peca 900
hitai ingleza orninarIa,' dta ('600
Cas branca de 12 as, .d 400,o
Castan1ha de caju, a panja 150
Crc bruta, a arroba 5" 5400
Diraeni vellas de ga, dita .41 000
Dth em ditas da terra, dita* X,2.000
CoQiinnho. dita 200
'Caiamnonio, a libra 1:.20
Cravo da india, dita ,300
Cahamba, a arroba 300
.Coral do rio, o masso : 4.000
Doutim de g6a de 30 mos,- pei., 8'00.0
Dito de cari, dita 400
Dogoginm pintado, dita 800
Dorogogim pintado,,dta ,
Dente de cavalio marinh1o tqrt"E 4
libras parai cimna, a .ar.ob '.
Ditpo de dito direito, dita. .,
Farinha de pao, a panja '
Feijo branch, dita- -'< 10 0
'* bito encarnado, dita 100
SGetim de dio': pntado- .
Dito de pintor; '," -. .. 0
GongurOsi, a corja. 000
Goma cpaif, a arroriL, 19'000
Genebra,-o frasco' 900
SLicor, a garrafa 5 '00
Lenos de carregao, a' pea ~ 1'200
.Ditos finos de dio, di'ta 0f.S
Manteiga do ,reino, a libra a
Dita do terra, dita 30
Moringues grades do 1'einof, a \ 1j
Moim ordinario de 40 jardas, a pea 3':20U
Milho fino; a paija '
Dito grosso,' dita : 100.
SMuxutire, dita, 125
Maci.ar.i, dita


inimigos atraioados 'ou.descobertos de que onveit
:acautelari. .
SAlem: idi-;toi haa por aquii[es'-esseainpados muitas
terras fructikeras, iiruitase' diveisas drnogas de valor,
mrouita variedade de pedras prIeiosa, ourioi marfim,
de que tudofizeit granea,isaquelies cafres- os.quaes
resg~Utava m ~oi :os, fPortupuez.es'ei.: .outro ,BP>os, tra,
.zendo grande dopia de riquezas em, rbtorno das di.
vesas sorts de quinc'aiharias qtteh'esl leavaam<
i: Ia miiiiigua de gcneros coirimrinitraes pecuiariamenii,
te:nossos que estamuos redtuidos; e, na quebra q.te
,houve eir Moambi'qn acabatdo o.ra'rcto! d rescrava-
tura talvez 'queseja: fora. lapar. odura :verz mio .4'
aquelle esquecido commerrio -dapidohll nova vid. a, o
que ser a-parte .para a gtnhakem, os .ue se quzecAm
aventurar, redindando tudo emr pr.oDveito seui e egran-
de augmient das rendas do Estadb....miw:i:
ri d:.;A(osta: d,'Atica Qriea;takl ir ?rjpissianaSquit.rtt6,


:~iit
,~--?*nni-~,f_~I"'--- "''"~"-'-i-~-~"L;-: ---;;i -


'-j;-l..~-r` '1~11-1.~~-;~-i~ii-x- --- -z~------ M--l-L~~~- 'Li--Y-I-T.'--. -i-- .-










Mendbim em casca, dita .1 50
Marfim grosso a arroba ,3Bo000
,Dito `meio, dita 32,0000
Dito mniudo, dita 25'O000
Dito' cra, dita 20.o000
Manilha d cobre, a corja 1io000
Oleo de recino, a garrafa 0600
Prezunto, a libra p400
Pratos azues, a duzia 1600
Pimenta redonda, a libra 100
Po d'oito onas, a J020
Queijos americanos, a libra 400
Sabo, dita ;150
Toucinho do reino, a libra 150
Dito da terra, dita ( 00
Tapioca, dita 250
Vinho into, a garrafa 4250
Dito branco, dita 0250
Dito da companhia'do porto, dita '0900
Dito moscatel branco, dita 090Q
Dito de carcavellos, dita 600
Dito de colares, dita 400
Dito do termo, dita '600
Dito do faial, branco, dita $600
Zuarte de carregao de 30 mos a pea 1%600
Dito de carvi de 32 ditas, dita 1$600

N. B. O canbio o mesmo que se acha declarado
no Boletim ri. 6. Administraco do Conselho de Mo-
ambique, 1.0 d'Agosto de 1854.= O Administrador
do Conselho, Augusto Estanislau Xavier Soaes.
----xSiSs-- -


COMMUNICADO.

fMo.ambique 20 de Julho de 1854.

MurrIs vezes n'esta parte d'Africa, longas tem sido
l algumas vidas, de naturaes e europeus; para pro-
va do que se public a seguinte lista, afianada por
muitas pessoas.
SO Cheque de S. Cul Momade Raj, viveu 108 an-
nos, foi provide no Checado d'idade de 27 annos;
ra o Av do actual Cheque de S. Cul Assane Mui-
ch; teve de diferentes mulheres 42 filhos, morreo
em 1791.- Natural de Moambique.
SO Sulto d'Angoxe Assane Chamacame, ra Vazir,
e foi eleito em 1814, viveu 128 annos, morreu em


1842; ainda em 1822 andava a p_um' quarto de
legoa, para hir ao Iitio das suas sementeiras e teve
17 fiilhos. Natural de Moambique.
O Cheque da Cabaceira Pequena Muguamisse Ja.
mal, viveu 121 annos, falleceu em 1846; foi provide
em 31 de Janeiro de 1804, cazado (uma s vez) com
Dva Otholmane, filha do antigo Cheque, teve 7 filhos,
existem dous; d'um dos fallecidos, Dade Othomane,
filho. o actual Cheque Mua Dade Othmniane, a
viava existe, e tem 92 annos.--Indigena.
O Ajudante da Cabaceira Pequena Abdull Alv,
provide tambem em 1804, falleceu em 1849, comn
96 annos d'idade, ixiste s um filho d'este, e ignora-
se quantos teve. -Indigeno.
O Alem-Tejano Jeronimo Fernandes Vianna, que
veio de Portugal d'idade de 21'annos, viveu n'esta
Provincia 76 annos, morreu em 1831 com.97 annos
d'idade: foi Majqr de Melicias, e Governador das
Ilhas de Cabo Delgado.





IIOSPI AL M]ILITIAR.


9 -- I


possuimos ao long d'ella desde Cabo das Correntes
at s Ilhas de Querimba se terreno estreito em al-
guinas parties, em outras vastissimo territorio, e
abundantissimo de tudo. Se quizermos pouco custard
alargar-lhe os limits a nosso alvedrio: cifra-se (em
marchar-mos pelo. serto dentro de mo armada;
porque o mesmo entrar, assim por elle que fugiretn
os cafres, e deixarem-nos o campo livre; mas faria-
mos rematada loucura se tal puzessemos em obra.
SFacil conquistar, e difficultoso manter .a conquista.
De que nos serviam campinas e montanhas, ermas e
despovoadas ?' A conquista dos cafres no deve ser
feita com ferro e fogo, seno com brandura; cativan--
do-os com dadivas, e macias praticas; sendo.a ami-
zade, o bom trato, a'boa.' f as unicas e proprias ar-
mas que convem arremear contra elles, para os ven-
cer e dominar. Posto' que os cafres, de seu natural,
no sejaw.ianclinado aq.bem, tudo 'se acaba com' el!es,


Movimento dos doentes, de 27 de Julho a 3


do corren.ts
,


o- o -
DOENTES.


Eiistiam 30 6 5 41
Entraram 'S12 2 I1
soma 42 8 7 57
SSUno+. I( II'- -
Sairam curados 12 3 4 19
Fallceram I 1 1
Ficam existindo 30 5 2 37
-


N. B. Falleceo um soldado idlso
purulenta, eutrou muribundo.


de veterans, de resorp 'o


Hospital Militar de Moambique, 3 -d'Agosto de
1854.= D.' Jacques Nicolau de Salis hisico Mr.


amimando-os, e prezentiando-os; como conheam que
ha fora e propozito de os castigar sendo necessario.
N'esta parte so todos da mesma feio.

( Continua. I


MoMJQjui,.- NA IJIpM


-- .~1,


*j #


''' "


--
.11VacroPri~c :.


_T











L'sc Boletim sair toas.os, sabb!oq, r sslqiqa-8e- j-
1w(,~# ~~r~ Grn r 1


NUiMERO -14.


ssi:gnat.ura .por trin, estre..................... a00
Por simestre ............................... 00
Fr n ris.'a ...... .......... ....... . aO


DO- GOVERNOR DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE.


SAABO ]% 9!A GGOSTo.
-.- I - . .. ... ... .... .. .... . . .



lI tanto que no acto do wmbarque, possa' est[r prccente
A e sem prejuiso do servioo empregado fiscal respec-
tivo devendo esses objec os strem acompanhados d'uma
guia em que se declare o numero dos volumes, o que,
GOVERKT.NO GERIAL. encerram, a qualidade, a pessoa a quem pertencem, o
S--- nome da embarcao para onde sio conduzidos, e o
do CapitDo ou Mestre, c o porto a que se destinam.
LC;onrinumio do Regulamcnto das.Ai'-..-d q.:,. Estas guias bem como.quaesquer outros despachos,
ser-, sellados com a taxa de 40 r. e a sua expedi-
FTITIULO VB. a'ratil., ,
Art. 115.o- Nnhum dos effcites que por sabida
:'''.'.t;.-s relmias a s o cazos d'cpIortaao tenha a pagar direitos, podero ser embarcados fora
dos points especiainente destinados para o desemnar-
*CAPITULO L que nos cazos dc importao: exceptuam-se as carrc-
gaes d'aquelles generous. que snmenite podem eficuiar-
Art. 113,R*-Nenhumiamercadoria, ou obijeco in- se em pontos determiinados, mas nunca isso se 'ari
dlusivamente o que por sahida no paga direitos, po- sem previo conihecimento d'Alfandega respective pela
dera embarcar-se sem.que previamente este feito o forma prescrijpta na ultima part do artigo .ntece-
(ompetente despacho ou manifesto n'Alfandega.; esta dente, sob pena de se proceder contra os trnnsgressc-
disposiio extenciva a todos os.elTeitos, quer sejam res nos terms dos.art. 94'. e 95." d'esie liegula-
destinados para a Provincia, quer para fora d'ella, mento.
(u perteti,am a passiageiros, ou a carregadores. Art., 116.o-0 despacho por sahida, de t1o: s ,
~~. unico. N ~o considerada exportao propria- quaesquer mercadorias, ou sejam de production, in-
imente dita, seiiuo a que sihir'para Cora da Provin- dusiria, ou maniifaiitura national, ou das c.,tirngciras
iaa. j nacionalizadas ser. flito pordeclaraes escriptas:
Art. 114.-As igoas, mobilias. e outros objects estas declara6es ,ievem center o numero dos volumes,
semilhantes podero ser embarcados i'aqieclles luga- -suas marcas, qualidade e quantidade de fazendas que
res em que se der commodidade para as parties, com cada um encerra, o seu valor, o nome da cmbarca
t


Continuaao da Introducrwo da Mnmoria Estatstica.

Quando coiiecmos a navegar de Cabos a dentro;
porque ram grades os interesses que tiravamos na
navego, fomos assentando feitorias ao long da
costa aonde recolhamos as mercadorias de resgate
que .depois se espalhavam .pelo serto dentro. Mas
_nenhum conlnercio nos montava tanto como o das ter-
ras do Bra-il, e por elite dliximos os ganhos, que nos
.offereeiami as terras Africanas. Melhor clima, terrenoi
menos aspero, mais fertil, menos doentio, mais visi-
nhos ao reino, os mesmos generous de commercio, tudo
.convidava, c redundou em irmos buscar fortune ao,
novo mundo abrindo imo do artigo. Foi ella emn
tamanho crrecimento que Portdgal chegou a estar
massio de riqueza estendidos os proveitos a todos
.c.., a :roitcra d..os assucar;ese. mais produc e, do


Brasil, qje no havia esgota-los polos muitos que en-
travam pelas barras dentro.
Deixmos na infancia o commerco d'Africa Orien-
tal; perdemos tod o que fazamos n'Asia, e d'ex-
clusivos possuidores chegmos a no se fhzer de n:
o mais pequeno cabedal. N'aquelle tempo as N;ios
Portuguczas lavrav.am os mares vaidosas e assoberba-
das desde o Oceano Occidental at s derradeiras
praias do Oriente: voltavam ao Tejo pejadas de ri-
quissimnos thesouros: os capites, os armadores, os
navios, e marinhagem, tudo era nosso.
Volvidos hoje ao mesmo estado em que nos achva-
mos quando descubrimni: o Brasil, que outros recur-
sos temos de que lancar nimo, quando.no seja-res-
taurarimos 9 perdido alinldo o fio do commnercio que
quebrainos por aquella ra:i i? Engolfados nos lucros
grangeados com menos tra;b:ilho e despeoa, no semea-
mos para collar, se p.SrvcLntnura mudassem .o tempers.


ANNO -185 A .~j4








~) ______ ___________


em que vo ser carregadas, e o porto para onde se
destinam.
Art. f17.-Appresentdos na meza estes despa-
chos ou manifestos que devero ser aquelles, quanido
os effeitos tenham a pagar alguns direitos feitos em
triplicado, e em duplicado quando isso no tenha lu-
gar; por elles seliquidaro os direitos se alguns de-
verem pagar, e.pagos elles'entrega-se um ao carrega-
dor para o embarque.
Art. 118.0 Estes despachos ou manifestos acom-
panharo os objects cujo embarque conforme est
previnido no art. 114. dever fazer-se nos sitios que
estiverem designados, podendo os empregados fiscaes
verificar qualquer volume que offerea desconfiana.
Art 11 9. Quando o Capito ou Mestre de qual-
quer navio carga tiver completado o seu carrega-
mento, dar part ao Director d'Alfandega, que re-
mntter pelo expediente d'esta os exemplares dos des-
pachos, ou manifestos que se defem achar na meza
pertencentes carga do dito navio, ao Chefe d'Alfan-
dega do porto a que elle se destinar e abi ter logar
a verificao.
$. unico. Devero depois ficar naa mea os despa-
chos ou manifestos que segundo o disposto no ', 2.
do art. 30. devem existir em poder do Guarda-mr.
Art. 120.'-Se n'Alfandega para onde form re-
fietidas as fazendas se achar que estas no conferem
na quantidade, sero tomadas por perdidas aquellas
que no tiverem sido devidamente declaradas, e quan-
do nohaja exactidSo na qualidade sero tambem to-
nadas todas aquellas que diverificarem, e se entire
as fazendas dclaradas faltar algum artigo que deves-
se pagar direitos exigir-se-ha por multa o triplo dos
direitos que esse artigo tivesse de pagar.

CAPITULO II.

Disposies expedaes aos cazos de reexporUtao.

Art. 121,0-Os generous admittidos a deposit s6
podem obter despacho de reexportao, quando forem
reexportados para fora da Provincia, pois que send
transportados para qualquer porto da Provincia, de-
vero.pagar os direitos, de consumo.


Mudaram com efeito, sem que d'antemo (tantos e ta-
manhos foram os descuidos e desconcertos). estivesse-
mos apercebidos, e j dispostas as cousas, e.applica-
dos os. remedies de que nos podiamos valer.
Contar com a perda do Brasil ra antever de bom
entendimento, ainda sem consumada political: e cedo
ou tarde que isto acontecesse ficava o reino em aper-
tadas circunstancias. 1No haviamos agriculture, ma-
xiufacturas ainda menos, artes nenhumas, pequeno eom-
mercio, escassa navegaco, nada em reserve; tudo se
havia deixado fr a esmo, sem prumo nem media em
toda a sorte de administrao, e pode ser. que perdi-
das s vezes as occasiss que tinhanros entire mos. pa-
ra bons effeitos. Em tal cazo, tenho qug, era mul lu-:
croso aproveitar os domnios Africanos tomando for-
Cas do mesmo aperto de circunstancias, na certeza
que, elles so capazes de nos ressarcir de grande par-.
te do que perdemos pela separo do Brasil.


S, 1~ Os deposits s podero ter lugar n'Alfan-
4dega principal nia onformidade do Decreto de 19, d'
Outubro de 1853, e s podero ser feitos na mesmn
.Alfhidega, salvo se ella consentir que possa ter lugar
em' armazens extranhos, mas n(sse cazo as chaves dos
ditos armazens devero esiar em poder' do Director
Geral, e no sero abertos sem a prezena d'um em-
pregado fiscal.
Art. 122.-O despacho ser feito n'A!nltdegi
pela declarao que nella se hover dado da qualidade
das fazendas que se pretenderem despachar, e os di-
reitos d'ellas sero contados pelo valor, e quanti~ade,
que tiver sidodeclarado, quando mesmo as mer(ado-
rias estejam desmerecidas ou damnificdas.
Art. 123. O. reexportador deve declarar o por-
to a que destina as mercadorias que proper a despa-
cho, e feito este, verificados e pagos os direitos, as
fazendas ou effeitco despachados sero acompa'ihados
at bordo por ofieciaes competentes, e seguir-se-ha
todo o determinadd para os cazos d'embarque.

TITU11 .LO VII.

Disposi&es geraes cerca da considera, multa,
ou apprehensio dos, d'verss efeiltoo,


CAPITULO I,


Art. 12 As fazendas ou efleitos qite uma vtE
tiverem pago os direitos de consumo n'esta Provincia,
podero ser livremente navegadas, ou tra .sprtadas
para outros portos sem repetirem os direitos, indo
para esse fim acompanhados de manifesto, o qual, se
os generous forem transportados 'de rna para outra
Alfandega nos wiesmos,volumes em que foram despa-
chados, dever declarar a importance dos direitos pa-
gos; e quando acontea que a applicao dos direitol
seja menor doque aquelia que a essas anzendas corres-
ponder, sero en:tontrados os direitos que tiverem pago
na-importancia que lhe for contada por esse direito
que osgeneros deverem pagar,
Art. 125.0~-- As fazendas ja pacinalizadls por ha-
verem pago os direitos de consumo, e que devendo ser
selladas se appresentarcm por sellar cm q alquer Alian-


Certo que n'esta idade avara e cubioza, em que
os homes querem viver vida regalada, poucos have-
r que a exponham aos perigos da terra, e s tempes-
tades dos mares para grangear com o suor do, seu
rosto o que at agora com pouca fadiga lhes entrava
por caza; mas compete ao Governo atrahi-lo:, ins-
tando, persuadindo, ajudando-os, protegendo-os: obi i-
gado a isso sem reserve nem excepo de previle-
Sgios, graas, indultos, e quaesquer outros auxilios que
para este fim haja por bem conceder, e aucthorisar.
O Grande Affonso d'Albuqeurque, o terror dos
Malaios e do Hidalco, talhou com mo de mestre
quando escolheo Moambique para interposto do com-
mercio da Europa com a Asia, e formou de Goa o
centro de todas as especulaes mercantis'd'estas duas
parties do Globo. Mas errou em se no apossar do
Cabo da Boa-Esperana, passando vante sem ao me-
nos sondar aqulles mares, e apalpar aquelles twrritP'


i --- ..









dega, sero reputadas como estrangeiras para despacho
de importao. Sero porem apprehendidos aqiielles
effeitos qiue no todo, ou na maior parte devendoestar
sellados, se transportareiti sem sell d'uns para outros
luar.es iora dos limits da immediata fiscalizao das
Alfhndegas.
Art. i2.. -Os effcitos que forem transportados
sem o competent despacho, manifesto ou guia, ficam
sogetos a detena, multa or perdimento, segando as
circunstancias.
Art. 127."--Os generous que form detidos em
terra por falta de sello,- ou outra razo sufficiente, se-
r > tomados por perdidos, e no cazo de reincidencia
soffrer o ro, alem da tomadia, uma multa igual ao
valor dos generous apprehendidos, ou o du'plo d'esse va-
for se de novo reincidir, se.ndi-4.he applicavel a priiso
e pro.:csso judiciario, quando concorrer no edlpado al-
gum procedimento agravante, ou deirar de pagar a
mulla imposta. -Tambem se far apprehenso e se
proceder nos respectivos tsrmos contra oa: infracto-
res, quando qualquer embarcao sera conserytimento
d'Al'iindega se dirigir de terra< ou do mar para bor-
do de qialqu-r outra, e communic r com ella antes de
ter iado'o signal de vizili, ou em horas que nio fo-
rem ;is ordinarias do serviio.d'Alfandega, sainda mes-
mo qie o signal esteja i.do,
Art. 12'."- S'rii u tonados por perdidos todos os
effeitos que fora das horas legaes, isto ','dvesde o pr
,t ao nascer do sol, se encontrarem no acto d'em-
hirque, ou desembarque sem express permissao por
cscripto do Director d'Alfandega, ainda que essses
objects sejam acompanhados do conpetente despacho,
por ser este destinado a servir .durante o dia,
Art. 129."-Quando em qualquier .einbacaao-
carga forem encontrados alguns objects, que send
sug;:itos ao manifesto, no tenhanm sido inclaidos n'elle,
obrigada essa enmbacamo a uma multa de .00, MrPO
r. alni d valor dos direitos que deverem pagar os
abiectos que a isso forem obrigadois,

CAPITULO IL

pDas tomadias, multas, e sua applicafS&

SArt. 130.-N :;: cazos de tomadia em geral, se-


rios; erro em que tambem cahii:am os Inglezes, e de
que dep-i os Ilolandezes souberam aproveitar-se..
Se Affmaso d'Albuquerque, unido as virtudes civicas
nos louros miarciae.-, a mr part de seus suceessores
dlesdiceram d'lcle, j por ignorancia, j por system
combin.ldo com os Ministtros da Crte com quem. se
banleavam, j por sordidos,e pecuniosos interesses.
.Quamdo pela occupacao dos F;lippes nos levaram os
Ilolanlezes, a gloria, e grande parte das conquistas ul-
trantarinas, deixaram-nos ainda iiuitos reeirsos para
chliuaarino, Metropole grande copia de riiquezas em
bruto que andam esperdiadas por aquellas terras.
Se perdemos quasi todas as possesses Indianas, ain-
da conservamQs acima de 4000 legoas quadradas de
territorio n'Afiica Oriental de done diri-vam aquel-
las riquezas. Ainda possuimos n'Africa Occidental as
Ilhasde Porto Santo e Madeira riquuissimas em povoa-
.gcio, eIH eommercio, emn diliiosos viuhos-em friuCtos,


ro observadas para o process as disposies actu-
almente em vigor quando ello deva ter lugar.
Art. 131.o -.-Quando as apprehenscs forem feitas:-
pelos empregados d'Alandega;i ou quiaesqu'r outros
individuos commissionados ou nr.o para este fim, peq-
tencer aos apprehensores ametade da importancia
dos objects tomados; haverido denunciante, e send
a tomadia fela pelos empregados fiscaes, ou pessoasg
encarregadas de vigiar es descaminios, pertencer a
esses um tero,- e outro no denunciante e em qualqer
d'estes cazos a part restante pertence Faz:enda.
Art. 132,--As imultas que form impostas pela:
irregularidade das declaraes, apprcsenlacs, ou por.
ac.tos clandestinos relativos a quaesquer effeitos, tero
a applicao que lhes vai marcada nos correspon-
dentes artigos d'este Regulniefit i as que no tive-
rem uma rfpplicao dutirminada seguitro'a riegra gcir'l,
contemplando sempre cm parties igiaes a 1azenda, o
-fundo de colonisaio e o denrunciante e apprehensor
*havendo-os. Das multas que form impostas aos em-
pregados por falta de servio pertencem exclusivamen-
te ao CoTre dos emrti.mentos dois teros ficando a!a-
*vor da Fazenla a p-rrte correspondent ao ordenada
dos dias &e fata, como fica dito io art.- a.

,1 T I' rJL VII B-.

Di tSsp;,s relativas aos catoos de tiaufr'gio,

CAPITULO

Art, 33..---. Logo que tenha logiaf o nu'ragio,
a auctioridade fiscal do local mais proximo, cem fal-
ta d'esta qualquer ontrA aucthoridade civil, eccilsias-
tica, jud.i. ial, ou militlar, e na de todas um do povo,
dever participar inmmdiatami-rtte o acontecido Al-
fandega do istricto, o f d lf'sto fiscal mais proximo,
quando. o haia.
Art. i .3i"-o-A sim. qi. a Alfhndega e.',b'r esta
participi-ao transmiittia-ha por o!ficio Il." aucfhori-
dade do Districto, e ao representante d nao o(onde
o houver ) a que pertencer o navio naufragado no caso
de ser cstrangeiro,
( Conlinua.)


.de toda a sorte. Segniido a costa para a parte do Sul
temos as 10 Ilhas de Cubo-Verde, fertisisiiiis em agri-
cultura. Mais avante temos o Castello de S. Jorge a que
vulgarmente chamamos Costa da l:i;na. Debaixo da
linha equinocial jaz a ftlra de S. lhom, e 2 gros ao
Sul a Ilha do Prncipe, ambas nossas, com a de Fer*
rno Po, Arda, Ocre, Calaiari, todas ellas pouco fas-
tadas da costa de Guin;, e na do reino do Congo pos-
suhios Angola, N4v Redondo, e Bengrella beira-
mar; com varias fortaIieZus pelo serto dentro que noc
evitamn'as sitadas dos negros, e nos protegvm a nave~
gaco dos Rios Bengb, Dande, e Cuanza, sem a qual
os habitantes de Loanda morreriam de fome.
Expondo quanito pude colher nos diversos ramos
administrativos: fall dos usos, e dos costumes dos di-
versos cares que no sito sugeitos: da foia e artes
ds regulos com quem confinamos: do commercio
que..com- elles azemoi, dos" differntes genero. t


---,ni----a.g, rr ---


WI- i-i~Y-`i-- -i ~~iluii- --- s -riii- -












1IAPPA MsORTUARIO DO 3EZ DE JULHO DE 1854.


l 0Nors
SLuiz Louren o Couto,
Joo Coutiho,
o Manoel Gonmes da Silva,
] Cararmechande Tricamogi, Banane
5 Henrriques Joze Plodrigue,
SJeziniro Joze d"Aguiar<
[ Jeronimo d'AI)reu,
Trimbo Naique,
Joze,
D. Maria Guedes d(e 8. Pauio,

SMaria Joaquina.
SAmelia Lodina GEorgethy.
B Maria das Dores,


Filliaes
Domingos dos Santos*
Pran(;sco Coutinho,
Manel Gomez,
Tricamogi Mragagi,
Joze Rodrigues
Joze Joaquim de EIello,
No consta,
Pais Inuogi:os,
An!,onio d'Anirade Melb,
Vasco Guedes de Carvalho e
Menezes,
Joo Caetano d'Araujo,
Frederico Augusto G Joaquim Martins Varino,


aturalidades
Maircedo de Covaler
Caldas
S. Bento de Vargia
Dio
Vianna
Rio de Janeiro
(Ma
Idem
Moaimbiq e
Moambiquue

FireFsria de Sampai:
'Moanbique
Idem


Anuos d'idadi
23'
44.


Ngto conmrla
Idem

Idem
4 42 dias


34 annos
N1o conrta
11 dias


N. B. Trimbo Naiqe era gentio, o Baniane nGo consta, e os mais indlisidiuos d'ambos os sexos sguniamia Reigio Ci1rizlS.


.,Administraco do Concelho de Moambique, 3 d'Agosto de 1854. = Augusto Estanislau Xavier Soarcs.


hOSPITAL MILITARYR.


M Movimento dos doentes, de 3 a 10 do.cerrenf..







Existiam 30 5 37
Entraram 10





Falleceram ,

Ficam existindo 28 4 1 3


Hospital Militar de Moambique, 10 d'Agosto de
1854; =--D.' Jacques Nicolau de Salis--- Phiico Mor.


resgate, das remessas, dos retornos, da mineralogia,
dos animaes, das plants, da maneira de nminerar as
terras e de as cultivar: dos diversos modos de colher
e purificar o ouro, da navegao, das artes, da for-
mna do governor: em uma palavra do que alli ramos,
do que somos e podemos ser; e das vantagens que
podemos tirar de territorio to abundoso, to rico,
e to dilatado; mas tudo ser de balde seno se
emendar 'a mo em erros capitaes, principal origem.
de muitos outros. Ha pontos essenciaes que se devem
tomar por base, e vem a ser; Primo: consultar pes-
soas entendidas e desinteressadas, cnhesedoras dos
homes, dos teirenos, e das cousas; gravissimos so
os males que nos tem vindo de se haver praticado o:
Scontrario. Eu tive occasio de o observer; nunca ave-
riguei object dinteresse public, ouvindo os que.,
mnais se me mettiam cara, que no viesse a respos-,
ta im utilidade propria, e geral desproveito: nunca


DO PORTO.


Embarcaces que precorreram este porto
durante o mez de Julho de 1854.




EiBARCA ES. i CARGAS.


De Gavia 21 1 3 99 27 ,Marfim. n
________ __ zila gorac C-
No de Gavia 8 1 1 i 79 15 ii'< f,lenda" ,
S____,_____vort e ar-
S Sommn. 10 2 4 1,78 42 onas', ,utr,

De Gavia 1 1 2 60 9 Mar!ti, al-
d[ _oz. ,zl-da.,
SNo de Gavia 9 f i l !08 a7uisanga, c-
SeI iiib, e o0.
Som,,a. 10 1 135 16 tros e!er

Qua4'tel na Praa de S. Sebastio, 1. d'Agostio de
S85 4. Manoel Antonio dos Reis' Por6tugal- Ajudan-
te da Praa.


ouvi as cla-ses-sepradamente, que no desconccrdas.
sem os votos, porque eram diversos os interesses.
Secundo: legislar convenientemente sem geneirali-
sar principios, e regras administrativas, seno parti-
cularisando-as 'em relao aos usos, indole, character,
interesses, e at abusos de tantas, to diversas gentes,
to alheias de nossas praticas, e modo de viver, que
no ha policia-los, quando muitos de. seus errors so
para uns as verdadeiras normas, e para outros moti-
vos e princpio de crenca-religiosa. De se ter obra-
do de diverse maneira, andam alli sem. lei e regrasfi-
xas as noces e os direitos d'aquelles povos e os da
cora; mandavam-se observer as leis do reino na
parte em que podessem ter applicao: no existiam
as hypotheses, a lei tornava-se inutil e tudo ficava ar-
bitrario e dependent do caprxo, paixes, e interes-
ses dos .poderosos e de quem governava.

O. MoQ atI: N :N IMPBIIsx NACIO

E.Ytado
C~a zado
9itr'iro

S.i to:iro
Nlu conste
SlAeiro

Idem
Miem


, ~~ -~---r~- --1-L-------Lzl----~-_1~11_--i-=~.-_0i==


-r








ANtNlbOl 185I.


SEWt Boh-ttn soir toIos os sa'biedos-, c asirigna-&r pa-
ra lle na *ecretqroa do' GoiarzO Gcrei.


U... ....... .. UM15


Assignatura por tri nestre....................ao
Por simestre ..........................1500.
Folha avuilsa ................ ........... .. 80(o


PO- G;OV]ERNU DA. PROVIXCIA DE* 31OAMBIQUE .


SAIRAII'O i-iP IAbGOSTO.


G0VEV 0C. GE RAL.,


ConinuaLo do. R'gulainemo das Alfandega. .
Art. 135.0-Concorrerido juntamente as diversas
aucthoridades de que nu art. 133." s.I faz nienoo,
prefer a todas a Alfandega, e na falta d'esta a admi-
nistrativa; e na falta da administractiva a judicial,
na d'esta a military, e na de todas q vigario, e na d'
este 6 home do povo; porem se essas aucthoridades
concorrerem umna depois d'outra, pre!ere a todas a
que chegar em 1. lugar, uma vez que entire as que
vieremr depois seno ache ialgum empregado de 1."
ordm d'Alfandega, pois que este' pref're pela natur-
reza do seu emprego.
Art. 13.-- As acdthoridades, oYrl:i'p" .' p nu: men-
ciona o artigo antecedente tomaro desde logo as pro-
videncias necessarias, quer seja paia a -.li.i''c das
vidas, ou fazendas, qiter par; qre se ~ci comretam rou-
bos, e mimivesra,es ; e assim' que -chegariei o erm-
pregados que a Alfandega para ali;' destinar, ietiiarrao
os que se acharem n'aquelie ponto, que ficam' tendo
direito a umna gratificao cor-respondente ao servio.
que j hovessem prestado; para isto a aucthoridade


Contihua1i7o da lztroducio' da Memoria /Estatisiica,

Tercip. re'rmar coin tento, madurza, e pruden-
eia. Deslizari n'este pont sublevaco infaiivel 1io
estado presente, das cousas, pelas pertenes c supe-
rioridade do Israna de Mascate, e ressenthnento dos
Xeques pelas offtnsas e demiazias do ultimo governor
de Moam bique. Para estes Regu'os e Xeques se con-
servarem obedientes releeya conformar com elles at
nrs abl sos ;' uma vez sublevados, necessario ceder
ou comprar a paz com sacriidcio dos cofres publicos:
i perdiia fica today a forca moral, que a unica de
que alli podemos valer-nos, e que aindann, stiiten.l:.
Terras corquist.adis, povoadas de Caires, ,jos li:- Iii-
losaind.i nr*o perdoaramn conquista : estancia de faci-
norosos jobilados nos vicious e nos crimes,'e de escra
rds s'npre to iasdo Ievantada "'ontra es' senhores:


ou pessoa qne os convocoh, ou que lhes ordenou o
trabalho, formar dentro do prazo- de '24 horas uma
rela0o coriiendo os nomes de todos qie se emprega-
rami rios sn'hados, declarando ao lado de cada nome,
.o que f'c esse individuo; e bem assim uma outra
relao das medcadorias salvadas; cem suas marcaa,
e outras I:;,i ".. ,. essenciacs, cujas relaes remri'c
ter Alfandega, a faltu d'estas relaes obriga o in-
dividuo que devia passI.-as pena coirerspondenth
s consequencias da ommissao; salvo n5o sbendo es-
crever qualquer character de Il'tra.
SArt. 137.--Apenas a Alfnde'ga tier recebido
.a participao do naufragio, nomear o Chefe da mes-
ma os emipregados que devem assistir, e fiscalisar os
salvados, podendo acompanha-los se assim o julgar
convenient.
Art. 138.'- Os empregados d'Afandega farao os
possiveis exforos para salvarem as vidas, e mrerca-
dorias, que ainda o nio tiverem sido, evitando extra-
vios, e malversaes, e proced'erio com i maior bre-
vidade ao inventario dos salvados, com designaco de
suas marcas, e mais confrontaes, declarando e moh-
*servaes quiaes d'eles pstavam j salvos, e quaes fe-
ram por scus eIf.,::.: concluido o invenlario s.ro
as mercadorias arminasnadas pela Alf'ndega para evi-
tar descaminhos; e continu]r nras diligencics deter-
minadas lelo Codigo Cummercial.
Art'. 139." Os emp.rgados qtre o Director no-
mear, ou seja'para o acomparlhaTem,.ou para assistirl
* -- ------ --.-
territorio confiinante com hum potnttaudo que domi-
na o rest da costa ao norte do canal, havendo em
frtente a lhai de .da'gascar, c os Sacalaves auxiliados
politi'cn,amiete pelo s steia colonial d'Ing.laterra, oi
quaes li;o perdemn. vez de acometter Moeaiffique : th-
do isto part para seno legislar ereformar a estico
sem averiguao e maduro consello.
ConTo acquelles povos s conhecein a Iiherdade'na-
tural'; nenhruma eda formain do captiveiro politico,
aandaudo anono de f821, aproveitaram o encejo, e
ilenindlerain que as liberdades patrias consistiam no
exercico dos criinms e das paixes; no houve forcis.
para nimnter o'respeito e aucthioridade; d'aqui veio
interior anarquia por dentro, d'aqui a quebra de to-
dos os vinculos que nos ligavam aos Xeques, aos Re-
gals-,' e os Potentados de fora: este4 ameacaram-nos,
aqiellcs subl.evaram-se, c os governor ssuibalternos tra-
balhairiam p srie clazerem inidependentes. Em Rios de


IIII1TE& Offit,1AL,










ao naufragio, s ordens d'aquelle a quem conhias:io
par para fazer as suas vezes, e abandonarem o' sne'Q
.posto, ficam sugeitos pelo menos pena Ie suspenao
por espao de 6 mezes; se algum d'elles for .atacado
de molestia repentina, dar parte ao Chefe, e estar
no sitio do naufragio at quese appresente o empre-
gado que for nomeado para o substituir.
Art. 140.- As fazendas que se salvarem 4o nau-
fragio, podero ser livremente exportadas em' outro
navio, ou no mesmo, quando se salve em estado de
navegar, sem: pagamento de dereito algum por shid,
uma vez que estejam. satisfeitas as despezas de braa-
gem e armazem que deverem Alfandega, e os emo-
lumentos aos Officiaes d'ella.
Art. 141.-Se todas ou algumas d'essas fazen-
das forem, despachadas para consumo pagara os di-
reitos por inteiro na respective Alfndega, sendo das
admittidas, com o abatimento de avaria domar==
que permittir a pauta das Alfandegas; mas se form
de consumo prohibido s se conceder despacho de
reexportaa, livre -de direitos.
Art. 142.- Se as fazendas salvadas-do naufra-
gio forem a despachar a qualquer Alfaudega da Pro-
vincia, que no seja a em que teve lugar o naufra-
gio, preceberao os Officiaes, ou empregados que assis-
Stiram ao salvamento, metade dos emolumentos do
direito additional, que ser remettido pela Alfande-
ga que o receber, ao competent ,Director, que o
dividir proporcionalmente ao artigo seguinte.
Art. 143.o --Os Officiaes d'Alfandega que assis-
tirem ao naufragio, vencero por dia a gratificao
de-600. r. cada um, sendo at 2 leguas distant da
localidade d'Alfandega, e 800. r. excedendo esta dis-
tancia; os guards e remadores vencero por dia,
qualquer que seja a distancia, 200. r. a titulo de
guard e assistencia; mas se forem salvadores tero
igualmente direito ao que lhes julgarem os arbitros.
O direito additional dos salvados ser devidido pe-
los empregados que assistirem ao naufragio, depois
de deduzidas as despezs de quaesquer gratificaes
que devero pagar-se, e a quarta parte para distri-
buir em propero igual, pelos guards 'e remado-
res.
Art. 144.-No despachando as-fazendas para
consumo, os interessados na carga pagaro -a totali-

Senna foi obra consumada, desligaram-se de Moam-
bique, ergueram governor sobre si, e buscaram unir'-
se ao Brasil. /Em Quilimane abriram-se os portos a
todos os navios de coinmercio contra as, expresses
leis e alvars d'ElRei D. Jos: l arrecadavam os di-
reitos da Cor6a, l dispunham d'elles a seu alvedrio,
l se repartiam por trez, ou quatro individuos que
ento se locupletaram n'estas duas .villas, grangeando
avultadissimo patrimonio com gravissimo deterimento
d'Alfandega, e da praa de Moambique. -A Bahia
de Loureio Marques, e as Ilhas de Cabo Delgado
fizeram-se portos fra inteira quebra dos tratados e compromettimento da
Cora p'orlugiuea. Os Xeques lembrados d'antigas
prepotencias na:iQsmiente se, separaram da obedien.
gia, seno que o.mais poderoso d'elles quiz influir
as. medidas do governor e nas eleies com anieacas
pos4itivasd. Q Rozer de itio.armada qumado por Ibm


file d:s gratificaes e mais despezas de braagerm
e arzazenagem.
XAr. 1 .0- undo sejam dcspachadas sahirAo
as desrprias do direito additional, e os interessados
na carga pagaro a differena do que faltar.
Arf. 146.-A primeira pessoa que participar
Alfandega, a existeicia d'um navio naufragado na
costa, e tomr as providencias de qhe trata o art.
136.0 ter direito a uma gratificao de 4i.800 r. alem
do que lhe competir pelos salvados que tiver feito;
e todas as aucthoridades proximas ao sitio que no
acudirem ao naufragio e niio participarem Alfande-
ga, incoorrerao na pena correspondent s consequen-
.cias da omisso.
Art. 147.;-A Alfandega, quando o julgar neces-
sario, poder requizitar auLctheridade competent uma
fora que ser logo posta sua disposio'; esta for-
a todas as vezes que seja possivel serp commandada
por um Official.
Art. 148."-Os fragments da embarcao cni-
fragada takes como cabos, vellas, madeiras, e ancoras,
sero admittidos para consumo, sem pagamento d i
direitos.
Art. 149.0- As fazendas ou effeitos que o mar
arrojar sobre as praias, ignorande-se o navio a que
pertenceram, depois de inventariadas com minuciosa
especificao, da qualidade, marcas, e numerous de vo-
lumes, sero vendidas, e do seu product se dar lo-
go um tero ao achador, ficando o rest por 2 annos
em deposit; no fim d'este prazo no -apparecendo
dono a reclamar, ser lanado em receita do cofre
public da Provincia. Se as fazendas vendidas forem
das que por Lei so .admittidas a consumo, pagaro
os direitos com abatimento de = avaria do mar =
se no forem das admissveis, a venda ser feita paru
exportao, e n'esse cazo nenhuns direitos se podero
exigir, tudo em conformidade com o art. 141.U a este
cazo. applicavel.
Art. 150.o-Os habitantes da povoao proxima
ao logar em que aconteceo o naufragio, que deixa-
rem de o participar Alfandega, ou praticarem exces-
sos, violencias, ou extravios nas pessoas, fazendas, ou
quaesquer outros effeitos naufragados, pagaro uma
multa proporcional ao damno que cauzaram pela sua
omisso, alem das penas que a cada um devam com-

jo no conseguisse. Os Regulos, sem o freio dos Xe-
ques,. desataram-se uns.contra os outros: no haven-
do da nossa parte outro meio para os reprimir. Ra-
dame Rei dos Sacalaves, senhor de quasi toda a Ilha
:'deMadagascar ameaando evadir Moambique: pra-
ticando o mesmo o Isman de Mascate, rei podeoso
com exercito e esquadra, amigo e aliado dos Ingle-
zes; os escravos no conheciam obediencia ; os solda-
dos no haviam subordinaco;' as aucthoridades civis e
militares ram desoledecidas e ludibriadas. Eis a~ con-
sequencias de querer emancipar semilhantes conquis-
tas, de, tratar esta espcie de colonias como as pura-
mente alianigenas, de gencralizar principios regras
administrativas, e mais que tudo de assentarem os que
governan, que se a intriga e a protecco os levou aos
empregos, ficaram por isso sabedores de tudo, dispen,
sados de se instruirem e aconselharem. ,
Valso a onserva,io da inteyidade da Cqpitania,


11~,.1 ~._----~--_1 ` i -4 ~Lrr~~"~~u~8~a;r;.








59.


petir por seus actos criminosos;; porem se a povoa-
cao for de carries fica disposio. do Governo Geral
mp6r-lhe a pena que as circunstancias permitirem.
Art. 151.-Por as- disposies precedenttes nio
se ivalidam por form, ou maneira algumna os Trata-
doi ds Commer.o com as Potencias aliadas,

1 t Tr U' o x 1 ".

Di'posies geracS,

CAPITULO I,

Art. 152.-- As Alfandegas tem preferencia*so1ire
quaesquer outros credores para a cobrana dos'direi-
tos e das multas por infraco dos Regulamentos fis-
caes.
Art. 1 53. Serao exactamente observadas as dis-
posices da Portaria do Governo Geral da Provincia
t." 243 A de 17 de Setembro de 1853, relative
aos escravos que na conformidade do Decreto de 10
de Dezembro de 1836, podem ser transportados d'um
para outro porto da Provincia ; e bem assim as que
dizem respeito aos escravos comprados em feiras, ou.
vindos do serto.
. unico. As aucthoridades das Alfandegas e Capi-
tanias-mres tornam-se responsaVeis pela excuo das
disposiies da supradita Portaria,
Art. 154."- Os donos das mercadorias e dos trans-
p urt e sUo responsaveis pelos actos dos seus caixeiros,
coiduhctorcs, agents, ou propostQs, em tudo que res-
peita ao pagamento de direitos, e infraco dos Re-
giasnieutos fiscaes.
Art. 155.-Nos cazo9 de contrabando, ou des-
caminhos, seguir-se-hlio os terms e forina de proces-
so estabelecido nos art. 3,9'.o e seguintes da Novissi-
ma Reform Judiciaria. Os Directores das Alfande-
gas ensinaro aos empregados do' ervio externo, a
maneira de desempenharem esse servi, com todo o
acerto,, afim de no ;erem prejudicados os interesses
da Fazenda, os proprio' apprehensores, nem as parles
em seus ligitimos direitos.
Art. 156.' --As tomradias em que no houver ro
conieci,lo, o conilestara!), sero julgadas a findis e
ultimadas pelo Chefe d'Alfandcga.


achar-se a-villa e territorio de Quilimane com gover-
no proprio separado da dependencia de Rios de Senna ;
que a estareim unidos como em tempos antigos e ra
est novamente, a CIdadede Moambique ficaria deser-
La, as villas beira-mar absorvidas pellos Cafres, e
as de Scnna e Tette eincorporadas com o Monomotapa ;
se acertassemi de escapar s armas do Isman de Mas-
cate apercebido sempre para se assenhorear de todo
o canal em se lhe offerecendo a primefra aberta. Lo-
;o que a Cidade de Moambique no seja o centro
de todas as especulaes mercantis, de todas s rela-
es polticas e administrativas d'aquelle dilatado ter-.
ritorio, que d'este centro derivem e se repartam pa-
ra os diferentes governor subalternos as ordens, os'
products de commercio d'Asia e da Europa, os re-
tornos dos Sertes, em sumina toda a vitalidade soci-
al, perdidos ficam para, Portugal todos aquelhes do-
miniosi Quando em .1821 se erificou a dSlJdiencia


Art. 157. -Havendo ro conhecido, mas que nUo
conteste a apprehensao ser convocado igualmente pa-.
ra esse effeito, ou para disistr ; e no contestando se'
proceder venda do apprehendido, e.diviMo do pro-
dueto, No. cazo -de contestao ir o process a julgar
segundo a Lei, ao Juiz de Direito depois do despa-
icho fiscal.
Art. 158.' Os remadores e homes de frabalho,
sempre que seja possivel sero libertos a cargo do
lEstado.
Art. 159.o-Em quanto rno houver numero suf-
ficiente de gutardas, quando o Director d'Alfandega,
i no lhe seja possiyel o achar pessoas de sua confiana
para nomear extraordinrarniaietite,. requisitar ao Go-
verno aquellas praas de pret de qure carecer, as qquaes
sero postas sua disposio, sempre com preferen-
cia as, que s~obe'em ler,
SArt, T60.-Nos portos emi que nao houver AI-
fandega e exista delegao da Junta da Fazenrida com-
pete ao Thezoureiro Almoxarife e sou Escrivo o de-
Ssempenhar todos os deveres d'Alfandegfa, e como tal
tem as mesmas attribuies,
Art. 161. -Estes empreatlios deverae em tudo
regular-se pelo prente Regulamento, na certeza de
que' Tia podero admilti'r a despacho navios alguns
'alemi dos designados-nos art. 94. e 1tf3. e s6permit-
tirIo entrada, ,alem d'cstei, aos que se acharemn, no
icazo especificado no art, 104..
Art. 162.--Quan-lo acontea que a algruns dos.
portos mencionadas no art. 160HW vo algfns: dos na-
vios designados' no ait. 94., n'este eazo liquid&r os
direitos na conformidade da: pauta e seguir o dis-
posto nu art. 90.
,%. unico. Das mercadorias despachadas pertenee aos
empregados referidos o addciinal, do ual serio de-
duzidas as despezas do expediente relative fiscalisa-
Go d'Alfandega.'
Art, 16l3,-- Quando afgurm comnmerciante -fiver
na Fazenda algum ,redito, e que este se ache legali-
zado, e competentemente despaihado,- e tenha merca-
dorias n'Altaedega para despachar,t poder commu-
inie-lo ao Escrivo da Junta, (ni comlormidadedad e-
iliberao da Junta da Fazenda tomada em sesso de
3 de Novembro de 1852) o qual depois deter segui-
do acompetente escripturaa para a' respective des-


de Rios de Senta, e se pretextou para as Cortes d'
aquelle tem po com as grades vantagens e chin'ericas
felci'dade-s, rnaficosayente promeltidas para se alcan-
car a desanexacio, era tudo jogo particular d'alguns
amlci0osds que aproveitaram as cireunstancias,, a epo-
cha, os prmncipos dominantes,; a ignorancia crassa,
do governor de Lisboa acerca das cousas d'Africa
Oriental. Aqielle plano aq6ia campo a nmuitas e lcro-
sas especulacs, em qu a 'umanidade teria que ge-
mer. e today A Capitana ftcava sacrificada no' curto
prgzo, qupl durasse efi tosso poder.
O Senior D. Jo.U V' Com a Corto no 1io de Ja-
neiro,, ande pela maior proximidade, ,nias conti.
nuado trato com as partes africanas era mais bes ins-
truido Ado que por alli se passava, aprovou a proposal
de Francisco de paula Cavalcante ru dos mais en-
tendidos governadores de: Moambique, e com mio
de ppeaty CpaoU Quliman'dO nR1. deSenna, sta-


~... i - I --~~. - r











peza ao Thzourciro, lhe passar um credit do' va- "A -nia barrinha d'ouro do valor de 13'250 i.
lor, ou parte do valor que o commerciante tiver, pa provinciaes, ter o de .300 r. fortes.'
ra:lhe ser admissivel nos direitos qui elle houver de: A ataca de prata !do valor de 2, iU0 r. pro'iu.
pagar n'Alfandega, na certeza de que o credit dado' ciaes,:ter o de 600 r., fortes.
n Art. 2.0 -Os bilhetes ,sero considerados, como
iunca exceder a metade dos direitos que tiver a moeda r ietlia iheesserb o considerados, p como
pagar, e s poler ter lugar quando os ditos direitos et moee Ji da ae ecebdos em tods os pagamentosr
a feitos a Jila da Fazenda, ou pela mesma, e entire
excedam a 200.'000 r. particulars, indistinctamente, ou tudo em bilhctes,
Art.164.-'Finido um anno se oGorvernadorjul- ou parte em bilhetes, eparte em metal, ficando assim
gar necessario, nomear uma Commissao para fazer alterado o art. 6.o da supracitade Portaria.
as modificaes, e alteraes de que career o prezen- 'Art. 3.- Ficam em pleno vigor' todas as disposi-
te liegulamento. oes da referida Portaria," que no foreii cotltrarias
(Conuinuam as Tabellas.) s d'esta.-As Auctioridades a quem o conhecime.-
_to d'esta pertencer, assim o tenham entendido e cui-
S-E" prajmn Palacio do Governo Geral de Moambique, 10
de Julho de 1854. = fasco Guedes de Carvallo MAe-
PO R TA RIA. nezes.


O Governador Geral da Provincia de Moambique,
em Conselho determine o seguinte:
IvENDO' mostrado a experiencia a necessidade de
modificar a Portaria sob o n.0 55 datada.de 27
de Maio ultino, pela qual se mandou publicar o De-
creto de 29 de Dezembro de,1852 com algumas al-
teraes feitas na Junta da Fazendae Conselho d'es.
te Governo, relativeo uniformidade da moeda em
toda est Provinfca, pelas difficuldades e confuses
que tem apparecido, e continuaro a apparecer, se
porventura de prompt seno adoptar o meio de as.
'evitar; por quanto o povo desde lia. muito avesado a
fazer as suas transaces em crusados, e no em reis,
calculea uni crusado provincial a um tosto forte, e
no est habituado rnem comprehenc as operaes de
cambio; attendendo mais que ha um clamor geral,
,que pede providencias para facilitar as transaces,
tanto do coinmercio, como dos contracts particula-
res, fixando d'um modo mais obvio, e facial para a
comprehenso commum o cambio da moeda, e a emis-
so dos bilhetes, de sorte que estes possam ter a mai5
prompta troca, e sem estorvo, attendendo finalmente
que esta media foi considerada em Junta da Fazen-
da, e Conselho d'este Governo de maior necessidade,
.e da niais prompta adopo, sobre as 'bases que o Es-
crivo Deputado da mesma Junta aprezentou em Ses-
so de 21 de Junho ultimo.: Hey por convenient
determinar o seguinte.
Art. 1.- moeda d'ouro, prata provincial te-
r o seguinte valor: -
Abarrinha d'ouro do valor de 26H 500 r. provin-
ciaes. ter o valor fixo de 64600 r. fortes,


belecendo dois governor diiitnctos com iguaes atri-
buies e da mesma gerarchia. D'esta arte remio o
commercio desbaratando os monopolios, .ps cobro s
vexaes com que aos sibditos e Regulos vizinhos op-
primiam os baixas, no ja governadores de Rios de
Senra ; e sem ficarem seus habitantes. privados dos
beneficios commercaes do porio'de Quilimane alcan-
saram outros' com esta separao.
No annoy de 1829, quando todos os males' anda-
vam apostados a qual havia opprimir e desolar mais
v'ivamente este nosso malfadado paiz, tornaram-se a
unir ests dois governor: unidos ,qe foram, renova
rin-se os antigos dezstres, as tlrannas e s veXaes'
de today a sorte, reduzio-se a preeguaio a sstema:
.proprietarios e colonos abandonaram as terras, soble:
varains os Cafres, ev~lveo aquele territrio a sua
primeira e calaiiitosa condico. de esperar que mi-
nkisiros mais illustradbs seri o iludam consultaid'o so-


JUNTA DA FADZEND P.UBLE CA.
To dia 4."feira 13 do corrente as 10 horas da mianLa
Ise vai arrematar a quem mais der uma poriao dt:
marffim e ouio eim p pertencente Fazenda, o leiiko
teir lugar no Edificio da Junta da Fazenda, perante a
referida Junta. Secretaria da Junta da Fazenda 18
d'Agosto de 1854.= Manoel d'Aga.iar.

II HOSPITAL MIL1ITA.
Movimen..to dos doentes, de 10 a 17- do correrdie.


DOtNTES.


Existiain '8 4 e 34
En traram f2 1 1 14
Sono 3 4,

Sairani curad>s, 16
Faileceram
Ficamu existiuid 4 3 .


Hospital Militar de Mocambiclue, 17 d'Agosto de
S854. D.' Jacques Nicolau de Salis- Phisico Mr.


bire taes assumptos ;pessoas. ignorantes e interessadas,
ou presumindo-se sabedores de tudo, s porque to.
ministros. '

(Continua.)


MO~aMDJQUJL NA' I~JBENsA NnoioNAL.,


,, ~ ;--- iiL.L L. -- ~..- --p--SLIPli~-ii.C- L~




* t1


ANNO-1854.


EMae Boletint sair todos os sabbados, e as3giia-se pa-
{ ra dil i8enhra.d Gorrrnao Geral.


NUMERO 46.


`s(qnIfft'Ira Pr trim .........rri e. a
Por simst,-e .... ~ 1 ::: :.: : : 1500
o/ia amils, .0................ .... 80


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.

S i lA6 26 1>'AGiQS<(
f 'T ," ........... 1
i~~siriSARAS % rAftflitW ,i ,


GOVEtUENO GER 1AL.


O Governador Geral da Provincia de Moambique,
em Conselho determine o,'seguinte:
H AVESNO sido present em sessao do Corselbo d'es-
te Governo de 8 do corrente mez, a acta da ses-
so da Camara Municipal d'esta Capital de S do, mes-
mo, na qual a mesma Camara, adducindo varias pon-
deraes sobre a necessidade de concluir,, quanto an-
tes, o fabric do Cemiterio, que se est construindo
na ponta da Ilha, soilicita um auxilio' do Governo para
powder levar avante uma obra de to recnhecida van-
tagem, e necessidade hygienica por se achar exhaust
e com deficit o cofre da mesma pelas different's cau-
sas, que represent; e havendo o Conselho unanime-
mente concordado,, que a Camara fosse aucntorisada
para pe]lir um emprestimo Junta da Fazenda d'es-
ta Provincia garantindo o seu pagamento pela cifra de
foros, e pelos rendimentos do' Cemiterio, qae desde a
data do emprestimo forem arrecadando: Hei por con-
veniente facultar sobredita Camara Municipal d'esta
Capital para contrahir um emprestimo na forma que
acima fica dito, devendo este emprestimo ser baseado


" Continuao da Introducuco da Memoria Estatistica.

Em graves erros cahirani os governor passados, e
bem poucas vezes em consequencia das doutrinas do-
minantes: a prezmii pco, a ignorancia, e os caprixos,
originaram a maior parte d'elles; por ignorancia,
colonizamos com degradados, com elles formamos a
defeza de tio importantes domnnios e nada mais. Se
fora castigar certos crimes com a pena de degre..
do, vo os degradados ser cultivadores, vo alli es-
tabelecer-se com domicilio e familiar, d-se a cada um
determinada poro de terreno e instruments de la-
vonra; e todos os outros necessarios para agriculta-
rem e menearem as terras, livres de todo o eocargo
por certo prazo, e com maiores ou menores auxlios,
segaudo sua maior ou menor industrial; ento dados
ao trabalho e cuiiados domesticos, E cm pode seir


sobre umr oramento legal applicado solidariamente s
obras do Cemiterio.- As Aucthoridades a quem o 'co-
nhecimento d'esta pertencer, assim o tenham enten-
dido e cenmpraim. Palacio de Governo Geral da Pro-
vincia de Moambique, t9 'de Julho de 1854.=
Vasco Guedes de Carva!ho e Menezes,



O GCerrador Geral da Provincia de MDaUnbiquc,
determine o seguirte:
ATTENDENDO ao que n-e rTpresentoti Augusto Esta-
A nslau Xavier Soares, pdiido que se lihe ervan-
tasse a nota de concussioionaro, comque 'havia sido o-
fendido na sua honra, e opinion public, por Porta-
ria d'este Governo de 28 de Noveimbro de 1832',
sob o n., 33; attendendo tiu o .!i, de Direito, e
Delegado do Procurador Regio d'esta Comarca, que
foram ouvidos sobre este object, responderam, que
no houve- dolo, nem malicia da parte do requerente,
mas que pela sua pouca idade, e pouca experiencia
n'aquella poca, deu aquella informao, por um acto
precipitado, sem estudo, e meditao, que ra mister
em um objecto de tanta ponderao, havendo aliis
aggravado.do despacho do Juiz, que admittio a fiana,
o que aparta to4a e qualqucr idea de fins sinistros
n'este seu acto"; attendendo finalmente que o dito
requerente tem prestado, e continuar a prestar bons


que se. tornem bons cidados; ento veremos verde-
jar searas d'anil nas Ilhas de.,Querimba; veremos
reeamadas de louras espigas tantos baldios incultos e
agrestes nas campinas de Quilimane e Rios de Senna,
veremos extrahir do parcel de Sofila as perolas e os
aljofares, e do interior do Serio o ouro mais apura-
do; veremos florecer o-commercio pela exporlacao
de todos os produetos do reino mi.neraf e animal de
que abundam as terras de 1Ihaimbane e- Cabo coi'rea-
tes ; assim tero emprego e grangaro. a vida os ca-
fres at agora material, de conimercio, captivando-so
uns aos outros por nio haverem outra maneira, de
subsistir ; veremos finalmente que a perda do Brasil
no irrepanravel, e d'este modo iremos lcvando os
naturaes da Cafraria civilisaipo Ear.pea at o gro
que nos. convier.
No se nos venha imiio com asa.ia csa aonfrarieda
de que no-i. .s mani-.rcP eraam metres', a- que ua; o e.ca


l'AlIET OMUAIi16










servios na qualidade de Prezidente da Camar Mu--
nicipal d'esta Capital, d'Administrador do Concelho,
assim como em outros cargos que tem exercido, par
todos estes motives: Hei por convenient leantar-lhe
a ditanota, ficando d'esta forma habilitado para exer-
cer qualquer cargo, ou emprego public n'esta Pro-
vincia. As Aucthoridades, a quem o conhecimento d'
esta pertencer, assim o tenham entendido e cumpram.
Palacio do Governo Geral da Provincia de Moam-
bique, 4 d'Agostode 1854.= Vasco Guedes de Car-
ralho) e Menezes.



O Governador Geral da Provincia de Moambique,
determine o seguinte:
IH AVENDO alguns individuos, que gozam das honras
militares pelos seus postos, ou empregos, repre-
seitado, que no se lhes fazem tacs honras, ou por-
que as sentinellas, e guards da guarnio da Capital
ignoram, que taes honras so annexas aos cargo, ou
postos, que occupam, embora no se apresentem far-
dados, ou porque menospresam a sua graduao; e
sendo de toda a justia que se faam as honras que
pertencem a cada um que pelo seu emprego, ou post
tem uma graduao military: Hei por convenience, que
todo o individuo, que gosar d'uma graduao military
inherent ao seu emprego, ou posto, seja reconhecido
por tal, fasendo-se-lhe todas as honras, que directa-
mente lhe pertencerem. As Aicthoridades a quem o
conhecimento d'esta pertencer, assim otenham enten-
dido e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provin-
cia de Moambique, 4 d'agosto de 185. Vasco
G uedes de Carvalho e Menezes.



O Governador Geral da Provincia de Moambique,
determine o seguinte:
A TTENDENDO ao que me representou o Tenente Co-
ronel de Meticias A. V. de Souza, pedindo ser
noimeado no logar vago de Director d'Alfandega do
hIo; e bem assim a boa informao, que sobre esta
pretcno deu o respective Governador, baseada com


param os meios de nos engrandecer: que no deve-
nos tocar em cousas que de crer, que elles averi-
guassem, e despresssem por inuteis ou impossiveis,
que a estas e outras semilhantes contrariedades temos
a resposta prompta. Diremos: que elles passaram por
alto sobre as vantagens que os Holandezes souberam
tirar do'Cabo da Boa Esperana, e que hoje melhor
do que elles desfructam os Inglezes: diremos que er-
raram em abrirem mo da Ilha de Mascarenhas, hoje
denominada de Bourbon -, d'ars mui sos, cor-
tad de ribeiras de saborosissimos pescados, e riquis-
simas do melhor coral: cujas montanhas.so povoadas
de toda a sorte d'aves, e os Valles produzem copo-
,samente quanto necessario para os:regalos da vida;
fructas e hortalicas ha quasi de todas, e superiores s
da Europa; as arvores silvestres, as cultivadas, as flo-
res, as ribeiras cristalinas embelesam a vista, enchem
as ares de fragancia e temperam os ardores do Sol. E


os seriios_ que o requerente tem prestado: Hei por
conveniente nomear o dito A. V. de Souza, Director
Tnterino da referida Alfandega, com o vencimento que
s' acha estabelecido, sujeito a qualquer alterao, que
*esle Governo haja de fazer para o future. -Esta lhe
valer pelo tempo d'um anno dentro do qual prazo
sollicitar a confirmao Regia. Dever pagar 40,'000
r. de Direitos de Merc, que lhe sero descontados
na conformidade do Decreto de 31 de Dezembro de
1836, e Portaria de 4 d'Outubro de 1849; e de
Sello 10y000 r. como dispe a Carta de Lei de 10
de Julho de 1843. As Aucthoridades, a quem o co-
nhecimento d'esta pertencer, assim o tenham entendi-
do e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provin-
cia de Moambique, 8 d'Agosto de 1854.= Vasco
Guedes de Carvalho e Menezes.



O Governador Geral da Provincia de Moambique
determine o seguinte:
H AVENDO-SE dado. por suspeito o Juiz de Direito
d'esta Comarca no Processo crime de assassinate
de Francisco Antonio da Silveira, em que R sua
mulher Libana Xavier da Silveira, no devendo por
este motivo ficar paralisado o dito Processo: Hei por
convenient que o Bacharel B. F. d'Abranches, func-
cione n'esta causa, em consequencia do sobredito mo-
tivo da suspeicio. As Aucthoridades a quem o conhe-
cimento d'esta pertencer, assim o tenham entendido (.
cumpram. Palacio do Governo Geral da Provincia de
Moambique, 8 d'Agosto de 1884.=- Vasco Guedes
de Carvalho e Menezes,



O Governador Geral da Provincia de Moambique,
determine o seguinte:
TTENDENDO ao que me representou o Alferes Mi-
noel Antonio dos Reis, Ajudante da Praa de S.
Sebastio, pedindo a exonerao d'esta Commissao pa-
ra regressar ao Exercito do Estado da India, visto ter
acabado o tempo porque veio servir: Hei por con-
veniente conceder-lhe a exonerao pedida. As Auc--


porque motivo abandonamos to abenoado territo-
rio? por errors que os Francezes conheceram- emen-
daram, fundando a Cidade de S. Diniz, e as Villas de
S. Paulo, e S. Pedro, as mais formosas d'Africa
Oriental, povoadas com 6000 negros, vivendo na
abundancia antigamente pelo product do cravo, c do
caf de que faziam grangearia e comnmercio para a Eu-
ropa, e hoje do product do assucar de que annoal-
mente arregam para Frana muitos navios em retor-
no de manuiacturas que de l lhes mandam, e s con-
somem no serto e algumas terras d'Asia. Diremos:
que.tambem erraram coimo desamparassem a Ilha de
S. Loureno, que ora se diz de Madagascar, sem cb-
nhecerem a utilidade da bahia de Santo Agostinho,
e doporto de Bombatoque, aonde os Francezes li.
dam tanto por assentar feitorias, assim pelas vanta-
gens do commercio, como pela abundancia de gado,
de que. fartissima, .


-odlC--~--gar~iillaiiiipa~ii- i I, I p, ~,-,


~
4-- 1 ---~P--D-- i --ii ~-----i ii~-i i-










thoridades a quem o conhecimento d'esta pertencer, verno Geral da Provincia de Moambique, 21 d'Agos-
assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do Go- to de 1854. == asco Guedes de Carvalho e Menezes.

COLLECO DAS TABELLAS RELATIVES AO REGULAMENTO GERAL DAS ALFANDEGAS:


TABELLA N.0I.

Dias de Grande Galla em que,se suspende- o expediente ordinario das Alfandegas.

1f0 de Janeiro,.. Dia d'Anno-bom.
29 d'Abril........ Anniversario da Onthorga da Carta Constitucional, por SUA MAGESTADE IMPEI AL.
31 de Julho...... Anniversario Natalicio de SUA MAGESTADE IMPERIAL A SENHORA DUQu)EZA DE BaA-
GANcA, e do Juramento da Carta Constitucional,
1 de Setembro... .Anniversario Natalicio de SUA MAGESTADE EL-REI D. PEDRO V.
J9 d'Outubro.. ., Anniversario Natalicio de SUA MAGESTADE EL-REI'D. FERNAND.


TABELLA N.o 2.


Do pessnal e vencimentos dos Empregg os 'd'Alfandega princ. al,

Vem:ncimentos
EMPREGADOS annoaes OBSERVAES
annoaes

1 Director 509,O 000 O Director Geral.
1 Primeiro Escrivo 300,000
1 Segundo dito 200f000 Prestar fiana pelo valor do ren-
1 ThezoureirO' 200000 dimento provavel do mez de maior
f Verificador 150O400 receita.
1 Aspirante 100,000
1 Guarda-mr 150'000
1 Porteiro 100 000
6 Guardas de n.0 a 72,000 r, 432~ 000
1 Sota
8 [IHomsns de trabalho -
1 Patro 72f000
4 Rmadores a 36,000 r. 1'4 OOO

28 SOuMA [ 2:3483000

Alein dos guards de n,' poder o directorr nomear os supranumerarios que exigir a afluencia de na-
vios; os quakes supranumerarios s lero direito ao respective emolumento que lhe paga o navio.
]~- -Y u "- "- IT I"] IIII" ir "LY I i=~- "--'11i i, --


INo sei porque escura fortuna ho de os Portugue-
zes modernos arremedar as naes estrangeiras nas
modas e nos estilos, e no as ho imitar nos princi.
pios de verdadeira sabedoria. Portugal antigo foi-for-
te no contiente, quando Hespanha'divi'lida em di-
versos reinos emparelhava com elite na fora, na edu-
cao, e nos costumes. Sua verdadeira riqueza, como
a das outras naces Europeas, consistta nos produce
tos d'agricultura, e as especulaes mercantis reduzi-
-am-se a mui escassas perinutaes do pouco que a
cada uma sobrava. Atrahu a admirao- da Europa
com suas descobertas, e conquistas desde 1415 at Vas-
co da Gama dobrar o Cabo da BoaEsperana, e suas'
arms penetrarem pelas Indias Oiientaes at s portas
do Japo, com a passage do Cabo mudaram os in-i
teresses do mundo; o commercio, a navegao e'as!
-aites liveram nova existencia; as substancias e mate-'
rias at alli raras ou desconhecidas -visral. enrique-


cer aquellas tres fontes de prosperidade. Tudo mu,
dou d'aspecto, crearam-se novas relaees,' parece que
se abriram as portas d'um munido navo, e fomos ns
que patenteamos Europa at aonde ete se estendia.
As na~es ernt mais poderosas, e as que hoje so
classics em liberdade, riqueza, e industria, no satis-
feitas coni a estreiteza dos dominios europeos dilata-
ram-se em conquistas e colonias seguindo exactamen-
te nossas pizadas, indo buscar grandeza e fortune
por novas descobertas ; a lespanha estendeo as: suas
pelas Indas Occidentaes, pela America meridional, e
por diversas Ilhas do mar pacifico: assim como Por-
tugal as estabeleceo na India Oriental, no dilatado
territorio do Brasil e nas Ilhas do Occean.o Occiden-
tal. Os Inglezes, a este respeito rivaes dos Hespanhoes,
espalharam-se pelo Indosto, por toda a Costa de
Coromandel, pela do Malabar, e pela America Sep-
tontrional. A Franca, apezar da sua fora e riqueza


- -, --








64&


STABELLA N.0 5.
Do pessoal e vencimento dos Empregados de cada uma
Vencimentos annoaes.

EMPREGADOS OBSERVACES
EPi G SDe orde- De Grati- : Total
nado ficao

1 Director 3924800 4 3929,800
1 Thezoureiro 48 000 48$000. Empregados da Dele-
1- Escrivo e yerificador '48$000 484000 gao da Junta da Fa-
1 Porteiro e Continuo 18'000 184000 (zenda.
3 Guardas de n. a 604000 r. 180-000 1804000
1 Patro 364000 p 36,'000.
4 Remadores a 30,000 r., 120O000 1204000

12 SoMma- 7284800 114.000 8423800
I ti "
Lo;o que qualquer Allandega estabelea algum posto fiscal, elevar o numero de guards a seis, e as-
sim ir auigmentanlo successivamente trez por cada post fiscal, que estabelecer, dando immediatamente
parte ao Director Geral.
No cazo 'd'affluencia do servio poder o Director, como na Alfandega Principal nomear guards su-
pranumerarios.


HOSPITAL MILITARY.
Mwvimento dos doentes de 17 a 24 do corrente.


DOENTES. 5 s ~


Existiani 25 4 3 3.2
Entraram 14 2 2 18
somma 39 6 5 50
Sairam curados 18 3 1 22
Fallecerami 1 1
Ficam existindo 20 3 4 27


N. B. Esta.praa solTreo a opera,o de anmputao da perna di-
reita, na viagem; e achando-se narespectiva Emfermaria, foi admit-
lido de peritonite aguda, qual sucumbio.
Hospital Militar de Maambique 24 d'Agosto de 1854.=DR.
JAccQES NICOLAU DE SAi.S, PHrsIco MR.
i .. m . - .


no antigo cntinente, levou seu doniiiio Ilha de S.
Domingos, 'Louisiana, Guadalupe, Martinica,a
Santa Luiza, a Tabago, a Caena na America Meridio-
nal: s Ilhas de Franca nos mares da India: a Pon-
dichery e Chandernagor no continent d'Asia, e ao
Senegal no territorio Africano. Os Holandezes estabe-
leceram-se no Cabo da BoaEsperana, na Batavia, em
Ceilo, em Surinam, e em diversas parties d'Asia, sen-
,do por espao de muitos annos a primeira potencia
maritima de toda a Europa.
No s 'Inglaterra seno deo por content com as
conquistas que fez, e colonies que originariamente
fundou, seno que, por lhes conhecer a utilidade,
poz em obra todos os meios para chegar a possuir,
.como ra possue, as que foram nossas, as de Frana,
as d'Holanda, e algumas d'Hespanha, tornando-se d'
esta arte a potencia mais formidavel, *j pelo domi-
tio ds' mates, j pelas muitas e riquissimas posses-,


AVISOS.

JUNTA DA FAZENDA PUBLIC.

yo se tendo verificado no dia 23 do corrente, para
. que estava annunciada, a arremataco d'uma poro
de marfim, eouro em p pertencente Fazenda, faz-
se publico'que o leilo continuar no dia- 30 .do cor-
rente pelas 11 horas da manh perante a Junta de Fa-
zenda. Secretaria da. Junta da Fazenda 26 d'Agosto
de 1854.= Manoel d'Aguiar.


ses orientaes, de que tira a sua preponderanci no
Continente.
-Como pois que Portugal, to pequeno em terri-
torio, to minguado em industrial, to atrazado nas
artes, to diminuto no commercio, tem a presumpo,
para lhe no. chamar supina ignorancia, d'alardear
do que foi, sem attender pobreza em que est, c
de que pode remir-se grandemente quando queira c
saiba aproveitar os beneficios com que a natureza o
favoreceu em todo aquelle vastissimo e riquissimo
territorio.

(Continua.)




MoABIQUE : -- NA IMPRENSA NACIONAL,







ANNO-I854.


rn ue ua S'rretj'br o (', d i o 'n GerQI.


NUMERO 17.


assig~at,,ra por rinestre....... .............00
Pbr. sinestre~.. .. .................. 1500
,Foha anlha '.......... *.. .... ..... .... ... 80


SO'LE TIM

*-.. ', r -M
D DO YG0:VEROaID PROVIlNCIA' DE MOCAMBIQUE.

SAl AI DE SETEIEll4J.


'.4 TIfl l ,- ,- inpdique.a pocha,- e a~tureza d'elles, segundo se observa
/',. -. ,, U nas Reparties Publicas.,
S. .. .. :., Art. 3.-Ilaver em cada arcivo um livro nu-
----~rirado, e rubricado pelo Juiz de. Direito d'csta Co-
..l '. O. iO G .AI.*. . .. marca, seudto. na. Capital, e pelo Ju.z Ordinario, nos
S.' Poitos subaer.os, que servir de Inventario, aonde
sero lanadas as declaraes, segundo o iodeilo in. 1,
.0 Governador. Geral da ProviinciadeMoambique, que, vai; t.anuscriipto no Sm d'leste, e assignado pck Se-
determina o seguinte: .... crtari& Geral d'c.t.'e Governo,
S..o;: . ,- .. :Art . .--DL todos os Processos, que se forem
'r No mostrado i;a experiecia a. necessidade, que recolhendo, q Empregado archiivista dever dr 3
J.a, de organisar unm Archivo-dos ,\uti-, Froces- declarages, gg."es s que tiver lanvado no livro, de
os,- Livros,- e mais papeis ,Jdieiario fiTdulos, paraob- que trata o .artigtr antecedeite, das q.iies. mia oEs-
viar aos inconvenientes, que frequnctemnentte itemappa- criv, competecte enrreg.ri, ao repectivo Ju!z, ou-
recido, de s.extravia nem vari.os Prcessos; ,emais pa- tra ao Delegado, ou. Sub-Delegado, e a terceira dci-
peis do:interesse public, edos. pir!i u'iari's, seguindo- xagr no seu cartorio. ,
se d'aqui grave prljuizos ao- servio;, e (cnflrnlsMnd- unico. Consignar-se-ba narereferidas declaraed,
.mecoin_.a .pr>|.it "do Presidette da-Camara Muni- a quee referem os art. 3.o, e 4-, a natureza. da
cipal d'esta Capital sobre.est.e object .Hei por con- cauza ; a poclua, em que comeou, e findou ; o objec-
venient. drterminar o seguinte,. ...... ..to .'riili iil ;-.as parts quiesti nane' ;--o Es-
Artr. U."- Haver rias cazas das Caimaras Muni- erivao do Processo; a final deciso que teve, e qual-
eipaes d'esta Capital, e dos Portos subalternos, na sal- quer outro incident, que carea ser mencionado.
j. qu .p'l m:smniias-J,-..designadj, e.preparada,. uim Art.. 5.-- Aro.hivisla, ou a pessoa, que for en-
Arihivo de todos ::os Autos, Livros, Processos, e.mais carregada do dito Archivo, o deveta trazer cm today
p;ap'jJudiciariost finno's, 4qt para, o ,Agsro deyerv'o .i, linimpe, exa'ninan'do ctididosamente os Processos,
ser recolhidos competlcftm'W tte. ILivros; einais papeis, par&qiuea trica ao os inutilize.
.A l, ,,-- Too os Autos ser": a.lli enem ssadosm Art. 6."-Duas vezes, pelo menos, por semana,
,orde.m .chi.onlogica, tendo a freite ,um rotulo, ,;q, .nos dias d'Audieniia,, Jas 9 ati~ I Tirw. da tarde,


onii da i ,o 'da Mrr- E atisica. 1 llhn- e Ti ibt.naes, quet temi seu airgo dirigir os
.Cotrt ll ~eg io-, publicos, se h ouvsssec fialado com miaduro
, Poqr-ess co:,si lerncage, e piara qne esta iimenuria .luizo e vaeritifa : 'ncontfrala o 'as proposfas ser res-
se no tonmei por stenc l po rsso come- peitos e attenc5es pessones; e sem certa fre'qu'eza, e
cei de miais long, entrando por terras aiheeas antes, a]batHniento ld'animo queirena no mundo:" riro sea-tre-
de chegar i nossa bahia de Lourenco Marques ; por- vendo ninguepi a desgostar a quir imanda. Como
aquellas terras e com aquelies Regulos e Cafr'es que asas 'p''op'stas desco'ie m logo as' tenes pelos termios
temos d'andai cumnpre cohecellas, e conhelcellos. N em iqtue-'ven concelbida4; os que 'se julgam inestres fo
desprezei mluTas co,:iiua' e a ','t tocando em seus lut /trato 1do ffitndb caneiunim-se riais em enfeitar lingu-
gares, pioqu' de,as desprezar. tem ,vindc, a~,s n Io s i g ,'ain para. asd'a.f pr aceirt~dasU, que eai cuidar se o
se.remi ai nal ';,1 iag -ldos e hav'iJo kPoj minas hos- so ; ttinemn perdei' lu~ r nai affnira dos podeiros~s,
pedes; e, como quer que muitas e diversas causa" e, coiformarido c'on ~1es sugitai't o ntendiniento
concorressem paria i decadeCncia.,dos dominios Portui I/iii., e a: vrdde ~ a iriie-.-.e. Iesta Fonte tem
guezes n'es;ta part do munido, fao menco d'algui :'boi.u' giandl maes;- e' rta a Debs que no con-
mas quiando por ,certo mecabem da penna. tnuem.
Sem :nenhum' rebuico n iem roceio~declaro meu pa .1No tempo d'agora estamos to atrazados a respei-
recc, uimdla.uim-e pp. coiclusao fique com o tempo e to de nossosiimnens dominios Africanos como na
i<.ilio perrdirpJy. .I .irhlriaveria ui'rado, sc.nos.Con- epocha mc p '< o'I dj rh : o' dcw :i2>l)m os de
; .' *; I "4 .. .... & '. : .,'.. ,X. 't .. P $ .& ." ,' *, ,* J. ^ \ ff r, P, ;; ?* . * ." *; ; "











estar aberto o Archivo, para as parties poderem re-
querer, e obter as certides, que precizarem. :
:. unico. Para estas certides se passarem, lprece-
der o despacho do Juiz de Direito, ou do Juiz Or-
dinario, ou quem suas vezes fizer.
Art. 7.o-0 Empregado archivista perceber os
emolumentos, conforme a Tabella, que vigora na Con-.
tadoria da Junta da Fazenda, alem d'uma -gratifica; .
que lhes ser estipulada pelas respectivas Camaras, a
qual nunca exceder de 50:)000 r. -
..unico. O emprego d'Archivista no incom-
pativel com o do Escrivo da Camara, ou cd'dmi-
nistrao do Concelho, ficando porem na qualidade d'
Archivista sujeito ao Juiz de Direi,' ou Juiz Ordi-
nario.
Art. 8.'- \ proposta para o emprego d'Archivis-
ta ser da competencia do Juiz de Direito, ou Juiz
Ordinario, dependent da confirmao do Governador
Geral.
Art. 9.-0O Empregado Archivista ser obrigado
a prestar uma fiana pelo menos de 200S000 r. pa-
ra entrar no logar, sem o qne no se lhe passar a
Portaria da nomeao.
'. unico. Esta fiana ser lavrada, no Cartorio d'
algum dos Escrives do Juiz de Direito, ou do Juiz
Ordinario, com audiencia do Ministerio Publico sobre
a idoneidade do fiador.
Art. 10."-Logo que definitivamente esteja orga-
nisado o Archivo, o Empregado, que for nomeado, pro-
ceder ao Inventario dos Processos, e Livros, que se
acham recolhidos 'na Secretaria da Camara, segundo
a classificao do modello n." 2, observando o dispos-
to nos art. 2.0, e 4., do present regulamento.
Art. 11.-- O Ministerio Publico, dever assistir
quelle Inventario, como Curador Geral.


A : t.12.-Logo que se verifique aquelle Inven-
tario se observar o disposto no art. 3., mas as re-
laies exigidas sero s duas, uma para o Juiz, e ou-
tra para o Ministerio Publico.
Art. 13.--Fica sob a immediate inspeco do
Juiz de;Direito, ou do Juiz Ordinario, o Archivo dos
Autos, Livros, e Processos findos.
Art. 14.--Os Escrives no podero conservar
em seu poder por mais de 6 mezes um process j
find: no cazo contrario podero ser suspensos pelo
Juiz de Direito, ou Juiz Ordinario, e pagaro alem
d'isso uma multa de 12'000 r.
Art. 15."- Os Escrives do J,uizo, de 6 em 6 mc-
zes daro ao Juiz, e ao Ministerio Publico as relaos
dos Processos, que tiverem recolhido no Archivo, afim
de serem combinadas com as do Empregado d'e!lc,
que tambem as deve dar na conformidade do Art. 3.'
Art. 16.-As pessoas, que requererem alguma
certido, alem de pagarem ao Empregado do Arihi-
vo os seus emolumentos, estabelecidos na Tabella, a
que se refere o art. 7.0, pagaro mais. 60 r., que
pelo Empregado Archiyista sero recolhidos no res-
pectivo cofre.
.. 1.o As certides sero todas numeradas, guian-
do-se o Empregado n'esta numerao pelo Livro, aon-
de hade lanar a quota estabelecida por este Artigo.
S. 2. A importancia d'estas quotas ser applica-
da para as despezas do Archivo.
Art. 17. As disposies relatives aos Escrivies
so extensivas aos Escrives dos Juizes de Paz, e
Juizes Eleitos. As Aucthoridades a quem o conheci-
mento d'esta pertencer, assim o tenham entendido e
cumpram. Palacio do Governo Geral da Provincia de
Moambique, 24 d'Agosto de 1854. = Vasco Guew
des de Carvalho e Menezes.


MODELLO N. 1.
Cauzas de Libello.

Nomes das Partes .
Anno em que Anno em que Por cartorio N s ds Objecto da
fi ar NE 'Observaces
comecaram findaram de quem Aucthores Ros questo

Secrctaria do Governo Geral da Provincia de Moambique, 24 d'Agosto de 1854.==0 Secretario Geral,
Antonio Joze Pereira de Magalhnes.


mais de pouca ou nenhuma inmportancia para utili-.
dade de Portugal; a Africa to rica em metaes e
pedras preciosas como as outras regies ie to ca-
paz como a America de se povoar de colonies d'euro.:
peos; pequenas feitorias estabelecidas beira-mar,
que o mais a que chegaram os Portuguezes so de
mui: dimininta monta: a Africa s6 pode prosperar
pela influencia d'uma grande colonial, europea.
Sobejava setnilhante empreza para levantar o'nome
Portuguez aos olhos da boa filosophia a gloria da
Scivili aao,, guala a das conquistas. A nosso entender
;nada ca mais bello, hem mais human que levantar
.esse immenso territorio da penuria a que esta r'edi
zido, derramando sobre elle as innuimeraves vantta
gensi da civilisao, e dar-lhe no globo a gerachia
que convem a sua importancia. Os Portuguezes d'ho-
je devem ser os auethores de tamanha obra, e so:
obrigados a mostrar Europa que sabem exercitar a


industrial, como seus antepassados souberam menear
as armas; aos Portuguezes modernos compete poli-
ciair os esmos povos que os Portuguezes antigos de,*
cubriram e venceram.





MEMORIAL ESATISTICA.

CAPITULO 1.

uCab da Boa Esperana.

NA extremidade meridional d'Africa jaz o Cabo da
fBoa Esperana, monument da glria Portugueza,


~-' =i--4-~'-1~' ~' i i -- -~-











MODELLO N.0 2
Especise em que devem ser classificados as Processe.
Processos crimes.
Processos crimes publicos.
Ditos crimes a requerimento dos queixosos,
Ditos de policia correconal.
Aprehenses e Tomadias.
Civis ordinarios. .
Causas de Libello.
Justificaes sobre diversos objects.
Ditas para habilitaes.
Inventarios.
Leiles e arremataces.
Summarios.
Assignao de 10 dias.
Deffi rimentos.
EtLbargos ou Arrestos.
Arbitramento e Louvaao.
Sequestros Execues e penhors;.
Traslados e Copias.
Livros das Nottas.
Ditos de Consiliaces.
Secretaria do Governo Geral da Provincia de Mo-
ambique, 24 d'Agosto de 1854.-= O Secretario Gc-
ral, Antonio Joze Iereira de Magalhes.

HOSPITAL MILITARY.
Movimento do doenles de 24 a 31 do corrente.


<0 o
DOENTES. s 5 *


x.iim 20 3 4 27S
Ei 1I
EnItraram 6 l1 3 1
!s1'inmn s 2 4 7 37

Saraii cu ra4,s i 9 . 13

"allecertam M i


Ficam exislindd


17i


HL,-pitz! 3Litar dl. Moambique 31 d'Agosto de 184. =DR
jkeclurs 1Nico; ', nAe SLIS, PrnSCO M'Sii.


o qual nos deu nome em todo o Orbe conhecido, j pe-
lo animo do rei que tomou a empreza de o dobrar, j:
pelo. valor do heroe que a conseguio, j pela grandio-
sa lyra do poeta que a celebrou.
Andando a ra de 1493 houve vista d'elie 6 pilot
lartholoieu Dias, e lhe deu nome de Cabo tormen-
toso, pelas rijas tempestades que n'aquelles mars o
combateram. ElRlii: D..Joo 1I. mudou este nome pa-
ra o da Boa Esperana, pelas muitas que lhe dava, do
que no future veio' a acontecer. No anno de 1497, aos
20 dias, do mez de Novembro, o famoso Vasco da
Gama conseguio dobra-lo, abrindo Europa as por,
tas do Oriente, e mudando o Commercio de todo Q
mundo.
Engolfado nos desejos de consagrar as Quinas Por.
tugaezas no extreme Oriente, nem vo as immensa
riquezas d'este territorio, nem houve posse d'ellei
foi aVante, descobrindo terras, vencendo povos, coi


CAMERA MUNICIPAL.

S AYSO,

Camara Municipal d'esta Cidade convida a todosos
A habitantes da mesma, para que illuminem a frente
das suas cazas na noute do dia 16 do corrente mez,
Anniv'ersario Natalicio de Su MAblGEasTA EELREI O Se-
NIQR *D. PEDto V.


DO PORTO, .4 i
, ~+ .: jH.. n q ...


Embarcaces que precorreram este porto
durante o mez d'Agosto de 1854.



SEMB ARCA ES. C .


De Gavia 4 1 66 Mantimentos,
S.. .. ... -- -- -urzla, goma
SNo de. Gavia 8 n 3 15 38 copal caluma
ba, arro smat-
iSomma s3. 1 3 24 04 fim, cera, a.
I_ _. #tce. -te.
S De Gavia 50 10 Marfim, ctine
S- -isisanga, gi4
S zeadas, fumn
Somma. 8 n 3 3167 0 8 ', pedras,
milho e arros.

Quartel na Praa, de S. Sebastio, t.0 de Setembro
de I85;4. -Desiderio Dias Guillhrmino, Alftrs sr.-
vindo d'4Ajudante.


. JANUNCIO$.
t .Commissao Ardminitrativa da Santa Caza da Mi
ericordia d'estaCapital pretend tender um Si-
no, por se achar incapaz do servio da. greja:.quem
quizer-, omipra-lo comparea perante a mesma Com-
Qmissa pelas a10 horas do dia 22 do corrente; sondo
a compradorn obrigado a desmonta-lo da torre sua
propria custa.


---- I~---- C i -.L~-~. l-~. :I.*i~. ' -


lhendo louros, e acerescentando mais, e mais com
gentilezas d'armas a fama do name Portuguez.
Os Holandezes conhecendo as vantagens d'este ri.
quissino territorio, se apossaram d'elle no anro de
1660, fundando ahi logo uma feitoria de comnercio.
e uma Fortaleza military. ,edificaram casas, povoaram.
no de boa gentle, arrotearam, cultivaram, e fizeram
granieaila de today a sorte. Alli. refrescavam os na.
vios 'inglezes, e,Ftancezes.que navegavam para os ma-
res da India, e paga~vam grossas ancoragens. D'esta
arte acertou a tolanda de se fazer acia das rique-
zas Oreritaes.' Os'In$lezes senhrearamn-se da Cidade
aos "i de Setembro det 799 : restituram-na em 18i,
em virtide -do Tratado d'Amiens: retomaram-na de,
tri0v emn 18061, e ra a desfrutam: com grande com;-
'itiercio, lIcro's avultados. .
"Quaido os inglezes entraram de posse ipela primion
r'a-vt% 'conhco1-.e Onto a grandea':do terreno q u


~i--- ii ii









"ONTINUAAO DA COLLECAO DAS TABELLAS' RELA IVAS AO REGULAMENTO GERAL DAS ALFANDEG3AS.

.'^ TABELIA :N.o ".
'axqs a que, so. obrigados os navios, pelo servio dos guards,
~nta os azos.de cqrga, como de descarga.
...... ., , .. .-. Dando o.navio alimentos ... R.2 00
Su ar .a b.'r I ". .. No dando alimentos....... R." 300
Cada guard, por ia o, o, R .nto Durante o.servio d'Aliandega R.' 200
Y Em terra, segundLo o art. 114. oo Regimento t:5 - ",
E n At s 5 horas da tarde..... R.' 300

SA lfandcqa no n ipl),.r i maIis 'Ium guarda a bo do de qualquer navio, salvo em cazo de desconfiana,
ou quando eoiuzia ,neros prohnii)iils: .qiandio por qqalquer motivo houverem tres, ou mais guards a bor-
4o, o navio naseri obrigad.,.,, pliia ats de dois.


TABEL A N.0 .

V'enc mentos raaes cargo da respective Companhia.

R.? no deshao:lio 4 m~erco~ias paia '.t

o u I- 1 .p: .. pe
.... : ..... ... ... . .... f ....E XPLICA.ES





'o 80 90 .il ie ro ," ..Idem como .pes.. de taboo ...
,*,, i r; ij i t -

.... .-.: ..P j :-.-.

3 '.3 Aide
trans otre,.,n cnh e, de .cotage j qe poder, qualquer desembarcadorias, e conduzid por mediia
.20 ...-.25 i. Q',, -,.;. ^ Quintal Idem pr peso
.,80g pog.rios do8, ,:o.,) 's en:arg, Cento su tIdem corte igcoous .pod o sr
re 80 90 4pagne. bri as gere Idaem com..pes. de .taboado. p .ropo do.
s raha s it detr dA dga a req.. . Por embndaarcaoa que vier e praia para despachar
--50.7 por consume, titulo de ie---- Visio.
Si6r, i'-'spe s : 4o,, J i
;: SI' rn .despHsados, jo< .rn.i.rj~~ro lb; ir; da,l ompanhi, (,e do respective pagamento) aquelles objector que
se .transpoftare.iini a'. rti t;u'a:es, de .faqtagew- que poderao ser desembarcados,- e conduzidos Alan-
.degq, plosqProprios:donos m;o aeniarregatdos',,do seu:trantsporte: igualmente podero ser transportadas li-
-rie ;1, paan-iol braii as. nbmaingi s quei;forem conduzidas por .domeslicos do proprio dono.
''..Os trabilto fVitos. deniroI d;AfdiAfWIgaa`,requerii.ento.. da. parole, sejam de remoo d'uns para outros
-pontos'o afi i;fieit;:s, 'titr affrdit peya,; medir; arrumar; reparar, e para liquidao, por quintal, ou
almude 20 r. .- : "


.-3 ~se de%?cnib 3 '(-e pi' ioe iiu t nierijor do
que ra. Comprhendt: .8leg o~s r p1~id 77
-dedJ-avgo:- aonde,;,. exeec.n dia Ci-]&d,,r,44pnas ter-'
,;tas deinihaPqe dn ~.vi.jhhaimnd, de Cqstannca,'
.*3,utras -iavrSdis tgdoeste 'dl, e, quer hai paro-.
d'ucces,de, today arsorte,'tudo,,:o. nui, :a'> IQflI.1n,
-eiserranias destii"ddas ,aperpetnm& esteiida, i u val-
les dilatadi~simos wcbertos d'umaRkrw4ai> coposta
a~ra barrq, .-e auzi1a-:t~o"'duia~;v ~pegiajgosi quikex io !d
.-xntte nenli~. Ifabrico, tiem . :Cultu
-,A, CidaderbeinfotLifIcaaa:i fojwl~rj dos Holaiide:
~~ nqu8; ern'i ;;(~uveini id'U los ,inaoi-aes. do1
B z.o tmrreno whw, que aVe &-4ifi e'ram < I1e~ioS, sp f .kn,'i
,agnomuiio: p&u:i or>a mdo~.i 4s ~ q4e
ijo1o)si~rtias ~tdadai..a() linlW ;, tuido, das
ipelhores da Europa, competiuoi,. o(p3 jk eipgrap.
;eacB ;aoqioreOiprto C~: capaz de3 iod.a a QVtC d'em.
):crIQes Ri.ftii-eqUieI~~ p Pr'sEuro.peas quie, a e;


gain, para a India. Tem um hospital, edificio de boa
ar'chjtectura, e bem provide de tudo, no qual se reco-
lhem, e ,so tratados os marinheiros enfermos. No
ha cousa que sirva aos regallos, ecominodos da vida
que alli seno ache em grande cpia, mas .por exces-
sivo preO. .
, .ps naturaes do paiz chamam-se Hotentbtes,. que
~onfinanii com diversos po.vos. A iaca ,dos.koussis que
tica a Leste da, colonial estende-se ;pelo. serto dentro
,at, aQ Atlantico; so esbeltos,.corpolentos, semilhan.
;doi.a,os,Europeos ns fies :do rosto'; mas de cr
negra, ou bronzeada, cabello crespo ; espirituosos, ale-
,gres,- e de,,boa intelligencia. ,


( Continua.)


?.Io~n1rev : - hb iir1~ys ~Nauir~*


u .* :








ANNO-~855.


Estem Boletim sair todlos os sabbados. e ssign-se po-
Sri /i*sa ,Upr rru do Govern'o Geral.


NUMERO 18.


Assiugnatura por trimestre.................. 800)
Por simnestrf ............................. 1500
Folha avrnl(t ......... 4 ..................... 80


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.

SABADO 9 IDE SEITEIBRO.


GOVERNO GERAL.
'mm IU I


REGUlAiSTO DOS PORTOS

DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.

Art. ,.'-- A fiscalisalo dos portos da Provincia
comca em
Moanmbique...... Na Praa de S.Sebastio.
Quilimane ....... .Em Tanglane.
Solala .......... .No Mato Grosso.
Inhambarre ....... Na lha de Maferrum.
Loureno Marques. Na llha da Xefina.
lbo .. ... . ` a lha d Matemo.
E n'estes pontos, que os departamentos d'Alfan-
dega, Saude, e Polidci comearr a exercer a sua auc-
thoridade.
Art. 2. Lo.go que o Empregado d'Alfandega che-
gar a bardo, deve imnmediatamente fazer arvorar no
mastro grande do navio o distinctive que denota, que
a embarcaro se acha sob a Fiscalisano d'Alfandega,-
e que desde aquelle moment vedada a qualquer a


,-Continuao da Mertoria Estatlstica.

Ao Norleste jazem os Tamboukras que pouco des-
dizem d'estes seus vizinhos. Os Nemakas so da casta
dos Ilotetitotes; e os Damars que habitat nas mon-
tanhas de cobre, ao Norte da ribeira d'Orange, e do
tropico de Capricornio, sito da raa d-s koussis,, mui-
to differences dos Hotentotes, e dos Cafres.
Os Hotentotes so em -eral d'um trigueiro mui fe-
chado, ou aimarello queinado: tem a cabea grossa,
a carapinha cr d'azevich, pouca barba, as mas do
rosto alevantadas, olhos grandes, nariz chato, beicos
grossos, dentes alvi simos, mos, e ps mui pequenos,
em comparao do resto do corpo ; so esbeltos, cor-
polentos, e animozos. As mulheres mais pequenas que
os homes, tem as feies do rosto mais delicadas;
fuas Fao ig ialiente airozas, e bemi feitas. So povos


entrada ou sahida do navio, sob qualquer pretexto,
Art; 3; Vizitada a embarcao ios pontos desi-
gnados no art. 1, pela Saude, e Policia (Escalet da
Praa) o Capito ou Mestre do navio ser obrigado a
proseguit immediatameihte para o ancoradouro': Eth
cazo porem d'obstaculo pela vizita da Praa, o Ollicial
encarregado far execitar as oidens que lhe tiveretn
sido dads relatives to lugar aonde elte o dete fazer
ancorar.
Ar't 4. -Todo O Capito ott Mestre de navio
mercante deve ter a seu bordo duis manifestos do mes-
ma theor, asSignados pr cite, e aucthenticados pelo
Consul ou Agente Portuguez resident no porto da sua
partida, e na falta d'cll, pela aucthoridade local. Es-
tes manifestos devem counter o uome e tonelagem do
navio< a naico a que petteiicee o port aonde tomou
o seu arreg6mento, o norric dos ctrregadores, e d'
aquelles a quem as weircadorias vem dirigidas, especi-
ficando amplamente a qualidade e quantidade dos vo-
lumes, com suas mar'cas e numerous margem,
Art. Apenas os Olliciaes d'Alfandeg tiverem
chegado a bordo d'um rnavio, e o Capitao ou Mestre
tiver recebido d'elies uma copia deste regulamento,
elle hc entregar uni dos maifestos com todos os
mais papeis pertencentes carregao, assim como
umna decl;hrao com sett juramento, cottendo uma
list, de todis as pessoas pertencentes sua, equipa-
gem, e passageiros, bem como a quantidade de volu-


p......t... ...e.... .. e. to avi tem' eis suasr


pastores, e vagabundos; todavia tem, leis suas, uso.
priva ivos, e i;liona propri:a.
Os HIouri arros si'to o iesniim ( le os Bozchemans, ja-
zem mais ao TNorte que os liotentotes, e fazem casta
parte,. com cracteres que lhes so peculliares. A
darntos f s memories de- Darrow, e de Peron dis-
tinguem-se e toldas as outras castas por uma espe-
cie d'aVental de peli'e que desce do embigo, e cobTe
as parties natures do se'o femenino.
O Cabo da 5ia Esperana no menos clebre pe-
lo seu clima. O Esti) comea em Outubro, e acaba
no fim d'Abril; e n'esta quadra reina constantemen-
te o vento. Essueste: o Inverno principia em Maio,'e
fiada em Setembro; c ento sopra o vento aturada-
mente do Nordeste. bJunho e Julho so os mezes da
chuva. Janeiro, Fevereiro e Maro tempo serene,
sol claro, eCeo limpo de dia; lua prateada, e estrei-
las brilhantes' de nouce; 'mas inenhunm nez do aiiio


PTElr OFFMALi







- ^*70________________7_.


mes, de bagagem de cada um d'elles, dos viveres, e
rezervas ete. etc. Logo depois o Official advirtir, o
Capital ou Mestre de que pode ainda mesmo n'aquel-
Ia o"casino adicionar por acressimo todos os objects
omittidos no manifesto, declarando a qualidade, a mar-
ca, i a quantidede de volumes,, bem como que pode
iguanmenti mencionar quaesquer mercadorias que te-
nha vendido, ou lanado ao mar, sob pena de tudo
que lhe for encontrado a maior lhe ser aprehendido.
Fundeado. o navio no ancoradouro, o Capito ou
Mestre apprestentar no prefixo praso .de* 24 horas n'
A-handoga,' a outra copia do manifesto, e ahi assigna-
r o auto d'entrada(l -
Art. 6.- O Oicial d'Alifand'ga que for a bordo
exigir igualmente do Capito ou Mestre, todas as car-
tas que trouxer em seu powder, assim como aos passa-
geiros, declarando-lhes que, se se Ihes encontrarem
algumps depois. tero de pagar de multa por cada uma
doze vozes o valor do seu porte..
Art. 7.-Feito o auto d'entrada, ou anrtes se
possivel for, sero conduzidas Atfandega para serem
examinadas, todas as bagagens dos passageiros: O Di-
:ector estabelecer para esse fim osimeios necessarios,
e designar os Ollicies que devem diariahiente fazer
este exame s horas qne a A.\,ll,!. c estiver fechada.
Art. 8,-Se o Capito no appresentar o mani-
festo no tempo marcade, se el!e Do estiver conform
com as formalidades exigidas, scnio se acharem con-
formes os dois -manifestos, e se o Capi'to niio vem por
qui:lquer motivo dar a sua entrada dentro ds sobre-
ditas 2- horas, pagar de multa a duplo dos direitos
do porto; achando-se porem mercadorias omittidas, ou
havendo difierena entire ellas, e o mainifesto', especial-
mente se essas fazendas form das de consummo pro-
.hibido, o Capito ou Mestre pagar uma multa igual
ao seu valr, e perder as fazendas; mas se essas fa-
zendas form das adimissiveis a despaicho pagar de
multa'o duplo ds direitos de.consumo, dos impostos
o emolumentos que ellas deviam pagar. Estas mul-
tas pectuniarias sero pagas immediataiiente, e pode-
rao ser recebidas executivamente do navio.
Art. 9. Acontecerdo o Capito ou Mestre do
navio no trazer manifestos das fazendas, fazendo a
competent declarao, e os addicionamentqs suprameu-


- --,-,-.---------.--- o-----i ------


isempto de chuvas, .ou de mau tempo. De Novem-
bro at Marco o calor to forte, por calarem os ven-
tos de-todo, que o thermimetro, pela escala d., Fa-
hrenheit, sobe s vezes a 108 o
A ribeira d'Orange,. nome que lhe pozeram.os Io-
landezes, tem origem aos 30 .de latitude Sul, e 28 o
de longitude Oriental chama-se tambem a Zribeira
Groot, ou Great: corre do Oeste para o .Norte junto.
das grandes montanhas alem dos Cafres, e dos Ta-
bouks, e vem morrer no Occeano Atlantico entire os
grades, e pequenos lcmakas: despenha-se muito ar-
rojado, tem cataratas mui arriscadas, e trasborda
maneira do Nilo. Suas margens so fartas de-corali-
inas, agathas, e calcidonias.
Correndo do Nascente aoPoente estende-se uma.
cordilheira de montanhas, repartida em various ramos
orte Sul.- O primeiro. ramo desvia-se do mar obra
4a viate l'goas; o segundo chniade ~noiiionnha. ne-


cionados, poder descarregar as mercadorias, mas se-
r obrigado a .pagar de multa dois por. cento do seu
valor, os- quaes da mesma forma podero ser rccebi-
dos: do navio, e dos fretes.
Art: 10.- O Capito ou Mestre de qualquer em-
barcao ser obrigado a fundear, quer seja para car-
regar, quer para descarregar, ou mesmo por arriba-
o, no lugar, que lhe for designado pelo competent~i
Official d'Alfandega a seu bordo, ou pelo Guarda-mr
que o Official encarregado da fiscalisao do ancora-
douro.
Art. 11.-Todo o Capito ou Mestre de navio
national ou estrangeiros que no fundear, ou seno
conservar no sitio do ancoradouro que lhe tiver sido
designado, ficar sujeito a pagar uma multa de meta-
de dos direitos do porto, por cada vez que infringir
esta determinao.
Art. 12.'-Com tudo se isto acortecer Ror inci-'
,dente imprevisto de fora maior, ou porque o navio
garre, n'esse caze, e logo que o motivo cesse, volta-
r sua posio, e no incorrer nas penas do
artigo antecedente; porque estas se entendem para o
caso de desobediencia dita determinao.
Art. 13 --'-Todo e qualquer navio, quer seja pa-,
ra carregar, ou descarregar, dever ter arvorado o
signal convenionado no mastro de'prea, para adver-'
tir que no permittido a pessoa alguma ir a seu
bordo sem licena do Director d'Alfandega, ou quem
suas vezes fizer. Por cada vez que o navio durante a
carga ou descarga deixar de ter arvorado o dito signal
pagar o Capito ou Mestre uma multa d'um ter
dos direitos do porto,
Art. 14."-Os navios- que estiverem descarga,
se conservaro sempre separados dos que estiverem
carregando mercadorias, quer sejam d'exportao ou de
reexportao, e sempre nos lugares q(e lhes tiverem
sido designados.
Art. 15.-Todo o Capito ou Mestre, ou mesmn
Squalquer individuo do navio que estiver no ancora-
douro; ser obrigado a cumprir immediatamente qual--
-quer ordem que lhe seja communicada pelas rondas
do porto, ficando-lhe salvo o direito de reclamaco
posterior; ,e aquelle que de facto, ou,.por fora rc--
sistir a estas ordens, ser punido como so os qu.,


gras, mais alcantilado, mais agreste, e fica na mes-
ma distancia: 6 terceiro chama-se Nicuweld, que for-
ma com o segundo uma despovcada planice incapaz
de nenhuma cultural, -por ser terreno todo elle bar-
rento e arziloso, e alevanta-se formando um terraple-
no,de quasi cem legoas de comprido; e viate e sete
de largo., a
Da part do mar das Indias so todas as terras
mais ferteis que do lado do Occeano Atlantico, o que
acontece em toda a regio Africana; assim como por
esta banda tem melhores ancoradouros. Os mais frie
quentados,, e que do maior abrigo e segurana aos
navios mercanies, .ao a bahia falsa ao Sul, e Table-
Bay, ou a bahia de Table ao Norte, com a boca para
a Cidade do Cabo.
As montanhas .que lhes ficam -visinhas, s,o forma-
das de laminas de pedra azulada, e d'um barro dii-
rissimo misturado com. gano: be ranitbre granito e o










desobedecerem s Leis e Regulamentos estabeleci-
dos.
Art 16.-Terminada a entrada n'Alfandega de
todos os objects, o Guarda-nir, e mais Officiaes com-
petentt.s iro a bordo do navio descarregado, e lhe
passaro a vizita do estilo, examinando os viveres e
reserves, e faro: conduzir Alfandega, o que exceder
do necessario para consumo da equipagem, assim co-
mo todos os pacotes ou outros quaesquer objects miu-
das que encontrarem,

(Continua. )


HOSPITAL MILITARY.
Movimento dos doefites de 31 d'Agosto a 7 do corrente.


s s -
DOENTES. "


SExistianm 17- 2 5 24
Entraram 10 2 i 13
SonmI 27 4' 6 37

Sairam curados 15 1 S 18
Falleceram n ,
Ficam existindo 12 3 4 19
SHospital Militar de Mi.:;iaibique 7 de Setembro de 1854.=Da.
JACBQES NICOLAu DE SALIS, PHmsco MR. "


.ONCLUvsO DA


TABELLA N.o 0.

Direilo do porto pela ancoragem aos navios ndi'onanre

De 50 toneladas ........ .R.' 44800
50 a 100...........R.' 7,200
100 a 15 .... ..... R." 9,$600
150 a 20,0..........R." 14;00
Cflasisicao da embarcaes,.,... > 200 a 2-0 ....... .R. 16,000 Quantiag
250 a 300.......... R" 17000
300 a 350... ... R.' 1920
3!0 a 400........... R.- 20000
De superior lotaio ..... R." 24po00O

i.o As taxas acima s-t, marcadas pata um anno, para os navios da P-rovincia: as erhrbrcaes fnacinaes de
fora da Provincia, pagaro por cada vez ,u'e eirtrarem p" porto, deus teros de que est cstipolado na Tabel-
la acima.
2." As Naes, Ingleza e Americana, so concileradas racionacs para o pagamento d'este direito, em quan-
to no for Ofiicialmente annunciado o acabamento dos respctivos Tratados.
..... l'li--- -- -- ---- "Il .........III IIl II' """llI( Il


barro apparecem bastantes pedras, com base terrea,
cob:rtas de crystal grumulado; e isto vulgar pelo
serlio dentro: mas as montanhas chamadas de cobre,
iue jazem aos 29 O 40 r de latitude Sul ablmndirr n'es-
f inmetal com a forma de vidro: os Damas, e kaussis,
fundem-no, e d'elle fazem obras de varias soi-tes.
Pelo serto dentro, e s vezes beira-mar, encon-
tram-se lies, alguns lobos, hyenas, zebras, gazellas, e
cabras miontezas: e comeam de se encontrar nas ri-,
beiras alguns cavailos marinhos.
Nenhum territorio mais rico em Ilotanica; ne-
nhum temn mais raridades que o d'Africa meridio-
nal. Em nenhuma part ha maior copia de plants hul-
bosas, hem as ha niais bellas, nem mais vaiiadas. No
se podem descrever as diversas species de cards e
carlinas, suas cres, edelicado aroma; nem contar as
magestosas, assOcenas, lyrios amarantes, narcisos que
passadas as copiosaw~ cuvas do Outono esQaaltam osk


values com to variadas, e lirndas cres, que no lia
pincel que as possa facinlente pintar. Nas outras se-
zes appareceie o guatato, notavel por suas flores
vermelhas, azues, ou d'alvura assetinada; o geranio
odorifero, e outras muitas sortes de plants, e arbus-
tos, matizando os campos com tanta magnilicencia
que arrebatam os sentidos.
No centro de pedregosos descauT'pdos crescem as
plants grossas; a stapelia, a samo, a herva prata, a
euforbi0, e o alod's. Algumas d'ellas alevantamr-se al-
tura das arvores, e abraadas com salgueiros, e acas-
sias sombream as margens das ribeiras, sempre' fartas,
e cristalina.
A Leste nas fronteiras da Cidade verdejam os bos,
ques, e florestas que fornecem o pau ferro, o carva-
lho afrrcano, o pau aniarelfo, a palnei.ra de sagu, o
gayac de flores de purpura, e a strelit da rainha, d"
incomparavel belleza.


Clpii~airiii~lllli~iiliDa~lll21~ il - I -.










3. As Embarcaes dos outros Estados pagaro metade mais do:que est marcado para as nacionaes doI
mermo numero de toncladas.
4. Estes direitos, bem como os dos navios nacionaes de fora da Provincia sero percebidos n'Alfandega do
primeiro porto em que os navios aportarem, em cada'viagem; em nenhum outro se repitir este direito,
logo que os Capites aprezentem certidlo d'Alfandega, em, que se mostre que o pagaram n'essa viagem.
5.o Os navios da Provincia devero pagar este direito n'Alfandega do Porto a que pertencerem.
'6.* Os navios q're pertenderen unrcamrente" comprar refrescos nao so obrigados a pagarem direitos d'an-
oragem, uma vez que no vendam couza alguma, e que a sua- estada .no port no exceda a 3 dias: ma&
devero participar ' Alfandega, que vem a refrescar, para poder ter lugar a necessaria fiscalizao.
S7.o Os navios de fora da Provincia pagaro mais por cada vez que entrarem o porto 2,000 r. para F.
fundo de colonisao, e os da Provincia 2'00 r. annoaes, e os Pangaios 900 r.
8." Ficam abulidas as cotas que.se pagavam Misericordia e Ajudante da Praa.


TABELLA ,N. 7.

Dos emolumecntos.


Termos de qualquer natureza, por cada lauda........... .... ............... R.
Certides en -geral,i.pot cada lauda ainda que in-( .
complecta, alem do sell, papel, e buscas havendo-as( ...... ....
Buscas en livros, ou papeis do adrcilvo, qualquer que seja a' R
sua antiguidade excedendo.a um anno, e no chegando a vinte ..
Buscas de vinte at trinta annos........ .......... ... ........... ... R.
Ditas excedendo, a trinta .............................. ..... .. I..
Ordens expedidas a requ'erimnenio da parte........ .. ........ .. . . .
Informaes d'interesse da parte, por folha'. . ...... . . . . . . . . . .
Vorb:is nos respectivos termos...... .... .. ........................... R.
Vizitas de carga ou descarga, passadas- aos navios ...... .... . . ... R..


'4100



3020' )


M3'00
14~200


O pagamento das buscas s ter lugar, se aparecerem os objects buscados, e ser feito ainda que as par-
tes por si busquem os mesmos objects, os quaes lhes sero mostrados com segurana, quando assim o exijam.
Se as Certides versarem sobre documertos que 'sejam necessarias buscas, pagayto ttaibm as buscas que
ficam estabelecidas.
Vestorias a bordo. o vencimento diario de cada um dos Empregados que assistirem a ellas.
Gessam os emolumentos do Guarda-Mor, e quaesquer outros que no forem marcados nas presents Tabellas.


Barrow, no seu annual das viagens, refere a novissi-
ma descoberta da Cidade, por nome Litakou, Capital
dos Boussouhanas, que pelas observaces de Roggwild
jaz aos 27 30' de latitude Sul, 25 o de longitude
Oriental. esta Cidade tamanha como a Cidade do
Cabo, entrando os jardins at bahia de Table:
cortada no centro por uma ribeira, que segundo a ca-
pacidade do leito, deve correr mui larga, e arrojada
tia grossura das dhuvas:-as cazas so de feio redon.
da, e mui 'egulares ; tem duas a tres mil cazas, e sua
populao entire dez a quinze mil almas.
tradio que mais ao Norte obra de cessenta
legoas, existem os farrolos, povo nuneroso, que vive
de explorer minas de ferro e de cobre: so affaveis,
joviaes, e muito industriosos. A Capital 4 mais exten-
sa que Litakou, e todo o territorio mais fertil, e mais-
bem cultivado. O idioma d'este povo ' o mesmo
dos Ilotentotes.; porem mnais limado,, e: sonoro. Co-


mem viandas de toda a sorte; e possuindo as iiblei-
ras mais populosas de peixes e mais variados no co-
mem d'elles, e se horrorisam de os tocar. Leite a
sua ordinaria bebida: belles de raposa, e de gato d'
algalia o seu vestido usual; e os capatos so de couro
de girafa. Quasi todos trazem um abano com que en-
xotaim as moscas, feito de pennas d'abestruz, ou de
cauda de rapoza.

(Continua.)


MoAMIBIQUE: i bJPRENSA NCIONLq


- --- -;i~'-- iXLII~.iIC- -. .-~i-<-i .... --~'. .- .L. .LT.. -~ ---.--.- -







ANNO-18,5A.


I ste ,oletil?; sair todoi s ssubktdds, o a8sigit-st ])a-
-ia ele ta ,ocretaria do

-NUMERO 19.


Assiyiialur por tri est, e.................... 00
Por simestre ............................1500
SFelh avulsa .......... .................... RO0


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.


SABADO 16 DE SETEMBRO.
I_ lin iI I


PART OFIFIIIW ,
-----a s*g......
GOVERNB O GERAL.

Concluso do Regulamento dos Portos.
Art. 17.- O Capito ou Mestre do navio carga
ou descarga, que desde o pr at ao nascer do Sol, qui-
zer vir a terra, ou voltar para bordo, ou que queira
ir do seu a outro navio, no o poder fazer sem per-
misso do Director d'Alfandega, ou quem suas vezes
fizer : Os que transgredirem, esta determinao encor-
rero na pena de perdimentos da cana, bote, ou es-
caler que os conduzir, e tudo mais que dentro for en-
contrado, que ser tudo vendido em proveito do ap-
preiensor, que poder Lambem ser o proprio guard
de bordo do navio d'onde sair, ou para aonde for.
Art. 18."-A nenhum individuo ser permittido
ir a bordo de qualquer navio carga ou descarga,
sem permisso do Director d'Alfandega.
Art. 19.o-Qualquer pessoa, que quizerr a bor-
do d'alguma embarcao que estiver carga ou des-
carga, s o poder fazer com a permisso do Direc-
tor d'Alfandega sujeitando-se coni tudo a ser vizitado
na volta pelos Olliciaes d'Alfandega.
Art. 20.-Todo o individuo que resistir aos Offi-
que a Lei impe aos que resisted s aucthoridades
do Estado.


Coi:tinuadco da Memoria Estalistica.


As mulhere:, cobrem o peito, e trazem o venture
descoberto: usam pulceiras de cobre, ou de marfim.
Os homes tem pouca barba,' e s a deixam crescer
em tempo de guerra. So mui sujeitos enfermida-
de das bexigas que faz n'elles grande devastao;
,endo certo que no a contrabiram por contact com
os Europeus, o que altera a historic medical seguida
at hoje a este respeito. So todos circuncisados,
e o3 Saccrdotes, que os ha entire elles, lhes fhzem
esta operao. Crem que no corao que reside
a alma: e aoEnte, Supremo, que em today a Cafra-
,iia tem outro nome comimum, chamam elles Morih-
mo.,


Art. 21.-A carga ou descarga, o transport de
mercadorias d'uma embarcao para outra, ou a re-
exportao d'ellas, no poder fazer-se sem ordem do
Director d'Al andega ou quem suas vezes fizer, e os
Capites ou Mestres que sem esta permisso carrega-
rem ou descarregarem alguma cousa de bordo do seu
navio, ou para o seu navio, pagaro por cada vez
uma multa de 100,4000 r. alem do, perdimento dos
objects transportado.
Art. 22.-A descarga de todo e qualquer objec-
to, e de todo o navio podr ser feita sem ser acom-
panhada por algum guard conductor: porem o Ca-
pilo ou Mestre mandar em cada bote, ou lancha um
home da sua equipagem com a guia. passada pelo
guard de bordo que ser apprezentada n'Alfandega.
Art. 23. -Os guards nada tero, relativamente
carga que deve desembarcar, ou embarcar antes ou
depois, pois que s da competencia do Capito ou
Mestre, o mandar desembarcar ou embarcar o que mi-
lhor lhe convier.
Art. 24."--Logo que um navio estiver descarre-
gado, e que se lhe tiver annunciado a vizita, o Capi-
to ou Mestre far pr sobre o convs todo o velame
que se achar arrecadado, e far larger todo o velame
que se achar envergado.
'Art. 25.- Concluida a descarga, e varrido o na-
vio, o Guarda-mr e os outros Officiaes lhe iro fazer
uma exacta, e rigoroza vizita. O Capito ou Mestre
ser obrigado n'este moment a mostrar tudo que lhe
for exigido, e no se prestando immediatnmente a
isso, todos os armarios, e outros lugares do navio lhe


CAPITULO II.

iExposiCo geral daI CO/raria,

NTES de particularisarmos as terras assim nossas eo,-
mo confinantes, escrevendo de cada uma d'ellas sin-
gularmente, fiaamos umia xposio geral comeando
de Leste, aoide principia a Calraria, at acabar na
Costa de Zamguebalr.
Dobrado o Cabo da Boa Esperanc a entra-se na
terra do Natal, e costeando at ao principio do Ca-
nal de Moambique encontra-se o penedo das fontes,
a que os negros do paiz rnoiu am Tizomnbe, o qual fi-
ca em trinta e dous gros e meio de latitude austral,
pelas,quaes terras correm quatro grades rios: con-
vem a saber, o chamado Mafumo, ou de Lopo Infan-
te, a que este navegrlor deu o nome quando ahi


_ i - -- - -; -







podero ser arrombados, fazendo o Guarda-ni6-r'ia
prehender todos os objects encontrados a bordo :que
tiverem sido. subtrahidos. aos .direitos, e o Capito ou
Mestre alem de os perder, pagar uma multa igual ao
duplo do seu valor.
Art. 26.-Apenas o Guarda-mr der um navio
por vizitado, sahir do ancordouro e entregar o
distinctive que tiver recebido, :e ir tomar novo an-
coradouro, conforme lhe for deerininado, e smente
no cazo de querer consertar, ou preparar, poder d'
alli sair, para com, a permisso d'Alfandega ir' fun-
dear no lugar que lhe for indicado para esse fim.
Art. 27.-A todo o Capito ou Mestre de navio
Nacional ou Estrangeiro prohibido receber a bordo
do seu navio mercadorias sem ter anticipadamente ob-
tido para esse fim a competent permissso d'Alfan*de-
ga, e ter assignado term, deciarando nome e tone-
lagem do navio, o porto do seu destino, e que se
obriga a executar todas as condicktes que lho im-
pem os artigos d'este regulamento.
Art. 28. Se a bordo d'algum navio carga se
encontrar alguma mercadoria sem licena ou despa-
cho d'Alfandega, ou se se apprehenderem algumas
que tenham sido desembarcadas. clandestinamente d'
algum navio, o Capito ou Mestre da embarcao onde
elas forem achadas, ou o d'aquella d'onde ellas tive-
rcm desembarcado, incorrer na pena de pagar o du-
pio do seu valor, e o navio ser sujeito a.esta multa.
Art. 29.-A franquia do porto no poder ser
concedida a nenhuma embarcao por mais de seis
dias, se a Alfandega o julgar convenient; e s lhe
poderio ser concedidos mais quatro, passados os quakes
o navio dever descarregar ou sahir do porto, ou
ento requerer ao Governador Geral send em Mo-
ambique, e ao Governadordo Districto send em al-
gum dos portos secundarios a continuao da franquia,
que no poder exceder a trinta dias.
Art. 30.-Toda a ombarcaao que trouxer mu-
niies de guerra, ou armamentos dever depositar
tudo na respective Praa de cada porto que lhe man-
dar na occasio da sua abhida, tornar a entregar.
Art. 31 ,- Qs navios e pangaios que vulgarmente
se chamam doNorte, logo qne derem entrada n'Al-
fandega, faro desembarcar para a mesma todas as
caixas da equipagem para srem revistadas.
Art. 32. -Este Regulamento rer traduzido em
differences linguas e entregue a todos os Capites ou

chegra com Bartholomeu Dias no anno de 1485: e
o primeiro em, que se encontram cavallos mari.
nhos; o chamado do cobre, ou dos Reis, o qual no-
me lhe deu Vasco da Gama, pelo descobrir n'este
dia ; e terra, pel bom agazalho que alli recebra,
chamou a Agoada da paz: o terceiro rio o da Pes-
;rria, a que o mesmo Vasco da Gama intitulou, dos;
Bons Signaes; e terra deu o nome da terra da:
Boa Gente. Segue-se a terra chamada dos Fumos,
a que os naturaes chamam terra dos Macomades. No
Cabo da terra dos Fumos jaz a balhia de, Lourenco
Marques, formada pelo rio do..Espirito Santo, que
o quarto rio, que com os outros tres vo ahi desa-
guar, como emseu logar diremos..
Todo o territorio cpmprehendido entire este rio
do Espirito Santo, e o rio Cama, ou Zambeze, como
outros lhe chamam,, friimao Estado de Mocaranga, a
que se d pom i.mpropi edade o noe e de Monoino-


Mestres dos navios que entrarem no porto, par, ';i'
elles se conformem com elle exactamente, e no a!,-
guem ignorancia.
i:Ar. 33.0--O lingua do Estado acompanhar' u
vitaia d'Alfandega, a bordo dos Pangaios e outras em-
barcaes Arabes, Mojojas &. &. e traduzir o. prc-
sente regulamednti aos Capites ou Mestres d'elas.
. Palacio do Governo Geral da Provincia de Moam-
bique, *8 de Julho de1t l8.4..- Vasco G6uedcs de Car-
valho -e Menezes.

N.O 121.- O Governador Geral da Provincia de
Moambique, em Conselho determine o seguainte:
HA VENDO m Conselho d'este Gorerno, e Jiuia ;.
SFazenda, sido reconhecida a necessidade de.c sF
modificar a Tabella do Sello, que prezentemente ws
acha em vigor i'esta Provincia, em virtude do De-
creto de 10 de Julho de 1843, mandado pr Iem
execuo por Portaria do Ministcrio respe tivo, data-
da de 9 de Dezembro do sobredito anno, em relao
actual moeda corrente, sem com tudo gravar os
contribuintes; e conformando-me com o unanime ve-
to do mesmo Conselho: Hei por convenience deter-
minar que a referida Tabella, que faz parte do De-
creto de 10 de Julho de 1843, continue a vigorar
n"esta Provincia; devendo a cifra ser arrecadada nem
moeda corrente, coni o abatimento porem de vinte e
cinco por cento. As Aucthoridades a quem o conhe-
cimento d'esta pertencer, assim o tenham entendido
e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provincia
de Moambique, 12 de Setembro de 185 4.=-; Vsc,
Guedes de Carvalho e Menezes.

N. 122.-O Governador Geral da Provincia de
Moambique, determine o seguinte:
PENDO necessario empregar todos os meios possiveis,
Spara evitar os contrabandos, e frequentes fugai dos
escravos dos moradores d'esta Capital para o coni-
nente; e no send possivel conseguir-se este fim, s;cm
que hajam pontos determinados d'enibarque, e desem-
barque it'esta Cidade: Hei por convinicnte determi-
nar o seguinte:
Art. 1.'-Todas aslanchas sero obrigadas alargar
na ida, e atracar na volta do continent emi um ,los
trez pontos d'esta Capital:-O 1.0 desde o cases do
Palacio ate a rampa, que fica contigua Alfandega:
-O 2. desde a rua nova de S. Joo at s cazas d'

tapa ; o qual nome design o Imperador, e no o Im-
perio.
O rioCuama, ou Zambeze pe termo aos limits d:s
Mocoranga ao ladc Oriental: com elle confinam as ter-
ras Macuas, a que os naturaes do o nome de Macuana,
e n'ellas est assentada a ViIla de Quilimane que vem
beer no mar.
As terras Macuas fazem frente Iha de Mocambi-
que, e pegam com o Reino de Mongale, que corre
pelo serto do Cabo Delgado at acabari cm Quiloa.
Ao Sul d'este Cabo jazem as Ilhas Portuguezas que
d'elle tiram o nome.
Desde a embocadura do rio Espirito Santo, vai cor-
rendo a:Costa, ra encolhendo-se pela terra dentro,
ra estirando-se pelo.mar fora, formando d'esta arte
differences bahias, cabos, ponta:, e esteiros.
A priimeira bahia a de Lomrinco Marlques, formiada
.p r a I''lle l 'i .e as nno ; i.1s < j) .lli aR dispel a:r: q,


j_ ~ ~___ I --U-n~--L~~I~AP~-~l--IYI_









Antonio Vicente de Souza:-- E o 3. do embareadou-
~o da banca de peixe.--
Art. 2. -Em cada uni d'estes pontos haver uma'
gtarda fiscal, emcarregada de revistar todas as lan-
chas, que entrarem, e sahirem dos referidos pon-
tos.
Art. 3. Nenhuma lancha poder larger, nem des-
c>i ire(gar, sem que primeiro d parte guard fiscal,
que a far desembaraar sem a menor perda de tem-

a. uKico. As lanchas qne condusirem Passageiros,
podero ser visitadas, quando hajam suspeitas de que
condisem algum contrabando, ou escravos sem a res.
pectiva licena do dono.
Art. 4." Nenhum Patro ou malemo da lancha con-
sentir que embarque qualquer escravo, ou escrava,
sem que estejam munidos d'uma senha do respective
dono, e que esta seja reconhecida pelo guard fiscal:
o contraventor ser castigado correccionalmente pelo
Administrator do Concelho, conforme a gravidade
da culpa.
. unico. Ao Commandante da guard fiscal incum-
be dar part ao Director d'Alfandega de todas as
occorrencias que houverem, declarando as faltas que
tiver commettido qualquer individuo, que no mes,-
mo acto dever ser apresentado ao Administrador do
Concelho, para os effeitos convenientes.
Art. 5."-Todas as lanchas sero matriculadas, e
iinmeradas no Arsenal da Marinha, afim de que a
primeira vista se possam conhecer para os effeitos
convenientes.
Art. 6.- Ficam em inteiro vigor todas as ordens.
e mais Regulamentos, que no forem oppostos s dis-
posi(,es d'esta Portaria. As Aucthoridades a quem o
;ohlecimento d'esta pertencer, assim o tenham en-
tendi io cuimpram. Palacio do Governo Geral da Pro-
'i., uia de Moambique, 12 de Setembro de 1854. -
SG:i:ed.s de Carvalho e Menezee.


OiDEM FORA ARMADA.
N., *5! Quartel General do Governo da Provin-
cia de MUamabique, no Palacio de S. Pau-
lo aos -i5 de Selembro de 1854.
Publica-se o seguinte para que tenha a devida exe-
cuo.
Sendo o dia 16 do corrente mez, o mais fausto e'
do miior regosijo a lodos os Portuguezes, pelo Anni-
versario Natalicio d'ELIlEI O SENHOR. D. PEDRO V.:
Sua Ex. o Governador Geral deter-mina, que no in-


o primeiro Cabo chamado--das Correntes.--
Segue-se a Villa de Inhambane, junto dla qual vem.
desaguar o rio do mesmo nome, e sahe logo ao mar
o Cabo de S. Sebastio, defronte do qual ficam as
Ilhas chamiadis de Bazaruto: aqui vai o mar correndo
to esparcellado, que se denomina Dor' isso o parcel
de Sofidla tirando o nome d'esta Villa torneada por
elle, que i Iaz ficar como Ilha..
Do Cabo de S. Sebastio vai recolhendo a Costa :
feico d'um meia lua formada com elle e a ponta
de Quilimane, ou Calimane como outros lhe cha-
muam.
Da Villa de Quilimane, assentada beira-mar, co-
mea a Costa de se dilatar descrevendo uma linha:
,:urva pelo mar dentro, at fazer frontaria Ilha d<'
Angoxe, e continua.aalongar-se mais na mesma figu-
ra at ponla chamada daBajona, de done recolhe
,.trr ve:i pari a t"'rra, formiTnndo esta ponta, e a ou:


dicado dia haja grande parada no largo d'Alfapdega
d'esta Capital, s 11 horas da manha, devendo ser
Commandada pelo Commandante do Batalho d'Iii-
Tfanteria d'esta Capital, e no. seu impedimento pelo
seu immediate; assim como que hajam salvas segun-
do as ordens em vigor.= Antonio Joze Pereira de
Magalhes, Secretario Geral.

HOSPITAL MILITARY.
Movimento dos doentes de 7 a 14 do correato.


DOENTES.


Existiam 12 3 4 19

EPiaraIm 10 2 1 13,
souiia Sa2 5 5 J3
Sairam ncrados 9 1 s II
Falleceramu 1 i l 2
Ficam existindo 12 3 3 18
N. B. Falleceo um soldadu. Europeo que veio do continent com
febre typhoide, qual secumntbio 24 horas depois. O Nativo fallec~s
de phlhisied polmunar.=Hospital Militar de Moambique., 14 dg
Setembro de 1854. = DR. JCQaES N ICOLAU UI SALIS, Pmic'To MOa.

POESIA
Ao Anniversario Natalicio de SuA MIaGgestDne
ELREI O SEiVH o D. PEDRO V.
Depois que da Patria estou afastodo
As cordas da lira jamais fiz soar;
O annivcrsario d'ELREI PEDRO QUITro
Da lira esquecida me fez recorder.
Da filha de Pedro que os Luzos remio
Dos ferros pezados da escravido,
Mui Joven herdaste a Corda e o Sceptro;
Amais como Ella, a Luza Nao.
A eicelsa RAI HA que poncO perdemosg
Por quem inda chora o meu Portugal;
Legou-t. a virtue; formou-te no peitb
Corao bondozo, que r:o tem igual.
Feliz o Paiz que teni um Monarcha
Mui Joven na idade, profundo em saber:


tra chamada de Sanculo unma bahia que niomeam do
Mocambo.
D'aqui vai cerrendo, c biqie, at ponta chamiada da Cabaceira.
Dobrada e. ta ponta vai.-so estreitando em linha ree.
ta at a ponta de Quirimhba, com a qual, e o rest
do Cabo Delgado faz outra peqAena nmei lua, dentro
da qual jazetm as Ilhas d'este nome. Entre este Cabo,
e oCabo falso recolhe em liagonal at ariremamtar no
reino de Quia, a p;rinmira terra que aolngog
*da Costa fica fora do doiniio Portuguez.
Todas as terras que esto pegadas ao mar depde a
bahia de Loreno Ma-uques at Tangue, siuado en-
-tre Cabo Delgado, e Quiloa ; assim como as q.e en-
tram peb3 serto dentro, mais ou menos apartadas,
;segundo a estancia em que residem os diver.os re-
gulos, so tluo terras pertmner ntes ao dominio Por-
tugue;,


eRar~ar*wi(milikrrr~i~aodinftirinariim~ iirri i


~,~r~ll---~~ --1--~~----11~ 1-~- -c--- -







,_~16 ______ l -- -pls


Feliz o Monarcha que o povo que rege,
SContente no cessa de bem o dizer. *
Juntai-vos mim, e ao som d'esta lira
Ergamos'as vozes, l;iz annos o REI:
J se ove na Praa o sm estridente
Da salva real, ouvi, attended.
Ouvi Soberano a voz d'um soldado,'
Q'empunha uma espada, que serve a Nao;
Ouvi-lhe o seu canto, que sendo mesquinho
Esprime o que senate, do corao.
Moambique 16 de Setembro de 1854.= Carlos
Pedro Barahona e Costa.


Salve o dia 16 de Setembro de 1854 !
Salve o dia to fausto em que SUA MAGcSTA-
)E ELREI O SENHOR D. PEDRO V. faz 17 an-
nosi
Salve o dia de todo o regosijo para os Por-
tuguezes !
Salve o Anniversario Natalicio do nosso Au-
gusto Monarcha!
Todoss ,habitantes de Moambique esperavam com
anciedade o dia 16 de Setembro, dia natalicio do nos-
so RlEI:-Que do Alto do Throno da sua lai e do
Seu Immortal Av, e Educado nas Suas Maximas e
ilerdeiro idas Suas virtudes, deve tornar felizes os
Portuguezes.
O dia amanheceu bello, como dezejavamos. Ao as-,
somar magestozo no Horisonte o brilhante Astro do
dia, vinte e um tiros da Praa de S. Sebastio cuja
primeira pedra fora lanada pelo ultimo Heroe da In-
dia, o immortal D. Joo de Castro, fizeram recorder
aos habitantes de Moamibique, que a Nao Portugue-
za, se cobria de galas, e enchia de praser n'um dia;
tio dezejado pelo muito que espera do sENuort PE-
Uio V.
E para que se tornasse mais Selemne esse dia, cin-
co navios mercantes que por cauza do vento no lhes
ser favoravel, no 'tinham podido larger do Porto,
mais d'uma Semana, esperavam pelo vento sul, n'es-
se dia 16 fizeraii-se de vella em quanto a Praa de S.
Sebastio fazia revoar o estampido d'Artilheria. Direis
que a Providencia havia tambem esperado pelo anni-
versario .natalicio do SENHOR D. PEDRO V. para coroa-:
lo, e torna-lo solemne fazendo ao despontar do dia
sahir cinc navios do Porto-de Mocambique, pcr on-
de nos Seculos atraz espantosas frotas em que tre-
mulavanr as quinas Portuguezas passavam para a In-.


_________________________________ 2, -


Parties ha.aonde-(quando muito) possuimos 3 a 4|
legoas escassas pelo serto dentro; e ha outras pori
.onde nos diltamos largamente': so. nossas as terras1
que vo cozidas com o rio Loabo desde sua emboca-
.dura,, at suanascente, e continuando despegadas d'el-
le -at quasi entestar com Xingamira, voltam encosta-
,das,'o rio Zmbeze, e largam d'elle unidas ao rio de:
Quiniane at a beira-mar junto d'csta Vilia: todo
.este territorio abrange" 3620 legoas quadradas. De
Quilimane continuam as nossas terras- at Tungue, ra:
mais cingidas-ao mar, ra mais afastadas, e estendi-
,daS: plo. serto, maneira das que descorrem at
-boca do:rio Loabo; cifrando-se em 4000.~legoas qua-
.dradas todo o ;territorio dominado pelos Portugue-
,zes n'Africa Oriental.." ,
S'Trataremos de nssas Villas, e Feitorias, expondoi
o.que,singular a.cada uma d'ellas, e o; que a todas
-ilas commumn, enfiando as cousas a proposito 'es-o


I


ta memorial; mas releva primeiro tratar dos reinos,
eterras com que as nossas confinam, dizendo dos usos.
e costumes, dos Cafres, do trafico que fazem; quakes
os gene:os, quaes as produces, e todas as de mais
cousas que mister no ignorar para com elles have
trato, e coimercio como outr'ora praticavamos ; e
bem pode ser. que de tudo isto tiremos maiores van-
tagens no future.

( Continua. )


M 4-4B1 u NA IPLERSA N croxm_


dia e confins d'Asia para derramarem l a luz da ri-
vilisao, e armarem o pendo do christianismo DI*
reis que a Providencia presagia d'este modo .que do
Excelso Throno do SEN.OU D. PEDIO V. deve renasce r
,para PoRtugal e seus Dominios epocha de prosperi-
dade; que do Seu Alio Saber devem provir todos ,s,
beneficios aos P6rtuguezes ; e que n'este longiquo tor-
ro deve florescer o commercio fazendo reviver es
tempos passados da sua riquesa! E que muito Com
um Principe nascido com os sublimes Sentimentor
da sua Mai!!! Educado com todo o disvello pe-
lo seu Pai, Herdando as Altas virtues do seu hn-
mortal Av o Titto de Portugal o SENIOR D. PEDRO
IV, poderemos deixar de ser felises Os Habitantec
de Moambique no podiam por tanto deixar de se
regosijarem n'nm dia to grande dirigindo aos Ceos
mil preces para que por muitos annos possam reno-
var por siqpilhante motivo as mesmas preces e sau-
darem um dia to Solemne.
As 11 horas houve parada no largo d'Alfandege,
aonde se apresentou o Batalho d'Inlinteria vestido
com toda a decencia, e depois de Sua'Ex." ter en-
toado os vivas A ELREI, Ao REGENTE, e NSeo Por-
tugueza, o mesmo Batalho desfilou para o seu Quar-
Iel.
Ao meio. dia houve cortejo no Palacio para o qual
alem de Aucthoridades e empregados civis, milit.ares,
e ecclesiasticos concorreram os principles habitante.s
d'esta Cidade, dando d'este modo uma prova, no
equivoca, da sua lealdade e dedicao ao nosso So-
berano-E depois do cortejo foram todos servi.os
d'um rico Lanche.
A noite foi consagrada a reunio e a um esplendidfb
brilhante baile nas cazas da Camara, dado pelos seu.o
'Veriadores.
As cazas estavam em todo o aceio, ornadas com
elegancia, e magnificamente illuminadas. A ceia loi
servida com profuso; tendo Sua Ex.' levantado uni
brinde Ao SENHOR D. PEDRO V. em seguida o Prezi-
dente da Camara outro Ao REGENTE, aos quaes segui-
ram alguns mais brindes que alguns dos convidados
levantaram.
A reunio foi numerosa Dansaram.se mais de 8
quadrilhas, de 20 a 22 pares. Eram 4 horas e meia
da manh, quando os convidados se comearam a
retirar, levando comsigo saudades d'uma noute, que
passaram divertida, e fazendo votos para que muitos
annos tenham a dita de Solemnisarem o dia 16 de
Setembro do maior regosijo e alegria para todos ow
"Portuguezes.






A NNO-1854.


.Pote Boletim~ sair todos os sabbatd s,e ass~iqnase. pa-
rello tia Ssrct,*ari de Governo Geral.


NUMERO 20.


Assigsntnhur pOr t'imestre....................800
Por amestre .............................1500
Folha anils ...:.............. ...... ....... s(


BOLETIM

DO GOVERNOR: DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.


SABADo 23 BIDE, S1WTEIBiM O.


tiilT ? Otfl Ii Copia. I Hei por blm, em Nome d'ERei Exome-
A5HIi Jil ORIAL rar do Cargo de Governador do Districto de tLouren-
So Marques na Provincia de Moambique, para que ha-.
: --' "--- via sido nomeado por Decreto de 11 d'Abril de 1850,
GOEaVSE No( GdERAL. io Major Graduado do Evercito de Portugal Joaquim:
____._~- _:Carlos d'Andrade. O Visconde d'Athoguia, Par do,
BRino, Ministro e Secretario d'Estndo dos Negocios
Decretos transmiuidos pelo Min'sterio Estrangeiros, e dos ,ia Marinha e Ultramar, assim o.
da Marinha e Ultramar. tenha entennido c laa executar. Pao em o 1. do
: 'Margde 183f. -' REI REGENTE. =Visconde d'Atho-
i 'a,. -Attendcndo ao que Me representou o Ba- guia,--Est conformne, Antonio Pedri de Carvalho.
:hare! oirmEao em Direito Antonio Avellino S;rrao
Coelho de Souza e Sampaio: Hei por bem, em Nome
dilRei, Nmea-lo Delegado do Procurador da Cor6a .
e Fazenda na Comarca de Moambique, ficando obri- Copa. = Attendlendo ao merecimento e mais par-
gado a tirar Carta pela respective Secretaria d'Esta- tes que concorrem na pessoa' do'Capito Tenente d'
do, com.previo pagamento dos competentes Direitos. Armada, Roberto Theodotico da Costa e. Silva: 1lei
O Visconde d'Athoguia, Par do Reino, Ministro e Se- por bem, em Nome d'ElRei, Nomea-lo Governador do
cretario d'Estado dos Negocios Estrangeiros, e dos da Districto de' L Marinha e Ultramar, assim o Tenha entendido e faa :ambique, logar que servir por tempo de tres anos,
executar. Pao em o l." de Fevereiro de 1854.=. REI de que tirar Carta pela respective Secretaria d'Esta-
RlEGENTE. Visconde d'Athoguia.= Est conforme, do, com previo pagamento dos l)ireitos de Merc. O
,al:onio Pedro de (arvalho. Visconde d'Athoguia, Par-do Reino, Ministro e Secre-
tario d'Estado dos Negocios Estrangeiros, e dos da
Marinha e Ultramar, assim o tenha entendido e faa

:-.IIJ'L. -- *.' .. .. .... r..*..i. "::..- :. r., ',. .-


CQoninuaco da Memoria Estatistica.


CAPITULO III.
Terra do Nata. '

ct; Os-aiS o da terra do Natal ha que tomar uni de
I0 t s rumos, que veim a ser ; caminhar ao long da
Costa, ou rodear pelo serto at as terras do Inihaca
pcgadas coma bahia deLoureno Marques. Preferem
uns seguir pela terra dentro para fugirem dos tra-
balhos certos da praia: antep5em outros o caminho
da Costa por ser mais trilhado, mais curto, e mais po-
puloso..
Faamos primeiro a descripo d'elle pelo serto
dentro; e como por alli conformain os Cafres entire
si, o que no acontece beira-mar: vem a proposito
tratar primeiro de seus usos, e costumes, assim coimo
da qualidade, e produco das terras, g.Uardan.'o pa-
ra, depo s .. ,,-':' c(tR ..c.r.,g,-, :7?, .


Usos, e costumes.
Os natui'aes sia Cafres, o que quer dizer no cren-
tes. Por aqui andam vestidos de pelles de bezerro coml
o eabello para for, as qua;es unt 9 if lo gordura pa-
ra ficarem brands: o calsado de duas 'a tres soll:i
de couro cr pegadas umas nas outras, de forma re-
donda, maneira d'alparcas, atudas com correiis, o
que lhe no tolhe correrem com grande ligeireza.
Trazem na mo em um delgado pau, embrulhado
um -cabo de bugiu, -ou de rapoza, com que se alim-
pam, e fazem somrbra aos olhos contra os raios do sol.
Os principles d'entre elles trajam da mesma sorte; e
por distintivo trazem pendurada na orelha esquerda
uma campainha de cobre sem badalto, que elles fa-
zem a seu modo.
Estes, e todos os mais Cafres so pastores, e lavra.
dores: a lavoura de milho branch do tamanho de
pimenta, e dasse em maarocas d'uma plant' a aei.
ciw, e tamanho do ranisso. E' ta especie' d milhq' 4!







78'"


exascula:. 'a:. erm o 1. de Maro de 1854.=REI
REG TE. = Visconde d'Athoguia'. = Est conforme,
Antenio Pedro de Carvalho.



CGpia. =Havendo Eu por Decreto d'esta data No-
meado o Capito Tenente d'Armada, Roberto Theo-
dorico da Costa e Silva, para o logar de Governador
do District de' Loureno Marques, na Provincia de
Moambique: Hei por bem, em Nome d'ElRei, na con-
formidade do Decrcto de 10 de Setenbro de 1846,
Promov-lo ao posto de Capito de Fragata, sem pre-
juizo da antiguidade, dos que a tiverem maior; fican-
do' sem effeito esta- Merca, quando o referido Official
por qualquer motivo deixe d'ir tomar conta do men-
cionado legar, ou d'elle se retire sem ordem do Go-
verno antes de completar o tempo de tres an!os. O
Visconde d'Athoguia, Par do Reino, Ministro e Se-
cretario d'Estado dos Negocios Estrangeiros, e dos da
Marina* e Ultramar, assim o tenha entendido e faa
executar. Pao em o 1.O de Maro de 1854.= REI
REGENTE.= Visconde d'Athoguia.==Est conforme,
Antonio Pedro d( Car1vfathn




z3 a. 'r -A r E.. 9

N." 124.-0 Governador Geral da Provincia de
Moambique, determine o seguinte:

ACRIANDO-SE n'esta Capital todos os Portadores das
Actas, para a eleio de Deputados, que devem re-
presentar esta Provincia : Hei por convenient, que no
dia 24 do corrente mez se proceda a eleio dos mes-
mos, devendo o Presidente da Camara Municipal d'es-
ta Capital convidar os mencionados Portadores, para
se reunirem nos Paos da Camara Municipal s 11 ho-
ras do sobredito dia. As Aucthoridades a quem o co-


geral em toda a Cafraria. D'este milho moido entire
duas pedras, ou em piles de pau fazem fariaha, e
d'elia diversos guizados, e uns blos que cozem no
borralho; e da mesma, fazem um vinho, a que cha-
mam pombe, mistu.rado-a com- miita agoa, a qual
depois que ferve em uma vasilha de barro, e se es-
fria, e azda beem. at perderem o cizo. O gado
mui gordo, tenro, e saboroso'; o mais d'elie mcho,
e a maior part so vaccas, em cujo numero, e abun-
dancia consistem suas riquezas: sustentam-se do leite
d'ellas, e da manteiga que d'elle fazem.
Vivem juntos em pequenas povoaes de cazas fei-
tas d'esteiras de junco, que no defended a chuva,
as quaes so redondas, e baixas. Se dentro d'ellas mor-
re algum d'elles, logo os outros as desfazem, e todas
as outras da povoao; e da mesa material fabricam
outras em outro sitio: havendo que, n'Alda em que
o seu visinho ou parent falleceo, succedera tudo des-
graadamente E a.sim por forrarem o.trabalhlo, quan-
do'algum adcess levam-o ao matto, por que se hou-


nhecimento d'esta pertencer, assim o tenham enten-
dido e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provin-
cia de Moambique, 21 de Setembro de 1854. = Yas-
co Guedis de Carvelho e Menezes.


EDIITALO


ADMINISTRAO DO CONCELIHO.

O Cidado Augusto Estntislau Xavier Soares,
Prezidentc d Ma Camara Municipal d'esia Capital, ser-
vindo d'Administrador do Conc,,lho da mesa Y.


F AO saber que send bastantc estranhavul, que os
individuos, que chegam a esta Capital, no se aprezen-
tem logo n'esta Administrao do Concelho para tira-
rem o seu Bilhete de residencia dentro de 24~ horas;
d'hoje para o futiro haver da psrte da Aucthoridde
Administrative o maior rigor da Lei, para que este de-
ver se cumpra, sob pena d'applica:o das mul!as, que
a mesma Lei marca aos seus contra.ventores. -E pa-
ra que chegue ao conhecimento de todos, e no se ale-
gue ignorancia para o futuro, se faz public o prezen-
te Edital no Boletim do Governo Geral d'esta Provin-
cia. Secretaria d'Adminstrao do Ccncelho de Mo-
ambique, 22 de Setembro de 1834. Auguslo Es-
tanislau Xavier Soares, Prezidente da Camara Mu-
nicipal, servindo d'Administrador do Concelho.



CAMERA MUNICIPAL.

A Camara Municipal d'esta Capital, tendo delibere-
do fazer aos seus foreiros devedores, um desconto
proporcional aos annos que tiverem deixado de pagar


ver de morrer seja fora das cazas, as quaes cerco d'
uma sebe, e dentro d'ellas recolhem o gado. Dorrne:n
no cho entire pelles d'animaes em cosas estreitas de
6 e 7 palmos de comprido, e de 1 e 2 de profundi-
dade. LUso vasos debarro seccos ao sol, e de mardei
ra, lavrados com umas machadialhas de ferro, as quae.:
temi o feitio d'uma cunha mettida em um pau; e com
as mesmas cortam o inatto. Na guerra servem-se d'
azagaias que arremeo de long, e com tanta destre-
za que no erram pontaria ; e marcham trazendo com
slgo caxorros capados da feico e tamanho dos nos-
sos raleiros. So muibrutos, no adoram cousa algu-
ina: Crem que o Ceo outro mundo como este em
que vivemos: a mr- parte d'elles circuncida-se ; so
mui sensnaes, e tem quantas mulheres podem susten-
tar, das quaes so ciosos: obedecem a senhores que
chamam Ancosses, que so cabeas, e regedores de 5,
6, e 7 aldes: tem quasi todos a mesma lingdagem com
pequena differena de dialecto. Allongam-se pouco de
suas povoaes, e por isso apenas tem noticia dos vi-


I _
-, = , --~- -ir --







71V "


es respectivos foros, e isto com tanto que realizassem
o mesmo pagamento at o fim do corrente mez; pro-
roga o mesmo prazo at o dia 15 d'Outubro proximo,
na certeza de que, os que no tratarem de saldar as
suas contas, nao gozaro do rcferido beneficio de de-
duco, e as suas dividas sero relaxadas ao poder Ju-
diciario a fim de serem por alli cobradas executiva-
mente.- A deduco pela maneira seguinte: aos
que deverem de 5 a 10 annos inclusive de foros, 20
por cento; aos que deverem de t.0 a 20 annos in-
clusive, 30 por cento.; e 40 por'cento aos que de-
verem de 20 annos para cima.-E para que che-
gue ao conhecimento de todos os interessados se publi-
ca o prezente Edital no Boletim do Governo Geral d'
esta Provincia. Secretaria da Camara Municipal de
Moambique, 22 de Setembro de 1854.-= Augusto
Estanislau Xavier Soares, Prezidente.


Cf rK ma cml.JH aB :HE B- e m. E OeBf.

Canmbzo e preos correntes do Mercado de Mo-
ambique, no mez d'gosto de 1854.


Azeite doce a garrafa,
Dito de cco, a arroba
Dito de zerzelim, dita
Ago-ardente, a garrafa,
Assucar americano, a arroba
Dito do norte, dita
Dito ordinario, dita
Azeitonas, a libra
Algodo em rama, a arroba
Alhos, dita
Arros fino limpo, a panja
Dito grosso, dita
Bolaxa fina, a libra
Barcala de 20 mos, a pea
Dita de 16 ditas, diia
Breu do reino, a arroba
Dito do norte, dita


.4600
2`400

1 0600
3;0200
1.4200
1 0'G> 00
'4300
34'200
2~S'400
7c,800



0'800
s o o
1 e,20o


sinhos: so mui atraioados, mui interesseiros, ser-
vem em quanto lhe nio pagam ; mas se a satisfao
precede ao service,. do costas, e no ha obriga-los a
ele. Prezam o ferro, e o cobre, e no fazem cabedal
do ouro, e da prata, que entire elles no tenm nenhum
preo, fazendo grangearia d'aquelles dous metaes, pe-
los quas tro,'ami o gado, e os mantimentos, que a
iw.i:..:i que possueim.

Producre natiuraes.

A terra fertilissima em vegetao, .mas das
maii estereis em mineraes. Ouro, prata, ferro, cobre,
pedras preciosas, de nada d'isto apparece por alli t)
mais pequeno signal. Das plants conhecidas encon-
traim-se origos, losna, fetos, agries, poejos, malvas,
alecrim, arruda, murta, rosmaninho, madre-silva, bre.
dos, mentrastos, e herva baboza, tamanha que parece
arvore, com pencas de 4 e 5 palmos de coiuprido, e
1 de lirgoo; deitando do centro um tailo com florie


Brfnde, a garrafa
Cognac, a garrafa
Cal em gro, a arroba
Ch superior, a libra
Dito ordinario, dita
Canella; dita
Chocolate, dita
Carlangani, a pea
Chita ingleza. orninaria, dita
Cassa branca de 12 jardas, dita
Castanha de cju, a panja
Cra bruta, a arroba
Dita em vellas de ga, dita
Dita eni ditas da terra, dita
Cominho, dita
Cardamomo, a libra
Cravo da india, 'dta
Calumba, a arroba
Coral do rio, o masso
Doce sortido da europa, a libra
Doutim de ga de 30 mos, a pea
Dito de carvi, dita
Dogogim pintado, dita
Dorogogim pintado, dita
Dente de"cavallo marinho torto, a acba
Dito de dito direito, dita
Farinha de'po, a panja
Feijo branch, dita-
Dito encarnado, dita
Getimt de dio pintado,
Dito de pintor,
Gnguros, a coija
Goma copal, a arroba superior
Genebra, a botija
Licor, a garrafa
Lenos de carregao, a pea
Ditos finos de dio, dita
Manteiga da terra, a libra
Moringues grades do reino, a
Macarro, a libra
Morim ordinario de 40 jardas, a p-a
Milho fino, a panja
Dito grosso, dita
Muxuere, dita
Macaca, dita
Mendoim em casca, dita


95600,

14'800
1;0800
IF'200
0'4300

1,0000.

130800
;0'300
6"'000
140000
130'200:
2.$400
g5800
;0400
0300
30000)
30800
10'000
1,400
0'900
4800
30:;000
40'000
0'400

4200
308000

20'000
0'900
1' 200
W800'
1p200'

2,poo
r 2,
l/5'w0
'03a0
3yG00i
301s0
3005o
40-,5)
.$0/10


amarellas: e assim outras muitas hervas inaigenas
que aaida se no clas.ificaram, -c se lhes ignora o
prestimo. Os campos estao, colertos de pastos grossis-
simos ; as arvores desdizem das nossas na corpulencia,
n'altura, na feio, e verde dals folhas : se bem que en-,
tre eIlas encontram-se oliveiras bravas .com mui peque-
nas azeitonas: azambug:-iros, maci.iras, d'anafliga, e
figueiras. Tem dilatadlos bosques, espessos arvoredos,
aonde nunca.se toparam lies, tigres, nem animaes fero-
zes. Dos possonhentos ha grades viboras, e algumas
cobras, como as nossas d'ugoa. As ribeiras so muitas
mas pouco abundantes de pescado.

Descrip.'eo topografica.

Do penedo das fontes, rosto ao Nornordeste, es-
tendem-se pelo sertio dentro mui apraziveis'terras
assentadas em fresquissima varzea cheia de feno, e
vo fenecer em um espaoso valle cortado.,.po(r'uia
.~-o ..1. r e-i r . .... a lli -i ~. .. ... ~: ..


--- 1 --
I - - .-







80


Marfim grosso a arroba 368000
Dito meio, dita 2.7000U
Dito miudo, dita 240O000
Dito cra, dita 1940.00
Manilha de cobre, a corja .1200
Oleo de recino, a garrafa 5600
Prezunto, a libra 400
paios, dita 4 400
Pratos azues, a duzia 1-800
Pimenta redonda, a libra '100
Po d'oito onas, a .'025
Sabo, a libra / 15 0.
Toucinho. do reino, a libra 100
Tapioea, a arroba' 1pl800
Vinho into, a garrafa '5300
Dito branco, dita ,f400
Dito da companhia do porto, dita g9900
Dito de colares, dita .'600
Dito d faial, branco, dita x900
Zuarte de carregao de 30 mos a pea 14'300
Dito de carvi de 32 ditas, dita 2'000


Moedas d'Ouro


Onas indistintamente
Peas Portuguezas


SMoedas de Prata


,Pezos columnarios
Patacas Mexicanius

Em quanto u;s ou.tras moedas, no


14p'00O
.400.


1i050
4950

houve alterao


alguma. Administrao do Concelho de Moambique,
1., de.Setembro de 1854. = O Administrador do Con-
celho, Agusto Estanislav, Xavier Soares.





H, HOSPITAL MILITARY.

Movimento dos doentes, de 14 a 21 do carrert..




-
DOENTES. 5 | ."


Existian 12 3 3 18
Entrraam 7 3 2 12
Sommna 19 6 5 30

Sairam curados 3 2 1 6

Falleceram N
Ficam existindo 16 1 4 24

IIospital Militar de Moambique, 21 de Setembro
de 1854. = D. Jacques Nicolau de Sqlis, Phisico AMr.


--- -L- gg^auaMLL-- ----- -
MAPPA MORTUARIO DO MEZ D'AGOSTO DE 1854.
S NoMas Filliacoes Naturalidades Annosd'idade Estado Religils
Guichande Any, Any Dama, Dio 34 annos Cazado Gentia
Manoel, Joo Ferreira, Moambique 5 dias Menor Christ
SAmad Zambur, Zambur, Mimbaca 35 annos Cazado Mahometana
SJoaquim Palma, Ignora-se Li-boa Ignora-se Ignora-se, Christi
Anselmo Joze do Nascimento, Manoel do Nacimes.to, Moambiqne 58 annos Viuvo
Joo Pinto, Antonio Pinto, Paradilha 6 1 Solteiro ,
SSalamanigi Abuducarimo, Abuducarimo, Damo 25 Cazado Mahometana
Antonio Rodrigues Lopes Nunes, Ignora-se Sofslla 8 Ignora-se Christi
Yem.o Abila, Atumane Buis Amad, Mloambique 6 mezes Menor Mahometana
N. B. O 5. individuo mencionado n'este mappa, ra 2. Tenente HLonorario de Marinha.-Administrao do Concelho de Moambi.
que, 9 de Setembro de 1854.= O Administrador do Concelho AUGu-rTO ESTANISL XAVIER SOARES.


aonde se confundem suas agogs com as salgadas do
mar. Este rio o de Lopo Infante, que a 6 legoas de
distancia d'este lugar se passa a vau em mar vazia.
Vadeado este rio o terreno coberto de cerrado
bosque, e vai prender com uma aprazivel campina,
acompanhada d'uma, eoutra part d'outeiros cober-
tos d'arvoredo, a qual vai parar em hum alto mon-
te todo elle redondo, e to empinado que mal se po-
de trepar.
SSeguem-se varzeas chas de feno mui viosas, e re-
talhadas de ribeiras, que todas se ajuntam formando
bhinia espaosa alagoa cercada .de cerradissimo arvo-
redo.

Produces naturaes; usos, e costumes
d'estes. Cafres.

Todo este lugar de mui boa terra lavradia, com
irandes sementeiras de milho, muito bons pastos, e
.iuUit boas agoas: . povoado, d'adeus,. pedizes, mn-


dornizes, pombas, garas, pardaes, corvos, milhafres,
e outras aves de rapina: riquissimo em vaccas, e car-
neiros da casta d'Ormuiz; que excedem as outras no
sabor, e na grandeza. Por aqui os usos, e costumes
so os mesmos do Ancosse antecedente; resgata-se por
ferro, e cobre, e continue a mesma abundancia de ga-
dos, e mantimentos.

( Continua.)


rMOA1BJQUE :- Nx 1 tPIEpNs NAI1OJAI.







ANNO-1854.


Este Boletim sair todas 8s saibadse, e astiea-.s pa-
{ ra elle *na $Serteorta de Governe Geral.


NUMERO 21.


J#geiutzra por Irimnest,............. .O
S .is ........................ 50
.......... i.i.................. O


BOLETIM

DO GOVERNOR DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.


sABAIIO SO IE IETE1B3BRO.


IhIIE OUUlUIAL8


GOVERNOR GERAL.
-'- --


N. 123=--O Governador Geral da Provincia de
Moambique, determine o seguinte:

l vrwMo cessado parte dos motivos, que obrigaram
f1 stc Governo em Conselho, ouvida a Junta da Fa-
z nda, e o D)irector d'Al]'andega d'csta Capital, a. so-
bre-estar provisoriamente a execuo do Decreto de 17
d'Outubro de 1853, sendo por conseguinte de reco-
nhecida vantagem, para o desenvolvimento d'esta Pro-
vincia, que os portos subalternos sejam abertos ao com-
mercio, tanto national, como estrangeiro, nos terms,
que declare o citado Decreto. Hei por convenient,
que desde a publicao d'esta tenha pleno vigor. em
toda esta Provincia o supradito Decreto de 17 d'Ou-
tubro de 1833, com as modificaes porem que se
acham consignadas nos Regulamentos que em virtude


Contnuafio da Memnoria Estatistica.

Os Cafres d'este district por singularidade soome-
a.ls ciosos. Para significarem o gosto com que agasa.
lhanm os hospedes, mandam vir ante elles suas mulhe-
res, e filhas, e bailam todas juntas tangendo as pal-
mas, e cantando com requebros, e admanes: no er-
am tponto, e em chegando a certo logar da dana levan-
ta-se um grande numero de negros (que assentados es.
to esperando vez)encorporan-se na dana, e bailam
todos. Pagam-se muito de que os espectadores lhes
brindem mulher, e filhas com quinquilherias, que el-
les prezam: mostram-se agradecidos, retribuindo com
o retorno de vaccas, e carneiros;' mas este bom aga-.
zalho no feito com animo singello, seno por des-
simolada cobia, no perdoando a enganos, e fingi-
mentos para aos colherem s mos quando desaper-
cebidoh.


das Portarias de 8 de Julho ultimo e 5 do corrente,
foram publicados. As Aucthoridades a quem o conhe-
cimento d'esta pertencer, assim o tenham entendido
e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provncia
de Moambique, 19 de Setembro de 1854. = Vas-
co Guedes de Carvalho e Meneses.



N. 123 A.=O Governador Geral da Provincia
de Moambique, determine o seguinte:

CONFORMANDO-ME com a Proposta do Escrivlo De-
4 pulado da Junta da Fazenda d'esta Provincia para
pr a cargo da mesma Junta, e suas Delegaes. nos
ports subalternos, a gerencia dos correios, pelos in-
convenientes, e prejuizos, que tem resultado da actual
administrao: lcei por convenient, que desde a pu-
blicao d'esta se observe o Regulamento, que baixa
com esta, e que faz parole da nmesma, assignado pelo
Secretario d'este Governo, As Aucthoridades a.quem
o conhecimento d'esta pertencer, assim o tenham en-
tendido e cumpram. Palacio doGoverno Geral da Pro-
vincia de Moambique, -0 de Setembro de 1854.=
Vasco Guedcs de arvaIh:; e Menezes.


Continuaao topogrtjfia.

D'aqui cm diante segue o caminho mal trilhado, e
pedregozo nas terras d'outro Ancosse as quaes wst
as menos vistas, e tratadas pelos Portuguezes por en;
trarem muito pelo serto dentro; sem se saber a que
pate vo dirigilas. D'este ponto mudando o rumo
ao Nordeste pelas terras do mesmo Ancosse lia gran-
de povoado, junto do qual vai correndo o rio dos
Bons-signaes, hindo j mui grosso, e arrEbatado mas
ainda vadeavel.
Alem do rio lia minialas aidas ao long d'elle, co-
bertas as terras de copiosos rebanhos at parar n'l-
da em que estanca o Ancosse. Este Aucosse de
maior qualidade que todos os outros: o que mostra
em sua pessoa, e trato andando sempre com maior
acompanhamento de Cafres, e trazetdo diante de si
mais luzida,- e numerosa manada de vaccas. A aldea
em que reside b,'rda d'uma formosa ribeira as-
sombrada de parrado arvoredo; a qual se espraia


-- -j -- -- - I- ---. ~Y----- i-~ir













PARA O CORREIO GERAL

D A P R O V I N GI A D E1 -.

MOAMBIQUE. .

Art. Ji. -.-A ..administrao geral do Cor.ei., da.
Provincia de'Moambique anil.iri hojoje ara-o fuctu-
re-a cargo da Junta de Fazenda ---.- .....
Art. 2. Sero Correios assistentes nos Portos su-
balternos os Thesoureiros Almoxarifes-ds' DcIlcgar s
da mesma Junta .......
Art. 3. -No Edificio'dJurita de Fazelda, (na
nsa do antigo correio) se;recebero eigualmente se-
ro entregues todaas s cartas tanto nacionaescomo es-
trangeiras.
Art. 4.1- oodos osoCapites ou--Mestres de na.vios
iacionaesc .e st;angeiros que entrarem rios.Portos d'
esta Provincia dever.o entregar, ao Guiarila-nmr ou
quem suas vezes fizer, as malls, e todas as cartas que
trouxerem sem excepo- alguma, na conformidade do
que determine o art. 6." do regulamento dos portos
l'esta. PrdYincia, .
Art. 5..--.Os; Comrandantes, C. -.iies ,ou .Mestr:es
de embarcaes ou outras quaesquer pessoas que sone-
-garte.m. cqrts,;.e todas: aquellas.-pessoas- q.ue. form en-
ontr.adas,..fazendo entrega, d'ellas pan:,io a multa im-
.posta, no;,ar. ..6.o, do regulamento dos portos,,e a esta
'-nmlt i quxItdo,,de prompt a no. satisfao sero obri-
,.ga.ds pelo,jLieios judiciarios ,que para. takes ,asos ou
o.utros,;aplog9s. as: leis tiverem estabelecido..
.Art. 6. -As, cartas mencionidas, no art. 4.s sero
.rpmettidas para.a, respective. ad.ministrao dQg qrr.io,
,acompanhadas d'inma gia, assignada pelo-Gua~a-mr,
-ou quem.rsuas vzes fizer,, que, for.fazer a.yisita,.a qual
-deve.declararse. .malla, o numero.dlas. cartas. se vie-
rem+ .olasn nome da embarcao,.e. port d'onde. vier.
Art. .7 ,-A-, regulao. dos portes das.carta.sser;
considerada da manteira. seguipte:
3- ilI '- II II III

por boa terra de formosos campos; e abundosos pas-
t.os;, e.nco paiiada eori o:ut ras, duas que,a ella se ajun.-
t mn vai. vazar-se no ni tcionado rio.
D!este 'poItoeemn diate. a, terra desert, .escabrosa,
:e. apaulada, em qu.e.wno ha sombras, -nem plants,
..-em.geutc::e .toda'umt-brejo inhiabi.avel. Obra de 24
Slegoas. tudo, agreste, e despovoado. at chegara uni
largo rio q.ue se..passa, com. agoa pelos joelhos : e'to-
i;do..o.terr to enm redor ibrota umas raizes semelhan-
tes s que no Douro, e no Minho chamamnos nozelhas,
mais.doces,.e 'do feitio de .pequepas nabias. No nie
foi possivel descebriry o.:nonme d'este rio.
Transpostoaelie,.-e segbrlo ,no mesio. rumo o ter-
Sreno. sombreado, d'espesso arvoredo, emparelhado
com pina ,ribeira .cujas .margens., prudurzem esponta:
neamente umas.iaizes quep.areceP1 cinouras, nas fo:
Slhas,.e. nosabor ;,e,a fruta,na fleio, e gosta. assem:
.-ha-se: aos,.nossos damascos... .
.., N'csta parag.em ,as; noianhas o,.sao tquain~ccessi.
S eAi, o transpostas que 'sejam com o socorro de ps


Carlis nacionaes qucm do Cabo da Rda Esperana,
Fartas estrange Was quem do Cabo>dli Ba Es.pgrana
Carts nacionaes alemi do- CaiW-tfi-a'a -Esperanta
.Crtas estrangeiras alem do Cabo da Boa Esperana.
Art. 8.0- A Carta singela que ficar entendendo--
e toditaquela que. escripta em uma flha de papel
dc peso e que no exceda a 2 oitavas, send (i'um
*p.ri outro:yonto da Provincia, ter a taxa de 25 r,
ri sl'n.ri conduzida entreas nossas possesses d'Asia te-
r. o porte de 80 r. As cartas aipgglas vindlis de Bom-
baim ou outros portos quem do Cabo 'f: Bda Espe-
rana pagaro-a taxa de 60 r.. alem. do pgrte que de-
verem pagar no correio de Bombaim pelo qual sro res-
ponsaveis as pessoas a quem suo dirigidas embera as
nio q:ueiram. receber.
Art. 9.o--Sendo as cartas dobradas ser7~o estabi
lecidas as seguintes classes e termosde peso par a rc-
gulaio das taxas, isto quer sejam nacionaes quer es-
trangeiras e provinientes dos portos que vio refferidos
no artigo peceedente. ---
1." Classe de mais de 2 at 4 oit. accrescer metade
da taxa.
2.a ditaIe mais de 4 at 6 t.o 'dobro da taxa.
3." dita de mais de 6 oit. at 1 on:oilbhre mais'
metade da taxa.
Art. 10. -Todas as vezes que as cartas ou 'nluor
de papeis excederem d'uma ona se augmenta; taexa,
20 r. por cada outava que exceder.
.Art. .11..- As carkns t;e vi:remt remici!iias pclos
correios do reino ,lagarao .as.'(as. que trouxerem dc-
signadas e sque se riebeihrm avilsanmnte se llh im-
por a taxa seguinte que taioben.sei imposta s que
se remetterem aos ditos correios.
.At. 3 oit. exclusivamernte .-.. ....40 r.
5 . . . . . . . . . 80 .
t , ...................... .... 120r.
E assim por diante, subindo 40 r. em cada duas oi-
tavas.
'Art. 12.o-Todos, os Periodicos, de qualqur claw-
se.o u.natureza que sejam, fechados com cintcs, pas-
ro por fo1lh d'impressro 10.r.
Art. 13. Os impressos, litho~raphias, ou gravu-


ou mios, nilo se y p)tr, toda a parte seno estendi.
(as, e iritlraaveis serras, brenhas temerosas, valleys pro-
fundissimnios passes perigosos, e tamanhos precipicios;
que .-fzem pasmar, e, perder.o .annio. s pessoas mai4
destemidas.
Toda esta serrania para a part do Sul vai perder-
'se pelo sertao dentro, sem que por alli haja novas
ne1i vestigios de, povoado, e ao Norte acaba em vai-
ls bem grangeados,. mui artos de gado, e de semen-
teiras. Atravessa estes-valles. uia grande ribeira; e
mistei: apalpa-la caminhandod praia acima a. se lhe
achar .au, o qual muda pela incerteza do. leito," fu
ria da corrente: e como se acerte com elie passa-se
para.a outra banda dando.a agoa pelo joelho.
Couza de 12 legoas d'esta ihbeira comeca a haver
poyoaes.. terra ch, coberta de arvores grande
com um fruto amarelo dq lta ranho d'amexas, algum
tanto ~i..do no gosto..Estio. estas arvores de maneira
carregadas, que por mais que e colha do fruti parece
que se nio colhr.a n rnhum. A cste ar'vrode c~ uenro


..-i ----~--~--~mTI ~ ~-m I~,,-,~is~r~~-Y~3P~PIYIS~~


~ -;' ~
C- C ; 1 i.
r~c Ir


`I
ri ',


A
ssfi
* '!S







05_


ras de qualquer natureza, ou em flhas avulsas, ou em
brochuras pagaro
at 1 on.. . . . . . .. . ... .. 20 r.
de 1 a 2 on .... ................... 40 r.
de 2 a 3 on... ...... . . ... .. ...60 r.
*e.assim por diante, subindo 20 r. por cada ona.
Art. 14.-" Quaesquer manus-criptos remettidos
em cintos, de modo que se possa verificar que no con-
tem correspondercias ou noticias, ou qualquer commu-
Ricao propria de carta, pagaro
at 1 on............. .. .........40 .r.
de a 2one. ...... ......... ...... 80 .r
de 2 a 3 on .......... . . .... ..120 r.
e assim por diante, subindo 40 r.. por cadaiona.
Art. 15. -As cartas que vierem de Paizes estran-
geiros alem do Cabo de Ba Esperana pagaro dobra-
das taxas'd'uquellas que ficam designadas para as que
vierem dos correios do reino.
Art. 16.0 As remessas dos processes para os Tri-
-bunaes, Relaes dos distrietos ou d'uns para outros
Juizos aonde houver comnumnicaao por correios sr
Wraticada por estes. Aquelfas pessoas que contravierem
este artigo ser imposta a pena do tresdbro da taxa
correspondent ao process sendo a multa cobrada pe-
la mesma frma que vai declarada no art. 5..
Art. 17. As cartas para paizes estrangeiros que,
se remetterem pelos correios da Provincia para qual-;
qner correipodo reino ou d'outros pontos .!>ortuguezes
afim de terem a convenience direco. pagaro no cor-
reio que fizgr a remessa metade das taxas determina-
das no ar. 14.0'. *
Art. 18.-Smente as cartas e papeis dirigidos
pelas aucthoridades constituidas, e que tenham por ob-
jecto.d Servio N. .e R..sero isentas das taxas, pa-
. -cartas .epapeis. assignados pe pes pessoas da auclhorida-
de public que os dirigirem ou pelos seus Secredarios
e Escrives ; mas quando no forem d'aquella natureza
e houver parte requerente e interessada, sero postos
nos sobre-escriptos ns.palavras seguintes = para inte-
resse parlicular=afim de se haverem n'este caso as
competentes taxas.


:e campos abundosos d'altis.imo feno, e,semeado de
diversas auvores todas llas altas, corpolentas, e frondo-
sas, co'm os troncos' lavados por uma ribeira que vai
cortando por entire elles; a qual niio longe d'estes cam-
pos que s' pode" tiaiaspor, d'ando a agoa pela couxa.
A'quein d('esta ribeira a terra muito mais fertil,
i-giro -:sa, e muito mais povoada.-Os naturaes do paiz
clianiam a este sitio Ospidainhama, e em seus.mattos
ha -muits cheirosos cravos rajados vermelhlos seme-
*iha n tes aos-de Portugal, seno nos ps que os tem
t" tes mai longos. Os Cafres so aqui nui conversa-
veis, e chiiarreiros: festejam os broncos -bala'ndo,
cantando, e tangendo anafins: so quasi todos futos,
bem dispostos, e 'bem ageitados.: o trage e. os cost-ur
times sao os-mesmos que os dos outros;. except ie
no cumprimentarem os hospedes pondo-lhes. a- ma9p
na barba-como elles usam. Vivem sobre si, governi-
dos por uni maioral que- elegem pela rebustez, e sQ-
perioridade em ,for:a. e cd'elle se desfazem quandlo'
hPes apra;.


Art. 19i-Em todas as cartas e mais papers que
deverem taxa aos correios ser inscripta em caracteres
beni figiveis aquep1 que os msmos deverem.
Art. 20. -As mallas sero acompanhadas d'unma
guia modello n. 2, esta guia ro corteio aonde as cartas
forem recebidas ficar' servindo de document de recei-
ta ao Livro modello n.' 1. Ulma idertica. guia ficar no
correio d'orde a malla sahir em cuja.guia a pessoa que
receber a malta dever assignar recibo para ser o do-
cumento de despesa das caitas que tendo dado entrada
n' aquele correi:o em mallas recebidas, form para pes-
soas residents fto district para onde a mal!a vai re-
mettida. O citado modello n1 2 apresenta desemtol-
vidas todas estas hypothesis,
Art. 21.- -a-As cartas de dentro da Provncia quo
ssendo iRdlicad$s nas istas dos respectivos correios, por
espao d'onm smez n forem tiradas nem se desclpbrirem
pessoas a quem pertencerem apezar de se terem fro':
para isso as precisas diligenciaes se reputaram perdi-
das, e se Jhe abriro assentos em um livro, e passaa4s
2 annos seim que tenham sido procuiadas serlo quei-
madas, (sem que sejam abertas) na. prcsenr. d1, omi-
petente aucthoridade do corteio, e de 2 testemunhas,
iazendo-se d'isso ima termo mndello 1n." 3.
Art. .2.0 -No podendo estabhecer-se um praso
regular parg se reputarem perdidas as cartas vindas
de fora dad i Provincia, se guardar a este respeito umi
prudent arbitrio; e 4 annos depois d'entrarem na
dita classes de perdidas sero queimadas com a mes-
ma solemnidade ue fi:'i prescripta no artigo antece-
dente, para as cartas de dentro da Provinc.ia.
Art. 2 ..~- ? cAitas recebidas em mallas, e aquel-
las entregue, avulsamente sero. publicadas em ui'ma
list por ordem alpi* etica e por numerao seguii-
da, pondo-se n> carta o mesmo numero da' list afim
de que os interessados possam logo conhecer se tem
ou'- no cartas no correio, acortecendo .que quilquier
individuo tenha mais d'uma carta, 'todas as cartas
que elle tiver -sei'aio descriptfis debaixo do tnesmro
numero, para seno repetir tantas vezes o nome quan-
tas as cartas.
Art. 24."- Os correios assistentes ficam para es-


Passado este sitio da Ospidainhama sobe-se uma
montanha, cujo pico vai s' nuvens; no mais alto d'
elle est uma povoaugio, e correndo-se muito riico na
descida, d-se enm um campo 'que terminal em niua
grande ribeira, populosa em cavallos marinhos. Esta
ribeira a.mesma que se passa.,nas primeirt'as.terras
que ficam no rumo do Norte, e que .as veiii ir4)lando
com muitas voltas at quelh logar. Aqui principiinam
serras ingremes, e: iitratareis, e Tora'voltar a di-
reco a Leste torneando uma d'ellas que os negros
chamam Moxargaila. .
Toda esta-setra 4 mui viosa e fresca, to copiosa
d"agoas, que ao long dl'1Ia correm. 23 ribeiras, e al-
guinas mui cheias e candailoas, principahnente uima
qnft-hirido ao Nordeste at ao fi4n da serra entra ar-
iojada, -com uma plebe de riaclos, no rio.do lafan-
l, que com muita furi. vai correndo .aqui por um
:grindebosque.
:Da mesa banda de Leste venm'outra serra ajun.
*tie rie1 Com :es-t de M1nxailga+lla ..ei-ntre .amba J hm wa-.


- --. -~-- ----~i- .-Yi -- iii~ -C










te ramo de servio public immediatamente subordi-
nados administrao geral d correio, e cumpririo
field e exactamente tudo quanto por esta lhes for de-
terminado.
Art. 25.' -Para que no oramento geral da Pro-
vincia possa figurar precisamente o rendimento do
correio, de 3 em 3 mezes os correios assistentes re-
mettero administraio geral do correio um mappa
moddllo n.0 4 da correspoudente receita e despesa, e
em presena d'esses mappas; o encarregado do correio
geral, formar um outro, contend a receita e despe-
sa geral, que enviar Contadoria Geral da Junta
da Fazenda.
Art. 26.-A administrao geral e aos correios
asistenxtes serio abonados, como remunerano do cor-
respondente trabalho e para despezas do expediente
respective 25 por 100 dos rendrimentos que cada um
arrecadar, procedentes d'esta Ionte dereceita public.
Art. 27.'- permittido a qualquer pessoa fran-
quear as suas correspondencias para o reino, on pa-
ra qualquer ponto d"esta Provincia, ou mesmo para
qualquer paiz estrangeiro, pagando n'administrao
geral, o porte, na nformidade que determinam os
differences artigos d'este regulamento.
. unico. Os donos das correspondencias que fo-
rem para o reino ou outro qualquer paiz estrangei-
ro, ou vice-versa por via de Bombaim sio responsa-
veis pela despesa que o agent Portuguez d'aqnella
Cidade fizer por a remessa das mesmas correspon-
dencias para o seu destino.
Art. 28. Nenhuma pessoa, seja particular, seja
funecionario public de qualquer classes, graduao,
ou jerarchia, ser isenta de piar os portes da cor-
"respondencia que lhe for dirig oa.

Secretaria do Governo Geral da Provincia de Mlo-
ambique, 20 de Setembro de 1854.= O Secretario
Geral, Anuonio JoAe Pereira de MagalSthes.


valle que dirige ao Nordeste, com estrada seguida
at outra serra toda escalvada, c pedregosa. Vai esta
prender com largas campinas abundantes de pastos,
at parar em uma ribeira que d'alcantilados roche-
dos se despenha em estroiadosas catadapas, espraian-
do-se em tanta copia d'agoas que se atravessam ain-
da muito grossas.
Aqui de maneira comea d'estreitar a terra, que
fica em uma comprida lingoa estendida por entire
montes altissimos, cobertos de grandes e verdes ar-
voredos, e vai cortada por esta mesma ribeira em
tantas voltas, que no espao de 6 legoas se atravessa
por 5 vezes. Seguem-se descampados por terreno de-
sigual, racho, ra alevantados em outeiros e mon-
tes, que apegados uns nos outros declinam para bos-
que.s, to altos, e espessos, e fechados por cima, que
dentro d'elles o dia.se. no :destingue da noute; e
no lhes entra nem vento, nem chuva, como em ca-
zas abrigadas. Esta paragem que nas extremes da
terra do Natal,, nz'al.ura de 290 53, 6 o sitio dos


1- ri i ii- i


HOSPITAL MILITAU.
Movimento do doentes, de 21 a 28 do corrente.





1 1
IDOEVTES. " 1
S 4 4

Exisiamin 16 4 4 24s
Enllraram 14 3 4 i 't
snm1na 30o 7 8 45
Sairam curados 8 3 13
Falleceram m
Ficam existindo %S 4 6 35

lHospital Militar de Mocambique, 28 de Setembr
de 1854. D.' J.cques N'icolau de Sdlis, Phisieo Mdr.




-- -- --- 1l--



ANNUNCIO.


Na Tipographa d'este Boletim se acham a vendi.
o Regulamento Geral das Alfndegas d'esta Provia.
cia por 200 r., e o Regulamento dos Pouros da nme.
na por IOQ r.


maiores frios, e das mais rijas, e aturadas tempestadas

CAPITULO IV.

DescripCo da Terra dos Fumo#,

~on a terra do Natal, pega a outra chamada dos Fu-
Umos, e entrando por ella continue o caminho pelo
interior do serto no mesmo rumo de Leste por en-
costas que vo dar em terra ch, e com a qual pega
uma cordilheira d'outeiros, que encorporados for-
inani uma alta montanha, que se vai distribuindo em
outros muitos outeiros, e montes todos ellesingremes,
e pedregosos; e para o Norte, e Nordeste ficam gran-
des, e altas serras cobertas de neve que vo pegar
com as montanhas de Lupata.
(Continua.)

MoAl iQusE :-NA IMPRENSA NAcIoNAL.


- -- 1- I -------~







,ik N N 0 18~4



SLlt RolclUmi so lodos os sti.i)bldJl, e y-o-
:,-ea '.ys tt:] i,7 (10 do C

NUMERO 22.


s rsiy.air, r. r cri.e.i alre .................... .00
Poi si:nirrse ..............................1500
Fiol, ac rr s ................................ 80


130 GOVER.NO DA 1>IOVINICIA DEf MOAMBIQIQE.


SABADO1 WOUTLBUMI.


Decretos transmittidos pelo Minis'erio
da Marinha e Ultramar.

Ciopia. queAtternd n ao ao que Me representou Fran-
cisco Antowio Rangel, e- informao, que a seu res-
peito deu :(Gbovernador Geral interino da Provincia de
Moambique em Offiio numero t22 de. 19 de No-
vembro de 1tP,2 : Hei por bem, em Nome d'EiRei,
Confirma-lo no Posto de Capito Mr das Terras Fir-
mes do Districto do Inhambane, para que havia sido
nomeado por Portaria do referido Governador Geral
de 4 d'Agosto do dito anno, com o qual gozar de to-
das as honras, privilegios, e isenes, qup~.para o mes-
ino Posto' se acham estabelecidas, e schi que por isso
perceba vencimento algum da Fazenda Publica. O Vis-
'onde d'Athoguia, P -r do Reino, Ministro e Secreta-
rio d'Estado dos Negocios Estrangeiros, e dos da
airi"itha e Ultramar, assim o tenha entendido e faa


executar. Pao das Necessidades 4 de Janeiro dc
1854. RlE ., in::, Visconde d'Athogtia.=
Esta conifoir'm', onfwio Pedro de Ctrvalnw.



Copia. =-aAtcrrdndo aoque Me representou Iluar-
te Aurelio de Mene.es, e i inrormaao dada a seu res-
peito pelo Governanror Geral interino da Provincia de
Moiambique em Oflicio numero 157 de 6 de Maio
do anno proximo passado Hei por bem em Nome d'
EIRei, Fazer Merc' no dito Duarte Aurelio de Mcne-.
zes, da serventii vitaliria do Emprego de Escrivo dir
Camera Mruniciial da Cidade de Moambique p;ara; qn
fora nomeado pela inesina Camara ; ficando obrigado a
tirar Carta ptha respectiva Secret-rira d'Est'aco, com
previo pagamienlo dos D)ireitos que ever. O Visconde
d'Ahloguia, Pr do Reino, Ministro e Secretario d'
Estado dos Negocios Estrangeiros, e dos da Marinha
e Ultrmarni1, o 1ten!a assim entendido e faa executar.
Paco em 11 de Janeiro de 185-.4. REI REGENTE. -
Visonide d'Athoguia.=-= Est conforme, Antonio Pe-
dro de C'a;rafi.J


Continuacio da iemria Esltatistica.


N'este sitio pega o caminho a Les-nordeste por
montanil;a3 cobertas de to grosso, e alto feno que
dao grandissimno trabalho para se transporem, em cu-
jfas iallas vai correndo do Norte ao Sul o rio de San-
ta Luzia, o maior, e mais caudaloso dos -que at alli
se eucontram. Este rio em nenhuma part d vau se-
no em uma ilhota, no ponto em que repartido em
2 bracow, leva a agoa mais espalhada, e corre com
menos faria. Assim mesmo passo perigoso quando
se no sig: o trilho do gado montez na mesa occa-
siao em que elle o vai atravessando.
As margens d'este rio so aqui povoadas de gran-
des arvores, muitas macieiras d'anafega, e grande
abundancia de mut.ihlios; mas totalmente despovoa-
das de todas as species d'animacs.
Com a terra do Natal acaba o dominion dlos .i.uco'-


ses, e na dos Fumos principia o dos Reis, ou Regu-
los, em todas as terras que descorrem 10 ino mesio ru-
mo de Les-nordest,'.
Quanto fica a Leste, e ao Nordeste pelo serto den-
tro, sao altos, e asperos roclhedos, valics profiu Lissi,
mios cohertos d'espiiioso miatto; e se alguema es-
garra por entire ellcs vai cair nas niios de Cafres sal-
teadores que por aili vi-ven de nmotear, f roubar;
e se acerta de no ser apanhado ter d'andar pelo
menos 90 leg.aas por descampados sem agoa, nem
alimento, neiui abrigo at endireitar outra vez- com
o caminio a Le'siir!l(.deste.
Continuando este rumo scguem-se terras de nmuito
arvoredo, mnii.a agoa, e boa lavoura: produzem mui.
to milho; e uma semente, d.a cor, e tamanho do pain-
o, a qual rediizmn os tnaturaes a farinha eim piles
de pau, e d'clla lizemi bolos, e umas papas a que
chamam murranma; di.o varias species de feijes, e
um legume chamado jugo, que do tamanho de fa-.
va' rpi1.:'ias; mim sefmncnat feicio d'alpiste, a


GOVERNO GE MAL*Egh


~-----~ -- ----
--~ I-


PA l 0 F j 1X L







. .. 86 ,
.m i i--i * .i** n l1 1 1 * - -- - - -1^ i l T - *


Copia. Attcndendo ao que Me representou Fran-
cisco Ferreira de Mello Portugal da Graa, e s inlr-
ma3es que Me foram presents a seu respeito em Of-
ficio do Governador Geral interino da Provincia de Mo-
ambique de 6 de Maio do anno proximo passado, nu-
mero 160: Hei por bem, em Nome d'E[Rei, Nomear
o referido Francisco ELrreira de:Meilo Portugal da
Graa, para o lugar d'Official da Secretaria do Gover-
no Geral da dita Provincia, que interinamente se aclh>
exercendo por nomeao do mesmo Governador Geral
de 5 d'Abril do dito anno; ficando obrigado a tirar
Carta pela respective Secretaria.d'Estado com previo
pagamento dos Direitos de MercA. O Visconde d'Atho-
guia, Pr do Reino, Ministro e Secretario d'Estado
nos Negocios Estrangeiros, e dos da Marinha e Ul-
tramar, o tenha assim entendido e faa executar. Pa-
o em 11 de Janeiro d(e 185~i. REI REGENTE.
Yiscende d'Athoguia.= Est conforme, Anto.o Pe-
dro de Car'valho.





sc** e-SP I P Ea. & E.3s.

N." 128= O Governador Geral d Provincia de
Moambique, determine o seguinte:

ATTENDENDO, ao que me representou o Brigadeiro
Reformado Candido da Costa Soares, pedindo ser
exonerado do logar de Capito Mr das Terras Fir-


mes, por no lhe convir continuar no exercicio d'aqucl-
le- cago, pelos inconvenientes, que apresenta: Hei
por convenient exonerar o dito Brigadeiro Reforma-
.do Candido da-Costa Soares, do referido logar de
Capito Mr das Terras Firmes. As Aucthoridades a
quem o conhecimento d'esta pertecer, assim o te-
nham entendido e cumpram. Palacio do Governo Ge-
ral: da Provincia de Moambique, 2 d'Qutubro de
184..= Vasco Guedes de Carvalho e Menez:s.



N." 129= O Governador Geral da Provincia de
Moambique, determine o seguinte:

H AVENDO por Portaria d'esta data sido exonerado
1 o Brigadeiro Reformado Candido da Costa Soa-
res, do logar de Capito M6r das Terras Firmes por
assim o ter requerido, e tendo em considerao o me-
recimento, e mais circunstancias, que concorrem na
pessoa do Major Graduado, Marcos Aurelio Rodrigues
de Cardinas para bem desempenhar o dito logar: Hei
por convenient nomear o dito Major Graduado, Mar-
cos Aurelio Rodrigues de Cardinas, Capito I6r das
Terras Firmes, ao qual o mencionado Brigadeiro da-
r posse com as formalidades do estillo, e far entre-
ga de todos os papeis, e mais objects do respective
servio. 'As Aucthoridades a quem o conhecimento
d'esta pertencer, assim o tenham entendido e cum-
pram. Palacio do Governo Geral da Provincia de Mo-
ambique, 2 d'Outubro de' 1854. = Vasco Guedes
de Carvalho e Menezes.


MAPPA MORTUARIO DO MEZ DE SETEMBRO DE 1854.
IoM2nZ Filliaoea Naturalidades 'Annos d'idade Estado Religio
Xavnir, Ilnora-se Iznora-se Ignora-se Ignora-se Jgnora-;e
Manoel Ferreira de Jezus, Minoel Ferreira de Jezss, Madeira 46 C* Caza C bristS
Manoel Baptista, Joo Baptista, Ilhas de Cabo Delgado 25 Solteiro Idem
N. B. O 1.0 era Calafate, escravo de Lalchande Calalchande, os dous segundos ram militares, o I.* da Companhia de VetPranoS
n.* 185, e o 2.0 do Batalhio d'Infanteria, 3.a Companhia n. 55. Administra l do Concelho de Moambique, 5 d'Outubro de 1854.=
) Administrador do Concelho, Acdr-To ESTANISILA XAVIER SOARES.
_..... ]]-- ] ] ]] I ..


que chamam nequinim. Abundam em vaccas, cabritos,
carneiros, e aves silvestres, e domesticas de differen-
tes castas.
Estes Cafres desconformam dos outros na lingoa, no
trag, e em algumas outras cousas. Os mancebos no-
bre stem esteiras de tabua em quanto no trazem
armas, nem se ajuntam coin mulheres, dos quaes exer-
cicios no uzam seno de 22 annos por diante. So
todos bem dispostos, mais azevichados que os antece-
dentes, niais verdadeiros, mais trataveis, e no andam
como elles, acompanhados de ces. Jogam asagaias na
guerra: os seus Regulos so precedidos sempre de mais
de 50 Cafres que os acompanham em todos os luga-
res, e lhes servem de guard d'honra. Usam-se aqui
os mesmos generous de resgate, e semelham-se no mais
ao cnmmum dos Cafres.
So ests terras das mais ferteis, e abundantes de
today a Cafraria, a que os Portuguezes perdidos na Nau
Santo Alberto noanno de 1593 pozeram nome do val-
le da misericordia pela grande que com elles houve-


ra a Divina Providencia levando-os quelle sitio.
Acabam eslas terras alem d'um grande monte, cami-
nho do Norte, em um valle de quai uma legoa co-
berto d'arvoredo com uma fruta mui amargosa da
feico d'alfarrobas, de que come os naturaes como
medicine para as enfermidades do venture. N'este val-
le corre uma ribeira a mais formosa, e fresca de to-
das aquellas paragens; a qual vem descend d'Ocstl
a Leste por um valle mettido entire altos rochedos.
cobertos de grande, e copadas arvores de diversas
cres. A esta ribeira por sua frescura, e belleza os Poi'-
tuguezes lhe pozram nome das flores formosas. Os
negros chamam-lhe Mutangala; e a primeira em que
apparecem abelhas, que do muito mel, e d'exqui'ito
sabor. As margens d'ella so pingues em gados, frutos,
e mantimentos: aqui ha de todos que se encontram
pelas terras antecedentes. Os naturaes so hospitalei-
ros; os maridos obrigam-se de que brindem suas mu-
lheres, no que mostram sincere vontade; as aldeas sio
muitas, bem povoadas," e dispersas por um ameno







87


C.tun1n e preros, rorrenztes do Me Jd e ilo-
canzbique no Mez d'AIgosto de 18541.


Azeite doce a garrafa
Dito de cco, a arroba
Dito de zerzeliim, dita
A'oa-ardente, o barril
Assucar americano, a arroba
Dito do norte, dita
Dil.o ordinario, dita
Azeitoras, a libra
Ag,,odiUo em rama, a arroba
Aihos, dita.
Arros fino limpo, a panja
Dito grosso, dita
Barcala de 20 mos. a pe s
Dita de 16 ditas, dita
Breu do reino, o barril
Dito do note, a arroba
Brande, a garrafl
Chourios do reino, a libr.
Cognac, a garraia
Caf em gro, a arroba
Chi superior, a libra
Dito ordinario, dita
Canella, dita
Chocolate, dita
Chita ingleza ordinaria, a pec
SCassa branch. de 12 jardas, dita
Castanha de caju, a panja
Cra bruta, a arroba
Dita em vetlas de ga, dita
Dita cm ditas da terra, a libra
Cominho, dita
SCardamomo, dita
Cravo da idia, dita
Caliimub. a arroba
Cordi do rio, o mass
,1) ce sortido da europa, a librr
'ito da terra, dita
)outim de carvi, a pea
Dogogim pintado, dita
Dorogogim pintado, dita


6300
2 '000.

22450o,
24000

2%S700
1.4800
'300
3X200

0,800
4600

~pso

146200
<400

1'000
Ipe200



30400
44600
504 00
250800
2;4200
~'g 00



12$800
p'00
~'100

'200

400
4,500
4.$ 500
;4240O
61w50
1.,0400
1p'000
130200


valle que se estende entire grades rochas, as quaes lhe
serve de muralha, circulando todo este recinto.
Rodea-se uma d'estas rochas com o rosto ao Sueste
para passar uma ribeira que corre ao long d'ella, e
torna-se a fazer frontaria ao Nordeste para achar' vere-
da que endireite com estrada seguida.
SD'aqui em diante comeam terras igualmente fer-
teis, e lavradias aonde ha bastantes povoaes, e de
tudo muito, vaccas, carneiros, pescado, frutas, legu-
mes, e quanto se ha mister para sustento da vida. Os
Cafres so aqui prasenteiros,, e folgases; armam-se
de asagaias, resgatam os mantimentos por cobre, Ter-
ro, contas, coral: vivem como todos os outros Cafres,
e s pessoas com quem negoceam fazem bom 'gasa-
Ihado.
Pegam estas terras com as doutro Regulo que vive
em uma aldea cercada d'algumas povoaes, e mui
respeitado entire os outros regulos, se, bem que mais
pobre, e menos poderoso que todos elles. Aqui os-dias
so ardentissimos, e as iioites frigiilissimas. A terra


Dente do cavallo marinho torto, a arroba 36,000
Dito de dito direito, dita 7o200
Farinha de po, a panja ,6'60O
Feijo encarnado, dita 4200
Getim de dio pintado, 14000O
Dito de pintor, 1,200
Gonguros a corja, dil'erents preos
Goma copal, superior a arroba de 2 a 5,000
Genebra, a botija 0600
Jagra, a libra $w100
Licor, a .garrafa 900
Lenos de carregao, a pea 145s0
Ditos finos de dio, dita -2,200.
Manteiga do reino, a libra 0o00
Dita da terra, dita 0i'00
Moringues grades do reino, a ,'900
Macarro, a libra, '300
Morim ordinario de 40 jardas, a pea 4'000
Milho fino, a panja ;200
Muxuere, dita '30M
Macaca, dita 4100
MIendoirn em casca, dita 200
Marfim grosso a arroba 39;600
Dito meio, dita 324'400
Dito miudo, dita 25p000
Dito. cra, dita 20000
Manilha de cobre, a corja 1' 000
Oleo de recino, a garrafa G600
Prezunto,. a libra .. '100
Paios, dita 400
Pratos-azues, a d-iun -800
Pimenta redonda, a libra 150
Po d'oito onas, a. ,0020
Sabo, a libra '0150
Trigo de ga, a panja 1.900
Dito, de senna, dita -2000
Toicilho do reino, a libra $150
Dito da terra, dita wo100
Tapioca, a arroba 1g800
Vin,ho into, o barrel 1 8p000
Dito branco, di.to 18$000
Dito da comparnlia.do porto, a garrafa '900
Dito moscatel branch, dita '900
Dito de carcavells, dita '400)
Dito de colares, dita i400(
Dito do termo, dita .'400


passadas aquellas povoaes que visinlam com a es-
tancia do Regulo, , por mais de 12 legoas despovoa-
da, se bem que de muito bons pastos, mui fresca, e
coberta d'arvoredo. Os mattos abundam em perdizes,
e narcejas maiores quea;s nossas: os bois so mui gran-
des, alguns d'elles dk 3 cornos, procedidqs d'um .que
lhes sae da test um palmo, done todos 3 com gran-
de igualdade voltaml para baixo, ficando um d'elles.
no meio: outros lia com 4, 2 ordinarios, e os outros.
2 qe debaixo d'estes voltam ao redor das orelhas. Os
habitantes so mui supersticiosos, e crem que s os
brancos lhes toca rem eni quialquer part do corpo, aon-
de hajam enfermidade, ou aleijo ficam logo com per-
feita saude.
Ao Noroestc d'este terreno vai cortando umia asper;
serra, que d muilo trabaliho para se atravessar, qual
s s eguem montes.- values, e ribeiros dispostos pela na-,
tu reza, com tanta syVeictria;,' que e.cedo todos os pri'
mores da arte. terra abundosa, e benm povoada, e
p~ei.llie termon: irna grossa ribeira, muiiirapida; c di'


- - --
au~- -- -I I-









Dito do faial, branco, dita 400
Zuarte de carregao de 30 mos a pea 1 '400
Dito de carvi de 32 ditas, dita 20000

N. B.-Em quanto ao cambio da moeda no houve
alterao alguma, excepco das oncas que tanto no
Snitz passado comoin'este, tefi corrido a 14.800 r.
e no a 145000 r. como por .equivoco se tinha pu-
blicado.

Administrao do Concelho de Mocambique, 5 d'
Outubro de 1854.= O Administrador do Concelho,
uguusto Estanislau Xat;ier Soares.






HOSPITAL MILITAL.

Afoviento dos doentes, de 28 de Setembro
a 5 do corrente.



DOENTES. =


Existiam 22 4 6 33
Entraram 12 2 2 16
Sommna 34 6 8 48

Sairam ctirados 13 3 4 20

Falleceram n
Ficam existindo 21 3 4 1

Hospital Militar de Moambique, 5 d'Outubro de
1854. = D.' Jacquts Nicolau de Salis, Phisico Mr.


.rriscada passagem, Corre esta ribeira to furiosa que
eno pode atravessar seno em jangadas, que com ba-
',er alli muita madeira difficil achar alguma que'sir-
va; por ser today to macissa que se vai ao fundo como
pedra.
Toda esta grossura d'agoa, abaixa em poucas horas,
e tornam-se vadeaveis dando pelos peitos. As aturadas
chuvas, e trovoadas que quasi no despegam n'esta
iltura so parte para esta ribeira se empolar com ta-
manha furia, e crescimento ; mas a sua mesma furia a
faz desagoar em to breve, tempo.
Os Cafres so aqui muito mais cobiosos, e interes-
seiros que os passados, e comeam de resgatar por mui-
to maior quantidade de cobre, e dos outros generous
de resgate, de que fazem pequeno cabedal, estimando
muito mais a roupa, e os pannos, que os outros des-
prezam, e no querem aceitar. D'aqui em diante res-
gata-se com esta mercancia.
Transposta esta ribeira vai cortando uma dilatada
jBerra para a part do Norte, today ella intratavel, e


S1MOVIMENTO S

DO PORTO,


Embarcaes que precorreram este porlo
durante o mez de Set nbro de 1854.



EMBARCAES. l CARGAS.


De Gavia 3 ,' n 1 73 11 'Leizlimr, ur.
S- -zila, mnarfimn,
N.I de Gavia 1 163 3 calunba, go-
S____ ma, arros, fna
Soma,. 3 1 236 14 zendas, emais
i l |.n<'ros.

lfazendas. ar-
No de Gavia 12 1 '36 10 r cal
___ ilho, assucar
Sonuna. 17 1 62 59 urzela, eumai

Quartel na Piaca de S. Sebastio, 1.0 c'Outubro
de 1854.= Desiderio Dias Guilhermino, Alfires ser-
vindo d'Ajudante.






ANNUNCIO.


Na Tipographia d'este Boletim se acha d'hojc em
diante, papl sellado venda; bem como o Regida-
mento Geral das Alfandegas d'esta Provincia por 200
r., e o Regulamento dos Portos da mesma por 100 r.


pedregosa, que fora costear para volver a caminha
trilhado; o qual pega com ella por terra de bons pas.
tos e arvoredos mas por pequeno espao; poilque en-
tra logo a cobrir-se de montes asperos, e de grande
rochedos, e penedias de cr negra, e arvores poucas:
e espinhosas.
Com esta serra pega outra de que desac 'aerra cli.
aprasivel, e de muitas povoaes, a qual pertence a
outro Regulo que principia a dominar para quem da
ribeira, e vem entestar com terras d'outro Regulo. As
do primeiro, descida a segunda serra, sao muito fe-
cundas, bem provides de gados, com grades semen-
teiras de milho de varias sortes; mui abundantes de
mortinhos, mais dces, e muito maiores que os nos-
sos; e regadas de muitas, e mui christalinas agoas que
lhe vem d'uma serra fronteira.
( Continue. )

MOi imBIQUE:- NA IMPREN6A NACIONAL.


- -LI --I .- ~~~~.i-ildlp~---9U_ _U~I~-PY~iCI-BI-_II--- .___-__IP----l~_~?9e4


- --- -- -I ~ ~ ---`1








ANNO- 854.


Este fRJetim snijr Stuil ot sibbido.g. csg r
rae,1 Serw r,,4 <*Prer:soqe Gerio eti.


NUMERO 25



.sir5v lB ,lr fl .................. o)
PiXU(1P -lrl..................m~'o


DTO GOVERiNO DA PROVINCIA DE MnY' i


P11AT FITML


-eo


P T AR IA S.


N .E3-= =0 GoAerlrd.-e Geral da Provincia de

II .av~:'no o.Dr. Phisico--Mor da Provincia proposto
Io Ptiarmiacoutii-o hbiliotadi' pela Eschola de G6a
Francisco Anionio Collao, paraser nomenado Iotiuario
do Djstricto de Loureno Marqui.s comn encimn'iio
igual ao qde percebem os de Q'uilmae I:nhnambanf :
Hei por con cniente nomvar o dito Ph'rmacet-utio Bo-
ticario do Districto de Loureno Morques comi o or-
denado de 975660 r. Esta lhe valer plo tempo d'um
anno, dentro do qual prazo sollicitar a Cun(irma'o


ContinuaaIo -da Ainmoria Estatistica.
Os Cafres so aqui igualuhente credulos, e tem que
em os brancos lhe pondo as mios,em lquaklter parte
do corpo aonde sintam dores, ficam lives d'elias com'
este remedio, Fazem suas cortezias aos hospedes, abra-
ando-os, e beiando-os na face domstlicamcnte : s
mui Iiberaes, e resgatam por mui baixo preo. Em
quanto s armas, usam azagaias, adagas, e rodellas que
lazemx de couros, e que nos combates embraam com
firmieza.
* O Regailo tem sua estancia n'um grande valle que
se est ended por entre 2 braos em que se reparte uma
fresquissima serra, um dos quaes enderessa para o
Norte4 e o outro para Leste. Por este brao de Leste
com o rosto a Les-nordeste que vai caminho esca'
broso por uma cordilheira de serras de tamantha
aspereza, que no transit da derradeira quebranta o-
animo mais destemido. Passada ella torna o caminjho
Les-nordeste por bosques mui espessos d'arvoresaltas,
c sombrias, que rematam.entre grades, e alcantila-
dos rochedos.
Todo este terreno pobre em mantimentos, gado,
',e povoao : tem de tudo, mas em mui pequena quan-
tidade; e de costumes o trato o mesmo que os outros
Cafres.


iRezia. Pl'agar de Dirr'ito db Mrcra '~ r., na
lcoiiforrnidFade do r)ecrcfo de 31 d(- D-zi!,uJiro de 1 !836,
e Portaria de !k 'Outtubro de 1 R-9 ; e dil silo 1 :Of
r. rofIo se a ia disposra na CarT-a> dc LeJi Julho d-. 1 843. As- Auet.lori('ad< @ a onerm o coubej(-
c dimesnto 'c`s v prtencer, assimi otinhilaiii e ud-iiIido e
etmp-arn. Palacio do Govy-rny > ival da Prov inicii de
FMoaiibiq~. 2' 9 m!(, 5 relro de 1S454. Gu Ge-
dEs de caralh c I. M>o




L9 i;:~3 f~S1,)l'

BIC(U5iA(l1 : s : 'i',rl ii- (fl5<) O:ic:!c .0 r Wf i; h2417d -fir !

*ioar em SoN lia, qi0aorI4 G reur)vemn- o iovei'rr l -
teriiioy do omesn>ii riito, o M;jor Grpdado, Jocui
Carlos d AultraAv, cmo w 4a dL i doli:n dntai Uca da


Seguenm-se as teirras do Riegi l G:im:i:hla;, a. qTraes
so lmuito p.ovoandas, e bem providaal de imant;imen,
tos de toda a sorte: milho,, lhe-i, i;ma:tig, carneiro.s,
vaccas, e grande e pia de aves de penia: os Cafre:4
d'aqu di zem con os outros na maniira de viv:reii
e, mercadejar.
Comu este Regalht cantina ou.ro 'amadilo Capela,
cujas terras discorrem com direco para a praia :
so eRlas na parte que pegain comi as atec!centes,
mui despovoadas, e clias dei arvores espinhosas;
m as gradualmente vo send mais rica. e ab'ndaites
que todas as outras. Dilatami-sie em estendi.las varzeas
povoadas d'optinos pastos, e gracioso aimveredo ; e
muito mais de vaccas braves, bufalos, veados, lebres,
porcos, e elefantes, que em numerosos bands aTK an-
dam pascendo. n'este sitio que apparecem os pri-
meiros animaes d'este gener que para alli delcenm
d'uia grande serra que n'aqutella altura atravessa det
Norte a Sul. Entra-se n'ella por um valle banhtado
pror uma ribera em extreme vicosa, e fresca, coberta
d'arvores de varias cores, e de papagaios v-rdes com
bicos vermelhos, pardizes, rlas, e outros diversos
generous de passaros.
Transposta a serra, eguenm-se dilatadas campirnas
lavadas pela mesmua ribei:a, aonde, "lQaJ d'aqueila


i P ---- -~----LPI~---. -ii-8-riiniiii~l iii-----rs~
- i ---~- i -~---


- 4 ~-~-- s~-Y- ---~--


~iLIE 14 WOUT UBRIPiklrrr I.s










pqerella que baixa com esta, e que dever servir de
base para instaurao do referido Conselho de Guerra :
Hei por convenient nomear Presidente do mesmo,
Conselho o Tenente Coronel Rerormado Joo Ferreira.
Portugal da Graa, Vognes os Majores Joze Pacifico,
e Marcos Aurelio Rodrigues de.-Cardinas, os Capites
Frederico Joze Francisco,. e Antonio Joze Rodrigues
Pinho, o Tenente Antonio Julio Alfredo Pinto, e o
Alferes Miguel Joze da Silva, Auditor o Capito Nar-
ciso Maria d'Aguiar Mendes Vasconcellos, e Promo-
tor por parte de Justia, e discipline o Capito An-
tonio Pedro Baptista Gonsalves. As Aucthoridades.
a quem o conhecimento d'esta pertencer, assim o te-
nham entendido e cumpram. Palacio do Governo Ge-.
ral da Provincia de Moambique, 3 d'Outubro de 1854.
Vasco Guedos de Carvalho e Menezes.



N." 132= 0 Governador Geral da Provincia de
Moambique determine o seguinte:

H AVENDo por Portaria d'esta data sido exonerado
o Escrivo do Arsenal d'esta Capital Firmino
Correa Monteiro de Mattos por no convir ao servio,
segundo me reprezentou o Inspector do m'esmo Arse-
nal; e havendo outro sim o dito Inspector proposto
para o dito'logar o Fiel, e Apontador da mesma Re-
partio Antonio Ferreira da Costa, por n'elle concor-
rerem as circunstancias precisas: Hei por convenien-
te nomear o dito Antonio Ferreira da Costa Escrivo
do Arsenal d'esta Capital, com o vencimento que se
acha estabelecido. Esta lhe valer pelo tempo d'um
anno, dentro do qual praso sollicitar a Confirmao
Regia. Dever pagar 9,4756 r. de Direitos de Merc,
na conformidade do Decreto de 31 de Dezembro de
1836, e Portaria de 4 d'Outubro de 1849; e de


aves, e passaros, ha patos, tordos, grous, gallinhas do
matto, e bogios; e uma alagoa firmada alli pela mes-
Ina ribeira, estancia povoalissimnade cavallos mari-
nhos. A riqueza da lavoura igualla, se que no ex-
cede muito, .do gado, e aves domatto; porque se
encontram de todos os fructos da terra que ella d
por arte, ou por natureza. Os Cafres so aqui mais
domesticos, e conversaveis, posto que sem differena
dos outros na linguagem; no trage, nas armas, e no
cominercio.
Todas 'estas terras vo j enderessando para a praia
ha distancia de 30 legas, e terminal em espaoso
real semeado 'de palmeiras bravas, umas d'ellas com
tamaras silvestres, e outras com uma fiucta, a que os
naturaes chamam macomas, do tamanho e feio de
peras pardas.
Acaba este area em terras alagadissas, e pantano-
sas, com atoleiros to altos que- se lhes no chega ao
fundo com uma lana; Para se atravessar este espao,
que breve, usm-se minhoteiras feitas dos troncos
das palmeiras leados com espadanas de que alli ha
muitas. N'este ponto ao Sud-Oeste jaz a foz do rio de,
Santa Luzia, e, comeam as terras 'do Regutlo Inhaca.
A primeira. povoao no mui distant deste'riQ,
ei 'sitio que' hamnar os Me'dos d60dOuo',' e- o. pri-i


si'li, 1,'000 n., como dispe a Carta de Lei de 10 de
dulho de 1843. As Aucthioridades a quem o conhc-
cimento d'esta pertencer, assim o tenham entendido,
e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provincia
:de Moambique, 4 d'Outubro de 18654.= V'ascO Gue-
des de Carvalho e Menezes.






HOSPITAL MIILITAR.

Movimento dos doentes, de 5 a 12 do corre;ite.



DOENTES. ,


Existiam 21 3 4' 28
Entraram 15 3 5 23
Sommna 36 6 9 51t
Sairam curados 12 3 5 0
Falleceram 1 I
Ficam existindo I 2 4 30


N. B. Esta praa suicidou-se;
mentos depois de sua admisso.


expirou ex-sangue poucos mB-


Hospital Militar de Moambique, 12 d'Outubro de
1854. =D. Jacques Nicolau de Sali%, Plhisic Mr.


meiro de donde se descobre o mar, em se buscando
por este rumo. Sobe-se a estes Medos, depois de se
andarem espaosos ai-eaes to asperos e grossos, que
atollam e retalham os ps: transpostos elles top;i-se um
grande rio, que s d passage na mar vaz:ia, pelo
muito que'vai crescido e arrojado, no sendo baixa-
mar. E este o rio a que os perdidos Por-tuguezes da
Nau S: Thom pozeram, nome d'Abundancia.
Por detrs d'estes'Medos tudo terra fresca enpra-
zivel, coalhada de arvores grandes,'e mui frondosu;
com largos e estendidos campos ale chegar a uma for-
mosa laga d'agoa dce, que ter uma legoa de com-
prido, e mui povoada de adens, patos, e- g arcas.
Estas terras so mui abastecidas de gados, e toda a
casta de mantimentos; e to populosas' que se encon-
.tram cardumes de negros monteando elefantes, caan-
do cavallos marinhos, cavando, eiemeando, e recolhen-
do as sementes; praticando a seu modo todo o granr
geio de agriculture.
'Vai-se repartindo esta grande alag6a d'agoa dce
em outras mais da mesma natureza, e andando'ao
longo d'ellas por baiko de'sombrio arvoredo, vo'ter-
minar na grande bahia chamada de Loureno Marques.
.II "


~
I---~-- `


- - -----. -.i








91,


NE- R0 GIOS.

Mfoambique' 12 d'Outubro de 1,854.


UlI Anjo que tornaa ditosos os seus Paes;, que flies
sUrria com sorriso de ca'ndrm'a, accaba de os encher
de d e pesar A mort o rc bou !! Murchou o boto
(da roisa, que comeava a desabrchar-se, acalentado
et)on a pri'm'avera d'ida'le!!! Um Pae cque tinha uma
unica filha, unma Mie- que aamava extrem'oiamentte, e
com todas as foras do, amor maternal, lamentam ho-
,je uma perda to irre'prarvel; o Si'. Sebastiio .Jos Ma-
thias Ilodrigues, e a sua consorte D. Augusta Ptulcheria
GonsaivesSequelra:, aceabain de perder no dia 10 d'
este mez pelas 8 l eias e media da noute, asua filha a
Sr. D: Ainna Maria Joaquna Rodrigues, nascida aos '8
d'Abril de 1839, que ra a sua consolao toda;... E.
a destino do Mundo! E. ndis ti;ibutemos a iemoria d'
esta infeliz, estas duas linhlas.
Que a Sr. D. Anua', gose na Corte Celestial, que
agora e a sua morada, cda iuns,o dos justos.= ,ugur-
te Frederico Garciau die: Miranda.



E ra rza mimosa do prado
m1.da fresca do orvanlo dos Ceoa
Foi um Aijo na terra riwcado
MKil um Anjo na Crte de Deu,.


I'A odemin (as cousas nos presenceamos cerros pieno-
rienmos to tristes, que se quisermos investig.ar a sua
causa'e a sna origem, seno blasphem;amos, confundi'-
mno-nos pelo menos no labyrinto de idei:as !
Um d'estes phenomenos a Morte que no respei'
ia sexo, idade, poderio, vir'tudes nem qualidades;


CAPITULO V.

Coniinuado do mesmo assumnpto.

5icA-Kos agora o caminho aolongo da costa. Por este
Sterritorio corremn os 4 grande rios j mencionados ;
o de Mafumo, o do Infante, o do Cobre (por putro
nome dos Reis), e o da Pescaria (ou dos Bons Si-'
gnaes). O Rio Mafiumo mui populoso ; porque a ri-
L'ira do Sul habitada por muitos Regulos, cujo maio-
.ral se chama- Capela, de que atras fallamos. Istende-
se sua aucthoridade 6 legoas pelo serto dentro, e,
quasi 33 ao long da Costa. Toda esta terra mui
graciosa, de grandes arvoredos, prados, ar'vores fi-uct'e
feras, e plants de medicine, e tinturaria; particuter-
mente cana d'assucar: .produz copiosamiente arroz e
milho; e fazem-se as seanenteiras emnDezembro, ou em
'Janeiro; porque, desde Abril at Outubro estio ari'
dentissimo. Todos aquelles rios so riquissinmos elri
saborosos, e diversos pescados. Em todas .aquellas ter-
ras ha muitas ereacs'de gados: ha bois, cabritos;
carneiros, tudo baratissiimo: s5 no l a, ncnm, cavallos;
iBeni jumentos, -nem bufalos.' c
-As lras alli conhecidasso -o elefante, o rhinoceron<
te, e o ,tigre: os animals silvestres ss a lebre, coe9


-" '


lho, a cabra, e.o porco montezes. Aves lia muitas,
e de di-versas castas perdi7Ak, codornizes, patos sil:
vestres, gallinitas do iinatto, maiores que as nossas per-
dizes, e que lhe nio c'leni tno' sbor, e delicadeza
das arnes; muitas gallrinhs, e roda a sort de crea'
co domestic, e muiutos passaros dIferentes nos ta-
manhos, cantigas, e pluinag'ei.
Os naturaes do pai'z tem o rosEtneg-ro tirando pa-
ra azeviclado,, e qua.si' todos so corpolentos, e mem-
brudos: and'm ns, sem mais atavios que uns pannos
a que chamam tangas, que lhes iervere de conipostu-
ra: as, dos Cafi es de'qualidade s as dos particulares; eos 1ii:i iiat.c dees uzai toucas
com vivos, e cadilhos de sedan rrazemi rios 'bra.cos
manilihas de cobre, e pedaenms lrcileatados nos cabl-
los da cabea, e b ary; e .zai 1 puiliacs gua necid<%
de estanho com ahainhas iie, iinarirm.' lEes cafr's "sc
muitoi domesticos, mui dados a 'dincas e folias, c at-
dam em magotes polas praias targendo anfains, e outi'-o
instruments a seui mndo, nenhumin dds. quas se asse-
melhair aos nossos: ihlbitam em palhocas e casas de
taipa cobertas de pulha, e todas da mesnma fecio, mais
ou menos espaosas-; nmas todts redondas,' baixas, e se-
pa'radas umnsas dasotias, eoiio uso em ta 'Cafi'-
ria. As mercadorias que' mais e(,imar sao p annos de
"- '" qu " : ma- .


------~ilri~LS~W,~*~B~e~lls-----


orque descarrega indlistinctamente nos mortacs o gol-
pe dta sua' teri ivel Fouce !
Aii1i m.>riT ppeemplo um njovemi nalouania dos
,seus tannos, no desponr.ar dla sua mocidade, em quanto,
acol mni velho rasteja umai vida misera;vel c procura
a Morte e o Tiiuulo, para n'este descanar das suas
fadigz~s ; e' com tudo elies fogem' d'ele !:
A viida. do honmen um Sonho, uma Sombra que
apparece', engrandece-se e se anniquilla d'uma vez:
uma luz que a brisa fagueira acalenta e affaga at vir'
um vendoJa1, uni cataclismo que. a anniquillel
fragante roza (diz. umi .Escriptor) desabr'oclada
aos primeiros raios da marnhl e tio bella como a
Smesma manhr, que espalha.os seus suaves perfumes.
no vive mais do que alguinmas loras, curva-se, desfo-
lha-se caihe seca e reduz-se a p', eis o Homem E.
cim effeito a haste vi've, a floor perece, novas flores vem
substituiu' as primesias, sua forma e amisma, seu des-
tino ser igual, a estas succederao ai'da'a outras, tal
n'uma palavia a tri-,e lhstori'a da nossa vida......
So reflexes tristes e amargas, mas infelizmente
verdadeiras que ns fiseinos quando com lagrimas ns'
olios vinos descer para a Sepultura a 'r. ,. Anna Ma-
ria J.oaluina IRodrigues, no arrelioI da sua miocidae,
desprendendo-se para: semn re da co.-panhliat do set
pai o Sr, Sebastiio Joz M.athias Rodri'gues, de quenm
era como elle proprioo o disia o seu unico thesou-
ro,==e da sua May a Sr. D. ,AugiNs,'a Pulcheria Se-
queira que prantia oje uma perda tla grande !
A Sr. D. Anna nascida eii 18 d'Abril de 1'839a;
contando apenas #5 annos e meio ; e n'essta idade, cm
que no. ha pesares, tudo nos rizonho .alegr'e, e
passado e tada, o presence Izoniiiei.' e o por,' ir cuhi
de mais doces esperancas, a. cruel Morte accabou os
dias de quei' devil flornar ditosos os seus pais Co-
mo mieua Dus pode-se admi'ttir na ineifivel Bbndade
Vossua u ia s enea to cruel .! Ceifar na.fl!r da
idade a vida< d4'uniim unica lflia em que o seu infeli
qae escudava o0 seu; porvir feliz, illudtid, as lzongeiras
e faguei'ras espe'ranas Pd'uina minnocentte criatura que
se embaIva eiirsonilos lde prospcri-dade eqque creaV.
ou ideiava para si unii future risonho 'e alegre'' ,


- ----~ -- i~----. --~-- --`c-- ii~i










... .i....... ....... .................... !!
Em Novenbro "de 1853 a Sr. D. Anna tendo
silo affectada do pulmo, sobreveio-lhe febre, e des-
de ento comieou o seu padecimento at acabar infe-
lizmente a suiacarreira vital. - digna de se admirar
a coragem, a tranquillidade do espirito e a saneta
resignaco com que suppoi'tounmais de 11 mezes os
seus Incommiodos, qsem almais ptoferir m unico quei-
xunme contra o seu (i4stuio, que alis bem conhecia!
Sublime resignao que em similhantes transes poucas
veses apparece .. Quem a via, se condoia do seu triste
estado porque reconhecia que pela sua bondade e pe-
las suas estimaveis qualidades ra digna de melhor
sorte! o melhor c o imaior elogio que se pode fa-
ser a sua memorial Um dia antes do seu passamento
s 3 horas da tarde sentindo palpitao do corao
Sue nunca havia sentido clhama o seu Pae despede-se
delle com socego d'espirito masque mostrava queella
propria conhecia que breve tinha de apartar-se dos
seus Paes. Pela noute se despedio dos seus irmos e
padrinho e no dia 10 s 8 e mnia horas da noute quem
devia ter melhor sorte ra um corpo ex-sangue einani-
mado! Deos no podia para mais tempo dilatar a
companhia d'uma alma candida e pura! Levou-a por
tanto para si!
Doze palmos de terra cobrem hoje os restos da
Sr. D. Anna Maria Joaquina t
Leitor quem quer que sejaes, se estimais rnia alma
candida e pura, nima alma cheia de bondade, desfo,
lhai algumas rozas sobre a campa de quem hoje na
Corte Celestial goza o premio das suas virtues !
Moambique 12 d'Outubro de 1854. (X.)


2 . . .. . ... -


COMIMUIABO.6

DP ois de 12 annos a Commissao Administrativa
da Confraria do Santissimo Sacramento .festejou


algodo, aneis, manilha.%de cobre, arame de ferro e
de lato, velorio, mincaga, tabaco, e toda a sorte de
quinquilherias, ,pelas quaes resgatam os generous aci-
ma referidos.
A' costa do Natal segue-se a da terra dos Fumos co-
mo fica dito, na altura de 28 O 30' a qual se estende
mais de 30 legoas para o serto, e toda esta terra d'am
Regulo chamado Viraggne, que tambem o nome do
reino. (Os Regulos em toda a Cafraria tomam o nome
do reino que governam). E pela banda do Sulparte
com outro chamado Mocolapa, o qual se estende at
ao seitio de Santa Luzia, por onde passa o rio do mes-
mo nome, e prende com o reino de Vambe que de.
mora no mesmo rumo d Sul.
O reino de Viragune pega pelo Nordeste com o
reino de Inhaca, o qual vai correndo neste mesmo
rumo at ponta da bahia de Loureno Marques da
banda do Sul, aonde passa o rio de S. Loureno.
Este Inhaca senhorea duas ilhas que esto na mesma
ponta, uma chamada Choambona, que ser de 4 le-
goas, povoada com algumas aldeas, e mui som-
breada de arvoredos, e abundante de vaccas, cabras,
e gallinhas: a outra se chama Setimuro, que despo-
voada, e serd de 2 legoas. Tem esta ilha muito boa
agoa, muitos pescados, e tartarugas, ainda que a cas4


este anno o dia 8 do corrente--Festa de Nossa Se-
nhora do Rozario-Por esta oceazio houve a dansa
dos Namaturmbeiros que nos tempos piassados sem-
pre costumava haver n'esse dia, e que segundo a tra-
dio record um fact sob cujo ponto de vilsa este
artigo deve prender por ventura o interesse de todo
o leitor !
Pouco tempo depois d'esta ltha ter pertencido ao
dominio Portuguez, os Christaos estando riunidos na
Igreja do campo de S. C,;brie! no !dia da festa de
Nossa Senniora do Ro/ario, os r.:!s;-os coi:ce;er.;m. a
idea de os apanharem todios c a ss s inrem--ios,
para este fim convidaram os idiu' na's 'o ;() iz a-
matumbeiros mas estes afeioados . s 'os ."
vendo que os mouros se i,' a ri r-u'!ios n ponta
da Ilha, foram mascarados in;frm r , :o aWs Ciris-
tos, q;ie da Ir'ja se iri:pir:n p'". !'m'e s! acha-
vaim os mouros aqutm balreram, s"rn(io ,e,,..,.. :.*.('-,i:Kl
peios ditos in:l-genns. L o que imds a s 1dsa doS
Namatlumbeairs ccmnc :a do 3 ri-;no; dos inde-
genas~, dos moiuro, e os poroiuei.:cs. Como h aigiun
queii no sa'bm a origem d simiilhai(t dinsa- ptr
este motivo ns consignamios estas linhiis.- (X.)


-- ..p---........ ~--


AINNUNCIO9


Na Tipographia d'este Boletim e na Cara Com-
mercial Fidellidade- na Rua da Mis"ric'rdia se
acham venda Despachos e Manifestos imprcssos, a
20 r. a folha,


ca no presta para nenhuma obra: aqui para estaremnt
mais seguros dos negros da terra se aposentavam os
nossos Poituguezes quando hiam ao Iresgate do mar.
fii ; porque o maior trato e commercio que tem os
Portngnezes por esta parte, com o refei ido riaan.
Jaz o rio de Santa Luzia na al!.ura de 28 o 30 : as-
ss grande, miito largo, e iundlo c da ( a i paa dentro,
demasiadamente arrojado no e:-chr e va;.ar das ma-
rse: estende-se por terra chi mai ;aspi':r, e pouco
populosa:; sendo com tudo mui fe"-ii e abasunda de.
mantimentos; convem a sabr, cabra., vaceas, hIile
milho de diversas castas, muito differentes pescao
dos, e tudo isto por munito bom preo.
Este rio leva muitos cvallos marinhos, e suas visi-
nhanas sio povoadas de elefantes.
Na altura de 27 O 30 1 corre 6 rio de Simo Dote, o
qual de poucas agoas, e capaz s de embarcaes
pequenas, a que os naturaes chamam Luzios, da feiao
dos nossos bateis: ha d'elles de diversos, tainanhos,
armam remos, e uma vla d'esteira fabricada de cou-
ro: este rio corre affastado da bahia de Loureno
Marques obra de 50 legoas.
(Continua.).
MOAMBIQE NA NA
MloAmalousa : -NA.laiPHEffnA NAcIoNaL.


-I
- -- -- ---- -I-









ANNIO-I8M4.


Eeste Boittim sair todos o .srbado,. inha,1-0. F-
ra t1s /ia <$erctre4ri I@

NUMERO 24.


s .Isignatuhiroa pr tri, .t, .................. ...
Poi si. .est,.t ............................. 1500
'ol~e a uin.lsa .......................... ... 0


104o ),

S-,ADAO 21 1>'ouTtrif-.
Nnaaa.so bl BI~Q)a;giif(>


/ OVE R% s GERAL.




N.0 136 O Governador, Geral da Provincia de Mo-
f anmbique, determine o seguinte:

ATTENDENDCT no que me roprezentou Filippe Dias,
pedindo ser nomeado para continuar no Itgarque
iiterimamente exerc d'Escrivo da I)elegauo da Jun-
ta (a Fazenda no .i'strieto d'Inhambanec; e bem as-
sim informano qu' suobre esta ierteinoi deu o Go-
vernador d'aquelle Districto: Hei por coruveniente no-
inear o dito Fitippe Dias no referido logar d'Escri-
vo da 1)Dlegca;io da Junta da Fazenda no Districto
d'Inhambane. Pagar de Direitos de Merr a (jania ia
de. 4-.878 r., que lhe serio diecontados na confor-
midade do D),creto de 31 de )etemnbro de 1830,' e
Portaria de 4d'Outubro de 18Vi9; e deSello 14219
r., como dispe a Carta de Lei de 10 de Julbo de
1843. As Aucthoridades a quem o'conhecimento d'


S Coninuiac da AhMioria Estatistica..

ida a costa entreeste rio, e o de Santa Luzia,. es-
calvada sem agoa, nein aryores, nem abrig) de que
os viandantes se possam.valer: .toda de arca to sol
ta, tantas. e to movedica, que s vezes,com a forca do
vento alevantam-se subitamente grades outeiros d'clla
qt!e tolhem a vi;ta, e suffocam a respirao. O serto
apegado costa reltahado de continuados bregio.s
qu prendem uns com os outros.
.;O rio dos medos do ouro corre na Latitude de
2' o 40 um dos maiores de toda esta costa:;, por-
que recolhe em si as agoas de 4 grades rios que
muito do serto dentro seajuntam formando una ba
hlia, obra de meia legoa da praia. Fnmalgamas parties
tem mais de 2 legars delargo, e perto de 20 de com
Sprido: e entire o comp imento d'ella, e awcosta so
grossos areas que a dividem do mar. Afora as ag)oa
d'c.stes quatro rios, se ajuntam n'esta bahia as de mui-
o a -egios, e ribeiros, que feito tudo unm s copo,


'sta pertencer, assim a tenham entendido e rumpri m.
Pnlahrio do Gov rno Geral da Prolincia de Moambi-
que, 18 d'Otuhbro de 1884. s Vascoa 2tudes d6
Carvalho 6 o cSUr:s,



SN.' 137 O Governador Geral da Prvin'ia de Mo-
ambique, determine o seguinte

T-TrEDENBO ao que me repreeitniou Joo Caetano
/- Dias, pedindo sernomeado itara continuar no lo-
tar que interintilui te ex r'e de Mestre d Escolla d:
Instruco Primaria ni o Districlo (d'iliaanebaie; ltemi
assim iftowrnaii o qip bre sobre esta ) rlenRo deu
;overrnador dom snioo Districto: Hei por conveniente
nomear o dito Joao Caetano Dias no referido logar
de Mest.re de Esc:lia d''nstlrucior Primaria em Inham-
bane, com o ordenado que s: acha estabelecido. Esta
lhe vailer Ildo tempo d'um anno, dentro do qual pra-
zo soilcitar a Conflirmao Regia. Pagar de .Direi-
tos de Merc 2 3:1 r., que lhU sero discontrila
na conformidade do Deoreto de 31 de Dezembro de,
1836, e Portaria de 4 d'Outubro de 18,49; e de
Selio 24J'39 r.,. como dispe a.Cri.a de Lei de 10
de Juiho de f18i'3. As Auctlioridades a quem o cY-


,entra no mar com tamanha furia que mais de duas
ligi)as se v a corrente d'agoa dce hii cortando .por
cima da salgada. Etabalho, perdi)o buscar.vau a ta-
manha altura, e for'oso rodear aolongo at chegar-
ao pimiOniro brado d'elle, aonde d jazigo, e permi't-
te atravessar-se seem o perigo da.corrente'das agoas,
e dos muitos cavallos marinhos de que anda coa-
lhado.
Devde-se e.ts rio em 4 bracos:-.os pi imneiros
distam uns dos outros o;ra de 6 l'g.oas; ,o 4;: cousa
de 12. No 2. posto ser jargo, acha-se vau: no 3."
d a ag.:)a pelo pescoo, e cumpre o' mai:r resguar-
do para o vedear: o 4. invadeavel por arreba-
tado, e muito profundo. Entre elles tudo paulado, e
cheio d'agia; e para, no, desviar da beira-mar, que
a tiilhiad, qus an:a segui la, releva tornear a bahia,
desandai-lo por vezes o que j est caminhado.
N'esta parag,'m cotiinua a terra a ser escalvada,
eiteril d'ar'vaes, hervas, e agoa ; em extreme des-
bri.la,-e despovoada, com mui pequeno nuiero de


I ` '~ ~' "
~ -----


~Bi$OPIVIAI








94
- l" " ri"i-- 11' "*-.---- II lc ill1


nhecim eno d'csta per.tnc.r, assim o tinham entendi-
do e carrmpram. Palacio d: Governo Geral da Provin-
cia de Moambique, 18 d'O,.tubro de 1854.= Vas-
so Gu d.s de CaIrvalho e M~nezes.


N.0 4782. Ill.`o Sr. Sua Ex." o Governador Ge-
ral da Provincia, permitted que Manoel Correa Birre-
to possa embarcar para Inhambane 100 barris de pol-
vora, contend cada um 24 libras, e igual numero pa-
ra Loureno Marques, devendo- porem o requerente
assignar um termo n'essa Repartio, comprometten-
do-se a aprezentar os ditos barris aos Governadores
d'aquellas localidades, afim de se conhecer, que de fa-
cto so alli desembarcados, e empregados no commer-
cio licito, e V. S.3 remettcr a esta Repartio copia
d'esse termio para os elfeitos correspondents, Deos
Guarde a V. S.a, Srcretaria do Governo Geral da
Provincia de Moambique, 4 d'Outubro de 1834.
Ill."m Sr. Joo Vicente Rodrigues de Cardinas, Dire-
ctor d'Alfandega. = Antonio Joze Pereira de Maga-
e .


N.' 4782 A.-Ill."mo Sr. Em resposta ao Officio
de V. S." datado de 3 do corrente Sua Ex.a o Ga-
vernador Geral da Provincia manda dizer a V. S.', que
approva a proposta, que V. S." dirige, para os empre-
gos d'Alfandega de Loureno Marques, devendo porem
estes empregos serem considerados, na ordmc que esta-
belece o Regulamento em vigor, e preceberem os ven-
cimentos, que se acham n'elie designados.: n'este senti-
do podero os propostos soliicitar os respectivos Di-
plmas. Deos Guarde a V. S.', Secretaria do Gover-
no Geral da Provincia de Moambique, 4 d'Outubro
de 1854. 11.mo Sr. Joo Vicente Rodrignes de Car-
dinas, Director d'Alfandega. = Antonio Joze Perei-
ra de Magalhes


N.* 4793.- I!." Sr. Havendo o Administrador I


palhossas dispersas em roda da bahia, cujos habitan-
tes so crueis, e atraioados; no se atrevendo aaco-
metter descobertaniente. So da mesma tempera os
outros Cafres que avisinham com estes; assim conmo
o territorio continue a ser cortado de ribeiros, e se-
meado de brejos, sem trilho nem vereda, havendo
paragens aonde a vaza atolla at 'aos hoinbros no
havendo mais de dous palmos d'agoa sobre ella.
Passados estes brejos entra-se em vastissima char-
neca povoada de bufalos, zevaras, cavallos, e termi-
na a charneca em outros espaosos brejos retalhados
pelo meio por um rio, cujo nome no podemos saber,
o qual por nenhuma parte dado vadear seno pela
vereda d'elefantes, quando o atravessam d'uma par-
te outra. Ahi mesmo ainda a agoa alta; d por
cima doshombros, e vai coberta de cavallos-marinhos,
que se ajuntam em cardumes, alevantando meio cor-
po fora d'agoa, arremessando com tanta furia, 'e re-
inchos, que no ha commetter por alli a passage sem
arriscar a vida. Transposto este pass, tim dos rmais


do Concdho representado es c:r.:=,s, liac encontra
no registo civil, em cumprimentfo do Art. 235 do De-
creto de 18 de Maro de 1832, sobre a statistical da
populaCo, nascimentos, casamentos, e obitos: Det-r-
mina Sua Ex.a O Governador Geral que V. S.' Rlev."'
remetta com a maior brevidade possivel a esta Repar-
tio uma relao de todos os assentos dos Iniscimen-
tos (ou baptisados) casamentos, e clitos bavinos desde
1850, devendo igual relao reimetter ao Administra-
dor do Concelio, ou quem suas veses fiser, e outro
sim ordena, que no fim de cada mez rem'etta iguaes
relaes especificadas, com as declaraes de filiaeo, e
o mais que preciso, em referencia ao mez findo. Deos
Guarde a V. S.' Rev."", Secretaria do Governo Geral
da Provincia de Moambique, 6 d'Outubro de 134.
111." e Rev.'`0 Sr. P.' Joze Loureno Va9, Admi-
nistrador d'esta i"r!.:.:. = An-onio Joze F, ;.,l de
Magalhes.


N.' 4794.-Ill.mo Sr. Sua Ex.' o GGe;-rnador Ge-
ral da Provincia tendo em vista as eCiuidera&es, qe
V. S." aprezenta, sobre o alvitre adopjitdo cm Sesso
da Camara de 5 de Julho iltimo, para occorrer anos
inconvenientes, que suecessivamen ne apparecem; pela
falta d'abertura dos titalos das propriedades qnu va-
rios moradores pessuem: manda certificar a V. S.'.
que approval o arbitrio tomado, como uim dos meios,
que para o future pode tornar a escripturago mais
clara,,e remover os embaraos, que se offerecem aos
rendimentos do Municipio. Deos Guarde a V. S.",
Secretaria do Governo Geral da Provincia de Mn--
ambique 6 d'Outubro de 1854. !1.m" Sr. Augus-
to Estanislau Xavier Soares, Prezidente da Camara
Municipal. = Atonio Joze Pereira de Maralhces.


Camara Municipal de Moambique. N. -147.--
Il1."m Sr. A falta d'abertura, dos titulos com regula-
ridade; a falta d'arrecadaio dos ,'oros a:ioulmente;
o estarem alguns foreiros possuindo hoje os terrenos


trabalhosos de beira-nmai, topam-se arvoredos tio al-
tos, e serrados que em nenhum tempo so entradon
d'o Sol: a terra porbaixa est encharcada, e o lama.
ro que tem, faz por alli o,transito impraticvei.
De todos estes brejos sabem diversas veredas que
se metem pelo interior do serto, endireitando i
serras, e montanhas de Lupata que se descortinam ao
lounge. Caminhando, rosto ao mar, continue a mesma
terra despovoada, e alagadissa at rematar em campi-
nas de palmeiras braves, e muitas arvores de diferen.
tes castas mas todas silvestres.
E tal a falta d'agoa em todos estes terrenos proxi-
mnos s praias do mar que se anda 6, e 7 dias senI
haver outra seno a que se acha em algumas pegadas
d'elefantes, e para a hir buscar necessario better
muito pelo serto dentrd, arrostando grades, e di-
versos perigos.
Terminados os brejos, etoda esta terra esteril, e es
calvada comeam d'apparecer povoaes grades, ma&.
em pequeno.numero, todas metidas pelo secto der-



- -- -~ --- -- ---- -- ---












foreir'os Cramara, sEm um doeum.wnto legr, asim
eomno tamb-m os s ses antecessore s 3as ps;ir;:n, s-o
a causa da Cu.nara se achar munias vezes cm grande
oblisao, e a prova d'isto , que ]ije Vicente Thomaz
dbs Santos soilicita a abertura do seu tiulo e com rtu-
do ign',a-sa qucm teria sido ooriginaria freiro, ou
pelo mienos aquelle, em icjo nome tivesse sido aberto
o tiiiuo, p::ra tombem se saber, quaes seriam os foros
estipupiados.
Pici copia junta da respective Acta V. S." ver o
rit c que a Camara tomou e hoje espera e Sullicita
a appr'ova;.o de Sua Ex.' no s para o caso em ques-
to mas tambem para outros, que seapresentatem em
identical ciriunstaniias. Deos Guarde a V. S.', Mo-
:amtn1ique 4 d'Outubro de 18354. 1l!."' Sr. Secrtrio
Gerai. =- AnjIus'o Eriani.slau Xcie-r Soarcs, Prczi-
dei:e da Camara Municipal.

Copia= Acta N." 35. Sesso de 5 de Juo11 de
t85i.- Pretentes os Veriadores todos foram toma-
das em considerao algumas recilamaes bocaes e
p'or escripto d'alguns Cidaiios e em cons.,quencia do
cue se determinou que fossem inscriptos como tudo
conDsa melhor do respective Livro do re.cenciain nto.
Foi present pelo Sr, Prezidente o requerimento
inuorrado de Vicente Fhomas dos Santos, pedindo
C::rta d'Alforamento d'iim terreno denominado Tom-
becomb,!, e a cujo respeito em 18 de Maro foram
publicadi.s Editos. A confuso que hoje reina nos ti-
tules j wir que muitos possuidores no tractaram d'
overbar os anteriores nem abrirem os seus, nem os
successors promoveram similbantes deligencias j por
que algumas vzos vze erificaram-se transac'ees sobre
uma propriedale sem sciencia do director senhorio, fa;'
com que hoje nio se saiba quem teria sido o origi-
nario Ibreiro da propriedade em questo. Que dlla
pertence a Vicente Thomas dos Santos evidence j
.pelo document authentic de sizas j pelos Editos
que se publicaram sem comparecer ninguem j por-
ciue effectivamente a possue cm posse mansa e paci-
fica. Que a propriedade foreira Camara tambemn
claro e a Comnmisso da Santa Caza da da Mizericor-


tro, e ladcadas de mratlos fragosos, muitos espinheiros,
e onatras arvores, e arbustos. Endireitando. para o mar
coinecamn as terras do Inhaca, que acabam no rio cha-
mado Belingane que vai desagoar na bahia de Lou-
reno Marques.
Os Cifies liabitadorc.s do serto entire o rio dos
Medos do Ouro, e o reino do Inhaca so desabridos,
erueis, e to atraioados que se no attrevem a aconi-
inetter descobertamente. Andam em magotes pelas
praias, eoutras vezes assomam nos outeiros, e em acer-
tando de encontrar homes broncos comeam d'escara-
Inucar uns com os outros, como gentes que se ensaiam,t
e com gritos e apupadas osacommettem atirando tantas
sajagaias que todo o ar fica coberto d'urna nuvem d'
ellas sem parecer que minguam ; tal a fora, c' ds-
tresa com que as despedem. Pelejam rijamente, e no
ha toca-los com armas d'arremo pela ligeireza com
que fuirtam o corpo: as de fogo so as que s temem,
iaslque o; dispersam, e desbaratam.
No ha que fiar dos tregeitos, e adnmanes d'estes


dia e a do Santilimuo responderam que nonham di-
reito tinham referida projrii a e o mesmo tanmbem
6 d'esperar da: Ri;amitio .:a Jun!oa da Fiendria sseguiido
me disse o Chefe, mas que (s seus affaSz.res no !hie
pernmittiram responder ao CO;, i, que lhe foi dirigido.
Hoje rest Camara um unico recurso segundo o
meu modo de penar, deixar em esquecimento o
passado, e, segundo se acha determinadlo no Juizo pa-
ra que as compras e vendas ou transacCes' sobre
propriedades foreiros nor se vericiiem s-m licnc;a
do directo- senhorio, nfem certidio do pi;'iV<~a to de
trez ultimos annos pairoo que pode lev::r avante o l-
vitre que apresinto e vem a ser que a CLanra airbi-
tre um foro propriedade ,em questto ; e a todas as
outras em identicns circuiis,taniias e made passar a
Carta d'Al':,ramento devendgo o reque:rent(e pagar o
mesmo foro ded, qr(ei polssue a propri'edede.
A Camara om ,qu;auto alguimas vezes venmia a per-
der os foros atraailaos (mas isto quando ao se saiba
couza alguma sobre uma .pr;p)riedzadi') 'cm tudo dei-
xa .regular oTombo'f ral e se para o futuro no hou-
ver desmazelo pode sempre vir a possuir um, Tombo
em terms, para o que concorrero muito os motivos
se.iiintes : 1. que nenhum foreiro pos'.. fazer aiguma
transnacco sobre ; propriedade sem iicei, a do director
senhorio, 2. sem mostrar pagos os feros itzra,.dos pelb
menos de trez ulimos ancios. 36 que o novo possuidor
seja obrigado a nverbar o titolo do anterior e brir o.
seu dentro d'um mez contando da data de licena.
A vista do que a illustre Camara decidir como for
de juslit a.
Cumpre-;ie dizer tombem que em consequencia do
.Escrivo proprietario se achr com lisena e o que.
fa~ vezes d'clle estar pouco habAlitado, vejq-me na
necessidade d'eu mesmo informar os requirimentos.
Paos da Camara Municipail i. de Julho de 18S5.-
Esta conform, Mieli;o Francisco de Menezes.


N.O 4797.-- il.'"" Sr, Sua Ex." O Governador
Geral da Provincia mr'eicarrega de communiicar a V.
S," para os flins convInientes, que por despacho datado


Cafres quando se topa com dous, ou tres d'eiles sol-
taris, por seriemi espias que andam pesquizando os
camnihiantes para os maisi degarrareum, conduzindo-
-os a uigares aonde seja:i roubados, mortos, e s vezes
retalhados e comiitds. Se os camiahantes no cabeim
no engano de tirar lirrgua d'elles, desconfiam que
esto descobertns, (Io subito grades apu'pos, e em
pouco tempo flito um grande ajuntaiimeto d'elles,
havendo a preza por certa. Quando acoimmetite vem
capitaniados por um que trazem i frente por mais
valoroso e desltei ilo: qualquer, arnia de fogo dispa-
rlada n'elle, apenas vem a tiro, a maneira de lhes
escapar ; porque como vejam a umi d'elles varado en
terra, logo se bandeam, e desapparecein como lica dito.
SEm tudo o mai., so estes Cafres simiilhantes aos
precedentes, tem os mesinos usos, alimentam-se das
prvas, e raises da terra, e das fructas silve:stres, e do
milho que semneam, colhem, concertam, -e guizam pela
mesa forma. Vivem de montear elefantes,-e cav.al-
los-imariahoi, enjoi dates so re.gatados por cobri,


-- ii~iii ----1---s~-- - L -Ui-~--i ~C--i11i_--i-l


. 1 *








96'


de hontem foi deferida -a perteno do Contador Geral-
Diiate Manoel da Fonseca, na conformidade da infor-
ihao de V. S." dada em Officio n." 2019 de 5 do cor-
rente mdz; e outro sim por despacho da mesma data
prorogou por mais 6 mezes a licena, que se acha go-
sando o Guarda Marinha por Commisso Bernardino
Antonio Gomes, Deos Guarde a V. S.", Secretaria do'
Governo Geral da Provincia de& Moambique, 7 d'Ou-
tubro de 1854. f.Im"" Sr. Manoel d'Aguiar, Escrivo
Deputado. =Antonio Joze Perleira de Magalhes.





ACCORDAM em Sesso da Junta de Justia etc.-
SQue confirmam a Sentena do Conselho de Guer-
ra, proerida contra o Soldado Jacinto. Pereira, n. 23
do Destacamento expedicionario, na: part que julga
provada a insuboriinaio do mesmo lemento pode-
roso de desordens que destroy todo o prestigio da
Fora armada, que reclama rigoroso e-exemplar cas-
tigo, para seno repetirem feitos de semelhante gra-
vidade, que podem trazer series consequencias Pro-
vincia, aonde a generalidado da Fora armada com-
posta de Degradados. Attendendo porem ao pouco co-
Snh~cimento que ha do Ro, e a poderem ser mais de
pa-.ecimn'ntos que o mesmo allega em sua defeza, e a
ser possivel que quando prticou o crime de que
accuzado no estivesse .no gozo das suas faculdades in-
tellectuaes por vicio organic, e no d'imbriaguez. At-
tendendo igualmente information do Commandante
do Peloto, na qual declare que o Ro temi sido bem
proceilido, e de boa conduct' nos objects de servio;
military, por todos estes motivos e pelos mais que do
pro,"esso cornstam, revogam a 2." parte da referida
Sentena do Conselho .de Guerra, que conderinou o Roo
nas penas dos art. 1., 8. 10. e 2r."'; e o.condem-
nam na pena de degredo por um anno para Ga, com
trabalhos publicos. Moambique em Sesso da Junta de
Jus(ta aos 18 d'Agosto de 1854.-.=Jo ,,Caetano da
Silva Campos.= Vasco Guedes de Carvalho e Mene-


ferro, arame, contas de vidro, e outras quinquiilhe-
rias de resgate, que .so geraes n'esta parte da Cafra-
ria. Andam ns, mais descompostos que os outros Ca-
fies, e tem a mesma corpolencia, e rebuste', mas so
menos azevichados, e tem diverso dialect.
Correm' estes sertes de Noqrdeste a Sud-Oste com
o't io do Espirito Santo, e torrieam grande parteda
bahia de Loureno Marques. Ao Nor-Oeste d'esta ba-
hia, entire este rio, e o Cuama jazem encravadas as
terras da Mocoranga, alem das quaes tudo escondi-
do aos geografos e aos historiadores. Entestam estas
terras com as nossas que 'emos em rios de Senna, e
so as mais ricas ecopiosas em minas d'ouro,'Alli se
cultivain inda hoje, bem que desleixdamentr, e so
as mesmas que' otr'ora tanto deram que fazer`a o i
.a dos.Portuguezes, e que no provir bhey pode ser
lihe tragam ainda no pequena opulencia. Nio pois
fora de proposito fazer d'ellas menco, post queabre'
~ifda, o que praticaremos em logar mais competence.


es. = Candidi Maximo Molhis. = Throbaldo Ahto-
nio da Gama. =Vicetnte Thomaz dos Santos.= An:
tonio Duarte Gomes Castellio. = Fui prezente -- Nar-
cizo Maria d'Aguiar Mendes de Vasconsellos, Capit..
Relator Militar.


II HOSPITAL MI LITA R.
Movimento dos denotes, de 12 a 1 9 .do corrnte.






Eiraram 41 2 3 1
1~tlIect r i '







IEospital Militar de Moaibi 19 d' o 3 1



1 I854. D.' Jacques fficola de S fbis, 1i/ico Mir.



PEaTENDE-SE vendler urna Maxanmba sita em Socutu-
l, comn a 35 e 200 e lar
go qirm aquira e comprar 13ija-se 7
noel Telles da Silva.






Noe tendo ,ido possivel haver reguilaridade na pu-
bFiccaio d'ipte Bietim ; epodendo dar-se os iesmos
moti-os para o future; previnem-se os Sr. A.igoan-
tes pqueit iliztando, om este n., a as 'ignatura do <1.






semestre; sp abriro novas assignaturas por 12, 24
eI 48 n.=), e.n uso por 3, 6 e 12 is, Iesico Mat aili.




para o que s co nvidam todos o. rio.que find la-
prazo de as aqignatuerars diseram cnico nanuar asf-
noel Telles da Silva.

; N, tend *'ido possv.el haverr regulaiilade .na pu- ".



blicgar pora este Boletim ; eTipoenaphia dr-s os mesmo





CAPITULO VI.
motivos'para o ifutao; previnem-se os our. Ano Marquia










4 bahia de Lourenco Marques, ' uia das n*ais fa.
es qua, e filizancipao, com ete n. a intal; a que taml.






bem chamam Bahia Formosa, eBahia d'Al goa. Ape-.
a-semesre; aburenio novas assignatu- por e1, 2ePrt
e .48 n.", e no por 3, 6 e 12 mezes coino al:aqliii






para eiro que eallo fva a resgatar s.Srfi. me faindo .





commnercio coii3aCafraria. .laz esia b a 26 graus
prazo de suas assignaturs cleiraml continuar a2 a'gr-.






gnar t eor a este Bl priacipa mipogplia dio mesmPo -
CAPITbLO Vi.






gu bae a de toupareno Mnrques, De u ii das iroais l'a
mino as, e pvincipaes


bemchamao 'ela para Fmelhor coecermo; d'sl e-i
li a-se rde Lourenco arques, pode ser estohaorts quez
o prro ue ali a esatar mfi abin
comnercio co -aCaf az ea bhia a 26 graus
latitudle Sul, eaaqii pri;ctipiam .Qs domi|i|ios Poirtu-.
guezes a'esta'parte do mundo. De,mos, primeiro umai
dlescripo d'ella para inelhor conhecernos os Reis
cltema rodein, e com quem pode ser rteliamos que2




:



University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs